AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 22 de maio de 2012

CASO MIGUEL RELVAS/ PÚBLICO

PGR diz que "aguarda a evolução dos factos"

por lusaHoje
A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou hoje que "aguarda a evolução dos factos" sobre a polémica que envolve o ministro Miguel Relvas e o jornal Público, para decidir se é necessária a intervenção do Ministério Público.
"A Procuradoria-Geral da República aguarda a evolução dos factos para ver se se justifica a intervenção do Ministério Público", respondeu o gabinete de imprensa do Procurador Geral da República, Pinto Monteiro, quando questionado sobre a eventual abertura de um inquérito para apurar se os factos relatados na Comunicação Social - alegadas pressões e ameaças - configuram ou não um ilícito criminal.
Também hoje, o líder do PS, António José Seguro, defendeu, em Estrasburgo, o esclarecimento do caso que envolve o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, e o jornal Público.
O conselho de redação do Público afirmou na sexta-feira que Miguel Relvas, ameaçou queixar-se ao regulador do setor, promover um "blackout" de todos os ministros ao jornal diário e divulgar, na Internet, dados da vida privada de uma jornalista, se fosse publicada uma notícia sobre o caso das secretas.
A notícia, da autoria de Maria José Oliveira, pretendia evidenciar "as incongruências" das declarações do ministro, na terça-feira, no Parlamento, sobre o caso das secretas, mas acabou por não ser publicada.
Numa nota posterior, a direção do jornal justificou a não publicação, alegando não existir "matéria publicável", e garantia que tinha tomado a decisão antes de conhecer as ameaças do ministro.
Mais tarde, o Público noticiou que Miguel Relvas pedira, nesse dia, desculpa ao jornal, depois de a direção ter feito um protesto por "uma pressão" do governante sobre a jornalista que acompanha o caso das secretas.
O pedido de desculpas noticiado pelo jornal verificou-se no mesmo dia em que o gabinete de Miguel Relvas refutou a denúncia do conselho de redação do jornal.
A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) vai iniciar averiguações ao caso no início da próxima semana, revelando que recebeu "uma série de documentos" sobre o caso, enviados "por iniciativa própria" pelo ministro.




Caladinhos ou emigrantezinhos, é o que está a dar! :(

( " 'tá caladinho ou levas no focinho"... "suspendo" o que dizes e se comeres a  "SOPA " * toda, pode ser que depois possas abrir a boquinha de novo...)

SEM muitos preâmbulos, por falta de tempo e de paciência...
E é isto um País que se diz de liberdade de Expressão e do Consumidor?
E servem para ISTO os tribunais?!Em que "escola" Jurídica se formou tal Juiz que proclama tal sentença, sem se negar nunca a veracidade dos factos denunciados e agora...CENSURADOS? Ou agora diz-se  "suspensos" ou"ocultados" (não eliminados, não que isso  seria "feio"...). E  só"ocultos" para quem sabe, um dia os bloggers serem "autorizados" a "libertarem" os ditos comentários, quem sabe para a posteridade , para contarem aos netos... Ridículo!
Só TRETAS em que mais proclama a Liberdade de Expressão!
Como senti várias vezes, na pele, a censura/"suspensão" de comentários censurados em certos  blogues (e até POSTS da minha autoria!!! só porque sim e por capricho, não por nada de mal-educado ou falso que dissesse...), sei o que poderão sentir os autores e comentadores do blogue "Precários  Inflexíveis". Todo o meu apoio à sua causa!
 Esta sentença é vergonhosa! Ora leiam e aqui me calo:
Que mais nos espera, por caminhos destes a serem trilhados?!
*NOTA: Sobre o escândalo do SOPA, lei de censura da Net que chegou a ser idealizado nos EUA, a pretexto da defesa  dos Direitos de Autor, já aqui se falou noutro post mais antigo... Agora temos... "SOPA caseira" à portuguesa, via tribunal da treta!
Margarida Alegria (22-5-2012, in blog "Alegrias e Alergias")

POEMA: HÁLITO DA NÉVOA


HÁLITO DE NÉVOAS…


Doeu-me o queixume da alma em chama
quando teus olhos poisaram,
lenta e profundamente,
no pôr-do -sol do meu horizonte.




