AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 11 de fevereiro de 2012


Fotos de um dia de inverno!






Não resisti em publicar estas belas fotos, tiradas hoje no jardim pelo meu amigo Luís Miranda. O Algarve, com este inverno cheio de luz, e com temperaturas amenas, convida a fazer caminhadas e a fotografar, que são, aliás, dois dos nossos hobbies favoritos.
A pequena avezinha, conhecida por cá como felosinha (Phylloscopus collybita), passa o inverno no sul da Europa e norte de África, e parece gostar muito das flores dos meus aloés.

o canto do rouxinol




o rouxinol da ribeira
canta pela noite inteira
nas lindas noites de luar
chama pela sua amada
que está na outra ramada
e ele quer namorar

António Garrochinho










clike na imagem s.f.f. acesso ao vídeo.

POIS É ! ORA VEJAM !



Há nove meses, ainda Sócrates era primeiro-ministro, uma repórter do Diário de Notícias, Maria de Lurdes Vale, escrevia:

«Terá de haver uma mudança de vida profunda, e já ninguém terá paciência para ser cúmplice de um regime que premeia os amigos e os conhecidos em detrimento dos que tiveram de fazer o caminho à sua própria custa. Ao contrário do que muitos pensam, esta revolta dos jovens de hoje talvez seja a primeira depois do 25 de Abril que tem pés e cabeça.» ? Contra os que sempre passaram à frente, DN, 20 de Fevereiro de 2011.

Há três meses, a mesma repórter foi nomeada assessora de imprensa do ministro da Economia, com vencimento equiparado a director-geral: 3900 euros por mês, acrescidos de ajudas de custo e subsídios de alimentação, Natal e férias. (Com remuneração superior, só a chefe de gabinete do ministro Santos Pereira: 5900 euros por mês mais ajudas de custo e subsídios de alimentação, Natal e férias.)

OS MAIS PEQUENINOS NA MANIFESTAÇÃO 11 FEVEREIRO 2012 , E OUTRAS FOTOS DE EGAS BRANCO






FOTOGALERIA MAIS 17 FOTOS DA MANIFESTAÇÃO QUE REUNIU MAIS DE 300.000 PESSOAS EM LISBOA (PARTE II)


















MAIS DE QUARENTA FOTOS ESPECTACULARES DA MANIFESTAÇÃO HOJE EM LISBOA 11 FEVEREIRO (PARTE I)























Processo: José Eduardo Moniz e Manuela Moura Guedes incluídos

Carlos Cruz não pagou dívidas a jornalistas

Carlos Cruz deve, desde Março de 2010, 21 840 euros à TVI e a alguns dos seus jornalistas, em consequência de um processo contra o ex-apresentador. Em causa estão acusações feitas no seu livro.

Por:Teresa Oliveira
    a
      
    O caso não chegou a ser julgado, já que Carlos Cruz chegou a um acordo, pedindo desculpa e reconhecendo que "se excedeu na linguagem e nas imputações feitas", segundo a acta de audiência de 5 de Março de 2010, a que o CM teve acesso.
    Contudo, o ex-apresentador ficou obrigado a pagar 1040 euros à TVI e 5200 euros (valores com quatro por cento de juros incluído) a Ana Leal, Alexandra Borges, Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz.
    Contactadas pelo CM, as jornalistas da TVI e Manuela Moura Guedes confirmam que, quase dois anos depois, o ex-apresentador ainda não lhes pagou um cêntimo. O CM entrou em contacto com Carlos Cruz, mas o ex-apresentador recusou falar.
    "Ele não cumpriu o que se comprometeu perante a juíza. Ainda não recebi nada, mas faço questão de receber", diz, indignada, Alexandra Borges.
    O mesmo exige a jornalista Ana Leal: "Em tribunal é suposto dar a nossa palavra de honra - que é a única coisa que temos de facto - mas ele [Carlos Cruz] pelos vistos não a tem."
    Também Manuela Moura Guedes, à data subdirectora de Informação do canal de Queluz, disse ao CM "nada ter recebido", e reclama o pagamento por parte do ex-apresentador. "Acima de tudo é uma questão de princípio, porque ele tem de ter a noção de que não pode dizer mentiras e difamar sem que isso traga consequências. E se o tribunal determinou, ele tem de cumprir", diz Manuela Moura Guedes.
    A jornalista disse ainda ao CM que entretanto havia prometido dar metade da quantia "a uma pessoa que fazia parte da equipa de investigação".
    Até ao fecho desta edição, não foi possível ouvir José Eduardo Moniz, então director-geral da TVI.