AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 6 de março de 2012


Últimas da área educativa e anti-educativa

                                     (MLR em mais uma "linda" foto, no programa de rádio "gente que conta"... Que CONTA?! Puah! só se for contar dinheiro e tachos! Jamais esqueceremos a destruição que promoveu!)
Antes de posts "de fundo" , lugar a três novidades no campo da Educação (duas) e no da "Anti-Educação", a primeira e mais antiga, pois é do foro judicial , sobre pessoas que foram contra a Escola Pública e a Educação em Portugal. Sim, adivinharam, a dita cuja, em mais uma foto para a posteridade acima, embora continue por aí a acumular prebendas, na sua prateleira dourada e em um programa de debate da rádio onde é mais do estilo "ãhn... eu acho que... ãã~.... efectivamente... ããn.... os políticos até se esforçam em poupar recursos ãn... os cidadãos é que querem tudo... aãh....quero homenagear estas mulheres... ahn.... e falar dos cargos e do salário do  engenheiro catroga é cair em armadilhas e alçapões... ahn..."
Bem, adiante.
A primeira notícia é para lembrar o andamento do julgamento da ARGUIDA (como sabe bem ver este termo associado ao ser em causa!)   Maria de Lurdes Rodrigues, acusada de prevaricação e que já noticiámos AQUI. Para já, o  secretário-geral  do ME, João da Silva Baptista, já foi condenado a uma multa ( quatro mil Euros) pelo Tribunal de Contas e o julgamento a "sério" virá por aí.
APROVAMOS: começam a ver-se alguns resultados e a repor-se a justiça deste vergonhoso caso de favorecimento e de delapidação do Erário público.
NÃO APROVAMOS: Como é que apenas o Secretário-geral paga multa(é ele o "responsável da Educação" mencionado no título) e apesar de tudo pequena face aos montantes em jogo  e a responsável máximapela pasta da Educação , então,(claro, MLR...) não paga um tostão?Pois... coisas do "mexilhão", já se sabe...
A segunda notícia é sobre a polémica do AO e da "bola de neve" contra o mesmo,  que aqui temos vindo a noticiar. Desta vez, os filhos da falecida filóloga e especialista em gramática do Português e etimologia,Maria Leonor  Carvalhão Buescu, grande   Professora Universitária, vieram esclarecer o público, precisamente num artigo do "Público" de hoje, o quanto rejeitam o abuso que foi feito do bom nome da sua mãe, que já não está cá para rebater e desmentir. Dizem que estudos científicos da sua mãe foram descontextualizados e deturpados.
Resumindo, explicam eles que Edite Estrela  Almira Soares e  Maria José Leitão, senhoras recentemente convertidas à defesa do AO, por via do patrão Sócas (pois entretanto já haviam publicado novos manuais sobre a Língua, ignorando olimpicamente o "novo-AO"),  têm vindo a mencionar os estudos de Maria Leonor Buescu, para defender o novo AO. O trio  de doutoras-malabaristas alegavam num determinado livro e por outras vias (por exemplo no Facebook) e citando a respeitável Linguista que as mudança deste AO  eram tão necessárias, embora impostas, como outrora haviam sido as regras criadas pelos primeiros gramáticos ( por ex., Fernão de Oliveira e João de Barros, no séc. XVI)!!!!
Os  filhos subscritores da carta aberta vieram esclarecer que era obviamente abusiva a comparação, pois esses gramáticos tiveram de criar regras onde elas não  existiam e fizeram um trabalho o mais coerente possível tendo em conta as referências possíveis então. Já o novo AO,combatido com denodo por Maria Leonor Buescu, quando entre nós, além de não ter coerência etimológica e de argumentação possível, não passava da tentativa de alteração por decreto das regras JÁ EXISTENTES!