Perdeu-se a pobre, ao olhar-te…
e passou, então, a adorar os fragmentos
do fulgor de um sonho resplandecente,
da tua imagem de deus.



(Tive ciúmes, ó céus…)



Partilhamos, eu e ela, uma- chama -que- me- arde
quando, ao cair da tarde, debruçada da janela,
desfaço fios-da-meada-do-tempo
para que possas ver o hálito de ouro do meu templo.



Imaginas o que fazes, quando sinto, no
meu poema-secreto,
a doçura dos lábios que roçam lençóis
na noite ereta do meu telurismo
perdido no abismo das tuas veias?



O corpo-meu-em-delírio revela-te
os segredos de um arquiteto-desejo
que erige pontes e catedrais numa onda de vagas alteradas
que não param nunca mais!




Tuas mãos, saídas das névoas, suam flores de odorosos sussurros
que,
sob o peso do céu,
sem pudor,
se acomodam em teu oceano-ilha-poema-meu…




Palavras perdem o corpo ao enredarem-se em nós…
E já nem sei o sexo das flores ou das montanhas
quando é hora-de-nós-no-teu-morrer-em-mim…



Almas fundidas não sentem as frias ondas do mar…
Navegam adormecidas em bafos de suave calor…
Ciciam meias palavras, loucas e entorpecidas…
Ondulam, drogadas, em espumas de doce torpor …



Uma densidade líquida a escorrer pelas algas nuas
banha o hálito das névoas …
Um orvalho deslizante insinua-se entre as quatro paredes
da nossa floresta-ser-a-viver…
Cumpre-se o antigo rito das mãos entrelaçadas
enquanto que os olhos se afogam em ramas enevoadas…


Como é pungente o inverno-do-não-ter-amor…
Como é diferente o verão quando não há calor…


Quão baço é o canteiro onde os pássaros não sonham…


Quão tristes são os aloendros, quando perdem as pétalas!




Marilisa Ribeiro
C13 N-46-(ERT)-Abl/012

BLOG lUSIBERO

Mandem lá o relvas que conhece a vida privada de toda a gente...

Precários Inflexíveis
O movimento Precários Inflexíveis foi alvo de uma Providência Cautelar pela empresa Ambição International Marketing.
O movimento Precários Inflexíveis, criado por jovens trabalhadores precários, recebeu uma ordem judicial para ocultar do seu blogue vários comentários que imputavam alegadas ilegalidades a uma empresa de marketing. O tribunal, considerando  o direito à expressão, achou excessivo o pedido da empresa para que se mandassem apagar os tais comentários do blogue. Como tal não se "percebe porquê" o tribunal mandou suspender esses comentários.. Os comentários não são apagados para ter em conta o direito à liberdade de expressão, são sim suspensos... Quer dizer: os autores do blogue e talvez alguns amigos podem ler esses parágrafos, mas estão proibidos de deixar mais alguém lê-los - isso sim é que é proteger a famigerada  liberdade de expressão......
O movimento Precários Inflexíveis defende e defenderá sempre a liberdade de expressão e a igualdade na exposição de textos e ideias, críticas, ou outras, na internet, salvo excepções sobre textos violentos sob qualquer ponto de vista: físico ou social. A internet deve continuar a ser um espaço de liberdade e igualdade.


blog D"SUL

Freeport: Sócrates ameaça processar quem invocar o seu nome Antigo administrador do outlet Alan Perkins disse hoje em tribunal que o julgamento que o ex-ministro do Ambiente recebeu pagamentos ilegais.   
Terça feira, 22 de maio de 2012 

