AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 21 de junho de 2012

Concha Buika - A Mi Manera


Passos/Portas – “Ándale, ándale!!!”


O primeiro ministro Pedro Passos Coelho e o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, estão deviagem pela América Latina, num périplo que inclui o Peru, o Brasil e a Colômbia.
A confirmar-se a visita à Colômbia, trata-se dum acontecimento sem precedentes. Na verdade, não há memória de que alguma vez duas “encomendas de droga” tão nocivas para a saúde pública, tenham alguma vez feito o trajeto Península Ibérica-Colômbia, em vez do clássico Colômbia-Península Ibérica.


Grécia admite pedir adiamento de dois anos para sanear contas públicas


A Grécia vai pedir à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional mais dois anos, até 2016, para sanear as contas públicas, o que pode implicar um novo empréstimo, noticiou hoje a agência de notícias do grupo ANA, de Atenas.
A mesma informação foi igualmente noticiada hoje pelos jornais gregos online Vima e Imerisia, que confirmam uma notícia da France Press que cita um antigo conselheiro do antigo primeiro-ministro Lucas Papademos sobre o alargamento do prazo que obriga a um novo empréstimo da ordem dos 16.000 a 20.000 milhões de euros à Grécia.
A primeira mensagem no sentido das notícias que estão a ser transmitidas em Atenas deve ser comunicada durante a reunião do eurogrupo que começa hoje em Bruxelas e em que vai estar presente o ministro das Finanças, Georges Zanias, em representação do Governo grego.
O pedido para o alargamento do prazo constava do programa eleitoral dos três partidos: da direita, socialista e da esquerda moderada que se uniram para formarem o novo Governo liderado pelo conservador Antonis Saramaras.

INVASÕES NORTE-AMERICANAS NO MUNDO*

ÚNICO PAÍS QUE UTILIZOU A BOMBA ATÓMICA!