O artigo chama-se
"UM CASO DE REVISIONISMO POR CONVENIÊNCIA" ( inPúblico, 6-3-2012, pág 51, versão papel- linkei o título a um post do blog "ILCAO- ILC contra AO", que reproduziu o texto) .
Não sei se está online do Público, mas deixo aqui alguns excertos significativos (os sublinhados são meus):
"Convém repor a verdade, sobretudo quando ela altera e por isso mancha a reputação de quem, ao longo de toda a sua vida, foi umagenerosa e infatigável defensora de princípios científicos que justificaram a sua crítica frontal ao AO, no âmbito das polémicas que sobre ele desde os anos 80 tiveram lugar."
"Uma deturpação como esta, realizada por quem sabe quanto a crítica directa ao AO foi uma das posições definidoras de Maria Leonor Buescu  , roça o abuso do direito ao bom-nome, que está constitucionalmente protegido, mesmo para aqueles que já faleceram, como é infelizmente o caso."
"(...) a transposição adulterada do seu saber apenas manifesta que quem a cita não sabe o suficiente para a compreender(...) As observações de Maria Leonor Buescu descrevem uma situação histórica, do 1º quartel do séc. XVI, em que os primeiros gramáticos e ortografistas foram confrontados com a necessidade de codificar o vernáculo de uma forma sistemática, o que ainda não tinha ocorrido até aí."
"É com orgulho que dizemos que Maria Leonor Buescu continuaria hoje, se fosse viva, a ter  precisamente as mesmas  posições que nos anos 80 e 90. Ou seja, continuaria a criticar de forma tenaz e inteligente , com o saber que ao longo dos anos construiuo presente Acordo, que na sua óptica era uma peça científicamente lamentável e socialmente injustificada."
Leram ,senhores "Casteleiros" e senhoritas "Estrelas"?"Cientificamente lamentável e socialmente injustificada" ! Ora tomem!
Lembro-me bem da posição oficial de Mª L. Buescu , nos anos iniciais da polémica. Foi das que mais batalhou contra o absurdo AO. Lamento também que haja quem não olhe a meios para alcançar os fins.
 Respeito quem argumente linguística e cientificamente, mas tal não foi o caso de Edite Estrela e "sus muchachas", que foi chamada  à última da hora como "especialista", para  acudir à causa  do novo AO, de uma imposição política e teimosa do seu delfim Sócrates, que por sua vez só queria agradar a alguns políticos brasileiros seus amigos (e nem os linguistas brasileiros foram devidamente escutados!).
E reparem bem: o que os antigos gramáticos quiseram uniformizar, foi para fixar a Língua escrita e assim ajudarem à preservação da jovem Língua Portuguesa de então. Já o novo AO faz o inverso:pretende uniformizar a Língua, transcrevendo para a escrita todas as suas variantes orais, assim criando o Caos linguístico e o vale-tudo ou tanto-faz -como- fez, ajudando apenas a fixar umas formas confusas que vão  dificultar e destruir a correcta leitura e em consequência causar a  futura deturpação oral das palavras, em "pescadinha de rabo na boca", destruindo a Língua, já vetusta e  de respeitável cabeleira banca, ao invés de a ajudar a preservar num mundo de Línguas francas onde muitas Línguas  "nobres" correm risco de morte. Para respeito pela Língua, estamos conversados. Claro que as Línguas são dinâmicas e evoluem, mas  o que este "Aborto Ortográfico" faz é o equivalente àqueles criadores de cães e gatos que tentam