AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

José Afonso - Trovas Antigas



1
Trovas Antigas

O que mais me prende à vida
Não é amor de ninguém
O que mais me prende à vida
Não é amor de ninguém

É que a morte de esquecida
Deixa o mal e leva o bem
É que a morte de esquecida
Deixa o mal e leva o bem

Quem se vai casar ao longe
Ao perto tendo com quem
Quem se vai casar ao longe
Ao perto tendo com quem

Alva flor da laranjeira
Não a dará a ninguém
Alva flor da laranjeira
Não a dará a ninguém

Olha a triste viuvinha
Que anda na roca a fiar
Olha a triste viuvinha
Que anda na roca a fiar

É bem feito, é bem feito
Que não tem com quem casar
É bem feito, é bem feito
Que não tem com quem casar

No cimo daquela serra
Está um lenço de mil cores
No cimo daquela serra
Está um lenço de mil cores

Está dizendo viva, viva
Morra quem não tem amores
Está dizendo viva, viva
Morra quem não tem amores

O que mais me prende à vida
Não é amor de ninguém
O que mais me prende à vida
Não é amor de ninguém

É que a morte de esquecida
Deixa o mal e leva o bem
É que a morte de esquecida
Deixa o mal e leva o bem

Olha a triste viuvinha
Que anda na roca a fiar
Olha a triste viuvinha
Que anda na roca a fiar

É bem feito, é bem feito
Que não tem com quem casar
É bem feito, é bem feito
Que não tem com quem casar

Letra: Canção Popular
Música: José Afonso
Álbum: Baladas e Canções (1964)

Joe Cocker - You Can Leave Your Hat On

The Beatles - Yesterday (official video)

Ballade Pour Adeline - Richard Clayderman


Cavaco Silva traidor, colocou raposas no galinheiro!?

CAVACO SILVA DECIDE PERMITIR EM CARGOS DIRIGENTES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, 

povo apoia traidores estado
Cavaco Silva sempre apoiado pelo povo 

INDIVÍDUOS DO EXTERIOR. E EIS-NOS PERANTE UM ESTADO GERIDO 

EM FUNÇÃO DOS INTERESSES DOS PRIVADOS... FOI ASSIM QUE TUDO SE AGRAVOU!? 

Este artigo oferece uma perspectiva interessante sobre o assunto... 
"Creio que foi em 1992 que esse grande expoente negativo da democracia nacional – 
e, talvez, o que mais tempo tenha ocupado altos cargos do estado desde o 25 de Abril de 1974 – 
Cavaco Silva, fez publicar o diploma que franqueava, pela primeira vez na história, os cargos dirigentes da 
Administração Pública (AP) a indivíduos vindos do exterior.
Qual a razão? Eram necessários os “mais competentes” - o que na rouquidão 
mental cavaquista quer dizer “os meus amigos”- para colocar nos eixos uma AP, 
já então, tida como pesada e ineficaz.
Quem foram os amigos que, desta vez, ele escolheu? (não; não foram Oliveira e Costa, 
Fernando Nogueira ou Duarte Lima…) foram funcionários das empresas privadas 
directamente interessadas em colocar a AP “alinhada” com os seus interesses comerciais.
Será fácil admitir que apenas um imbecil ou um sádico, colocaria raposas em galinheiros. 
Pois bem: foi essa a opção de Cavaco.
Nomeados por três anos, esses agentes dos interesses privados – 
fizeram, e ainda hoje podem fazer comissões na AP - propondo legislação, 
revogando regras, impondo estratégias que comprometeram e 
comprometem o interesse público nessas áreas 
por muitos mais anos mas, abrindo caminho às ambições de algumas 
administrações financeiras dos donos de Portugal.E, ao fim dos três anos, 
quando voltaram ás empresas a cujos quadros pertencem, 
fácil é de admitir que todos foram e serão promovidos e aplaudidos, 
pelos seus patrões de sempre, os quais nunca foram o povo português, 
o qual ajudaram e ajudam, a condenar cada vez mais...
Mas este caos cavaquista, que subsistiu durante 20 anos, 
continua agora com a Lei 64/2011, a qual – infelizmente – 
continua a permitir a usurpação privada do interesse público, 
com a cosmética de concurso público..."  
Fonte: Desabafos de um traído
.


Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/05/cavaco-silva-traidor-colocou-raposas-no.html#ixzz1usJhvCC0

blog Não votem mais neles , pensem !


Fátima – Como é que o cristianismo deu nisto?


Para além do cardeal, 22 bispos e 265 padres...  os peregrinos chegaram aos milhares. Muitos milhares. E deixaram dinheiro. Muito dinheiro. E muito ouro... nalguns casos, provavelmente, aquele último fio que restava em casa.