1846 - 1848 - MÉXICO - Por causa da anexação, pelos EUA, da república do Texas. James Knox Polk.
1847 – NICARÁGUA – Invasão norte-americana e ocupação do porto de San Juan, para garantir a passagem dos seus interesses entre os oceanos Atlântico e Pacífico. James K. Polk.
1856 – BELIZE – Os EUA cedem à Inglaterra este território que não lhes pertencia. Franklin Pierce.
1860 – PANAMÁ – 1ª invasão com o argumento de «restaurar a ordem». James Buchanan
1885 – PANAMÁ - Invasão do país. S. Grover Cleevland
1888 - HAITI – Invasão do país. S. Grover Cleevland
1890 - ARGENTINA - Tropas norte-americanas desembarcam em Buenos Aires para defender interesses económicos de cidadãos seus. Benjamin Harrison.
1891 - CHILE - Fuzileiros navais esmagam forças rebeldes nacionalistas. Benjamin Harrison.
1891 - HAITI - Tropas norte-americanas debelam a revolta de operários negros na ilha de Navassa, reclamada pelos EUA. Benjamin Harrison.
1893 - HAWAI - Marinha enviada para suprimir o reinado independente e anexar o Hawai nos EUA. S. Grover Cleveland.
1894 - NICARÁGUA - Tropas norte-americanas ocupam Bluefields, cidade do mar do Caribe, durante um mês. S. Grover Cleveland.
1894 - 1895 - CHINA - Marinha, Exército e Fuzileiros desembarcam no país durante a guerra sino-japonesa. S. Grover Cleveland.
1894 - 1896 - COREIA - Tropas imperiais estado-unidenses permanecem em Seul durante a guerra. S. Grover Cleveland.
1895 - PANAMÁ - Tropas dos EUA desembarcam no porto de Corinto, província colombiana. S. Grover Cleveland.
1898 - 1900 - CHINA - Tropas dos Estados Unidos ocupam a China durante a rebelião Boxer. William McKinley.
1898 - 1910 - FILIPINAS - As Filipinas lutam pela independência do país, dominado pelos EUA (massacres realizados por tropas norte-americanas em Balangica, Samar, Filipinas - 27/09/1901 e Bud Bagsak, Sulu, Filipinas -11/15/1913) - 600.000 filipinos mortos. William McKinley, Theodore Roosevelt e William Howard Taft.
1898 - 1902 - CUBA - Tropas imperiais norte-americanas sitiaram Cuba durante a guerra hispano-americana. William McKinley e Theodore Roosevelt.
1898 - PORTO RICO - Tropas sitiaram Porto Rico na guerra hispano-americana, hoje “Estado Livre Associado” (?) dos Estados Unidos. William McKinley.
1898 - ILHA DE GUAM - Marinha norte-americana desembarca na ilha e ocupa-a como base naval até hoje. William McKinley.
1898 - ESPANHA - Guerra Hispano-Americana - Desencadeada pela misteriosa explosão do couraçado Maine, em 15 de Fevereiro, na baía de Havana. Esta guerra marca o surgimento dos EUA como potência capitalista e militar mundial. William McKinley.
1898 - NICARÁGUA - Fuzileiros navais norte-americanos invadem o porto de S. Juan del Sur. William McKinley
1899 - ILHA DE SAMOA - Tropas norte-americanas desembarcam e invadem a Ilha em consequência do conflito pela sucessão do trono de Samoa. William McKinley.
1899 - NICARÁGUA - Tropas dos EUA desembarcam no porto de Bluefields e invadem a Nicarágua (2ª vez). William McKinley.
1901 - 1914 - PANAMÁ – A marinha apoia o golpe fantoche quando o Panamá reclamou independência da Colômbia; tropas americanas ocupam o canal em 1901, quando teve início a sua construção. Theodore Roosevelt, William Howard Taft e Thomas Woodrow Wilson.
1903 - HONDURAS - Fuzileiros navais norte-americanos desembarcam nas Honduras e intervêm na revolução do povo hondurenho. Theodore Roosevelt.
1903 - 1904 - REPÚBLICA DOMINICANA - Tropas norte-americanas atacaram e invadiram o território dominicano para proteger interesses do capital do império durante a revolução. Theodore Roosevelt.
1904 - 1905 - COREIA - Fuzileiros Navais dos Estados Unidos desembarcaram no território coreano durante a guerra russo-japonesa. Theodore Roosevelt.
1906 - 1909 - CUBA -Tropas dos Estados Unidos invadem Cuba e lutam contra o povo cubano durante o período de eleições. Theodore Roosevelt.
1907 - NICARÁGUA - Tropas norte-americanas invadem e impõem a criação de um protectorado, sobre o território livre da Nicarágua. Theodore Roosevelt.
1907 - HONDURAS - Fuzileiros navais norte-americanos desembarcam e ocupam as Honduras durante a guerra das Honduras com a Nicarágua. Theodore Roosevelt.
1908 - PANAMÁ - Fuzileiros navais dos Estados Unidos invadem o Panamá durante o período de eleições. Theodore Roosevelt.
1910 - NICARÁGUA - Fuzileiros navais norte americanos desembarcam e invadem pela terceira vez Bluefields e Corinto, na Nicarágua. William Howard Taft.
