AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012


o menino de sua mãe

Eu não sei se manda o protocolo mas, nas fotografias de grupo em todas as cimeiras europeias, Passos fica sempre ao lado de Merkel. Se não é graxa, se se trata mesmo de uma questão protocolar, não deixa de ter um valor simbólico: uma mãe que se preza nunca abandona o seu filho. Enternecedor.






Quatro almas

Sonho americano? Conheça 10 fatos chocantes sobre os EUA

Hilary Clinton
 Sonho americano? 10 factos chocantes sobre os EUA

Estados Unidos - 
Diário Liberdade - [António Santos] Maior população prisional do mundo, pobreza infantil acima dos 22%, nenhum subsídio de maternidade, graves carências no acesso à saúde... bem-vindos ao "paraíso americano".Artigo muito elucidativo de António Santos, colaborador do Diário Liberdade nos Estados Unidos.



10 Factos Chocantes Sobre os EUA

Os Estados Unidos têm a maior população prisional do mundo, compondo menos de 5% da humanidade e mais de 25% da humanidade presa. Em cada 100 americanos 1 está preso1.

A subir em flecha desde os anos 80, a surreal taxa de encarceramento dos EUA é um negócio e um instrumento de controlo social: À medida que o negócio das prisões privadas alastra como gangrena, uma nova categoria de milionários consolida o seu poder político. Os donos destes cárceres são também na prática donos de escravos, que trabalham nas fábricas no interior da prisão por salários inferiores a 50 cêntimos por hora. Este trabalho escravo é tão competitivo, que muitos municípios hoje sobrevivem financeiramente graças às suas próprias prisões camarárias, aprovando simultaneamente leis que vulgarizam sentenças de até 15 anos de prisão por crimes menores como roubar pastilha elástica. O alvo destas leis draconianas são os mais pobres mas sobretudo os negros, que representando apenas 13% da população americana, compõem 40% da população prisional do país.

22% das crianças americanas vive abaixo do limiar da pobreza2.

 
Calcula-se que cerca de 16 milhões de crianças americanas vivam sem “segurança alimentar”, ou seja, em famílias sem capacidade económica de satisfazer os requisitos nutricionais mínimos de uma dieta saudável. As estatísticas provam que estas crianças têm piores resultados escolares, aceitam piores empregos, não vão à universidade e têm uma maior probabilidade de, quando adultos, serem presos.


Entre 1890 e 2012 os EUA invadiram ou bombardearam 149 países
3.

São mais os países do mundo em que os EUA intervieram militarmente do que aqueles em que ainda não o fizeram. Números conservadores apontam para mais de 8 milhões de mortes causadas pelos EUA só no século XX. E por detrás desta lista escondem-se centenas de outras operações secretas, golpes de Estado e patrocínio de ditadores e grupos terroristas. Segundo Obama, recipiente do Nobel da Paz, os EUA têm neste momento a decorrer mais de 70 operações militares secretas em vários países do mundo. O mesmo presidente, criou o maior orçamento militar norte-americano desde a Segunda Guerra Mundial, batendo de longe George W. Bush.

Os EUA são o único país da OCDE que não oferece qualquer tipo de subsídio de maternidade
4.
Embora estes números variem de acordo com o Estado e dependam dos contratos redigidos pela empresa, é prática corrente que as mulheres americanas não tenham direito a nenhum dia pago antes nem depois de dar à luz. Em muitos casos, não existe sequer a possibilidade de tirar baixa sem vencimento. Quase todos os países do mundo oferecem entre 12 e 50 semanas pagas em licença de maternidade. Neste aspecto, os Estados Unidos fazem companhia à Papua Nova Guiné e à Suazilândia com 0 semanas.





125 americanos morrem todos os dias por não poderem pagar qualquer tipo de acesso à saúde5.
Se não tiver seguro de saúde (como 50 milhões de americanos não têm), então, tem boas razões para recear mais a ambulância e os cuidados de saúde que lhe vão prestar, que esse inocente ataquezinho cardíaco. Com as viagens de ambulância a custarem em média 500€, a estadia num hospital público mais de 200€ por noite, e a maioria das operações cirúrgicas situadas nas dezenas de milhar, é bom que possa pagar um seguro de saúde privado. Caso contrário, a América é a terra das oportunidades e como o nome indicam, terá a oportunidade de se endividar até às orelhas e também a oportunidade de ficar em casa, fazer figas e esperar não morrer desta.

Os EUA foram fundados sobre o genocídio de 10 milhões de nativos. Só entre 1940 e 1980, 40% de todas as mulheres em reservas índias, foram esterilizadas contra sua vontade pelo governo americano
6.

Esqueçam a história do Dia de Acção de Graças, com índios e colonos a partilhar placidamente o mesmo peru à volta da mesma mesa. A História dos Estados Unidos começa no programa de erradicação dos índios. Tendo em conta as restrições actuais à imigração ilegal, ninguém diria que os fundadores deste país foram eles mesmo imigrantes ilegais, que vieram sem o consentimento dos que já viviam na América. Durante dois séculos, os índios foram perseguidos e assassinados, despojados de tudo e empurrados para minúsculas reservas de terras inférteis, em lixeiras nucleares e sobre solos contaminados. Em pleno século XX, os EUA puseram em marcha um plano de esterilização forçada de mulheres índias, pedindo-lhes para colocar uma cruz num formulário escrito num língua que não compreendiam, ameaçando-as com o corte de subsídios caso não consentissem ou, simplesmente, recusando-lhes acesso a maternidades e hospitais. Mas que ninguém se espante, os EUA foram o primeiro país do mundo a levar a cabo esterilizações forçadas ao abrigo de um programa de eugenia, inicialmente contra pessoas portadoras de deficiência e mais tarde contra negros e índios.

