AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Richard Galliano Sextet - Oblivion (Astor Piazzolla) Sébastien Surel - s...


Polícia e jornais – O convite ao crime





Nunca hei-de habituar-me à pedestre estupidez revelada tanto pelas autoridades como pelos jornalistas, sempre que ocorre uma destas espectaculares apreensões de droga. Sem excepção, durante dias, polícia, jornais e televisões não se cansam de destacar aquilo que acham mais importante e “vistoso” no seu sucesso. Ao contrário do que seria normal, no entanto, em vez de destacarem o mal que a droga faria se chegasse às ruas, gritam aos quatro ventos o dinheiro que ela iria render aos traficantes. No caso desta estória mais recente, nove milhões de euros.
Será que estas alimárias não sabem que os criminosos estão sempre convencidos de que sairão impunes? Será que estas bestas não sabem o quanto a perspectiva de um “prémio” de nove milhões de euros ajuda a fortalecer essa convicção?

Papoila - poema de António Garrochinho


FOTOS DO FUNDO DO MAR


(Imagens via Fottus.com)
fundo do mar 3 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 1 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 2 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 4 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 5 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 6 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 7 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 8 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 9 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 10 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 11 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 12 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 13 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 14 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 15 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 16 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 17 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 18 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 19 Fotos do fundo do mar
fundo do mar 20 Fotos do fundo do mar






Bispo D. Januário Torgal: «Honra seja feita aos comunistas portugueses»

Em entrevista à TSF, o bispo das Forças Armadas e Segurança afirma que só o Partido Comunista Português se preocupa com os problemas sociais do povo português: «os comunistas são mais católicos que a maior parte dos católicos!» 
Escutar entrevista clicando aqui
  1. Se o Bispo tem a ousadia de fazer esta afirmação,
    então também terá capacidade de raciocinar e ver que a biblico-judaico-cristã Religião é uma grande
    Vigarice dos Vigários de Cristo.E se não se atreve
    a renegar a crença no Absurdo,é porque ainda se considera à sua maneira,o Pastor do rebanho do Senhor o que não agradará nada à Opus Dei e à Companhia de Jesus.







    1. Caro José, a mim parece-me que uma coisa não tem a ver com a outra. O facto de o tal bispo, seja por que razão for, atacar os bandidos que tomaram conta do Estado, não tem nada a ver com as suas crenças. O comunismo, embora sendo uma ideologia de base materialista, não tem de "renegar" quem acredita no tal "Absurdo". Existe muito boa alma que acredita em deus e se identifica com os ideais comunistas. A religião é como a orientação sexual: cada um tem a que quer. O comunismo de hoje, por virtude da sua força transformadora, deve albergar todas essas orientações, seja qual for a sua índole.


  2. O PCP já a alberga há muito. Não é pela religião que mulheres e homens de hoje se dividem face à necessidade de uma profunda ruptura com a política e os governos de direita.

de vesita - versos de António Garrochinho


CAFÉ DE BORRAS


PROTEGER O NOSSO PATRIMÓNIO


nessa viagem - poema de António Garrochinho


SABEM O QUE ISTO SIGNIFICA !? MAIS UM ATENTADO PARA DESTRUIR O ESTADO SOCIAL ! - Decisão do Governo Fundo da Segurança Social vai poder investir na banca independentemente do risco Portaria hoje publicada elimina as restrições ao investimento em dívida privada. Medida vai vigorar durante todo o período de assistência financeira e é retroactiva a Janeiro de 2012.


Decisão do Governo
Fundo da Segurança Social vai poder investir na banca independentemente do risco
Portaria hoje publicada elimina as restrições ao investimento em dívida privada. Medida vai vigorar durante todo o período de assistência financeira e é retroactiva a Janeiro de 2012.
O Governo eliminou restrições ao investimento do Fundo de Estabilização Financeira na Segurança Social (FEFFS) em dívida privada, que estava até aqui condicionado ao "rating" das instituições.