alterar a genética e a evolução natural das raças, cortando cirurgicamente as caudas  ou as orelhas a certos cães, para que os seus filhos nasçam  já sem elas e assim não incomodem os donos ao "espanar" a alegre cauda pelos apartamentos. Como  no caso desses cruéis indivíduos que brincam a Deus, Malaca Casteleiro e os seus seguidores mais assanhados parecem achar que as consoantes mudas (só para dar um exemplo) são uma maçada herdada do Latim e que é preciso modernizar o idioma à força e por decreto. Sobretudo se depois, vaidosos,  derem o nome a essa "reforma" mal amanhada!
Portanto:
APROVADA: a atitude esclarecedora e esclarecida dos herdeiros de Mª L. C: Buescu.
REPROVADAS: as atitudes à falsa  fé de E. Estrela e Companhia, que pensavam que tal deturpação daria validade científica ao AO e que esse abuso passaria incólume.
Terceira novidade: MEC e seis sindicatos chegaram a acordo quanto às regras de colocação de professores. VER AQUI o texto em PDF, fornecido pela FNE.
ainda não fiz a sua leitura atenta mas, para já:
APROVADO: algumas melhorias em relação aos texto inicial da proposta ( o habitual: pôr a proposta  inicial muito negra, para depois ocinza escuro final já parecer algo cheio de luz!): o poder dos directores nas contratações de escola não é tão exagerado. há algum peso da graduação  profissional, em contraste com o anterior dos critérios`"a la carte"... Professores do privado e do público podem concorrer lado a lado, mas já não há o desequilíbrio tão grande que punha os  do privado em vantagem escandalosa perante os que andaram a calcorrear o país em concursos públicos... Mesmo assim, é irónico que não possa existir o "quid pro quo", de os docentes  de público não poderem  aceder mais facilmente às escolas privadas, que não através da rainha Cunha. Como dizia o outro: " enfim... é a Vida!"... :((
NÃO APROVADO: Toda a complicação gerada com esta necessidade de novos regulamentos, tudo porque a dona maria de Lurdes e suas sequelas  instalaram o  conflito, a arbitrariedade e o Caos em algo que era antes razoavelmente consensual ( por exemplo:  com as  manias de novos programas informáticos inventados  e vendidos por amiguitos, bem como ao misturar todas a ordem de classificação para concursos para agradar a outros amiguitos fingindo o mérito mas gerando uma salada e muita injustiça, ou seja,destruindo pela base tudo o que era mais tranquilo e dava  alguma estabilidade às escolas). Não aprovado também todo o processo destes acordos constantes , mais uma vez assinado por uns e não por outros e pondo em letra de lei interesses lobbistas, nomeadamente do ensino Privado, que, tal como no caso das empresas,  gosta de ser privado para não ter interferências do Estado, mas passa a gostar do Estado para receber subsídios (cada vez maiores, enquanto as verbas para as escolas públicas diminui a passos largos!)  ter igualdade de circunstâncias  em concursos públicos, igualdade  que não dão eles  a outros...
E o texto vai longo, já há muito que ler aqui...ok ok... sempre foi umpost "de fundo"! :))
Quanto ao cartoon prometido( outro assunto), não sei se ainda poderá sair hoje, mas está quase e merece a espera, modéstia à parte, eh eh...
O outro texto prometido, de assunto  (muito ) mais sério e triste também já está rascunhado, mas hoje não quero voltar a ele, para me manter com boa disposição q.b, para ultimar o cartoon!
Até já! ;)
Margarida Alegria (6-3-2012, in blog "Alegrias e Alergias")