Todos os imigrantes são obrigados a jurar não ser comunistas para poder viver nos EUA
7.
Para além de ter que jurar que não é um agente secreto nem um criminoso de guerra nazi, vão-lhe perguntar se é, ou alguma vez foi membro do “Partido Comunista”, se tem simpatias anarquista ou se defende intelectualmente alguma organização considerada “terrorista”. Se responder que sim a qualquer destas perguntas, ser-lhe-á automaticamente negado o direito de viver e trabalhar nos EUA por “prova de fraco carácter moral”.

O preço médio de uma licenciatura numa universidade pública é 80 000 dólares
8.

O ensino superior é uma autêntica mina de ouro para os banqueiros. Virtualmente todos os estudantes têm dívidas astronómicas, que acrescidas de juros, levarão em média 15 anos a pagar. Durante esse período os alunos tornam-se servos dos bancos e das suas dívidas, sendo muitas vezes forçados a contrair novos empréstimos para pagar os antigos e ainda assim sobreviver. O sistema de servidão completa-se com a liberdade dos bancos de vender e comprar as dívidas dos alunos a seu bel-prazer, sem o consentimento ou sequer a informação do devedor. Num dia deve-se dinheiro a um banco com uma taxa de juro e no dia seguinte, pode-se dever dinheiro a um banco diferente com nova e mais elevada taxa de juro. Entre 1999 e 2012, a dívida total dos estudantes americanos ascendeu a 1.5 triliões de dólares, subindo uns assustadores 500%.

Os EUA são o país do mundo com mais armas: para cada 10 americanos, há 9 armas de fogo9.

Não é de espantar que os EUA levem o primeiro lugar na lista dos países com a maior colecção de armas. O que surpreende é a comparação com o resto do mundo: No resto do planeta, há 1 arma para cada 10 pessoas. Nos Estados Unidos, 9 para cada 10. Nos EUA podemos encontrar 5% de todas as pessoas do mundo e 30% de todas as armas, qualquer coisa como 275 milhões. E esta estatística tende a se extremar, já que os americanos compram mais de metade de todas as armas fabricadas no mundo.

São mais os americanos que acreditam no Diabo que os que acreditam em Darwin.
10

A maioria dos americanos são cépticos; pelo menos no que toca à teoria da evolução, em que apenas 40% dos norte-americanos acredita. Já a existência de Satanás e do inferno, soa perfeitamente plausível a mais de 60% dos americanos. Esta radicalidade religiosa explica as “conversas diárias” do ex-presidente Bush com Deus e mesmo os comentários do ex-candidato Rick Santorum, que acusou os académicos americanos de serem controlados por Satã.
 
 

Um pouco de poesia: Bernardim Ribeiro e um bocadinho da Écloga de Jano e Franco


"Dizem que havia um pastor,
Entre Tejo e Odiana,
Que era perdido de amor
Por uma moça Joana.
Joana patos guardava
Pela ribeira de Tejo,
Seu pai acerca morava
E o pastor, de Alentejo
Era, e Jano se chamava.
...
E levando o gado
No outro dia, à ribeira,
Joana acertou de ir ver,
Que se andava pela beira
Do Tejo a flores colher.

Vestido branco trazia
Um pouco afrontada andava;
Fermosa bem parecia
Aos olhos de quem na olhava.
Jano, em vendo-a, foi pasmado;
Mas, por ver que ela fazia,
escondeu-se antre um prado.
Joana colhia flores
Jano colhia cuidado."
...

(ÉCLOGA DE JANO E FRANCO)

Nota: as fotografias foram tiradas (por mim) em Castelo de Vide e as esculturas são da autoria de Santos Lopes

O Falcão de Jade

os meus heróis - António Garrochinho




Durão Barroso – Sem data...


Durão Barroso, o oportunista que abandonou o cargo para que tinha sido eleito em Portugal, para "caçar" um tacho mais vistoso na Europa, joga na possibilidade de que os portugueses continuem suficientemente amnésicos para acharem que ele tem perfil, ou sequer, carácter, para ser Presidente da República.
Alguns portugueses, no entanto, não esquecem. Não esquecem também o seu papel na "cimeira da guerra", em que se abriu a porta ao assassinato de milhares de iraquianos, crianças, mulheres e homens inocentes, sob o pretexto de eles possuírem umas armas “imaginárias”, posse de que ele "vira" as provas, mentira e crime em que foi acompanhado pela União Europeia.
Quando vi na imprensa os sorrisos alarves de Durão, da nulidade Herman van Rompuy e de um outro que nem sei quem é, recebendo o Nobel da Paz... lembrei-me desta imagem que aí tinha, imagem com uma marca de sapato que, iria jurar, foi deixada pela pata de José Manuel Durão Barroso.
Só não sei se a pegada tem data de antes, ou depois do prémio Nobel da Paz!

Israel apanha “tiro pela culatra” da próspera indústria dos drones

Israel apanha “tiro pela culatra” da próspera indústria dos drones
por Arieh O’Sullivan 
 

Más notícias para o militarismo sionista que sonha com uma guerra de grande escala no Médio Oriente. Um drone iraniano voou ao longo da costa de Israel e penetrou fundo no país, ficando perigosamente próximo do sítio do complexo nuclear israelita. Ironicamente, o incidente revelou também como Israel, um dos principais exportadores mundiais de drones, estará talvez a provar o sabor do seu próprio veneno ou, no jargão da CIA, a receber um blowback (tiro pela culatra).
 
JERUSALEM — O drone iraniano que na passada semana voou ao longo da costa de Israel e depois penetrou fundo no país, ficando perigosamente próximo do sítio do complexo nuclear israelita, conseguiu abalar a auto confiança de Israel.

Uma das primeiras medidas das Forças de Defesa Israelitas (FDI) foi instalar rapidamente baterias antiaéreas Patriot fabricadas nos EUA para reforçar as defesas no norte de Israel. Foi então localizado um outro objecto não identificado que levou o governo a tomar a medida extrema de fechar o espaço aéreo, anular todos os voos comerciais e activar os jactos de combate.

