AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 25 de outubro de 2012


Novidade no Aeroporto de Paris já podemos ir lá
 Tínhamos a comida de plástico, agora o sono em contentores.... Bem, vejamos o que se seguirá!


 

Vai   haver  muita  gente  a DEIXAR  DE PAGAR   HOTÉIS,  quando viajar para  PARIS ... 
Depois dos quartos de banho químicos, os franceses aparecem com esta...  
Chegou a Sleepbox no Aeroporto Charles de Gaulle em Paris 
cid:1.3244190041@web57307.mail.re1.yahoo.com
Como o nome indica, trata-se de uma caixa de 2m x1,40m x2,30m para ter momentos de sono tranquilo e descanso numa cidade, sem perda de tempo à procura de hotel. Idealizada para estações de trem, aeroportos, locais públicos, e outros locais onde haja aglomerações de gente exausta. 
Qualquer pessoa pode passar a noite em segurança e de forma barata, em emergência, num espaço que tem cama e está equipado com sistema de mudança automática de lençóis,  ventilação, alerta sonoro, televisão LCD incorporada, WiFi, plataforma para um computador portátil e fones recarregáveis. Há um espaço para as malas. O pagamento é feito em terminais, que dão ao cliente a chave (eletrônica) desde 15 minutos até várias horas. 
cid:2.3244190042@web57307.mail.re1.yahoo.com
cid:3.3244190042@web57307.mail.re1.yahoo.com
cid:4.3244190042@web57307.mail.re1.yahoo.com
cid:5.3244190042@web57307.mail.re1.yahoo.com
cid:6.3244190042@web57307.mail.re1.yahoo.com

 
 
 
 

Júdice quer rever Constituição para promover despedimento colectivo da Administração Pública
O antigo bastonário da Ordem dos Advogados, José Miguel Júdice, defendeu hoje uma revisão da 

Constituição para permitir despedimentos colectivos no Estado, explicando que a reforma do Estado é 
"a condição" para um modelo alternativo.


"Um Estado falido tem de tomar medidas de uma empresa falida", adiantou à Lusa José Miguel Júdice, à margem de um encontro da sociedade PLMJ realizado hoje em Lisboa sobre as alterações fiscais previstas na proposta de Orçamento de Estado para o próximo ano. 

O antigo bastonário defende uma alteração do paradigma do Estado em Portugal: "O Estado tem de fazer menos no que faz e deixar fazer muito do que faz", explicando que deveria haver uma concentração nas tarefas que são "verdadeiramente" importantes.

"Porque é que o Estado tem museus ou teatros, porque é que os inspectores da ASAE têm de chatear as tasquinhas por causa das casas de banho e não se concentram no que é realmente importante, e porque é que qualquer burocrata neste país tem motorista", questionou, acrescentando que "é necessário retirar do Estado as quantidade de pessoas que está a mais".

Júdice disse ainda que a reforma do Estado não vai ser feita por um governo de base partidária: "Quem manda no Governo é quem o pode reeleger, que são os militantes no quadro de oligopólio que vivemos. E estes são sobretudo autarcas, assessores das autarquias e do governo, atuais e passados, quadros da função pública ou de empresas públicos. E esses militantes não querem a reforma!".

O antigo bastonário disse também que o ministro das Finanças é um "pica-pau que anda a estragar as árvores todas, em vez de destruir apenas dez" e mostrou-se convicto de que os portugueses "nunca vão ter condições" para pagar a divida e que esse incumprimento já se sabe "há muitos anos" que vai acontecer.

VIDEO - Portugal prepara-se para perder o último troço de vida selvagem. Depois de milhões de anos a traçar o percurso até ao Douro, o rio Sabor, em Trás-os-Montes, ...



Portugal prepara-se para perder o último troço de vida selvagem. Depois de milhões de anos a traçar o percurso até ao Douro, o rio Sabor, em Trás-os-Montes, ...