O FEFFS, que foi criado para assegurar as pensões dos portugueses no futuro, assim que o sistema previdencial entrar em défice, caracteriza-se por ter um perfil de investimentos conservador.


"Pretende-se suspender, temporariamente, as restrições previstas no actual Regulamento de Gestão do Fundo no que se refere à classificação de risco das instituições bancárias nacionais", explica o Governo na portaria que hoje foi publicada em Diário da República.


A portaria suspende a norma do regulamento que estabelecia que a composição do FEFSS deve observar o limite máximo de 40% em "títulos representativos da dívida privada, com a condição do rating dos emitentes não ser inferior a BBB-/Baa3 ou equivalente ("investment grade)", o que inclui emissões de papel comercial, acções preferenciais, unidades de participação em instrumentos de innvestimento colectivo ou outros instrumentos financeiros representativos de dívida privada.


Os principais bancos portugueses estão neste momento com uma classificação abaixo dos limites que estavam definidos nesta norma do regulamento. Na sequência das sucessivas descidas do "rating" da república, também a banca passou a ter uma classificação ao nível de "lixo".


A alteração tem efeitos retroactivos a 1 de Janeiro de 2012 e vigora durante todo o programa de assistência financeira, ou seja, até pelo menos meados de 2014. 


Na mesma portaria, o Governo elimina uma outra norma que previa que o rating dos investidores que realizem as operações na União Europeia ou na OCDE seja igual ou superior a BBB/Baa2, "ou, na falta de rating, desde que cumpram as normas prudenciais exigidas pela respectiva entidade supervisora". 


Mantém-se a obrigatoriedade da composição "activa" do FEFSS assegurar um mínimo de 50% em títulos representativos da dívida pública portuguesa.


Fundo de Estabilização será necessário dentro de vinte anosO Fundo de Estabilização da Segurança Social foi criado para assegurar as pensões dos portugueses quando o sistema previdencial passar a ser deficitário, ou seja, quando a receita de contribuições não for suficiente para pagar despesas com pensões e subsídios de desemprego, por exemplo.


De acordo com o último relatório de sustentabilidade da Segurança Social, o sistema deverá entrar em défice no início da década de 30. 


Em teoria, o FEFSS deveria ser alimentado com uma transferência obrigatória de parte das contribuições dos trabalhadores e empresas, mas nos últimos anos esta transferência tem estado suspensa. A evolução do valor do FEFSS está por isso dependente das verbas da venda de imóveis e da evolução dos mercados.


A crise da dívida tem afectado o valor do fundo. O relatório que surge em anexo ao Orçamento do Estado estimava que o FEFSS fechasse 2011 com cerca de 9,7 mil milhões de euros.


As projecções prevêem que o FEFSS supere os 20 milhões de euros em 2030, década em que deverá começar a ser usado para pagar pensões. Neste cenário, as pensões dos portugueses estariam asseguradas até 2050.

negocios online 


A empreita

Por Luisa Correia
[Documentalista -Turismo do Algarve]
Os ramos de palma eram, primeiro, postos a secar. Pareciam pequenos leques que, depois, haviam de ser rasgados pelos dedos ágeis da avó que, com o polegar, separava cada fina folha da palmeira anã. Com o seu gesto brusco e firme, soltavam-se minúsculas partículas de pó que pousavam sobre a roupa preta que vestia, atenuando-lhe o luto com uma frágil película de cor bege.

Depois ainda era preciso demolhar a palma para que pudesse ser entrançada sem quebrar. Já não sei se era antes ou se era depois mas, na preparação da empreita havia também aquele momento fascinante para mim, criança, quando a avó colocava um pequeno pedaço de enxofre numa lata e lhe deitava fogo. Acho que era uma velha lata de graxa para sapatos. Uma chama azul tremia no ar por breves instantes, só o tempo da avó agarrar na lata com uma tenaz e a fechar num grande saco onde já estavam as folhas de palma para serem branqueadas.