As fontes militares insistem que a penetração do drone no espaço aéreo protegido não foi uma falha de segurança, mas o facto parece ter acendido uma luz vermelha no país que tem detido o monopólio de drones operacionais na região.

A ideia que os inimigos de Israel podem agora penetrar no seu espaço aéreo é alarmante e levanta o dilema da “Idade dos Drones” sobre como a proliferação na era pós-11/9 de veículos aéreos não-tripulados (UAV’s) pode agora minar a segurança global.

Ironicamente, o incidente revelou também como Israel, um dos principais exportadores mundiais de drones, estará talvez a provar o sabor do seu próprio veneno ou, no jargão da CIA, a receber um blowback (tiro pela culatra).

“Os drones desfazem a glória da guerra.” - Martin van Creveld, historiador militar

O chefe do Hezbollah, Sheikh Hassan Nasrallah, estava bem ciente do sentido de vulnerabilidade de Israel em plena proliferação dos drones quando se vangloriou na TV Al-Manar de peritos da sua organização terem montado e enviado para Israel o drone fabricado no Irão.

“Não foi a primeira vez e não será a última,” disse o líder da organização paramilitar e política xiíta no Líbano conhecida como “Partido de Deus”, uma das organizações terroristas na lista dos EUA. Fontes da segurança de Israel afirmam que o Hezbollah tem uma certa quantidade de UAV’s, alguns adaptados para transporte de bombas.

Enquanto Israel nunca admitiu operar UAV’s equipados com mísseis (ainda que o antigo primeiro-ministro Ehud Barak uma vez o tenha deixado escapar em directo na TV), os EUA têm marcado o tom com o uso do Predator para atingirem operacionais jihadistas e da Al-Qaida no Iémen, no Paquistão e no Afeganistão. Trata-se de uma estratégia altamente desestabilizadora, segundo alguns analistas.

“A utilização de drones em qualquer conflito é antes de mais não-ética. Os drones têm sido um factor de desestabilização. Têm sido usados efectivamente no Paquistão para combater a Al Qaida, mas as consequências têm sido dramaticamente negativas. E o mesmo se passa no Iémen,” disse Ayman Khalil, director do Instituto Árabe de Estudos de Segurança com base em Amman, na Jordânia.

Mais em GlobalPost: Vêm aí drones mais mortíferos

“Foi uma faísca importante para a revolução,” acrescentou Khalil, “porque mostrou que este regime foi ultrapassado pela utilização diplomática dos drones. Na minha opinião, pode-se dizer que o uso de drones pode ter efeitos negativos que incluem o de mostrarem os governos hóspedes poderem ser penetrados por um governo estrangeiro.”

Nos anos recentes, os UAV’s desempenharam um papel dominante nas operações da força aérea israelita (FAI) em várias frentes, principalmente no Líbano e na faixa de Gaza e dão conta de um quarto do nº total de horas de voo da FAI, de acordo com a revista da Defesa de Israel.

Mas, a seguir à penetração do drone lançado pelo Hezbollah, os comandantes militares israelitas estão preocupados com a ideia de que, se o Hezbollah os tem, é apenas uma questão de tempo até irem parar a mãos palestinianas na faixa de Gaza. De facto, o trajecto de voo da incursão do drone na semana passada levou-o à fronteira entre Israel e a faixa de Gaza, talvez numa tentativa de o apresentar como vindo da faixa costeira detida pelo Hamas.

Alon Unger, administrador da Op-Team-UM, que oferece consultoria a Israel e empresas estrangeiras sobre UAV’s, disse que “a maior parte dos países deve considerar os sistemas não-tripulados como uma ameaça utilizada por terroristas.”

“A realidade é que a utilização de veículos não-tripulados alastra e a questão é só a que velocidade isso vai acontecer,” acrescentou Unger, que é presidente da próxima conferência sobre veículos não-tripulados em Israel em Novembro próximo.

“Penso que a parte difícil dos sistemas não-tripulados está ultrapassada. Não são muito complicados de operar para missões não-complexas. Contudo, é o homem por detrás do sistema não-tripulado que fará a diferença,” disse.

A defesa aérea israelita afirma ter detectado o UAV no mar e tê-lo seguido quando entrou no espaço aéreo israelita a 12 mil pés. Foi fotografado e monitorizado durante 20 minutos, até ter voado perigosamente próximo de Dimona, local do complexo nuclear de Israel. Foi dada ordem a um F-16 para o abater. O primeiro míssil antiaéreo falhou, mas um segundo disparado um minuto depois atingiu-o, fazendo-o cair numa floresta onde os militares aguardavam para a recolha dos fragmentos.

Procurando marcar pontos na propaganda, a agência de notícias iraniana Fars anunciou que o comandante da Divisão de Defesa Aérea de Israel, brigadeiro-general Doron Gavish, tinha sido demitido devido às suas forças terem falhado na detecção do drone. Fontes militares israelitas confirmaram que Gavish foi substituído, mas de acordo com o planeado há meses. Além disso, o ministro da defesa de Israel difundiu dias depois uma foto do ministro da defesa Ehud Barak visitando uma base de defesa aérea no norte de Israel para elogiar os homens e mulheres aí de serviço pela detecção do drone.

Israel é uma das potências mundiais de desenvolvimento e fabrico de grande variedade de UAV’s, vendendo-os em todo o mundo, desde a América Latina, ao Extremo Oriente e ultimamente a África, o seu mais recente mercado.

Os peritos dizem que o mercado global de drones está em expansão e que os itens mais atraentes são os modelos mini, micro e gigantes, que executam cada vez mais missões anteriormente desempenhadas pela aviação tripulada.

“O mercado de UAV’s está em vias de se desenvolver a passos gigantes e de se tornar o maior bloco de vendas de aeronaves no mundo,” disse Arie Egozi, perito de aviação que cobriu a indústria de drones de Israel durante mais de duas décadas.

