AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012



Isaltino Morais – A inteligência 2


Disse no texto anterior que não fazia a mais pequena ideia do que sejam “autarquias inteligentes”... e muito menos uma conferência sobre as ditas cujas.
Felizmente, o mundo das notícias online começa a dar-me algumas pistas sobre o momentoso enigma. Como parte do tal “seminário”, a Câmara Municipal de Cascais teve a inegável “inteligência” de convidar o famoso autarca Isaltino Morais, ele próprio um notório espertalhaço, para discursar.
E ele discursou. Entre as (mais que prováveis) pérolas sobre autarquias e inteligência que terá atirado ao auditório, num súbito extra sobre a actualidade politico/económica, produziu esta sobre a TSU, um primor de análise e profundidade:

Fico com algumas ligeiras dúvidas sobre a coisa, embora reconheça que Isaltino Morais é a prova viva de que pelo menos uma boa parte dos portugueses... aceita realmente tudo.

OLHÓ AVANTE !


EU QUERO LÁ SABER


Eu quero lá saber
Da roubalheira e da alta corrupção
Que o Djaló esteja no Benfica ou no Casaquistão
Que não se consiga controlar a inflação

Eu quero lá saber
Que haja cada vez mais desempregados
Que dêem diplomas e haja cursos aldrabados
Que me considerem reformado ou um excedentário?
Que se financie cada vez mais a fundação do Mário
Que se ilibe o Sócrates do processo
Que não haja na democracia um só sucesso

Eu quero lá saber
Que o sócrates já não finja que namora a Câncio
Que o BCE se livre do pavão armado do Constâncio
Que roubem multibancos com retroescavadora
Que o Nascimento esburaque os processos à tesoura
Que deixe até de haver o feriado do 1º de Maio
Que a tuberculose seja mesmo um tacho pró Sampaio
Que em Bruxelas mamem muitos deputados
Que o Guterres trate apenas dos refugiados
Que a nós nos deixou bem entalados

Eu quero lá saber
Que ele vá a cento e sessenta e não preguem uma multa
Que amanhã ilibem os aldrabões da face oculta
Que o Godinho pese a sucata e abata a tara
Que pra compensar mande uns robalos ao Vara
Que o buraco da Madeira sobre também para mim
Que a Merkl se esteja borrifando pró Jardim

Eu quero lá saber
Que a corja dos deputados só se levante ao meio-dia
Que a "justiça" indemenize os pedófilos da Casa Pia
Que não haja aumentos de salários nem digna concertação social
Que os ministros e gestores ganhem muito e façam mal
Que Guimarães este ano se mantenha a capital
Que alguem compre gasolina na cidade de Elvas
Que só abasteça o condutor do Dr. Relvas
Que na Assembleia continuem 230 cretinos
Que nas autarquias haja muitos Isaltinos
Que o Álvaro por tu ai esse sim hei-de eu vir a tratar
Que se lixe o falar doce do grande actor Gaspar
Que morram os pobres e os velhos portugueses
Que eles querem é que fiquem só os alemães e os franceses

Eu quero lá saber
Que o Zé seja montado quer por baixo quer por cima
Que a justiça safe bem depressa o influente Duarte Lima
Que o bancário Costa não volte a dormir na prisão
Que o Cavaco chegue ao fim do mês sem um tostão
Que na Procuradoria continue o Pinto Monteiro
Que prós aldrabões tem sido um gajo porreiro
Que os offshores andem a lavar dinheiro
Que o BPN tenha sido gamado pelo Loureiro
Que no BPP prescrevam os processos do Rendeiro
Que à CEE presida um ex-maoista sacana e manhoso
Que agora é o snob democrata Zé Manel Barroso
Tudo isto já nada pra mim tem de anormal

Mas o que eu quero mesmo saber
é onde está o meu país chamado PORTUGAL
que isto aqui é vilanagem pura, roubalheira, corrupção
Meu Deus manda de novo o Marquês de Pombal
antes que este povo inerte permita a destruição !!!

Maria (pseudonimo, claro!)


As Considerações do Senhor Regedor


«A manifestação não foi tanto contra o Governo e a situação actual, mas contra as políticas dos últimos anos»

Excerto da intervenção do deputado do PSD, Carlos Abreu Amorim, na sessão de abertura dos trabalhos parlamentares da Assembleia da República, de 19 de Setembro de 2012, sobre os objectivos da manifestação nacional, ocorrida em 15 de Setembro de 2012.