1911 - HONDURAS - Tropas norte-americanas enviadas para proteger interesses norte-americanos durante a guerra civil, invadem as Honduras. Chamam-lhe depreciativamente “banana republic”. William Howard Taft.
1911 - 1941 - CHINA - Forças do exército e da marinha dos Estados Unidos invadem mais uma vez a China durante o período das lutas internas repetidas. William Howard Taft, Thomas Woodrow Wilson, Warren Harding, John Coolidge, Herbert Hoover e Franklin Delano Roosevelt.
1912 - CUBA - Tropas norte-americanas invadem Cuba com a desculpa de proteger interesses norte-americanos em Havana. William Howard Taft.
1912 - PANAMÁ - Fuzileiros navais norte-americanos invadem novamente o Panamá e ocupam o país durante as eleições presidenciais. William Howard Taft.
1912 - HONDURAS - Tropas imperiais norte-americanas, mais uma vez, invadem as Honduras para proteger interesses do capital financeiro norte-americano. William Howard Taft.
1912 - 1933 - NICARÁGUA - Tropas dos Estados Unidos com a desculpa de combater guerrilheiros, invadem e ocupam o país durante 20 anos. William H. Taft, Thomas W. Wilson, Warren Harding, John C. Coolidge e Herbert C. Hoover.
1913 - MÉXICO - Fuzileiros da Marinha norte-americana invadem o México com a desculpa de evacuar cidadãos do seu país durante a Revolução. Thomas Woodrow Wilson.
1913 - MÉXICO - Durante a Revolução mexicana, os Estados Unidos bloqueiam as fronteiras mexicanas em desapoio dos revolucionários. Thomas Woodrow Wilson.
1914 - 1918 - PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL - Os EUA entram no conflito em 6 de Abril de 1917 declarando guerra à Alemanha. As perdas norte-americanas chegaram a 114 mil homens. Thomas Woodrow Wilson.
1914 - REPÚBLICA DOMINICANA - Fuzileiros navais da marinha dos Estados Unidos invadem o solo dominicano e interferem na Revolução do povo dominicano em Santo Domingo. Thomas W. Wilson.
1914 - 1918 - MÉXICO - Marinha e exército dos Estados Unidos invadem o território mexicano e interferem na luta contra os nacionalistas. Thomas W. Wilson.
1915 - 1934 - HAITI – 3ª invasão de tropas norte-americanas desembarcam no Haiti, em 28 de Julho, e transformam o país numa colónia norte-americana, permanecendo lá durante 19 anos. Thomas W. Wilson, Warren Harding, John Coolidge, Herbert C. Hoover e Franklin D. Roosevelt.
1916 - 1924 - REPÚBLICA DOMINICANA - Os EUA invadem e estabelecem um governo militar na República Dominicana, em 29 de Novembro, ocupando o país durante 8 anos. Thomas W. Wilson, Warren Harding e John C. Coolidge.
1917 - 1933 - CUBA - Tropas norte-americanas desembarcam em Cuba, e transformam o país num protectorado económico norte-americano, permanecendo essa ocupação por 16 anos. Thomas W. Wilson, Warren Harding, John C. Coolidge e Herbert C. Hoover.
1918 - 1922 - RÚSSIA – A marinha e exército norte-americanos enviados para combater a Revolução Bolchevique. O exército realizou cinco desembarques, tendo sido derrotado pelos russos em todos eles. Thomas W. Wilson e Warren Harding.
1918 - JUGOSLÁVIA - Tropas dos Estados Unidos invadem a Jugoslávia e intervêm ao lado da Itália contra os sérvios na Dalmácia. Thomas W. Wilson.
1918 – Invasão do Panamá em Colón e Chirique, as duas costas do país. Thomas W. Wilson.
1919 - HONDURAS - Fuzileiros norte-americanos desembarcam e invadem mais uma vez o país durante as eleições, colocando no poder um governo ao seu serviço. Thomas W. Wilson.
1920 - GUATEMALA - Tropas norte-americanas invadem e ocupam o país durante greve operária do povo da Guatemala. Thomas W. Wilson.
1922 - TURQUIA - Tropas norte-americanas invadem e combatem nacionalistas turcos em Smirna. Warren Harding.
1922 - 1927 - CHINA - Marinha e exército norte-americanos, mais uma vez, invadem a China durante a revolta nacionalista. Warren Harding e John Coolidge.
1924 - 1925 - HONDURAS - Tropas dos Estados Unidos desembarcam e invadem as Honduras duas vezes durante eleição nacional. Participaram na guerra civil comandada pela United Fruit Company. John C. Coolidge.
1925 - PANAMÁ - Tropas norte-americanas invadem o Panamá para debelar greve geral dos trabalhadores panamenhos. John C. Coolidge.
1926 – NICARÁGUA – Invasão que durou até 1933, escorraçados pelas tropas patrióticas do general Sandino. John C. Coolidge.