Os dois maiores fabricantes de UAV, a Indústria Aerospacial de Israel (IAI) e a Elbit Systems Ltd., estão bem conscientes da necessidade de cooperarem para apanharem parte importante do crescente mercado global de UAV’s. Hoje, o mercado está avaliado em 6 mil milhões de dólares, mas espera-se que duplique na próxima década e cresça até ao que alguns executivos do ramo da defesa de Israel calculam que pode alcançar 50 mil milhões em 2020.

Dizem certas fontes que este mercado global de drones rapidamente em crescimento exige cooperação íntima para reduzir a influência de ‘novos atores’ no mercado, principalmente da Europa e da China. De momento, os EUA e Israel dominam o mercado e têm vendido agressivamente os seus produtos nas feiras aéreas internacionais, de Dubai a Paris.

Israel está de facto a acelerar para alargar as suas vendas, dizem fontes da indústria de defesa israelita. A África tornou-se o último mercado importante para os fabricantes israelitas de UAV’s, acrescentam. Os países africanos procuram especificamente UAV’s de “primeira qualidade”, para simples vigilância e espionagem sem carga.

Recentemente, o ministro israelita da Defesa aprovou a venda dos UAV “Heron” da IAI a alguns países africanos. A IAI, a Elbit e a Aeronautics venderam sistemas UAV a Angola, Quénia, Costa do Marfim, Nigéria, Etiópia e Tanzânia. Os fabricantes israelitas de UAV’s conseguiram facilmente o mercado do continente africano e a única competição longínqua que enfrentam é da África do Sul, disse Egozi.

Mas, os clientes mais fortes de Israel estão a oriente, na Índia, em Singapura e no Azerbaijão. A Índia estabeleceu fortes laços militares com as indústrias de defesa israelitas e tornou-se o seu mais lucrativo mercado depois de Washington ter feito baixar as vendas militares de Israel para a China há uma década. As forças armadas indianas usam correntemente cerca de 100 UAV’s Searcher-II e 60 Heron, ambos fabricados pela IAI, mas estão também em vias de desenvolverem os seus próprios drones com a ajuda de Israel.

Esses UAV’ são sobretudo usados para vigiar a fronteira com o Paquistão, onde UAV’s operados por americanos estão em serviço. O Paquistão tem feito pressão para receber o Predator armado, fabricado pela General Atomics em San Diego, como parte do pacote de ajuda militar de Washington. O subsecretário da Defesa dos EUA Michele Flournoy terá garantido no mês passado à Índia que só seriam vendidos ao Paquistão drones desarmados. Mas, Islamabad ainda está esperançada em obter Predators armados no futuro próximo. Entretanto, o Paquistão tem estado a desenvolver de parceria com a China um drone armado, o que o colocaria em vantagem sobre a Índia, que não possui qualquer UAV armado reutilizável.

Entra de novo Israel.

Israel abasteceu a Índia com alguns drones “kamikazes” chamados Harpy, que pairam sobre alvos como instalações de radar e depois se ajustam para o golpe, autodetonando-se quando o atingem. Porém, a Índia pretende o que é conhecido como Veículo Aéreo Não-tripulado de Combate (UCAV), de preferência com aptidão para altitude média e longa duração. Israel está a ajudá-la a desenvolver o Rustom, que pode voar a 9000 metros durante até 24 horas e mais de 1000 quilómetros e pode alegadamente funcionar como drone assassino que poderia ser usado contra suspeitos terroristas em Cachemira.

Mais próximo de casa para Israel é o Azerbaijão, que adquiriu mais de 1600 milhões de dólares de equipamento militar israelita, incluindo cinco drones Heron e cinco Searchers, ambos feitos pelo IAI, e uma dúzia de Hermes 450, fabricados por Elbit. Um deles foi aparentemente abatido pelas forças arménias no ano passado sobre o enclave em disputa de Nagorno-Karabakh.

Não foi o primeiro UAV feito em Israel a ser perdido na região. Houve também outros, lançados e perdidos pelo pequeno exército georgiano em 2008. As indústrias nacionais de defesa de Israel estão dependentes das vendas ao estrangeiro de modo a poderem sobreviver e o ramo de Cooperação & Exportação da Defesa do ministério da Defesa está bem organizado para dar uma ajuda, mesmo que tal signifique por vezes um conflito de interesses. A Elbit forneceu à Geórgia drones de vigilância Hermes 450 e, quando rebentou o conflito com a Rússia sobre a Ossetia do Sul em 2008, a Rússia conseguiu abater três deles.

A coisa tornou-se ainda mais complicada. De acordo com dados divulgados pela WikiLeaks, Israel cedeu à Rússia dados secretos sobre os códigos de ligação para os drones da Geórgia, em troca pelos códigos do complexo de mísseis Tor-M1 vendido por Moscovo ao Irão. Isto teria permitido à Rússia entrar nos drones da Geórgia e fazê-los cair e a Israel penetrar ou desactivar os mísseis antiaéreos iranianos.

“Os russos viram como eram eficientes (os drones israelitas) e acabaram por assinar negócios com a Industria Aerospacial Israelita para desenvolver um UAV conjunto,” disse Egozi.

Inicialmente, a IAI vendeu-lhes o mini Bird-Eye 400, o I-View Mk 150 de curto alcance e o Searcher II de maior alcance. Mas, isso levou a um contrato no valor de 400 milhões de dólares entre a IAI e o grupo russo Oboronprom OPK, em que a Rússia fabrica o Heron 1, um dos mais avançados UAV’s de Israel. A experiência russa com UAV’s era então virtualmente nula e este contrato marcou uma das primeiras compras pela Rússia de um sistema de armamento estrangeiro.

Por essa altura, Jacques Chemia, engenheiro-chefe da divisão de UAV’s da IAI, disse aos jornalistas “Israel é o primeiro exportador mundial de drones, com mais de 1000 vendidos em 42 países.”

Os documentos da WikiLeaks revelaram além disso que Washington se opôs à cooperação de Israel com a Rússia nos drones.