Comédia

















Hoje trago à cena uma comédia
Das mais hilariantes… promissora.
Veste dior, calça prada, é suprema…
Enfim, uma notável e cobiçada senhora.
Só de a ver naquele andar altivo,
Os homens ficam de pele arrepiada,
Tudo se eriça, tudo perde o sentido,
A vida corre, em sonhos, desvairada.
A restante plateia não quer ver
O que ali se mostra, tão-somente,
Não por julgar sobejo, mas por não ter
O fulgurante ADN desta gente.

E a alma da intriga não se viu,
Só a pele nutrida e luzidia.
E a peça, que prometia, morreu
Num palco forrado a hipocrisia.

Maria da Fonte
blogdachickitabakana.blogspot.com


The winner takes it all

As sondagens dão-lhe entre 16 a 18 por cento dos votos nas presidenciais francesas de Abril, percentagem que ameaça Sarkozy de nem conseguir chegar à segunda volta, a realizar em Maio. No entanto, Marine Le Pen, a líder da extrema direita conhecida como "a candidata do povo", corre o risco de nem sequer conseguir apresentar-se à corrida. Estranho, não vos parece? 
Não tanto assim... Também em França, a democracia está cheia de truques e golpes baixos e  um candidato às presidenciais tem de recolher 500 assinaturas de eleitos locais para ver o seu nome inscrito nos boletins de voto. Marine Le Pen tem 10 dias para arranjar as 48 assinaturas que lhe faltam e o dinheiro de que necessita para a campanha. Como se pode ler aqui, a tarefa não está fácil.
Apesar de ser aparentemente uma boa notícia, o afastamento da  corrida da candidata da extrema-direita está inquinado e pode ter, a médio prazo, efeitos perversos.
Como facilmente se percebe, o grande beneficiado será Sarkozy, cujo discurso se tem aproximado dos grandes ideais do partido de Marine Le Pen, o que lhe irá certamente permitir obter um número significativo de votos da extrema-direita. Sarkozy recebeu o apoio de Merkel. 
Depois de escolher os governos da Grécia e de Itália, Merkel  quer também condicionar as eleições em França e terá conseguido que , tal como ela, também Cameron, Monti e Rajoy, se recuem a receber François Hollande.
Em jogos de bastidores que inquinam a vontade popular, a direita tenta perpetuar-se no poder do Atlântico aos Urales. Dizem eles que a bem da democracia e do desenvolvimento. A mim, parece-me que o caminho é bem diferente e não augura nada de bom... e é um bom pretexto para pensar na revisão da lei eleitoral que o Centrão anda a cozinhar, baseado no princípio"The winner takes it all" ( o partido mais votado numa autarquia preencherá todos os lugares do executivo camarário, deixando de ter oposição).

 Turismo do Algarve: vice-presidente demite-se por discordar da política do governo para o setor 
05-03-2012

Fernando Anastácio, um dos quatro vice-presidentes do Turismo do Algarve, renunciou hoje ao mandato, por “profunda discordância” com a política da secretária de Estado do Turismo. António Pina fica até ao fim.
 
rtaequipapina2.jpg
Ver Galeria
 
A ‘gota de água’ terá sido o fim do programa de animação Allgarve a par de cortes orçamentais e das alterações que Cecília Meireles pretende a implementar nos organismos regionais de turismo.
Em missiva enviada aos funcionários da ERTA, Fernando Anastácio salienta: “Entendo que é condição necessária para executar certas políticas concordar com elas, o que no caso presente não acontece comigo, ao que se alia o facto de não ser meu feitio estar nos lugares só pelo exercício dos mesmos”.
"Esta nova realidade retira qualquer possibilidade, em minha opinião, de se desenvolver um trabalho sério, cada vez mais necessário em prol do setor do turismo e do Algarve, e não permite que continuem reunidas as condições para um pleno e cabal exercício das responsabilidades que, no meu entender, estão atribuídas à ERTA", salienta.
O vice-presidente do Turismo do Algarve, afirma também estar “plenamente convicto que os funcionários do Turismo do Algarve são o seu melhor ativo”, criticando assim os cortes orçamentais de 30% impostos este ano pela Secretaria de Estado que levarão à rescisão de contratos.
Anastácio, que integra a direção da Federação socialista do Algarve foi eleito em 2007 e reeleito em 2008 na lista encabeçada por António Pina, sufragada pela Assembleia Geral da ERTA que reúne as autarquias e organismos da administração central desconcentrada com relevância para o setor, além das associações empresariais e sindicais.
Embora se preveja a alteração da orgânica das ERT, a renúncia do cargo por este presidente deverá levar à sua substituição por Luís Tavares, que ocupa o lugar seguinte na lista.
A renúncia ao mandato de Fernando Anastácio (PS) e a entrada de Luís Tavares (PSD) altera a relação de forças política no executivo da ERTA, passando os social-democratas a deter a maioria.
Até aqui, eram três os elementos ligados ao PS: Fernando Anastácio, Nuno Aires e o presidente, António Pina enquanto António Almeida Pires e Helena Mack haviam sido designados pelo PSD.
O presidente da ETA, António Pina, na sua qualidade de presidente já confirmou em declarações à Lusa que “continua a ter condições para exercer o mandato” cujo prazo deveria terminar em outubro, mas deverá ser encurtado para o verão altura em que a secretária de Estado pretende ‘mexer’ na orgânica das regiões de turismo.
“Percebo as razões dele para sair, mas tenho pena que o faça, até porque era uma pessoa que sabe argumentar e que eu ouvia sempre”, adiantou.
Por sua vez Nuno Aires, que já presidiu à ERTA e protagonizou com António Pina um diferendo sobre quem liderava o turismo do Algarve, adiou a sua decisão de continuar ou não no órgão executivo, para o fim do mês altura em que regressa de férias.