Krugman - A Grécia fora do Euro?!

A notícia de que o economista Paul Krugman afirma que a manutenção da estratégia alemã na gestão europeia da crise ditará o fim do euro, merece a nossa melhor atenção (publicada AQUI, passo a transcrever o seu texto):

"Krugman: fim do euro está próximo, se Alemanha mantiver a estratégia
O economista norte-americano Paul Krugman considera “muito possível” que a Grécia saia do euro no próximo mês e defende que, para evitar a rutura do euro, a Alemanha terá de aceitar ceder garantias à dívida de Itália e Espanha.
Artigo
14 Maio, 2012 - 15:06

A “receita” de Krugman para evitar o colapso do euro é a Alemanha aceitar injetar, de forma indireta, créditos públicos nos “gigantes” da Itália e de Espanha, com garantias para a dívida dos países ou, caso contrário, será o fim do euro. Numa entrada do seu blogue no New York Times intitulada "Eurodämmerung" (O Crepúsculo do Euro), o Nobel da Economia, Paul Krugman, admite que é “muito possível” que a Grécia abandone o euro já no próximo mês e explica o modo como lhe parece que o euro poderá acabar… ou não.
Primeiro, uma saída da Grécia, “muito possivelmente no próximo mês”. Entretanto, haverá “enormes levantamentos” dos bancos espanhóis e italianos, com os “depositantes a tentar mudar o seu dinheiro para a Alemanha”. Para Krugman, é também possível que sejam instituídos “controlos de fato, com os bancos proibidos de transferirem depósitos para fora do país e limites aos levantamentos em dinheiro”.
Perante este cenário, Krugman diz que o Banco Central Europeu (BCE) terá que intervir para fornecer liquidez aos bancos.
A “receita” de Krugman para evitar o colapso do euro é a Alemanha aceitar injetar, de forma indireta, créditos públicos nos “gigantes” da Itália e de Espanha, com garantias para a dívida dos países ou, caso contrário, será o fim do euro.
Krugman lembra que para dar alguma esperança a Espanha são necessárias garantias sobre a sua dívida (para os custos de endividamento se manterem suportáveis) e uma inflação mais elevada na zona euro, para tornar possível um ajustamento relativo dos preços.
A alternativa é o “fim do euro”, dentro de meses, e não de anos. É assim que lhe parece que "o jogo pode acabar”.
As previsões de Krugman surgem numa altura de grande impasse político na Grécia, depois das últimas eleições de 6 de Maio, com o cenário de novas eleições em meados de Junho a ganhar força. Isto depois de os três partidos mais votados, o Nova Democracia, o Syriza e o PASOK não terem conseguido chegar a acordo para formar um governo de unidade nacional.
Esta indefinição está a aumentar os receios entre os investidores quanto à possível saída da Grécia da união monetária, o que está a pressionar o euro e as bolsas europeias na sessão desta segunda-feira. Espanha e Itália continuam a pagar custos elevados para se financiarem no mercado de dívida. Após os leilões desta manhã, os juros da dívida acentuaram os ganhos, não só em Espanha e Itália, mas também em Portugal."





Passos Coelho quer portugueses a aceitar mudar de vida. Não sejam piegas, a prostituição é oportunidade!

coelho desemprego é oportunidade
CLIQUE PARA AMPLIAR E LER

PASSOS COELHO NÃO TEVE O MÍNIMO DE SENSIBILIDADE PARA COM AS PESSOAS QUE ESTÃO 

A SER FLAGELADAS PELO DESEMPREGO.

Mais grave ainda, dado que em Portugal, as perspectivas apontam para muitas dificuldades 
em retomar uma vida produtiva, já que os empregos 
escasseiam de dia para dia e a criação de negócios não é também uma saída. 
Perder o emprego é assim muito mais grave e assustador, 
pois as perspectivas de novas oportunidades são muito fracas.
Mas Passos Coelho, o menino bem que nunca soube o que era trabalhar ou precisar de trabalhar, 
ou sequer procurar emprego não tem noção do ridículo e do ofensivo que é, 
dizer aos portugueses que "perder o emprego é uma oportunidade para se mudar de vida"... 
Sim talvez seja uma oportunidade para mudar para pior... mais miséria, mais fome, 
mais medo, mais contas por pagar, mais perda de dignidade... é realmente uma mudança radical... 
principalmente quando se perde o emprego depois dos 45... é só oportunidades!!!