Por fim, os dedos da avó começavam a trabalhar e era algo de mágico ver crescer aquela trança, mais ou menos larga consoante o número de hastes que se cruzavam umas nas outras. As tiras de empreita iam crescendo e ficavam arrumadas em rolos, até ao momento em que viriam a dar forma a uma alcofa. A avó, sentada na pequena cadeira de atabua, com um molho de palma enrolado num trapo velho humedecido, fazia empreita escolhendo com arte cada folha, ripando as mais largas com os dentes para que a tira fosse sempre crescendo certinha.

E a baracinha? Claro. Também havia que fazer a baracinha, o fio que servia para cozer as tiras de empreita.

Também eu fazia baracinha. E tinha jeito para a coisa. Enrolava a folha de palma à vota do dedo que servia de esticador no início do trabalho. Depois de algumas torcidas na folha, já podia soltar o dedo e continuar a torcer, acrescentando as folhas necessárias até a baracinha atingir o comprimento ideal.

Lembro-me também da agulha de cobre que guiava a baracinha por entre as folhas entrançadas da empreita. Era uma agulha gigante e achatada. Pergunto-me se ainda a encontrarei por aí, esquecida numa qualquer gaveta. É que há tanto tempo que ninguém faz empreita lá em casa.

Olhão - Algarve - festa do marisco 2012


É já entre os dias 8 e 12 de agosto, que o Festival do Marisco regressa a Olhão. O já habitual evento de grande convívio de verão das noites algarvias, com milhares de pessoas a rumarem à cidade cubista acontece, mais uma vez, no Jardim Pescador Olhanense. O Sporting Clube Olhanense alia-se à festa e apresenta a sua equipa para a época 2012/2013 no primeiro dia do Festival.
Este ano, a data de início do Festival foi antecipada, "para dar oportunidade a que mais turistas, de férias no Algarve, usufruam do evento, localizando-o na primeira quinzena de agosto".
A música e o marisco, aliados a uma paisagem deslumbrante sobre a Ria Formosa, são os ingredientes indispensáveis para mais uma edição do Festival do Marisco, o maior evento gastronómico e musical do sul do País, que decorre no Jardim Pescador Olhanense.
São cabeças de cartaz o cantor que mais vende em Portugal, Tony Carreira, que atua logo na noite de 8 de agosto, a abrir o festival (antes do espetáculo, o Sporting Clube Olhanense apresenta a sua equipa oficial para a época 2012/2013), seguindo-se os GNR a 9 de agosto e os Bandit Beatles (tributo aos Beatles) a 10. Rui Veloso traz a magia do Norte a 11 de agosto e o festival que promete trazer dezenas de milhares de pessoas a Olhão termina no dia 12, domingo, com a atuação da banda Calypso.
Esta iniciativa do Município de Olhão, organizada pela empresa municipal Fesnima, traz mais uma vez a Olhão um cartaz de luxo, aliando os saborosos mariscos e bivalves da Ria Formosa à boa música nacional e do Brasil.
As portas abrem ao público, todos os dias, às 19h30, prolongando-se a festa até à 01h30. O bilhete custa 8 euros para os adultos e 3 euros para as crianças dos 7 aos 12 anos. Para crianças até aos 6 anos, desde que acompanhadas por um adulto, a entrada é grátis.
Os ingressos estão à venda, a partir de 1 de agosto, no Ria Shopping Olhão, das 14h00 às 22h00 e, durante o Festival, nas bilheteiras do recinto.
Cartaz Musical
  8 de agosto - Tony Carreira
  9 de agosto - GNR
10 de agosto - Bandit Beatles (Tributo)
11 de agosto - Rui Veloso
12 de agosto - Calypso
Fonte: CMO

