AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 4 de setembro de 2012



semiluna


O corpo é o instrumento encerrado na palavra. Desapareci. Nas deslumbradas estações á beira cio onde o  sexo, o meu grande sonhador existe. Suspenso. Em compulsivas fontes, onde os pensamentos crescem antes da luz.ondas gigantes, inomináveis, gritos sobre o tronco, o mastro na sedução, nas noites impressas. O prazer vocabular,  secreto, a inventar núpcias em lugares fascinados, em olhares descobridores. Dialectos escorrem na pureza dos líquidos sentados no tempo  que abrasa-me a roda interior.

A vulva__________minha mãe, ao teu colo escrevo árias anónimas do subsolo. Há que ser carne, menbrana de uma lua, viva  em baixo das pupilas engomadoras, que piscam na malha o ventre e dão largas ás correias para  cercar, a  mulher no tesão visitada. a beleza de um buraco  nos poros de uma imagem altamente erótica. os laivos, o poder ronco, a força, o espelho que mergulha em tragos suaves nos agarrando á cama onde as bocas escoam no escuro o sabor pleno, amargo onde se renasce e se morre amplamente após o devorar dum orgasmo

Luisa Demétrio Raposo


VERMELHO CANALHA

PALAVRAS - MARIA EUGÉNIA CUNHAL



Cristiano Ronaldo – É uma grande tristeza!!!



Enquanto o “nosso” Cristiano Ronaldo não arranjar maneira de ficar alegre... temo que vá continuar a pairar sobre todos nós, nesta espécie de balneário futebolístico gigante que é Portugal, uma espessa nuvem de tristeza... um verdadeiro manto de soluços, lágrimas furtivas e nós nas gargantas.
Por muito importante que seja haver quem insista em denunciar a desgraça que alguns trafulhas tentam vender-nos como “sucesso”, temo que uma boa parte dos portugueses não tenha olhos nem ouvidos... senão para a comovente “infelicidade” do multimilionário príncipe dos pontapés.

Vicky Leandros - Apres toi

rimas livres no céu


ALGUMAS ROTUNDAS DO DISTRITO DE FARO

ROTUNDA DO AEROPORTO DE FARO

ROTUNDA GENTE FELIZ - LOULÉ

ROTUNDA EM LOULÉ


ROTUNDA DE ALBUFEIRA

GOSTOS NÃO SE DISCUTEM MAS PODERIA SER MELHOR
ROTUNDA Á ENTRADA DE FARO


Caderneta de cromos (35)



Senhora Procuradora, Drª Cândida Almeida:
Não é por aquela frase sobre a inexistência de políticos corruptos em Portugal que a incluo nesta categoria. Isso mereceria, quando muito, a sua integração na galeria dosCaramelos Vaquinha, onde poderia compartilhar espaço com o dr. Duarte Lima.
Se a partir de hoje lhe concedo a suprema honra de passar a integrar a Caderneta de Cromos do CR é simplesmente porque ao ter decidido abrilhantar uma Universidade de Verão, escarneceu da justiça em Portugal e chamou burros a todos os portugueses com pelo menos meio dedo de testa.
Não interessa o partido a que partido emprestou a sua graça, senhora procuradora… o erro foi ter contribuído para alimentar as suspeitas de que a justiça e a política andam de mãos dadas. 
Não mediu os efeitos da sua decisão? Então pior ainda… porque  a senhora não é uma cidadã qualquer. Tem estado ligada à investigação de alguns casos mediáticos envolvendo políticos, é apontada como candidata a substituir Pinto Monteiro e não pode permitir que sobre si caia a mínima suspeita de envolvimento político. 
Acedeu ao convite, porque pretende mesmo ser PGR? Tiro no pé a fazer jus ao nome que ostenta no BI Se um dia vier a ser nomeada por este governo, não se livrará da fama, embora admita que até nem tenha o proveito.
A senhora também insultou os seus colegas do Ministério Publico. Ou, se não insultou, pelo menos deu mais um pretexto para que as vozes que afirmam que o MP está instrumentalizado pelo poder político, ganhem mais aderentes. Lamento dizer-lhe, mas perdeu duas belíssimas oportunidades: estar calada e ficar no seu gabinete a estudar os intrincados dossiês, envolvendo políticos, que tem entre mãos.
Ficámos também todos a saber que a senhora conhece a vida de Sócrates em Paris. Faustosa, como V.Exª admitiu. Mas como o sabe, senhora doutora?  Porque priva com o ex-primeiro ministro, porque  acredita no que lê nos jornais, por fezada, ou porque está a fazer alguma investigação à vida de Sócrates em Paris? Muitos portugueses agradeceriam um esclarecimento da sua parte…
Já agora, poderia informar-nos quantas vezes saiu de casa aquele senhor careca ( isso, o Duarte Lima…) que é suposto estar em prisão domiciliária e pulseira eletrónica?  E, se não for pedir demais, pode dizer-nos as razões por que está putativamente preso? É que eu pensava que ele era suspeito de corrupção…mas deve ser invenção dos jornais!