[Image]José Sócrates anunciou hoje, após a sessão de hoje do julgamento do caso Freeport em que foi ouvido o ex-administrador do outlet Alan Perkins,  que vai responsabilizar judicialmente quem abusivamente invocar o seu nome. "José Sócrates não deixará de responsabilizar judicialmente quem abusivamente  invocou ou venha a invocar o seu nome para obter  vantagens ilícitas de qualquer natureza", garante Daniel Proença de Carvalho,  advogado de José Sócrates, em nota enviada à Agência Lusa. Proença de Carvalho salienta, a propósito, que na sessão de julgamento do chamado "caso Freeport" a testemunha Alan Perkins terá relatado uma conversa  com o arguido nesse processo Charles Smith, na qual este "terá produzido afirmações pondo em causa o bom nome do engenheiro José Sócrates",  ministro do ambiente à data do licenciamento do outlet de Alcochete. "As afirmações atribuídas ao Charles Smith são falsas e difamatórias. Quando a gravação de tais afirmações foi conhecida, José Sócrates apresentou,  em 3 de Abril de 2009, queixa contra o autor dessas falsas afirmações, que deu origem a inquérito criminal, que terminou com o arquivamento do processo",  lembra o advogado, adiantando que o Ministério Público entendeu que o crime imputado ao consultor e arguido Charles Smith "estava prescrito". Alan Perkins acredita que "pinóquio" era Sócrates 
Na audiência de hoje, Alan Perkins, o administrador da Freeport entre 2005 e 2006, disse que o arguido Charles Smith o informou,  em reunião realizada no Mónaco, em janeiro de 2006,  que o então ministro do ambiente recebeu pagamentos ilegais para a obtenção da licença ambiental para o outlet de Alcochete. "Nas conversas que tive com Charles Smith e João Cabral [funcionário da empresa de consultoria Smith & Pedro e nessa qualidade consultor do Freeport]  não tenho qualquer dúvida de que a pessoa que era referida como Pinóquio [nome de código a quem se destinavam os pagamentos ilícitos] era o ministro do Ambiente",  disse Alan Perkins, que hoje foi ouvido como testemunha de acusação no âmbito do processo Freeport. No seu depoimento, Perkins acrescentou que a licença ambiental que viabilizou a construção do Freeport, em março de 2002, foi obtida mediante  "o pagamento de 150 mil libras esterlinas, o equivalente a 200/220 mil euros". 



Jerónimo de Sousa – Não à cosmética



«Jerónimo diz que adenda ao tratado é "falsa saída”»... conta-nos o DN. Depois, no texto, reproduz aquilo que são os argumentos dos comunistas portugueses contra a agressão de que estamos a ser vítimas, argumentos que o bom senso aconselharia fossem alargados a sectores maioritários da sociedade, mas que, por enquanto e salvo raras excepções, não têm grande eco fora da área comunista.
Agora é esperar.
Esperar algumas horas, ou mesmo minutos, para que sejam vertidos para a opinião pública os insultos do costume, por parte dos fazedores de opinião oficiais, ou o desprezo daqueles que fazem de conta que não tomaram conhecimento dos argumentos e propostas alternativas... quanto mais não seja, para poderem afirmar que “não há propostas alternativas”.
Esperar uns meses (mesmo que vá faltando a pachorra), até que exactamente alguns dos mesmos “iluminados” do comentário e análise política, comecem a dizer que estas “adendas” não passam de “remendos” e que são uma “falsa saída” para a situação em que estamos... só que, evidentemente, vão dizê-lo com a “convicção” de quem inventou os argumentos e, sobretudo, nunca antes os tinham ouvido na boca de mais ninguém.
Como disse, agora é esperar!


Inquisição - Ep1/4 - A Guerra do Terror


Baseado em documentos inéditos e pesquisas que revelam inúmeros segredos do Vaticano, a minissérie Arquivos Secretos da Inquisição foi destaque do The History Channel. A produção de quatro horas foi rodada na Itália, França e Espanha. A minissérie, com intervenções de especialistas, retrata as passagens mais obscuras de mais de 600 anos da Igreja Católica em sua luta para ser a exclusiva representante do Cristianismo no mundo. A Inquisição foi um sistema de terror em massa, composto por cortes secretas. Tratava-se de uma instituição que ultrapassou fronteiras geográficas e históricas, indo da França medieval ao renascimento italiano. O especial aborda essa sangrenta história, dos os arquitetos da Inquisição às vítimas de sua ira. Os episódios trazem opiniões de estudiosos como David Gitlitz (especialista em História Medieval), Stephen Haliczer (historiador), Charmaine Craig (escritor) e Joseph A. Di Noia (teólogo e reverendo).


Venezuela é exemplo de democracia para o mundo, afirma especialista

Imagen de muestraCaracas, 22 mai (Prensa Latina) O presidente Hugo Chávez é um líder universal e colocou a Venezuela como um exemplo de democracia perante todo o mundo, afirmou hoje aqui Juan Carlos Monedero, professor da Universidade Complutense de Madri.