“A tecnologia dos UAV’s de Israel é totalmente ‘azul e branca’,” disse Egozi, utilizando uma expressão que significa ‘made in Israel.’

“Desde os materiais compósitos à capacidade de carga útil, os EUA vêm os drones israelitas como competição a sério, como o Heron TP contra o Predator,” acrescentou Ergozi.

Israel continuou a penetrar no mercado dos UAV’s, mesmo junto de potenciais clientes dos EUA. A Alemanha operou o Heron 1 da IAI para missões no Afeganistão. O projecto Watchkeeper do Reino Unido baseia-se no UAV Hermes-450 da Elbit. A Polónia anunciou recentemente estar a substituir o avião de combate Sukhoi-22 por UAV’s e planeia adquirir entre 125 a 200 drones. Israel vai subindo com este lucrativo negócio. Tanto a França, como a Alemanha estavam para comprar o Heron TP de maior escala, mas devido a mudanças nos respectivos governos estão actualmente reavaliando o assunto.

Além disso, Israel enfrenta crescente competição da parte dos EUA. O Washington Post informou recentemente que a General Atomics recebeu autorização para exportar para o Médio Oriente e para a América Latina um drone Predator desarmado de primeira geração, de acordo com a porta-voz da companhia Kimberly Kasitz. A General Atomics está agora em conversações com a Arábia Saudita, os Emiratos Árabes Unidos e o Egipto, entre outros, disse ela. Do mesmo modo, os europeus estão ansiosos por entrarem no mercado. Uma fusão pendente entre a EADS e a BAE Systems da Grã-Bretanha poderia estabelecer condições para cooperarem e desenvolverem os seus próprios UAV’s.

“Estão a ser inventadas uma quantidade de aves, mas fazer um bom centro de controlo no solo e lidar com uma missão não é fácil,” disse o consultor de UAV’s Ungar. “Há uma grande diferença em ter a capacidade e ter um sistema operacional. Há mais de 600 empresas no mundo fabricando sistemas não-tripulados, mas o difícil é fazer um sistema operacional funcionando 24 h por dia e 7 dias por semana.”

Disse ele que o mercado está a mudar e que os clientes não estarão apenas a procurar pela gama, resistência e capacidade de carga dos UAV’s, mas também pela sua capacidade para encontrarem os alvos e concluírem a missão. Trata-se de uma área onde sente que Israel tem a experiência e o marketing decisivos.

A proliferação de drones não está restrita aos países ocidentais. A China introduziu-se rapidamente no mercado dos UAV’s com vontade determinada de recuperar. Começaram por apresentar os seus modelos nas feiras comerciais. Mas foi o Irão o último a anunciar um novo tipo de drone de combate. O comandante do corpo de Guardas da Revolução Islâmica major-general Mohammad Ali Jafari revelou em Setembro passado que o novo UAV chamado “Shahed 129” podia voar 2000 quilómetros e lançar mísseis que punham Tel Aviv ao seu alcance.

“Disse-se que se usavam drones porque eram mais precisos e evitavam danos colaterais. Foi essa a principal razão para os introduzir. Mas, o inimigo aprende a adaptar-se e de qualquer modo não parece que se tenham tornado mais precisos,” disse Martin van Creveld, historiador militar proeminente que escreve sobre o futuro da guerra.

“Sugiro que no 14 de Julho, dia da Bastilha, em vez de voarem sobre os Campos Elísios com aviões de combate, os franceses usem antes drones. Seria uma parada de drones, porque é nisso que a guerra se está a transformar,” disse Creveld.

“A guerra foi sempre combatida em parte pela glória e não se consegue a glória matando, mas arriscando a vida. Os drones roubam a glória à guerra. Com robots, a glória vai-se toda embora,” disse Creveld, autor de The Transformation of War (A Transformação da Guerra). “Não seria talvez uma boa coisa?”


 
 
Tradução: Jorge Vasconcelos


Fonte: O Diário   www.odiario.info



Mafarrico Vermelho

MAIS DE 50 RAZÕES PARA NOS ORGULHARMOS DE PORTUGAL


Um país com quase 900 anos de história não pode ser um acidente histórico. Um país com quase 900 anos de história não pode ser um país de derrotados. Um país com quase 900 anos de história não pode estar condenado ao declínio e ao desaparecimento. Eis 52 motivos para nos orgulharmos do que Portugal e os portugueses fizeram e deram ao mundo desde 1143. Mas há pelo menos dez vezes mais razões para se amar Portugal...

MAIS DE 50 RAZÕES PARA NOS ORGULHARMOS DE PORTUGAL NAÇÃO

1- Os portugueses inventaram a caravela. Na altura em que o fizeram era um barco revolucionário
porque permitia a navegação contra o vento, ao contrário do que acontecia ate aí com todas as
outras embarcações conhecidas.

- As viagens das Descobertas nao seriam possíveis sem o génio e o engenho dos matemáticos e cosmografos, que colocaram nas mãos dos navegadores um instrumento tao simples como
eficaz: o astrolábio. Consiste no desenvolvimento de uma ideia da antiga Grecia, que nos
chegou por via dos árabes. Conhecem-se instrumentos construídos no século X, e há, por todo
o mundo, cerca de 1500 astrolábios antigos de vários tipos, incluindo os náuticos. O astrolábio
que existia no inicio da epoca das Descobertas e o chamado astrolábio planisférico, um instrumento
muito complexo e delicado, destinado não só a medir a altura das estrelas e calcular as horas pela
posição do Sol como também a prever a posição dos astros para determinado dia do ano e para
determinada hora.

- A balestilha e um instrumento utilizado para medir a altura em graus que une o horizonte ao
astro e dessa forma determinar os azimutes, antes e depois da sua passagem meridiana. Foi bastante
utilizado pelos portugueses na época dos Descobrimentos. A versão do instrumento na imagem e própria para ser usada em alto mar, através de observações da altura do Sol na identificação da latitude do navio. Tera sido o primeiro instrumento desta época para trazer o astro ao horizonte do mar, mesmo tendo aparecido depois do astrolábio e do quadrante. Foi dos instrumentos mais utilizados durante os Descobrimentos; crê-se que tenha sido inventado pelos portugueses.

