AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

PEDRO DIAS DIRETOR DA BIBLIOTECA NACIONAL ABANDONA PSD


Diretor da Biblioteca Nacional rejeita ser "cúmplice" de Passos Coelho


Diretor da Biblioteca Nacional rejeita ser cúmplice de Passos Coelho
Biblioteca Nacional

Depois de Maria Teresa Horta ter esta terça-feira recusado receber um prémio literário das mãos do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, sabe-se, menos de 24 horas depois, do teor da carta de demissão do diretor da Biblioteca Nacional de Portugal, Pedro Dias. Na missiva enviada a 11 de setembro ao gabinete do secretário de Estado da Cultura, explicando que terminou uma ligação de quatro décadas com o PSD por ter deixado de se rever neste partido, Pedro Dias sublinha que estar “completamente contra a política” de um Governo ao qual não reconhece legitimidade para se manter em funções depois de “ter renegado todas as promessas feitas ao eleitorado” e do qual não aceita “ser cúmplice”.

Pedro Dias conta no currículo a direcção do Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, do Instituto de História da Arte da Universidade de Coimbra e do Museu Nacional de Machado de Castro. Foi condecorado em 2005 com o Grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.Pedro Dias, investigador e professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, terá sido uma das primeiras nomeações do Executivo de Passos, logo a 30 de Junho de 2011, escassas semanas após a vitória eleitoral do PSD nas legislativas do dia 5. Na altura, o secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas Francisco afirmava numa nota à Agência Lusa “a confiança na vasta experiência curricular e na grande capacidade de trabalho” de Pedro Dias.

De acordo com o diretor da BNP, menos de seis meses depois era para ele claro o desconforto com as políticas do Governo que o nomeara para a direção da instituição. A renúncia ao lugar foi formalizada em Dezembro, ao que se seguiram “sucessivos adiamentos”.

São pormenores que emergem num contexto de forte contestação à governação de Pedro Passos Coelho, depois de meio milhão de portugueses terem tomado a rua para dizer “Basta!” e em vésperas de o Presidente Cavaco Silva reunir um Conselho de Estado onde deverá comparecer o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, para explicar o último capítulo da austeridade.“Com os roubos sucessivos que tenho sido alvo, nada me move para auxiliar aqueles que, paulatinamente, arruínam Portugal”, acusa o diretor demissionário da Biblioteca Nacional num texto publicado no seu Facebook com o cabeçalho "ACABOU A COLABORAÇÃO COM O GOVERNO. ENVIEI HOJE ESTA CARTA AO SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA. SER CÚMPLICE DE PASSOS COELHO E DO SEU GOVERNO, NÃO".

Na carta enviada a Rui Pereira, chefe de gabinete do secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas, o diretor da BPN sublinhou o desconforto pela situação: “Não só não me revejo na política do Senhor Primeiro Ministro, como estou completamente contra ela, e não reconheço legitimidade ao Governo para se manter em funções, por ter renegado todas as promessas feitas ao eleitorado, e que constituem a base da sua legitimidade democrática”.

“É assim absolutamente inaceitável ser cúmplice destas acções, enquanto Director-Geral, participando na delapidação de Portugal e dos seus recursos, em benefícios de grupos económicos, com o esmagamento das classes trabalhadoras e do domínio, no campo político, da Maçonaria, entidade que sempre combati. Já me desvinculei do PSD, de que já não sou militante, e não desejo voltar a ter qualquer colaboração com esta instituição, que nada tem a ver com a que, a partir de Maio de 1974, ajudei a desenvolver e a afirmar-se”, explica Pedro Dias.

As Jóias Voadoras...

Este artigo é fruto de um livro (ao lado) lançado na Alemanha em 2010 e que no ano passado foi transformado numa exposição que corre o mundo e que agora se prolifera na Web através de PPS, vídeos e também fotografias. O livro, que se intitula Fliegende Juwelen (Jóias Voadoras em português) descreve e ilustra ao amante da natureza e da estética, a grande convenção de cores atmosféricas, formas e padrões estruturais que existe entre minerais e insetos. O livro contem uma breve descrição dos minerais e insetos com seus nomes, localidade de origem, sexo e família. Todas as imagens dos minerais e insetos com suas devidas combinações estão na vanguarda da fotografia digital, e foram fotografadas por Peter Hirschberg. O trabalho é fruto da perícia e determinação de Max Kühbandner e Wierig Eckhard, responsáveis pelos Departamentos deColeoptera (que estuda os besouros) e Lepidoptera(que estuda as borboletas) do Zoológico de Munique. Não há na entomologia ou gemologia, responsáveis respectivamente pelos estudos dos insetos e pedras, nenhum indício de relação entre as partes no que diz respeito ao seu desenvolvimento na natureza, mas as coincidências encontradas pelos especialistas alemães de Munique são simplesmente extraordinárias, tanto que os levaram a optar por registrar tudo num livro. Na sequência do post várias fotos mostrando a relação de cores, formas e padrões dos insetos com as pedras. Eu achei maravilhoso. 



































Fonte: PPS e Google

TEMPESTADES - Aterrorizantes, mas espetaculares...

Suas consequências podem ser catastróficas ou prenuncio de fortes tempestades, com eventuais prejuízos e até mesmo risco aos seres vivos, mas ninguém pode negar que os efeitos de luzes que eles provocam na natureza propiciam aos olhos humanos um acontecimento inenarrável e espetacular. Os relâmpagos, odiados por muitos e amados por alguns, sempre foram, são e nunca deixarão de ser a mais extraordinária manifestação da natureza. Podemos até não gostar, mas que são fantásticos são. É só conferir essa que talvez seja uma das maiores coletâneas da Web.






Post(s) á beira mar