Observatório do Algarve

Megaoperação de combate à fraude fiscal com 11 detidos


Uma megaoperação policial de combate à fraude fiscal e ao branqueamento de capitais permitiu identificar 19 suspeitos, 11 dos quais foram detidos.
Os detidos, de diversas nacionalidades, têm entre 27 e 60 anos.
 
foto ARQUIVO
Megaoperação de combate à fraude fiscal com 11 detidos
PJ envolvida na operação
JN

 
No âmbito da operação, foram apreendidos cinco imóveis, 12 automóveis e mais de 500 saldos de contas bancárias e milhares de pneus.
Em causa está uma fraude inter-comunitária de dois milhões de euros para um valor de aquisição superior a nove milhões, envolvendo um negócio de pneus.
Os suspeitos estão indiciados pela prática dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e associação criminosa.
Mais de uma centena de investigadores da PJ e pelo menos uma dezena de efetivos da Autoridade Tributária e Aduaneira estiveram envolvidos nas operações, iniciadas às 7 horas desta terça-feira
.

Morte e Vida Severina em Desenho Animado


Ramalho Eanes diz que país tem de decidir se quer ter Forças Armadas

 Por Rita Brandão Guerra

Ramalho Eanes considera essencial definir o papel das Forças ArmadasRamalho Eanes considera essencial definir o papel das Forças Armadas (Foto: PÚBLICO)
 Em entrevista à Antena 1 nesta terça-feira, o antigo Presidente da República defendeu que o país deve decidir se quer ter Forças Armadas e se está na disponibilidade de as financiar.

“O que é necessário é o país definir o que quer. Se quer forças armadas, se não quer. Se quer forças armadas, para quê. E estabelecendo para quê, aceita, naturalmente, que tem de lhe atribuir determinados meios financeiros para que elas possam estar em condições de responder àquilo que é o destino que lhe é atribuído pelo poder político”, concretizou.

Parco em comentários quanto à afirmação recente do ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco – que em Fevereiro aludiu a uma eventual falta de sustentabilidade das Forças Armadas – Ramalho Eanes considerou que o país tem de definir, antes de mais, o papel que atribui à instituição militar e dotá-la dos meios adequados, mas escusou-se a responder à pergunta sobre se o poder político sabe o que pretende das Forças Armadas.

"É necessário que os portugueses digam o que é que querem das Forças Armadas", insistiu.

O antigo Presidente da República defendeu ainda que é em tempo de paz que as Forças Armadas se devem preparar para "fazer face a situações de guerra".
PUBLICO.PT




Vidas penhoradas


Segundo a Câmara dos Solicitadores, há mais de 100 mil pessoas com vencimentos penhorados, devido às dificuldades financeiras.