1927 - 1934 - CHINA - Mil fuzileiros norte-americanos desembarcam na China durante a guerra civil local e permanecem durante 7 anos, ocupando o território chinês. John C. Coolidge.
1932 - EL SALVADOR - Navios de guerra dos Estados Unidos são deslocados durante a revolução das Forças do Movimento de Libertação Nacional - FMLN - comandadas por José Marti. John Calvin Coolidge.
1939 - 1945 - SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - Os EUA declaram guerra ao Japão em 8 de Dezembro de 1941 e depois à Alemanha e Itália, invadindo o norte da África, a Ásia e a Europa, culminando com o lançamento criminoso das bombas atómicas sobre as cidades desmilitarizadas de Hiroxima e Nagasaki. Franklin Delano Roosevelt.
1946 - IRÃO – A marinha norte-americana ameaça usar artefactos nucleares contra tropas soviéticas caso as mesmas não abandonem a fronteira norte do Irão. Harry Truman.
1946 - JUGOSLÁVIA - Presença da marinha norte-americana ameaçando invadir a zona costeira da Jugoslávia em resposta a um avião espião dos Estados Unidos abatido pelos soviéticos. Harry Truman.
1947 - 1949 - GRÉCIA - Operação de invasão de comandos dos EUA garantem vitória da extrema-direita nas “eleições” do povo grego. Harry Truman.
1947 - VENEZUELA - Num acordo feito com militares locais, os EUA invadem e derrubam o presidente eleito Rómulo Gallegos, como “castigo” por ter aumentado o preço do petróleo exportado, colocando um ditador no poder. Harry Truman.
1948 - 1949 - CHINA - Fuzileiros norte-americanos invadem pela ultima vez o território chinês para evacuar cidadãos do seu país antes da vitória comunista. Harry Truman.
1950 - PORTO RICO - Comandos militares dos Estados Unidos ajudam a esmagar a revolta pela independência de Porto Rico, em Ponce. Harry Truman.
1951 - 1953 - COREIA - Início do conflito entre a República Democrática da Coreia (Norte) e República da Coreia (Sul), na qual cerca de 3 milhões de pessoas morreram. Os Estados Unidos foram um dos principais protagonistas da invasão usando como pano de fundo a recém criada Nações Unidas, ao lado dos sul-coreanos. A guerra termina em Julho de 1953 com a derrota dos imperialistas e com dois estados polarizados: comunistas ao norte e um governo pró norte-americano no sul. Os EUA perderam 33 mil homens e mantêm até hoje, a base militar e aero-naval na Coreia do Sul. Harry Truman.
1953 – NICARÁGUA – Invasão em Puerto Corinto. Harry Trumanb
1954 - GUATEMALA - Comandos norte-americanos, sob controlo da CIA, derrubam o presidente Arbenz, democraticamente eleito, e impõem uma ditadura militar no país. Jacobo Arbenz havia nacionalizado a empresa United Fruit e impulsionado a Reforma Agrária. Dwight Eisenhower.
1956 - EGIPTO - O presidente Nasser nacionaliza o canal de Suez. Tropas norte-americanas envolvem-se durante os combates no canal, sustentados pela sua 6ª frota. As forças egípcias obrigam a coligação franco-israelita-britânica, a retirar-se do canal. Dwight Eisenhower.
1958 - LÍBANO - Forças da marinha norte-americana invadem e apoiam o exército de ocupação do Líbano durante a sua guerra civil. Dwight Eisenhower.
1958 - PANAMÁ - Tropas dos Estados Unidos invadem e combatem manifestantes nacionalistas panamenhos. Dwight Eisenhower.
1961 - CUBA – A invasão mercenária de Playa Giron, em Abril de 1961, organizada, armada e financiada pela CIA, com o apoio do governo imperial, foi derrotada em 72 horas e assinala a 1ª derrota do imperialismo na América Latina. John Kennedy.
1961 - 1975 - VIETNAME. Aliados aos sul-vietnamitas, o governo norte-americano invade o Vietname e tenta impedir, sem sucesso, a formação de um estado comunista, unindo o sul e o norte do país. Inicialmente a participação norte-americana restringe-se à ajuda económica e militar (conselheiros e material bélico). Em Agosto de 1964, o congresso norte-americano autoriza o presidente a lançar o país na guerra. Os Estados Unidos deixam de ser simples consultores do exército do Vietname do Sul e entram num conflito traumático, que afectaria toda a política militar dali para frente. A morte de quase 60 mil jovens norte-americanos e a humilhação imposta pela derrota do Sul em 1975, dois anos depois da retirada dos Estados Unidos, moldaram a estratégia futura de evitar guerras que impusessem um custo muito alto de vidas norte-americanas e nas quais houvesse inimigos difíceis de derrotar de forma convencional, como os vietcongues e as suas tácticas de guerrilhas. John Kennedy, Lyndon Johnson, Richard Nixon e Gerald Ford