4 - A barquinha e umdos mais antigos aparelhos que se conhece para medir a velocidade de um barco. Inventado por Bartolomeu Crescêncio.

5 - O atlas de LopoHomeme o primeiro atlas terrestre conhecido (1519). LopoHomem era cartógrafo oficial do reino nas primeiras décadas do seculo XVI.

6 - O tratado das plantas medicinais da India, elaborado por Garcia da Orta e publicado em 1563, é a primeira obra sobre este tema e aquela região de que há conhecimento.

 7 - O padre Manuel António Gomes, mais conhecido por Padre Himalaya, inventou um instrumento
que é o antepassado do painel solar, pois transforma os raios solares em energia. Em Paris, estudou com o fisico Berthelott e outros conhecidos professores, enquanto trabalhava nas suas teorias matemáticas e astronómicas para a construção de um aparelho inovador de concentração da radiação solar. Depois de várias tentativas e aparelhos experimentais, os seus esforços culminaram na construção do pirelioforo, que significa "eu trago o fogo do sol". Com este aparelho conseguiu atingir uma temperatura de aproximadamente 3500ºC com recurso apenas a radiação solar, suficiente para fundir a maior parte dos metais ou rochas. Este aparelho constituiu a grande atração da Exposição Universal de St. Louis, em 1904, ganhando duas medalhas de ouro e uma de prata.

8 - A primeira viagem de circum-navegação da Terra foi concretizada pelo navegador português
Fernão de Magalhães (1519-1521), embora ao serviço do rei de Espanha.

9 - O "português de ouro" (ou cruzado manuelino de ouro), do tempo de D. Manuel I, foi uma moeda que se afirmou internacionalmente no século XVI, tendo sido adotada como moeda padrão nos mercados internacionais. Mesmo muito tempo depois de ter deixado de ser cunhada em Portugal, o seu prestígio era tal que, entre 1570 e 1640, várias cidades europeias, entre as quais as da Liga Hanseatica, cunharam moeda de ouro de 10 cruzados, tal como o português de ouro, com a cruz de Cristo no anverso, dando origem aos Portugaloser (portugaloides), que por vezes exibiam a legenda: "Ad valorem Emanvel reg Portugal" (Pelo valor Manuel rei de Portugal) e de acordo com o justo peso e liga do português. O cruzado de ouro manuelino inscreveu-se na história monetária do mundo como divisa de referência e como valor de refúgio para entesouramento. Foi o sucessor de uma galeria de divisas notaveis.(Como o Capital Financeiro Conquistou o Mundo), de Jorge Nascimento Rodrigues).

10 -  A passarola, do padre e cientista português Bartolomeu de Gusmao, foi a primeira máquina
conhecida a efetuar um voo e antecede em 74 anos o famoso balão dos Montgolfier. A passarola
era um aerostato, cujas características técnicas nao são atualmente conhecidas na totalidade, tendo
voado no ano de 1709.

11 -  A primeira travessia aerea do Atlântico Sul foi realizada por Gago Coutinho e Sacadura Cabral. A heroica viagem iniciou-se em Lisboa as 16h30 do dia 30 de março de 1922, num hidroavião monomotor Fairey FIII--D MkII, com um motor Rolls-Royce e batizado "Lusitania", e
terminou 79 dias depois, na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, após muitas e inesperadas vicissitudes.

12 - Portugal foi o primeiro pais europeu a abolir a pena de morte, em 1 de julho de 1867.

13 - O primeiro nónio foi um processo de medição inventado pelo matemático português Pedro
Nunes. Quando aplicado num instrumento, este processo possibilitava as medições com rigor de alguns minutos de grau, permitindo planear a navegação com uma margemde erro da ordem da dezena de quilometros.

14 - O telemovel pre-pago foi inventado pela PT em 1995 e popularizado em Portugal com o
nome de Mimo e no Brasil com o nome de Baby. Foi adotado a nível mundial por todos os operadores de telecomunicações.

15 - A cientista Elvira Fortunato, juntamente com outros cientistas portugueses, da Faculdade
de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, inventou o primeiro transistor de papel,
uma descoberta que pode permitir a criaçãao de sistemas eletrónicos descartaveis a baixo custo.

16 - Osistema portugues de pagamentos por multibanco é dos mais desenvolvidos do mundo,
permitindo fazer operações impossíveis noutros países, como os Estados Unidos ou a Alemanha.

17 - A Via verde, o mais comodo meio de pagar portagens nas autoestradas, foi desenvolvido por
engenheiros portugueses e aplicado pela Brisa.

18 - O metodo all-on-4 para desdentados totais foi inventado por Paulo Malo e está hoje em expansão em todo o mundo. Este método permite dotar os desdentados totais de uma dentadura fixada atraves de parafusos aos ossos da cara em nao mais que seis horas.

19 - Portugal tem o melhor peixe e marisco do mundo, segundo o grande chefe catalão Ferran Adria, o chefe Thomas Keller, que dirige o Per Se, o melhor restaurante dos Estados Unidos, e o chefe Eric Ripert, que dirige o restaurante Le Bernardin, em Nova Iorque.

20 - Portugal regista a maior onda do mundo alguma vez surfada, com 30 metros de altura, igual a um predio de dez andares, pelo havaiano Garret McNamara.

21 - Em 2010, o Instituto Pedro Nunes, de Coimbra, foi considerado a melhor incubadora de empresas do mundo. Em 2011, o Madan Parque, da Faculdade de Ciências da Universidade Nova, foi
considerado a terceira melhor incubadora.

22 - Somos líderes mundiais na produção de feltros para chapéus, atraves da Fepsa, uma empresa
de São João da Madeira.

23 - Somos lideres ibéricos na produção e inovação de produtos a partir do ovo, através da
Derovo.

