AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 6 de junho de 2012



Governo Relvas/Passos/Portas – Aprendizes... mas a aprender rapidamente



Por entre o caudal de “informação” diária com que somos anestesiados, para não repararmos nas notícias que interessam... algumas dessas conseguem romper a barreira e chamar-me a atenção, ainda que, por certo, haja outras mais interessantes ou mais graves.
Foi o caso de duas, ambas lidas no “i” virtual, uma tendo honras de capa e a outra lá mais para o miolo.
1. De futuro, se um automobilista mandado parar numa operação “stop” de rotina for assinalado como tendo alguma dívida fiscal, arrisca-se a ter imediatamente o carro apreendido.
É o Fisco a mostrar “músculo”, arrogância e total prepotência. Presumo que, em caso de dívida mais avultada, o automobilista poderá mesmo ver os membros da família que o acompanharem, serem sequestrados pelos “fiscais” como penhor da dívida. Se o devedor se mostrar mais recalcitrante, poderá mesmo começar a receber pelo correio dedos e orelhas da mulher e dos filhos, como forma de “incentivo” ao pagamento.
2. Em mais uma página do verdadeiro livro de escroqueria “escrito” por Relvas, neste caso a página dedicada à sua “alegada” pressão e ameaça sobre uma jornalista do jornal Público, qual foi o primeiro resultado prático?
Exactamente! Enquanto uns e outros discutem a hipotética queda de Relvas, quem caiu primeiro foi... a jornalista. Ou seja... a "mexilhoa". 
Mais um incómodo que é afastado do caminho. Mais um escolho removido. Mais uma espessa pincelada nas cores sombrias desta relação entre a liberdade, a transparência de processos e este governo de fanáticos que estão a cada dia que passa a mostrar que, se isso lhes for permitido, não se ficarão apenas pelo fascismo económico que, na prática, já vigora sem grande disfarce.
São (ainda) aprendizes de fascistas... mas a aprender rapidamente!