PARA ESPETAR NO FOCINHO DOS CRÁPULAS COM RESPONSABILIDADES POLÍTICAS NA GOVERNAÇÃO
Luís Cunha, 42 anos, Alexandra Ferreira, 39 anos, filho entregue a familiares, sem tecto nem trabalho, há seis meses debaixo de uma ponte no rio Este, em Braga.
"Esta é a minha casa. É o meu cantinho, que mantenho, dentro do possível, asseado", diz Luís, antigo técnico administrativo da Mota-Engil.
Alexandra faz limpezas, mas o dinheiro, que não chega sequer para comer, não lhes permite pagar um tecto: "De vez em quando acordamos com um camião ou outro. Mas ao menos aqui não chove".



O Tabu do Exorcismo


De tantas práticas pré-medievais que persistem na Igreja Católica, parece-me que o exorcismo é uma actividade que parece envergonhar essa instituição. Num exorcismo, o diabo, que não teve mais nada que fazer que não possuir uma pessoa normalmente já cheia de problemas, é expulso por “acção pastoral” de um padre devidamente credenciado pela hierarquia católica. O facto de ser indistinguível feitiçarias e outras charlatanices e por em pouco se relacionar com o discurso do “deus é amor”, leva a ser um tema quase de vergonha para a igreja e faz com que esta trate sempre o assunto com cuidados redobrados, sempre tentando ser discreta. Veja-se o caso desta notícia, onde o Vaticano prontamente se distanciou de um “exorcismo” em plena Praça de S. Pedro – no entanto tivesse um pioderma gangrenoso sido curado no meio de tal multidão e alguém seria proclamado santo por isso. Por outro lado, a igreja recusa-se a renegar à prática do exorcismo (ao contrário das caças às bruxas e vampiros, coisa do passado católico). Deve haver, portanto, uma certa importância deste rito dentro da construção imaginária católica para que continue a ser praticada.
Na semana passada, o patriarcado de Lisboa emitiu um documento (pdf) com “normas sacramentais” para as situações de exorcismo. Transcrevo aqui o que entendo ser a parte mais importante deste texto:
Discernimento e tratamento de casos de possessão diabólica

40. Não é fácil determinar os verdadeiros casos de possessão. Nem se deve, por um lado, acreditar fácil e precipitadamente nessa hipótese, nem, por outro lado, afastá-la sem mais. A pessoa que se diz atormentada pelo demónio pode estar a sofrer apenas de alguma doença, especialmente psíquica, ou a ser iludida pela própria imaginação. É, pois, necessário que o ministro da Igreja, ao ouvir falar de alguma intervenção diabólica, proceda com a maior circunspecção e prudência e não creia facilmente que se trate de possessão diabólica.