Imagens lindas do raro eclipse anular...

Um eclipse anular raro (um anel de luz com a Lua Nova passando entre a Terra e o Sol), visto de forma completa não em todos os locais do Hemisfério Norte, mas em parte dele, aconteceu entre os dias 20 e 21 Maio e poude ser visto na faixa que foi do oeste do Texas ao Oregon, nos EUA, no Pacífico Norte e em vários países da Asia. Eis alguns dos flagrantes do evento. 
O eclipse visto, ainda parcial, durante o amanhecer na cidade costeira de Gumaca, na província de Quezon, a sudeste de Manila, já no dia 21 de maio de 2012. (Foto de Ted Aljibeted Aljibe / AFP / GettyImages)
(MAIS FOTOS......)

Se elevando sobre o horizonte em Xiamen, Fujian, província a sudeste da China. ( Foto Associated Press) 


Maikos, ou gueixas aprendizes, observando o eclipse com suas lentes solares em um templo em Kyoto, no oeste do Japão, na manhã do dia 21 de maio. (Foto de Yomiuri Shimbun / Reuters)


Manchas solares são vistas enquanto a lua se move para uma posição de eclipse parcial na noite do dia 20 no Grand Canyon National Park, Arizona, EUA. (Foto de David McNew / Getty Images)


Visto ao longo do rio Huangpu, em Xangai, no amanhecer do dia 21. (Foto de Aly Song / Reuters)


Uma composição de imagens mostra várias etapas na noite do dia 20 de maio no Grand Canyon National Park, Arizona. ( Fotos de David McNew / Getty Images)


Allison Deyhle, 9 anos, e sua irmã gêmea, Emily, se juntaram a centenas de outras pessoas para assistir ao eclipse no Observatório de Campus Redfield , em Reno, Nevada, no entardecer do dia 20. (Andy Barron / Reno Gazette-Journal)


Uma sequencia de fotos na madrugada do dia 21 de maio em Tóquio, Japão. (Foto de Masashi Hara / Getty Images)



Imagem captada através das nuvens em Kawasaki, suburbio de Tóquio. (Foto de Toru Yamanaka / AFP / GettyImages)


Imagem vista na noite do dia 20 a partir do centro de Fort Worth, Texas. (Foto de David Kent / Fort Worth Star-Telegram)


Visto parcialmente atrás de cruzes em um campo agrícola de Ixonia, Wisconsin, EUA. (Foto de John Hart / Wisconsin State Journal)


Visto ao nascer do sol do dia 21 no município costeiro de Gumaca, Província de Quezon, a sudeste de Manila, Filipinas. (Foto de Bullit Marquez / Associated Press)


Um pequeno pássaro repousa sobre uma rede elétrica, com o eclipse em segundo plano, visto de Los Angeles, Califórnia, na noite do dia 20 de maio de 2012. (Foto de Joe Klamarjoe / AFP / GettyImages) 


Imagem captada ao norte de Odessa, Texas, EUA. (Foto de Albert Cesare) 


Outra imagem ao norte de Odessa, Texas. (Albert Cesare)


A Roda de Vento com o eclipse ao fundo em Gardnerville, Nevada, EUA. (Foto de Cathleen Allison / Associated Press)


Famílias assistem ao no Parque Papago, em Phoenix, EUA. (Foto de Michael Chow / The Arizona Republic) 


Visto através da neblina costeira  a partir do oceano em Encinitas, Califórnia. (Foto de Mike Blake / Reuters)


Refletido no Nacional Solar Térmico, localizado no Sandia National Laboratories, em Albuquerque. EUA. (Foto de Randy Montoya / Departamento de engery)


O casal e seus filhos observam o eclipse em Chico, Califórnia. (Foto de Ty Barbou / O Chico Enterprise-Record)


Fazendeiros olham para o sol se pondo no horizonte, em Phoenix. (Foto Ross D. Franklin / Associated Press)


Neste composto de cinco imagens, a lua parece quase cobrir o sol, como pode ser visto a partir da construção antiga de Pueblo Bonito, no Parque Chaco Nacional da História e Cultura em Nageezi, Arizona. (Foto de Stan Honda / AFP / GettyImages)


Sequencia no Grand Canyon National Park, Arizona. (Foto de David McNew / Getty Images)


Sequencia em Albuquerque, no oeste dos Estados Unidos. (Foto Greg Sorber / O Jornal Albuquerque)


Visto perto de McCloud, na Califórnia. (Foto de O Sacramento Bee)



Visto a partir da costa de Xiamen, na província de Fujian, no sudeste da China. (Foto de AFP / GettyImages)


Fonte: Boston.com

CARTOON - AFINS, SENHORAS E SENHORES, SÃO AFINS !