Existem três principais razões para a falta de pagamento de dividas e a respectiva penhora. O endividamento excessivo e os mais de 30% dos usurários juros cobrados por algumas instituições de crédito o que faz com que muitas famílias tenham um divida eterna pois a penhora do máximo de salário autorizado é de um terço do mesmo o que muitas vezes não chega para pagar só os juros. Mas há também aqueles que fizeram bem as suas contas e que vêm os cortes nos seus salários e subsídios bem como o aumento de impostos a retirarem-lhes a possibilidade de cumprirem com as suas obrigações. Aqui é a falta de cumprimento do Estado do acordo que tinha com os cidadãos que cria as situações mais preocupantes. Os que menos culpa têm são os que perderam os empregos pelas politicas erradas deste e de outros governos e que, não tendo salários para penhorar, vêm os seus bens móveis a serem retirados de suas casas agravando ainda mais a sua situação de miséria. 
Já ouvi por aí muita gente atirar com as culpas desta situação para cima das costas dos cidadãos acusando-os de terem gasto acima das suas possibilidades. Há certamente casos desses, mas muitos que fizeram sacrifícios para poderem ter uma casa para viverem com as suas famílias, que sempre pagaram os seus créditos, são agora confrontados com a impossibilidade de o continuarem a fazer quer devido aos cortes nos salários quer pela situação de desemprego. Esses, os desempregados ainda vão ver as suas casas violadas e os seus bens, seja uma televisão, um fogão ou uma mesa, confiscados agravando ainda mais o seu desespero.
Uma outra situação de desgraça social aproxima-se e quando começarem a chegar a casa dos contribuintes as cartas das finanças com o valor do IMI para pagar, não terão possibilidade de o fazer e vão ver a sua casa penhorada. Grave é que essa situação é criada pelo próprio Estado que depois o vai penhorar. Aumento do IMI, cortes nos salários e dos subsídios de férias e Natal, tantas vezes utilizados para pagar estas despesas extraordinárias, impostos pelo Estado, o mesmo Estado que depois vai "roubar" a casa a quem não a possa pagar. Se isto não é desonesto e miserável de um Estado que devia ser de direito não sei o que será.
A pobreza, a miséria e o desespero cada vez alastram mais na sociedade portuguesa e o Passos Coelho continua com o seu discurso do "custe o que custar". Eu digo que temos de mudar isto rapidamente custe o que custar.


Hospital Garcia da Orta: Aqui há gato!



Reclamando sempre a objectividade, a imparcialidade e o distanciamento em relação ao poder político burguês, a comunicação social, sempre sedenta de notícias que aumentem o seu share de audiências, rejubilou com a caixa noticiosa que revelava que a falta de um determinado tipo de compressas – de contraste, para poderem ser detectadas através dos raios X e evitar que os cirurgiões se esqueçam de as retirar após a operação – tinha colocado em risco as cirurgias programadas no Hospital Garcia da Orta, em Almada.

Perante a relutância do fornecedor, que espera há mais de 19 meses para que lhe sejam pagos os fornecimentos deste material para aquela unidade hospitalar, congratula-se anossa prestimosa comunicação social com a solidariedade do Hospital Amadora-Sintra que, prontamente, emprestou ao Hospital Garcia da Horta o material em falta.

O que estas notícias escamoteiam é o facto de ambas as unidades hospitalares terem um modelo de gestão privado, tendo por objectivo, não a prestação dos cuidados de saúde em conformidade com as necessidades dos trabalhadores e elementos do povo da sua área geográfica de cobertura, mas tão só a racionalização dos meios numa lógica puramente capitalista, economicista e mercantilista.

O que estas notícias escamoteiam é o que há muito vimos denunciando. Que este governo de traição PSD/CDS, e os governos PS que o precederam, a mando da tróica germano-imperialista, tudo tem feito para destruir um serviço nacional de saúde, público, para entregar o sector, através das trafulhices jurídico-políticas que são as PPP (Parcerias Público Privadas), ao capital privado e aos grandes grupos financeiros e bancários.