ASSEMBLEIAS MUNICIPAIS APROVAM DELIMITAÇÃO TERRITORIAL ENTRE OS CONCELHOS DE FARO E LOULÉ

INFORMAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FARO E DA CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ
 As Assembleias Municipais (AM) de Faro e Loulé aprovaram na passada sexta-feira a proposta da delimitação territorial dos dois concelhos. Este passo foi o culminar de um longo processo que envolveu 12 atos administrativos e que agora está em condições para aprovação em Assembleia da República.
 PSD-Faro votou, em bloco, a favor do acordo. O deputado João Beles (1º. drtª), membro da Junta e do MIM – Montengero foi muito criticado (por deputados e público) por ter afirmado que os jovens da Assembleia de Freguesia do Montenegro votaram contra o acordo pela sua “inexperiência e falta de informação”   
Loulé e Faro vivem há cerca de 200 anos com os seus limites territoriais indefinidos o que te acarretado inúmeras dificuldades para as cerca de 850 pessoas que aí habitam.
PS votou contra, mas dividido. Os socialistas Augusto Miranda (drtª de Luís Coelho na mesa da presidência) absteve-se, Luís Coelho (presidente da AM) não votou e Falcão Marques (1º drtª fila de trás – alegando compromissos em anteriores actos eleitorais para com populações da zona indefinida), bem como José António (presidente JF Conceição de Faro, ao lado de Falcão) votaram a favor, posição que levou Falcão a pedir a demissão da bancada do PS-Faro no final da votação. Estas posições de voto no PS permitiram a vitória da proposta do edil Macário Correia, que não a retirou apesar do pedido de várias bancadas, parecendo `adivinhar´ o resultado final (16-15, mais uma abstenção)
Entre o público não faltaram críticas acérrimas contra o acordo
A confusão tem sido muita: prédios rústicos e urbanos registados em qualquer conservatória e finanças sem critério; cidadãos com inscrição eleitoral trocada por confusão na atribuição dos códigos postais; empresas em litígios judiciais nas obras de edifícios por indefinição de quem licencia; dificuldade nas partilhas e heranças; dificuldade em delimitar a área de competência e gestão dos processos dos tribunais e forças policiais; o mesmo agregado familiar tem documentação diferente; complicações na distribuição postal; empresas com sede fiscal mal atribuída devido ao registo dos artigos urbanos onde estão instalados; os censos complicam recenseamentos o que origina transferências financeiras por parte do Estado que não ilustram a realidade.
Enfim, um sem número de pequenos e grandes contratempos que, ao longo dos anos se tem vindo a adensar e que é urgente corrigir para dar dignidade aos problemas dos cidadãos. Era uma situação que não poderia continuar.
CDU e BE juntaram-se ao voto contra, de forma inglória pela divisão no PS
A intervenção das Câmaras Municipais de Loulé e Faro terminam aqui. Após um longo trabalho de mais de 2 anos, que começou com a constituição de uma Comissão de Técnica que estudou toda a documentação disponível, o relatório produzido foi apresentado a todos os órgãos das freguesias e das autarquias que o analisaram e se pronunciaram, na sua maioria favoravelmente. Também a população teve a sua oportunidade para ser ouvida e a apresentar as suas sugestões.
CFC votou contra e o CDS-PP cumpriu a aliança com o  PSD no voto a favor do acordo
Foi um processo longo, difícil, mas necessário. Agora que estão cumpridos todos os passos legais e políticos aguarda-se o agendamento do assunto na Assembleia da República para que produza os efeitos práticos que se pretendem”, conclui o documento das duas autarquias.
Antes de abandonar o salão nobre, Falcão Marques ouviu das bancadas do PSD (Vítor Silva) do PS (Ludgero Sequeira), do presidente da AM (Luís Coelho) e do presidente da Câmara (Macário Correia) palavras de elogio sobre a sua grande atividade e “excelente desempenho” na AM, durante mais de uma década, com o PS na Câmara ou na oposição.  Falcão garantiu que se demite da AM mas nunca do PS
Manuel Luís: fotoreportagem e legendagem

Press Algarve