24 -Temos a livraria mais antiga do mundo (Livraria Bertrand, na Rua Garrett, em Lisboa,
desde 1732).

25 - Temos o maior castelo insuflável do mundo (em Braga e tem cerca de 30 metros de altura).

26 - Em Portugal existe o maior sobreiro e a maior floresta de cortiça do mundo (102 toneladas,
33% da area mundial de sobreiros e 51% da produção mundial).

27 Somos líder europeu e estamos em segundo lugar a nível mundial no fabrico de monofilamentos para fins técnicos ou para a pesca, produzidos pela Filkemp.

28 - Somos líderes em tecnologia para o desenvolvimento de software empresarial seguindo
metodologias ágeis, através da OutSystems.

29 -  A Altitude Software e líder mundial de software para contact centres.

30 - O Navigator, produzido pela  Portucel, e líder mundial de papel de escritório.

31 - Os Caiaques Nelo equiparam mais de 80% dos participantes nas provas de canoagem nos últimos Jogos Olímpicos de Londres e conquistaram cerca de 40% das medalhas.

32 - Os fatos de banho LZR Racer com que Michael Phelps bateu diversos recordes mundiais nos Jogos Olímpicos de Pequim são produzidos em Portugal, pela Petratex. 94% das provas foram ganhas
por atletas que usaram estes fatos de banho.

33 - O vestuário interior e exterior que equipa os astronautas da Agencia Espacial Europeia e a Agência Espacial Internacional também são produzidos pela Petratex.

34 - Sediada na Ericeira, a NFive detem 75% do mercado global de software para cartões de identificação.

35 - Portugal tem dois prémios Nobel: Egas Moniz (Medicina) e Jose Saramago (Literatura).

36 - O país fez a maior ponte aérea do mundo em1975, quando cerca de 700 mil pessoas regressaram das ex-colónias.

37 - A Renova revolucionou o papel higiénico, ao produzir este produto em diversas cores ou humedecido com loção e perfume.

38 -  Portugal e precursor na inovação em têxteis-lar, desenvolvendo lençois com cheiros, antibacterianos, etc.

39 - Os criadores portugueses inventaram o primeiro sapato antibalas.

40 - Portugal tem o melhor treinador de futebol do mundo (Jose Mourinho) e um dos dois melhores jogadores (Cristiano Ronaldo).

41 - A portuguesa Rosa Mota foi eleita a melhor maratonista feminina de sempre pela Federação
Internacional de Atletismo.

42 - A francesinha foi eleita uma das dez melhores sanduíches do mundo pelo site norte--americano AOL Travel.

43 - Cientistas internacionais elegeram a Fundação Champalimaud o melhor sítio para os pos-
-doutorados trabalharem fora dos EUA.O inquerito envolveu 1500 investigadores e os resultados foram publicados na revista "The Scientist". Por sua vez, o Instituto Gulbenkian de Ciência foi considerado a oitava melhor instituição para pos-doutorados trabalharem, segundo a mesma revista.

44 - A indústria portuguesa de moldes de plástico e o estado da arte neste sector e o oitavo fornecedor mundial de moldes de precisão, em particular para a indústria de plásticos.

45 -  Manoel de Oliveira, 104 anos, o mais antigo cineasta mundial em atividade, viu o seu filme
"O Estranho Caso de Angelica" ser considerado um dos melhores de 2010 pela revista norte-americana "New Yorker".

46 - As rolhas de cortiçaa premium TopSeries da Corticeira Amorim, com acabamentos em prata, foram as escolhidas para equipar as garrafas do uisque mais caro do mundo, o Dalmore Trinitas 64, cujo preço ascende a 115 mil euros.

47 - O pastel de Belém integra em 15º lugar a lista elaborada pelo jornal britânico "The Observer" dos cmelhores pratos e especialidades que podem ser degustados em todo o mundo.

48 - O Museu de Portimão foi eleito em 2011 o melhor do ano pelo Conselho da Europa, tendo integrado a lista final dos 19 nomeados para o Premio Micheletti 2011. Museu Industrial Europeu do Ano.

49 - A Casa da Música, no Porto, foi considerada um dos cinco edificios mais representativos
da arquitetura mundial da primeira decada do século XXI pelo "The Times".O projeto é do arquiteto holandes Rem Koolhaas.

50 - Portugal e líder mundial na produção e transformação de cortiça, com 53% do total. A quase
totalidade deste produto transformado (mais de 90%) destina-se aos mercados externos.

51 - Portugal foi considerado em 2010 o país mais avançado da União Europeia no que toca a disponibilização de serviços públicos online, de acordo com o relatório da Comissão Europeia sobre o tema.

52 - O portugues Miguel Amado foi selecionado para trabalhar no departamento de curadoria da Tate Gallery, no Reino Unido, classificando-se em primeiro lugar entre 557 candidaturas de mais de 60 países. Por sua vez, Pedro Gadanho foi escolhido para ser o curador do departamento de Arquitetura e Design do MoMA (Museum of Modern Art) de Nova Iorque.
nsantos@expresso.impresa.pt
EXPRESSO - REVISTA 1/DEZ/12
A especiaria

CDS sem voz no governo, diz Portas –malandrice (!).

mais um perdoai-me de Portas.Dez.2012

Portas diz que voz do CDS “não foi ouvida” no OE, o Raul Solnado diria – malandrice. 

Que um governante faça o contrário do que prometeu antes de eleito é uma patifaria. Que um partido que governa em coligação aprove medidas com as quais não concorda em pleno, num processo de negociação e contrapartidas, é a vida.  

Mas um partido, como o CDS/PP de Portas, que viabiliza tudo aquilo que diz discordar e depois vem publicamente queixar-se, é da mais profunda miséria política. Cínico e sem vergonha. 

Não há “pé dentro e pé fora” do governo, isso é engenho fantasista do marketing político. O governo Vítor Gaspar/Passos/Portas é coeso até prova em contrário.  