“Há dinheiro para a cultura, mas é canalizado para fins obscuros”

Queixa parte do Movimento do Manifesto em Defesa da Cultura e motiva uma série de acções de protesto marcados para o próximo fim-de-semana.
20-09-2012 17:40


0
Várias acções de protesto estão marcadas para a próxima semana, em vários locais do país, em nome da cultura.

Lisboa, Porto e Coimbra são apenas algumas das cidades onde vão decorrer iniciativas contra a austeridade, postas em marcha pelo Movimento do Manifesto em Defesa da Cultura.

O objectivo é exigir o aumento de investimento neste sector, afirma Pedro Penil, um dos porta-vozes do movimento: “Não aceitamos a frase que tem sido repetida de que não há dinheiro. Porque vemos que há dinheiro, mas ele tem sido canalizado para fins muito obscuros. Em qualquer contexto a cultura tem de ter no mínimo 1% do orçamento do Estado”.

O Manifesto em Defesa da Cultura surgiu já em Dezembro do ano passado e conta com signatários como o filósofo e cantor José Barata Moura, a escritora Alice Vieira ou o cineasta João Botelho.

Cavaco e os serviços mínimos

Reúne hoje o Conselho de Estado. Cavaco anda desde domingo a tomar ansiolíticos em dose redobrada, tal é o seu pavor só de pensar que pode ser obrigado a tomar uma decisão, depois de ouvir os conselheiros: demitir Pedro Passos Coelho por incompetência e traição ao país.
Ninguém acredita que Cavaco o faça. Irá escudar-se na defesa dos interesses do país ( como se o interesse do país fosse ter um governo autista e um primeiro ministro que vende o país a retalho e oferece os cidadãos aos agiotas como escravos) e ficará à espera que o governo caia de podre.
Cavaco Silva custa demasiado dinheiro ao país. Exige-se-lhe que cumpra os serviços mínimos, não se exima das responsabilidades e faça o seu trabalho na defesa de Portugal e dos portugueses.
É por isso importante que hoje, às 18 horas, todos estejamos em Belém, para lhe lembrarmos os seus deveres. Para o obrigarmos a ser, pela primeira vez em seis anos, presidente da República. 
Eu sei que a maioria dos conselheiros de Estado lhe irá exigir isso, mas a nossa presença em Belém reforçará a posição da maioria dos conselheiros.
É imperioso  fazer Cavaco perceber que ao pactuar com Pedro Passos Coelho, está a ser cúmplice de uma traição e, na altura própria, será julgado por isso. Espero que o PR tenha percebido este sinal

MEDO DAS IDEOLOGIAS

MÊDO DOS PARTIDOS DE OPOSIÇÃO - A POLÍTICA PARA ELES SÓ DEVE SER PRATICADA PELOS NEO-LIBERAIS ILUMINADOS, SÓ ELES TÊM INTELIGÊNCIA PARA REACICIONAR IDEOLOGICAMENTE


Ao mesmo tempo em que procuram criminalizar as lutas populares, apelam com velhacaria à desmoralização da política, tentam esvaziar ideologicamente a luta de quem sai á rua

O senso comum assimila de forma acrítica esta falsa consciência, que a ideologia dominante cria e reproduz incessantemente através da mídia he
gemônica com o objetivo de afastar o povo da política, sabotar a consciência popular, embaralhar o jogo político e perpetuar o domínio das forças conservadoras. Essas representam os interesses dos grandes capitalistas, banqueiros, latifundiários e multinacionais ou de tudo aquilo que em geral se considera o “poder econômico”, que efetivamente recorre à corrupção ativa para manter o controle sobre os políticos e as instituições, em especial por meio do financiamento das campanhas.

A experiência, associada à reflexão crítica sobre a história e a sociedade, indica que a vida não é como o pensamento dominante pinta. A política é a arena da luta de classes, onde se digladiam os interesses contraditórios entre trabalhadores e capitalistas, camponeses e latifundiários, os países mais pobres e as potências capitalistas. Há políticos de direita e de esquerda, corruptos e honestos, defensores das elites e do povo. É ingenuidade colocar um sinal de igualdade entre eles