AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 9 de junho de 2012


D. Januário Torgal. “Estou a ser vítima de um linchamento”


Bispo das Forças Armadas diz que polémica em torno da sua reforma é consequência de ter criticado Pedro Passos Coelho




  • D. Januário Torgal

OS PROBLEMAS DA EUROPA ESTÃO EM BERLIM



Louçã diz que “António Borges é o grilo falante” de Passos Coelho
09.06.2012 Por Lusa

O líder do Bloco de Esquerda (BE) disse esta noite no Porto que “António Borges é o grilo falante daquele Pinóquio mentiroso”, numa referência ao primeiro-ministro Passos Coelho, a propósito de uma possível redução salarial.

Francisco Louçã referiu-se assim a uma questão que esteve em foco nos últimos dias após António Borges ter dito que “é uma urgência” diminuir os salários em Portugal, o que levou Passo Coelho a reiterar que “não está na intenção do Governo apresentar nenhum plano que reduza nominalmente os salários em Portugal”.

O dirigente, que falava num comício de solidariedade “com o povo grego”, afirmou que o BE teve “três reuniões com a troika” e ouviu-a dizer que se Portugal tem muito desemprego é “porque precisa de baixar os salários”.

“É exactamente essa a política que o Governo persegue e foi por isso que as palavras de António Borges se tornaram reveladoras, pelo embaraço de dizer aquilo que é feito”, considerou Louçã.

O líder bloquista recordou depois que Passos Coelho afirmou discordar do que Borges havia defendido, mas definiu este como “grilo falante daquele Pinóquio mentiroso”, arrancando assim muitos aplausos entre as mais de 150 de pessoas que assistiram ao comício, numa sala do Mercado Ferreira Borges.

Louçã aproveitou também para falar do programa Impulso Jovem, um programa governamental de combate ao desemprego jovem que poderá beneficiar entre 77 mil e 165 mil jovens.

Em sua opinião, o Impulso Jovem visa “promover que o estado pague com o dinheiro da segurança Social e dos impostos uma parte dos custos das empresas”, fazendo com que “todos os jovens contratados sejam alinhados agora por 580 euros ou pouco mais, prometendo-lhes estágios e não emprego, promessas e não trabalho”.

O que o Governo pretende, segundo Louçã, é “baixar salários para mais desemprego e isto é a posição a troika, foi o que António Borges disse, é exactamente o que faz Passos Coelho todos os dias”.

“A solidariedade com a Grécia aqui está. A Grécia é Portugal daqui a um ano”, resumiu.

O BE vai intervir na campanha eleitoral grega ao lado da coligação Syrisa, que pertence à mesma família política europeia dos bloquistas, o Grupo de Esquerda Unitária.

Louçã anunciou que irá estar no “comício de encerramento” dessa força política, que surge agora como um dos favoritos à vitória nas eleições legislativas do dia 17, as segundas que se realizam na Grécia em pouco mais de dois meses.

O dirigente defendeu que “uma decisão democrática na Grécia é uma decisão de que Portugal precisa” e referiu-se também à situação em Espanha, que estará a um passo do resgate financeiro para o seu sistema bancário.

“O que a Espanha nos demonstra é que os seus problemas não estão em Atenas, estão em Berlim”, defendeu.

“ Todos os problemas da Europa estão em Berlim. Há uma crise, ele é em Berlim. Há especulação, é em Berlim. Há um ataque à Europa, é em Berlim. Há um risco para a democracia e uma ameaça às eleições, é Berlim”, completou.

Louça considerou, por isso, que, “no dia 17, o que se vai decidir não é a vida da Grécia, é a vida da Europa”.

“Tudo o que se faz contra a Europa é a senhora Merkel que está a fazer”, reforçou.


Selecção Nacional – Chegam novidades da Alemanha


Naquilo a que eu chamaria uma peça de grande interesse jornalístico-desportivo, o DN faz o favor de me informar de que uma «vaca alemã prevê vitória de Portugal». E diria eu:
- Ora aí está uma vaca alemã como deve ser!!! 
A simpática vaquinha chama-se "Yvonne" e não é como certa outra bicharada alemã que só nos dá problemas e arrelias!
...em que (quem) diabo é que estão a pensar, mentes tortuosas?!
Eu estou a falar dos cães polícia! Vocês, hein?!!!


Aceitam-se prognósticos antes do jogo

  
Esta coisa de considerarmos a selecção nacional como as nossas forças armadas da bola a caminho da frente de combate ao ponto de já ser a Armada a produzir vídeos de exaltação nacionalista não me convence. Não consigo ver um Nuno Álvares Pereira no João Pinto,  não imagino o Paulo Bento na farda de general e não confundo o onze titular com a ala dos namorados.
  
Por isso o nacionalismo não me faz ver no Miguel Veloso um jogador fora de série, nem as cambalhotas do Nani me enchem o peito de ar, fico contente se ganharem, é-me indiferente se perderem, tal como as vitórias e os carros de luxo também as derrotas são deles. Não faz sentido o governo andar a fazer de conta que não há Europeu porque receia o pior e se as coisas correrem bem vamos vê-los a apanhar o avião à pressa.
  
Mas se me pedirem a opinião direi que vamos ver quem ganha, se a Marcha da Mouraria ou o pessoal dos Bundesbank. Se ganharmos vamos gozar com a Merkel e meia Europa, a começar pelos gregos, vão festejar a vitória. Se perdermos vão dizer que o trabalho ganhou ao sempre em festa, que enquanto os nossos andaram a fazer de Marcha da Mouraria, os alemães, mesmo autorizados a uma fumaradas, fizeram o trabalho de casa.
  
Se ganhar a Marcha da Mouraria é certo e sabido que o Miguel Relvas vai aparecer mais uma vez numa tentativa desesperada de vender o seu melhor sorriso. Se perdermos vamos ter de ver mais uma vez os olhinhos pequeninos e as beiças carnudas da Merkel a rir cinicamente, como se nos tivesse a dizer que com tantos feriados e festas não vamos lá.
  
Era bom que Portugal passasse esta fase, quanto mais não seja porque o Humberto Coelho teve o cuidado de nos esclarecer que os jogadores são simpáticos e pagam os impostos no seu país. Sabendo-se que podiam pagá-los no país onde vivem temos de lhes manifestar a nossa gratidão por preferirem as nossas taxas ou por serem vítimas do nosso sistema fiscal. Mas se pagam cá os impostos só podemos desejar-lhe o melhor sucesso financeiro e esse sucesso passa pelas vitórias.
  
Mas se Portugal ganhar jogos espero que as televisões ponham a bolinha antes de o Relvas aparecer pois as suas comunicações são piores do que um filme pornográfico.

blog O Jumento

Patxi Andion, Samaritana

COMO SE ENGANAM OS POVOS