AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 21 de agosto de 2012

The Righteous Brothers - Unchained Melody (OFFICIAL VIDEO)


De cara com o maior cardume de sardinhas do mundo

Um cardume enorme de sardinhas cerca um mergulhador em águas ao largo das Filipinas, possibilitando a ele e a colegas que o acompanhavam, capturar imagens impressionantes de um fenômeno de tirar o fôlego. Nesta série de fotos o cardume foi capturado na câmera da cazaquistanesa Nadya Kulagina, especialista em fotos subaquáticas, no último mergulho de sua viagem ao largo da costa da Ilha de Pescador Pequeno, perto deCebu, no centro das Filipinas. O espetáculo magnífico, conhecido como "corrida das sardinhas", mostra o peixe nadando em formação cerrada para criar uma parede cintilante durante a migração anual para águas mais quentes. Saiba mais e veja outras fotos na sequencia do post. 


A corrida acontece anualmente de maio a julho, quando milhões de sardinhas se deslocam das águas frias do sul da África, indo para o norte ao longo da costa leste, para desovar nas águas quentes do Oceano Índico.Kulagina, quando publicou a fotos explicou o que aconteceu: "Nós fomos explorar a abundância de vida marinha que existe na Costa das Filipinas, como o peixe sapo, moréias, polvos e serpentes do mar, quando de repente a água sobre nós escureceu como se o céu tivesse ficado nublado por nuvens inesperadas.  Olhei para cima e havia milhares, não, milhões de sardinhas movendo-se como um só organismo. Sua massa em movimento era tão compacta que bloqueava os raios do sol, transformando o dia em noite. Foi tão impressionante que todos congelamos para assistir a ação daquilo que parecia um monstro".


Numa das fotografias de Nadya as sardinhas assumiram a forma de uma baleia, enquanto que em outras criam redemoinhos como se estivessem entrando em formação. Kulagina explicou que o cardume era tão poderoso que os manteve empurrando para baixo. "Eu tentava a todo o momento não perder o senso de direção, pois elas ficavam mudando de formas. Num minuto abriam amplos espaços e na sequencia já encolhiam se transformando em uma bola". As sardinhas viajam juntas para a sua própria proteção, mas não conseguem evitar de serem alvos dos predadores, como tubarões, baleias, golfinhos, focas e pássaros. 


Fontes: Whatsonningbo e Google

Mais um pouco da arte de Richard Young

Essa é mais uma série de fotos originais das telas a óleo do pintor inglês Richard Young, cidadão britânico, nascido em Yorkshire, em 1961, e que agora mora em North Devon, Reino Unido, onde tem escritório e estúdio. Tempos atrás divulgamos aqui um post sobre a "Dança Flamenca". Essas imagens de hoje são de danças variadas. Lindo trabalho cuja publicação só é feita com autorização pessoal do pintor. O endereço original das obras está no final deste post. (Atenção: as imagens menores estão em alta resolução. Clique para ampliá-las) 























Post(s) á beira mar

Belle Perez - Hijo de la luna (Official Music Video) HD

Sarah Brightman Don't Cry For Me Argentina

HABILIDADES COM BOLA DE VIDRO


Atleta olímpica somali terá morrido a tentar chegar à Europa

Aos 18 anos, Samia Yusuk Omar emocionou o mundo nos Jogos Olímpicos de 2008, ao completar a corrida dos 200 metros muito atrás das restantes atletas em Pequim. Um membro do Comité Olímpico somali diz que ela terá tentado em abril a travessia do Mediterrâneo com outros emigrantes em busca do sonho europeu, mas o barco afundou.
Samia Yusuk Omar nos Jogos Olímpicos de Pequim.
A notícia foi divulgada esta semana com cautelas na imprensa italiana, a partir das palavras de um antigo atleta, Abdi Bile, hoje membro do Comité Olímpico na capital somali. Abdi Bile afirmou que Samia Yusuk Omar terá embarcado na Líbia juntamente com outros emigrantes com destino a Itália, em abril deste ano, mas o barco ter-se-á afundado, num desfecho comum a centenas de embarcações que transportam emigrantes no Mediterrâneo.
Samia tornou-se num símbolo do atletismo mundial nos Jogos Olímpicos de Pequim, onde chegou apesar de todas as dificuldades que as mulheres enfrentam para praticar desporto na Somália. Para além das inexistentes condições de treino, do estado de guerra permanente e da miséria que assola também a capital Mogadíscio, o desporto feminino é uma atividade condenada pelas milícias religiosas que controlam boa parte do território.
Aos dezassete anos de idade, o feito de Samia em Pequim foi ter chegado em último lugar na corrida dos 200 metros, a dez segundos de distância das restantes atletas e recebendo aplausos de todo o estádio. Meses antes tinha participado no Campeonato Africano, terminando também na última posição numa das eliminatórias dos 100 metros.
Desde 1990, calcula-se que mais de 20 mil emigrantes tenham perdido a vida na travessia do Mediterrâneo rumo à Europa. São números citados pelo eurodeputado Willy Meyer, do GUE/NGL, ao dirigir-se ao Conselho Europeu no ano passado, pedindo medidas para "travar a morte evitável de milhares de cidadãos todos os anos ao largo das suas fronteiras" e uma investigação "sobre a violação do direito marítimo que obriga todos os navios, militares ou civis, que se encontrem nas proximidades a prestar socorro".
Um inquérito do Conselho da Europa concluiu que durante os bombardeamentos da NATO à Líbia, ficou provado que os navios de guerra deixaram deliberadamente à deriva uma embarcação com emigrantes que lhes pediu socorro, provocando a morte a 63 pessoas. Já este ano, um estudo da Universidade de Londres provou que os meios que a NATO dispunha naquela altura no Mediterrâneo eram mais que suficientes para fazerem uma operação rápida de salvamento, o que não aconteceu.
Nova centelha

A RONDA DO SOLDADINHO