1962 - LAOS - Militares norte-americanos invadem e ocupam o Laos durante a guerra civil contra as guerrilhas do Pathet Lao. John Kennedy.
1964 - PANAMÁ – 42 mil militares norte-americanos invadiram mais uma vez o Panamá e mataram 20 estudantes, ao reprimirem a manifestação em que os jovens queriam trocar, na zona do canal, a bandeira invasora pela bandeira honrada do seu país. Lyndon Johnson.
1965 - 1966 - REPÚBLICA DOMINICANA - Trinta mil fuzileiros e pára-quedistas norte americanos desembarcaram na capital do país São Domingos para impedir a nacionalistas panamenhos de chegarem ao poder. A CIA conduz Joaquín Balaguer à presidência, consumando um golpe de estado que depôs o presidente eleito Juan Bosch. O país já fora ocupado pelos norte-americanos de 1916 a 1924. Lyndon Johnson.
1966 - 1967 - GUATEMALA - Boinas Verdes e marines norte-americanos invadem o país para combater o movimento revolucionário contrário aos interesses económicos do capital monopolista norte-americano. Lyndon Johnson.
1969 - 1975 - CAMBOJA - Militares norte-americanos enviados depois da guerra do Vietname para invadir e ocupar o Camboja. Richard Nixon e Gerald Ford.
1971 - 1975 - LAOS - EUA dirigem a invasão sul-vietnamita bombardeando o território do vizinho Laos, justificando que o país apoiava o povo vietnamita na sua luta contra a invasão norte-americana. Richard Nixon e Gerald Ford.
1975 - CAMBOJA - 28 marines norte-americanos são mortos na queda de helicóptero, na tentativa de resgatar a tripulação do petroleiro estadunidense Mayaquez. Gerald Ford.
1980 - IRÃO - Na inauguração do estado islâmico formado pelo aiatóla Khomeini, estudantes que haviam participado da Revolução Islâmica do Irão ocuparam a embaixada norte-americana em Teerão e fizeram 60 reféns. O governo norte-americano preparou uma operação militar surpresa para executar o resgate, frustrada por tempestades de areia e falhas em equipamentos. Em meio à frustrada operação, oito militares imperiais morreram no choque entre um helicóptero e um avião. Os reféns só seriam libertados um ano depois do sequestro, o que enfraqueceu o então presidente Jimmy Carter e elegeu Ronald Reagan, que conseguiu aprovar o maior orçamento militar em época de paz até então. Jimmy Carter.
1981 – LÍBIA – 2 jactos líbios abatidos pela marinha norte-americana. Jimmy Carter.
1982 - 1984 - LÍBANO - Os Estados Unidos invadiram o Líbano e envolveram-se nos seus conflitos logo após a invasão do país por Israel - e acabaram envolvidos na guerra civil que dividiu o país. Em 1980, os norte-americanos supervisionaram a retirada da Organização de Libertação da Palestina de Beirute. Na segunda intervenção, 1.800 soldados integraram uma força conjunta de vários países, que deveriam restaurar a ordem após o massacre de refugiados palestinianos por libaneses aliados de Israel. O custo para os norte-americanos foi a morte de 241 fuzileiros navais, quando os libaneses explodiram um carro bomba perto de um quartel das forças norte-americanas. Ronald Reagan.
1983 - 1984 - ILHA DE GRANADA - Após um bloqueio económico de 4 anos, a CIA coordena esforços que resultam no assassinato do primeiro-ministro Maurice Bishop. Seguindo a política de intervenção externa de Ronald Reagan, os Estados Unidos invadiram a ilha caribenha de Granada com 6 mil marines em terra e 9 mil em 21 barcos de guerra, alegando prestar protecção a 600 estudantes norte-americanos que estavam no país, as tropas eliminaram a influência de Cuba e da União Soviética sobre a política da ilha. Ronald Reagan.
1983 - 1989 - HONDURAS - Tropas norte-americanas enviadas para construir bases em regiões próximas à fronteira, invadem as Honduras. Ronald Reagan e George Bush.
1986 - BOLÍVIA – O exército norte-americano invade o território, na justificativa de auxiliar tropas bolivianas em incursões nas áreas de fabrico de cocaína. Ronald Reagan.
1986 – IRÃO – 2 jactos iranianos abatidos no Golfo Pérsico. Ronald Reagan.
1989 - ILHAS VIRGENS - Tropas norte-americanas desembarcam e invadem as ilhas durante a revolta do povo contra o governo pró norte-americano. Ronald Reagan e George Bush (pai).