  "Aqui está sendo defendendida a democracia, não a da Venezuela e da América Latino, senão a de todo o mundo", enfatizou o jornalista espanhol.

Assinalou que quando o presidente Chávez ganhou as últimas eleições, "a direita mundial começou a atacar este processo", porque essas agressões usualmente ocorrem quando "surge um país que pode ser referência da alternativa unida ao socialismo".

Monedero detalhou que enquanto a Venezuela facilita para seu povo moradias públicas, trabalho, previdência e educação, na Europa estão sendo cortados os direitos fundamentais da sociedade, e o sistema capitalista está colapsando.

Assegurou que ali estão se perdendo direitos fundamentais, e que enquanto a América Latina vai adiante, a Europa retrocede.

Em entrevista matutina para o programa Toda Venezuela, considerou que o chefe de Estado é uma referência de um novo processo que está sendo visto com esperança em todo mundo.

Na sua opinião, o processo de governo criado pelo Chefe de Estado já está em marcha e "ainda perante uma possível retirada de Chávez das eleições eleitorais do próximo 7 de outubro, o candidato que ele apontar ganharia", disse.

"Se ele de repente disser quero descansar um pouco mas vou seguir acompanhando este processo através do partido, de onde seja, também será excelente e esse líder ou candidato que ele indique seguramente ganhará", afirmou.

Nesse sentido, ressaltou que o povo venezuelano adquiriu consciência graças aos mais de 10 anos de administração do presidente Chávez.

No entanto, sugeriu também à população venezuelana reflexionar e assumir a responsabilidade que à cada um lhe corresponde, para que não seja Chávez quem se encarregue de todas as tarefas.

Fonte: Prensa Latina

Os globos de trapo

Que tenho a ver com tamanha enormidade de pífia imitação de riqueza?
Que temos que ver com a fortuna esbanjada em vestidos e smokings perfumados, provavelmente emprestados, alugados, trocados por favores, proclamadores de griffe?

Quantos destes tecidos são apenas anúncio sem jeito de uma fama que brilha factuamente por uma noite na constelação de estrelas sem norte, numa sociedade sem azimutes?

Que me importa que se badalem e estimem, que se proclamem e exibam, que se flagelem de prendas e elogios, que levantem prémios designados por quem sabe o segredo maior de todas as coisas, ultima porta ao lado das entradas de cavalo, favor de todos os lóbis, concentração pouco plural de pesadelos e serviços?
 Que linda e fútil é a nossa sociedade, construída com fundamento na moda, no mostra hoje que amanhã não sabemos, e na post modernice mais larvar e imbecil da criação?
 Que artistas tao geniais recebem tantos elogios, sempre os mesmos?

Que gente é esta, vestida de boa, esmoleres criaturas ignorando a crise e o desemprego, ignorando os próprios sem abrigo que mais logo à noite, na mesma rua do Coliseu, farão de uma caixa de cartão apartamento e da raiva loucura e do sonho bebedeira, para esquecer e não lembrar a vida perdida?

Quantos são afinal os que mandam nesta fantochada requentada e triste? Quem acredita que aqueles sejam mesmo os maiores do ano, da vida, da década ou do Mundo que dê o primeiro passo.
Ali nunca premiariam nem Gil Vicente, nem Luiz Pacheco; nem Zeca, nem Adriano; nem Damião de Gois nem o pobre Luiz Vaz. Nem Jorge de Sena nem Vergilio Ferreira. Provavelmente, arrisco de propósito - para acusação maior de hipocrisia total – se calhar ali nunca venceria em vida Bernardo Sassetti.

Ali vive-se a aurea mediocritas do que temos. E tenta ocultar-se a pobreza por um dia, como se o pais fosse a TV e o sucesso uma pilha de favores encadeados sob a forma de um êxito vago e sem memória. Algumas editoras escolhem entre elas e distribuem o grupo do ano. Poucas. Para o ano a coisa roda e seremos todos felizes.


Oh senhores! Querem a canção do seculo? A pedra Filosofal, talvez. A coragem do século? Humberto Delgado, talvez Salgueiro Maia. O letrista do seculo? Ary! 
Esses sim; esses são os meus maiores. 
Esses serão para sempre os Globos de ouros de uma outra Gala, de um outro país que não é aquele que ali, só muito supostamente, está presente.

blog Folha seca