A prova em contrário seria o fim do compromisso que originou a coligação, esse compromisso, como se percebe, é o apoio parlamentar do CDS, em troca de lugares no aparelho do Estado e tachos circunvizinhos bem remunerados. 

Portas olha para o seu futuro, uma provável carreira “lá fora”. Não se importa, como Passos Coelho, de prejudicar os seus autarcas de imediato e o destino do partido. 

Vamos assistir a mais deste fingimento, da direcção do CDS e do seu grupo parlamentar, até porque o CDS não tem massa crítica interna que o impeça voltar a ser um “partido do táxi”, ou da lambreta. 

O clarinete

Alta tensão.












 
No recente e excelente livro de David Marçal e Carlos Fiolhais Pipocas com Telemóvel e Outras Histórias de Falsa Ciência (Gradiva, 2012), e também no blogue De Rerum Natura, fala-se do receio, que existe entre muitos cidadãos, motivado pela suposta existência de uma relação de causalidade entre as redes electromagnéticas emitidas por instalações eléctricas, em particular as linhas de alta tensão, e algumas formas de cancro. Em 2007, um grupo de cidadãos de Silves chegou a fazer uma greve de fome às portas da Assembleia da República.   
 
 

Por essa altura, pretendia-se instalar uma linha de muito alta tensão entre as sub-estações de Fanhões e Trajouce, no concelho de Sintra. Perante a contestação das populações, que levou à instauração, com sucesso, de uma providência cautelar da Junta de Freguesia de Monte Abraão contra a REN, esta optou pelo enterramento das linhas. Segundo um responsável da empresa, tratou-se de uma «insistência da Câmara Municipal» de Sintra e tudo decorria da «ignorância» das populações e dos cientistas. Em suma, um «falso problema», nas palavras do administrador da REN, Henrique Gomes.

Estas declarações foram feitas à margem da assinatura de um memorando entre a REN e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa para a criação de um centro de investigação que, durante dez anos, iria observar os eventuais efeitos na saúde dos campos electromagnéticos. «A grande inovação internacional deste centro é ter um programa de estudos de longa duração que faça com que a informação seja construída ao longo do tempo, credível e não pontual», disse à LUSA o geneticista Carolino Monteiro, coordenador científico do CITEC.  «A informação disponível é contraditória e sobretudo ambígua», assim justificava o Professor Carolino Monteiro a criação do CITEC. Para o geneticista de Farmácia, a informação disponível era «ambígua»; já para o administrador da REN tudo não passava de um «falso problema».  


 
Apesar de se tratar de um «falso problema», segundo o Expresso de 12 de Janeiro de 2008, a REN dispôs-se a investir, num «projecto científico pioneiro», 37 milhões de euros (repete-se: 37 milhões de euros) para criar o CITEC (Centro de Investigação Científica e de Inovação Tecnológica), cuja coordenação científica caberia à Faculdade de Farmácia.






Passados quatros anos, não se sabe o que aconteceu ao CITEC. Uma pesquisa na Internet permite verificar que existe um CITEC, mas encontra-se instalado na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, a prestigiada UFVJM. Há também um CITEC em Pré-Moldados. Em Aracaju, Sergipe, no nº 2208 da Avª Chanceler Osvaldo Aranha. No país-irmão, florescem CITEC’s. Há a CITEC – Comissão para Incorporação de Tecnologias, no Ministério da Saúde. Temos também o CITEC – Centro Industrial Técnico de Concreto, em Maceió. E quem estiver em Jabuti, Itaitinga, pode fazer as suas obras de casa na CITEC – Comércio, Indústria e Tecnologias Em Construção, Ltda. Este CITEC é sito na «Rua José Rebouças Lins, ao nº 2020, Quase Esquina Com Av. Dep. Paulino Rocha» Portanto, ao chegar à Avenida Deputado Paulino Rocha, na «Quase Esquina» tem a Rua José Rebouças Lins. Siga até ao nº 2020.
Em Portugal, o CITEC mais conhecido é o Centro de Iniciação Teatral Ester de Carvalho. Em Montemor-o-Velho (Rua Dr. José Galvão, 100). 
 
 
 
Quanto ao CITEC da Faculdade de Farmácia, anunciado publicamente em Janeiro de 2008, proclamado como um «projecto científico pioneiro», onde a REN iria investir 37 milhões de euros, não se sabe dele. De facto, era estranho que a REN fosse estudar uma realidade que sabia, à partida, que não trazia malefícios para as pessoas. Seria um desperdício gastar 37 milhões de euros a estudar um «falso problema», algo que só por «ignorância» as populações receiam: as linhas de alta tensão. Ou será que o dinheiro foi mesmo investido? Onde pára o CITEC, porque não avançou o projecto? Se o mesmo se destinava a investigar os efeitos dos campos electromagnéticos na saúde das pessoas (cancro!), se foi anunciado solenemente numa altura em que as pessoas se moviam contra as linhas de alta tensão, porque não se avançou? É óbvio, mais do que óbvio, que não se tratou de uma encenação para acalmar os ânimos das populações. Uma empresa como a REN e uma faculdade como Farmácia não fariam uma coisa dessas. Que fique muito claro: isso não está em causa. O que está em causa é sabermos se chegou a criar-se o CITEC ou, caso contrário, qual o motivo que levou a não avançar com este «projecto científico pioneiro». Se o anunciaram solenemente, com notícias que chegaram ao Brasil e a Espanha, porque não explicaram o que aconteceu depois? Haverá razões mais do que legítimas para abandonar o projecto, mas, pura e simplesmente, não as conhecemos. Na Internet, não conseguimos saber o que se passou ou não passou.     
Onde está o CITEC? Para onde foi o dinheiro, se é que chegou a ir? Para Aracaju, para Mucuri, para Maceió, para os Vales de Jequitinhonha? Ou terá a REN investido 37 milhões de euros no Centro de Iniciação Teatral Ester de Carvalho, em terras de Montemor-o-Velho?
 
 
António Araújo
Malomil