Mas também há que estar atento, para se não deixar iludir pelas artes e fraudes que o diabo utiliza para enganar o homem, de modo a persuadir o possesso a não se submeter ao exorcismo, sugerindo-lhe que a sua enfermidade é apenas natural ou do foro médico. Daí que o ministro da Igreja que acolhe a pessoa atribulada procure examinar exactamente cada caso, com todos os meios ao seu alcance.
41. Certifique-se nomeadamente do seguinte:
a) Que os males não sejam atribuídos pelas pessoas a qualquer malefício, má sorte ou maldição, lançadas sobre elas ou seus parentes ou seus bens;
b) Que não tenham começado a surgir ou mesmo se tenham agravado na sequência de práticas, como consultas a feiticeiros ou pretensos exorcistas, ou participação em sessões de carácter mais ou menos esotérico e onde se simule o exorcismo;
c) Que as pessoas atormentadas não tenham passado, sobretudo na infância, por situações traumáticas, como abusos físicos, psicológicos ou sexuais;
d) Tratando-se principalmente de crentes, que não se sintam simplesmente tentados, ainda que fortemente, a abandonar a sua crença e prática religiosa.
É muito provável que, nestas situações, se trate de sugestão ou auto-sugestão [casos a) e b)], ou de doenças do foro psico-somático, geralmente associadas a circunstâncias da vida mais ou menos criticas e adversas [casos c) e d)].
(…)
43. Se houver sinais de possessão do demónio, tais como: dizer muitas palavras de língua desconhecida ou entender quem assim fala; revelar coisas distantes e ocultas; manifestar forças acima da sua idade ou condição natural (…). E como, porém, os sinais deste género não são necessariamente atribuíveis à intervenção do diabo, convém atender também a outros, sobretudo de ordem moral e espiritual, que manifestam de outro modo a intervenção diabólica, como por exemplo a aversão veemente a Deus, ao Santíssimo Nome de Jesus, à Bem-aventurada Virgem Maria e aos Santos, à Igreja, à palavra de Deus, a objectos e ritos, especialmente sacramentais, e às imagens sagradas. Finalmente, por vezes é preciso ponderar bem a relação de todos os sinais com a fé e o combate espiritual na vida cristã, porque o Maligno é principalmente inimigo de Deus e de tudo o que relaciona os fiéis com a acção salvífica. O ministro da Igreja não apresente a pessoa atormentada ao Exorcista, se o houver nomeado de modo estável, ou ao Ordinário do Lugar, para que este conceda a faculdade ocasional para legitimamente fazer o exorcismo, sem antes consultar peritos em ciência médica e psiquiátrica, que tenham a sensibilidade das realidades espirituais. Para maior certeza, os peritos devem ser pelo menos dois, um dos quais psiquiatra, e os seus relatórios devem coincidir no parecer de que não existe explicação científica para a fenomenologia observada no paciente. No entanto, o facto de não haver explicação científica para aquela doença, não significa que seja possessão diabólica.
Aqui o patriarcado recomenda: cuidados, cuidados e mais cuidados. Como qualquer grande empresa, a igreja aqui tenta cobrir-se com o seu próprio regulamento de situações incómodas como “maus diagnósticos de possessão diabólica” ou outras situações incómodas. Em ponto algum do texto se diz como claramente identificar uma possessão, ao invés apenas se listam casos que não o são, como problemas do foro psiquiátrico. Ao mesmo tempo, aos peritos médicos que possam ser chamados pede-se que “tenham a sensibilidade das realidades espirituais”, ou seja: que sejam católicos e dispostos a aceitar a possibilidade do diabo entrar nos corpos das pessoas.
Termino ainda com a discrição que a igreja pede para estes casos: o que é isso se não é uma certa forma de vergonha e receio de cair no ridículo? Se o diabo anda mesmo aí a possuir pessoas, que melhor ferramenta de publicidade quererá a igreja para ter mais fieis? Se bem que o secretismo dos exorcismos, também mantém a sua aura de mistério à sua volta, e também isso é marketing.
46. O Ritual da Celebração dos Exorcismos indica que o exorcismo deve realizar-se de modo que se manifeste a fé da Igreja e não possa ser considerado por ninguém como acção mágica ou supersticiosa. Tenha-se o cuidado de não fazer dele um espectáculo para os presentes. Todos os meios de comunicação social estão excluídos, durante a celebração do exorcismo, e também antes dessa celebração; e concluído o exorcismo, nem o exorcista nem os presentes divulguem qualquer notícia a seu respeito, mas observem a devida discrição.
A igreja católica bem pode ser discreta e ter acanho em falar disto publicamente: este discurso das possessões diabólicas é conversa medieval mas que mesmo assim ainda impressiona muita gente crédula. Se calhar é mesmo por isso que ainda persiste nos rituais católicos.

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da cidade do Vaticano. Foto por: Simon Norfolk

é Lisboa que amanhece


VEJA ESTA FOTOGALERIA E PONHA-SE A SONHAR - VERDADEIRA CASA AMBULANTE, É UM ESPECTÁAAAAACCCCCUUUUULLLLLOOOO!


Uma verdadeira casa ambulante!

MADE IN BRASIL!
Motor Home da Marcopolo, de Caxias do Sul, RS. Olha só!
Veja as fotos e se fascine com essa joia das estradas! 












































Post(s) á beira mar