1989 - PANAMÁ - Baptizada de “Operação Causa Justa”, a intervenção norte-americana no Panamá foi provavelmente a maior batida policial de todos os tempos: 27 mil soldados ocuparam a ilha para prender o presidente panamenho, Manuel Noriega, antigo ditador aliado do governo norte-americano. Os Estados Unidos justificaram a operação como sendo fundamental para proteger o canal do Panamá, defender 35 mil cidadãos seus que viviam no país, promover a democracia e interromper o tráfico de drogas, que teria em Noriega o seu líder na América Central. O ex-presidente cumpre prisão perpétua nos Estados Unidos. Ronald Reagan.
1990 - LIBÉRIA - Tropas norte-americanas invadem a Libéria justificando a evacuação de estrangeiros durante guerra civil. George Bush (pai).
1990 - 1991 - IRAQUE - Após a invasão do Iraque ao Kuwait, em 2 de Agosto de 1990, os Estados Unidos com o apoio dos seus aliados da NATO, decidem impor um embargo económico ao país, seguido de uma coligação anti-Iraque (reunindo além dos países europeus membros da Nato, o Egipto e outros países árabes) que ganhou o título de “Operação Tempestade no Deserto”. As hostilidades começaram em 16 de Janeiro de 1991, um dia depois do fim do prazo dado ao Iraque para retirar as tropas do Kuwait. Para expulsar as forças iraquianas do Kuwait, o então presidente George Bush destacou mais de 500 mil soldados norte-americanos para a guerra do Golfo. George Bush (pai).
1990 - 1991 - ARÁBIA SAUDITA - Tropas norte-americanas destacadas para ocupar a Arábia Saudita que era base militar na guerra contra Iraque. George Bush (pai).
1992 - 1994 - SOMÁLIA - Tropas norte-americanas, num total de 25 mil soldados, invadem a Somália como parte de uma missão da ONU para distribuir mantimentos para a população esfomeada. Em Dezembro, forças militares norte-americanas (comando Delta e Rangers) chegam à Somália para intervir numa guerra entre as facções do então presidente Ali Mahdi Muhammad e tropas do general rebelde Farah Aidib. Sofrem uma humilhante derrota militar nas ruas da capital do país. George Bush (pai) e Bill Clinton.
1993 - IRAQUE - No início do governo Clinton, é lançado um ataque contra as instalações militares iraquianas, em retaliação a um suposto atentado, não concretizado, contra o ex-presidente Bush, em visita ao Kuwait. Bill Clinton.
1994 - 1999 - HAITI - Enviadas pelo presidente Bill Clinton, tropas norte-americanas ocuparam o Haiti na justificativa de devolver o poder ao presidente eleito Jean-Betrand Aristide, derrubado por um golpe, mas o que a operação visava era evitar que o conflito interno provocasse uma onda de refugiados haitianos nos Estados Unidos. Bill Clinton.
1996 - 1997 - ZAIRE (EX REPÚBLICA DO CONGO) - Fuzileiros navais norte-americanos são enviados para invadir a área dos campos de refugiados da etnia Hutu onde a revolução congolesa se iniciou. Bill Clinton. 
1997 - LIBÉRIA - Tropas dos Estados Unidos invadem a Libéria justificando a necessidade de evacuar estrangeiros durante guerra civil sob fogo dos rebeldes. Bill Clinton.
1997 - ALBÂNIA - Tropas norte-americanas invadem a Albânia para evacuar estrangeiros. Bill Clinton.
2000 - COLÔMBIA - Marines e “assessores especiais” dos EUA iniciam o Plano Colômbia, que inclui o bombardeamento da floresta com um fungo transgénico - fusarium axyporum, o “gás verde”. Bill Clinton.
2001 - AFEGANISTÃO - Os EUA bombardeiam várias cidades afegãs, em resposta ao ataque terrorista ao World Trade Center em 11 de Setembro de 2001. Invadem depois o Afeganistão onde estão até hoje. Bill Clinton.
2003 - IRAQUE - Sob a alegação de Saddam Hussein esconder armas de destruição e financiar terroristas, os EUA iniciam intensos ataques ao Iraque. É baptizada pelos EUA de “Operação Liberdade do Iraque” e por Saddam de “A Última Batalha”, a guerra começa com o apoio apenas da Grã-Bretanha, sem o endosso da ONU e sob protestos de manifestantes e de governos no mundo inteiro. As forças invasoras norte-americanas até hoje estão no território iraquiano, onde a violência aumentou mais do que nunca. George W. Bush.
2009 – HONDURAS – A CIA patrocinou a instalação vitoriosa de um golpe fascista, comandado por Roberto Micheletti, que arredou do poder o presidente constitucionalmente eleito pelo voto popular, Manuel Zelaya. Nenhum país do mundo reconheceu o novo poder. O golpe foi organizado na base militar norte-americana de Soto Cano (Palmerola). Barak Obama.
Na América Latina, África e Ásia, os Estados Unidos invadiram países para depor governos democraticamente eleitos pelo povo, ou para dar apoio a ditaduras criadas e montadas pela CIA, tudo em nome da “democracia” (deles).