ALEXANDRE-ONEIL


Kate Bush - Babooshka



Da série "mulher" - Solventes... -



Existem dois grandes solventes universais. A água e o tempo. Ouvi alguém dizer isso quando ainda era uma menina, e sempre acreditei. Com o passar dos anos, tive oportunidades de verificar, em minha própria vida, ou em vidas próximas à mim, a ação eficiente, e definitiva, desses dois elementos.
Concordo que nem sempre suas ações são tão benéficas assim. Como quando assisti meu pai se tornando cada vez mais isolado e frio, depois de ser abandonado por minha mãe. Aliás, não foi apenas ele que sofreu com esse abandono. Eu também estava lá...
A última vez que vi meu pai com uma companheira eu tinha apenas nove anos. Já faziam então, quatro anos que minha mãe saíra de casa. Ele me pareceu feliz por alguns minutos. Era uma mulher bonita, gentil e me tratou muito bem. Ficou uma noite em nossa casa. No dia seguinte, quando acordei, ela já tinha ido. Meu pai lia jornal, calado. Me sentei próximo, sem dizer nada. Conhecia aquele silêncio. Não demorou muito para ele fechar o jornal, olhar fixo para o horizonte à sua frente, por certo tentando enxergar algum lugar feliz em seu passado, ou descobrir por onde andaria sua amada, e chorar incontidamente.
Foi a última vez que eu o vi com uma mulher. E uma das últimas vezes que o vi chorando. Aos poucos o tempo, esse solvente universal, foi limpando os sentimentos que haviam grudados naquele homem.
Vi outras ações do tempo, e da água, limpando superfícies e manchas profundas. E, não existe nada que seja inalcançável por esses dois solventes. Seja o que for a mancha, basta deixar imerso em água, ou na correnteza do tempo, que fatalmente será removida. Às vezes a limpeza acontece de forma rápida, outras vezes leva-se uma quantidade maior de tempo. Mas pode até resistir a um igarapé de dias ou um rio de meses. Mas nada resiste aos oceanos de décadas.
Você pode usar alvejante, se tem urgência. Você pode rasgar cartas, queimar fotos, tentar apagar da memória. Mas se a ação é muito rápida, não oferecerá resultado de forma definitiva. Apenas a água e o tempo podem limpar, de fato, todas as sujeiras que existe em nós. Por vezes cria limo, ou lodo, em nós, como forma de nos proteger, o que pode nos impedir de ser tocados novamente, pelo que nos prejudicava, e também, por coisas que nos fazem bem.
Assim como acontece com o tecido, esquecido por muito tempo em alvejantes como o cloro, também a vida poderá ser fragilizada e, mesmo, corroída pela ação da água e do tempo. Há que se tomar cuidado ao se deixar quarar. Não podemos ficar inertes nem na água, nem no tempo.
Sei disso. Aprendi coisas sobre solventes, tempo e chuva. Entendi que mais eficiente que um solvente universal, é a ação dos dois juntos.
Tive alguns amores. Alguns amantes. Alguns namorados. Algumas dores, várias decepções. Mas nenhum sofrimento durou muito. Sempre me lavava pelo tempo necessário, em água corrente.
Mas eis que, assim como meu pai, me apaixonei, verdadeira e profundamente por alguém. Eis que, como ele, me entreguei a esse homem que me apresentava possibilidades infinitas de felicidades. Eis que, um belo dia ele simplesmente não apareceu.
Achei que meu mundo se acabaria. Por um tempo senti meu chão se abrindo. Mas não sou como meu pai. Aprendi com sua dor. Não vou me isolar. Não trancarei meu coração. Não me tornarei frio e infeliz como ele. Conheço os solventes universais.
Vou limpar a dor que agora sinto, e encontrar outras pessoas. Tenho experimentado vários outros homens. Algumas mulheres e outras possibilidades. Alegro-me às vezes. Outras noites, nem tanto. Mas não estou sozinha.
Nas manhãs seguintes, não vou chorar sobre um jornal. Acho mais eficiente ficar aqui, mergulhada nessa banheira, me lavando nessa água morna, por todo tempo que puder. A ação da água e do tempo, misturados às minhas lágrimas, água que faço sair de mim, limpa um pouco meu corpo e minha alma. E me dão forças para acreditar que não acabarei como meu pai, no fundo de um lago, para sempre..

Deriva.