O que estas notícias escamoteiam é que este governo de traidores, quer através do aumento das taxas moderadoras, dos cortes na participação dos medicamentos e nos meios auxiliares de diagnóstico, quer através da entrega da gestão hospitalar a um corpo de gestores apostados em implementar um modelo de gestão do tipo capitalista, pretende tornar a saúde num negócio apetecível para os grandes grupos capitalistas, da área financeira e bancária, à custa da morte, da falta de assistência e de acesso a um serviço de saúde público, digno e de qualidade para os trabalhadores e para os elementos do povo e suas famílias.

O que estas notícias escamoteiam é que só o derrube deste governo e a sua substituição por um governo com um programa democrático patriótico poderá assegurar uma política de saúde que satisfaça as necessidades dos trabalhadores e do povo português.

FOME E MISÉRIA NO PAÍS MAIS RICO DA TERRA - REPORTAGEM BBC




milhares e milhares de crianças que passam fome no país mais rico da terra, os EUA. Crianças a viverem nas condições mais degradantes, em tendas e debaixo de aquedutos e pontes.O que aconteceu com a visão de Barack Obama para o país. (CLIP EM INGLÊS, REPORTAGEM BBC)

ORIGEM - DEPOIS DO BEIJO - POEMAS DE ANTÓNIO GARROCHINHO



morte do leiteiro - Carlos Drummond


Há pouco leite no país
é preciso entregá-lo cedo.
Há muita sede no país,
é preciso entregá-lo cedo.
Há no país uma legenda,
que ladrão se mata com tiro.
Então o moço que é leiteiro
de madrugada com sua lata
sai correndo e distribuindo
leite bom para gente ruim.
Sua lata, suas garrafas,
seus sapatos de borracha
vão dizendo aos homens no sono
que alguém acordou cedinho
e veio do último subúrbio
trazer o leite mais frio
e mais alvo da melhor vaca
para todos criarem força
na luta brava da cidade.
Na mão a garrafa branca
não tem tempo de dizer
as coisas que lhe atribuo
nem o moço leiteiro ignaro.
morador na Rua Namur,
empregado no entreposto
Com 21 anos de idade,
sabe lá o que seja impulso
de humana compreensão.
E já que tem pressa, o corpo
vai deixando à beira das casas
uma pequena mercadoria.
E como a porta dos fundos
também escondesse gente
que aspira ao pouco de leite
disponível em nosso tempo,
avancemos por esse beco,
peguemos o corredor,
depositemos o litro...
Sem fazer barulho, é claro,
que barulho nada resolve.
Meu leiteiro tão sutil
de passo maneiro e leve,
antes desliza que marcha.
É certo que algum rumor
sempre se faz: passo errado,
vaso de flor no caminho,
cão latindo por princípio,
ou um gato quizilento.
E há sempre um senhor que acorda,
resmunga e torna a dormir.
Mas este acordou em pânico
(ladrões infestam o bairro),
não quis saber de mais nada.
O revólver da gaveta
saltou para sua mão.
Ladrão? se pega com tiro.
Os tiros na madrugada
liquidaram meu leiteiro.
Se era noivo, se era virgem,
se era alegre, se era bom,
não sei,
é tarde para saber.
Mas o homem perdeu o sono
de todo, e foge pra rua.
Meu Deus, matei um inocente.
Bala que mata gatuno
também serve pra furtar
a vida de nosso irmão.
Quem quiser que chame médico,
polícia não bota a mão
neste filho de meu pai.
Está salva a propriedade.
A noite geral prossegue,
a manhã custa a chegar,
mas o leiteiro
estatelado, ao relento,
perdeu a pressa que tinha.
Da garrafa estilhaçada.
no ladrilho já sereno
escorre uma coisa espessa
que é leite, sangue... não sei
Por entre objetos confusos,
mal redimidos da noite,
duas cores se procuram,
suavemente se tocam,
amorosamente se enlaçam,
formando um terceiro tom
a que chamamos aurora.




livre - António Garrochinho