OS EUA FORAM O PAÍS QUE MAIS DERRUBOU DEMOCRACIAS NO MUNDO E IMPUSERAM DITADORES A OUTROS PAÍSES! 

DE 1945 A 1980 RECORRERAM 220 VEZES À FORÇA MILITAR OU À AMEAÇA DE A UTILIZAR PARA SATISFAÇÃO DOS SEUS OBJECTIVOS IMPERIALISTAS! 



Guilherme Antunes

*Levantamento publicado em 2007 no sítio do Centro de Mídia Independente/Brasil


Senhor Carlos Zorrinho, líder "paralamentar" do PS, ainda que mal pergunte…

 Carlos Zorrinho, líder "paralamentar" do PS:
“Há muitas razões para censurar o Governo e a política que está a ser posta em prática não é uma boa política. O PS não está ao lado do Governo, mas é construtivo e a moção de censura do PCP não contribuiria em nada para resolver os problemas dos portugueses”..
Senhor Carlos Zorrinho, líder "paralamentar" do PS, consegue responder a esta pergunta,  colocada por um português que não milita em nenhum partido?..
Embora tendo sido “consensual” a escolha da abstenção no seio da Comissão Política do PS, será que contribuirá para resolver os problemas dos portugueses?

José Barata-Moura — Intelectualite

«AID' Nós QUE FMIlia» - José Barata-Moura.wmv

É a valsa da Burguesia.wmv

Eric Clapton & Roger Waters - Wish you were Here