Ou talvez Passos Coelho estivesse a sugerir que as pessoas se sujeitem à mudança que a Srª Merkel impôs no seu império, 
retratada na imagem aqui anexada, uma jovem que se recusou a aceitar a nova "oportunidade"? 
Será esta a mudança que Passos Coelho quer na vida dos portugueses? Ou vendes a alma e a dignidade, 
ou és lançado para a mais profunda e abjecta miséria? Esta imagem contém a noticia de uma mulher que recusando-se 
a aceitar um emprego que incluía vender sexo, corria o risco de perder o direito aos apoios sociais. 


Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/#ixzz1urZyby4h

blog Não votem mais neles, pensem !

Sérgio Godinho - Coro das velhas




NPR Tridente: Submarino milionário sem combustível após cortes na Marinha

AUTOR: REDAÇÃO
SEGUNDA-FEIRA, 14 MAIO 2012 12:30
  Marinha Portuguesa sem dinheiro para combustível do submarino Tridente, que foi adquirido por 500 milhões de euros e se encontra suspenso da maioria das operações militares. Fonte do Ministério da Defesa confirma ao Correio da Manhã que existem “limitações operacionais” nas Forças Armadas, por dificuldades económicas, que afetam uso de submarinos, caças e blindados.
O submarino NPR Tridente, que Portugal adquiriu à Alemanha por 500 milhões de euros, em 2010, encontra-se praticamente sem utilização, em virtude da incapacidade financeira da Marinha Portuguesa e das restrições orçamentais impostas pelo Ministério da Defesa, liderado por Aguiar-Branco.
A incapacidade financeira em sustentar o Tridente foi assumida pelo Ministério da Defesa, em declarações reproduzidas pelo Correio da Manhã, que aponta um “reajustamento na realização de exercícios militares”, relacionado com a “utilização de combustível”, a que os submarinos obrigam.
Realce-se que os submarinos utilizam três tipos de combustível. Além do gasóleo, é necessário hidrogénio e oxigénio líquido. Igualmente as fragatas da Marinha estão com utilização mínima.
O submarino Tridente foi comprado pelo Estado português há oito anos, ao consórcio alemão Ferrostaal. O Tridente veio acompanhado de outro submarino, batizado de “Arpão”, num negócio que implicou um investimento total de mais de mil milhões de euros.
A crise que o país atravessa está a provocar “limitações operacionais às Forças Armadas”, de acordo com o mesmo jornal. No entanto, não é apenas a utilização dos submarinos que esta prejudicada com estes cortes. Também os caças F-16 voam menos, pelos mesmos motivos. A Força Aérea apenas cumpre o horário mínimo de utilização. Igualmente os Pandur, viaturasblindadas, estão quase sempre fora de terreno.
O Ministério da Defesa definiu um corte orçamental de 244 milhões de euros, sendo que, para o efeito, suspende a utilização de equipamentos considerados fundamentais para todos os ramos das Forças Armadas. Está assegurada, porém, “a prontidão necessária” em exercícios que sejam considerados urgentes.

Uns vão bem e outros mal. Fausto


Uns vão bem e outros mal 

Senhoras e meus senhores, façam roda por favor
Senhoras e meus senhores, façam roda por favor, cada um com o seu par
Aqui não há desamores, se é tudo trabalhador o baile vai começar
Senhoras e meus senhores, batam certos os pézinhos, como bate este tambor
Não queremos cá opressores, se estivermos bem juntinhos, vai-se embora o mandador
Vai-se embora o mandador
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
De velhas casas vazias, palácios abandonados, os pobres fizeram lares
Mas agora todos os dias, os polícias bem armados desocupam os andares
Para que servem essas casas, a não ser para o senhorio viver da especulação
Quem governa faz tábua rasa, mas lamenta com fastio a crise da habitação
E assim se faz Portugal, uns vão bem e outros mal
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
Tanta gente sem trabalho, não tem pão nem tem sardinha e nem tem onde morar
Do frio faz agasalho, que a gente está tão magrinha da fome que anda a rapar
O governo dá solução, manda os pobres emigrar, e os emigrantes que regressaram
Mas com tanto desemprego, os ricos podem voltar porque nunca trabalharam
E assim se faz Portugal, uns vão bem e outros mal
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
E como pode outro alguém, tendo interesses tão diferentes, governar trabalhadores
Se aquele que vive bem, vivendo dos seus serventes, tem diferentes valores
Não nos venham com cantigas, não cantamos para esquecer, nós cantamos para lembrar
Que só muda esta vida, quando tiver o poder o que vive a trabalhar
Segura bem o teu par, que o baile vai terminar
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição

Fausto, Madrugada dos Trapeiros, 1978

Eu vim de longe

Menina dos meus Olhos - José Mario Branco