AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

a gruta - poema ilustrado de António Garrochinho


















É nos vestígios da terra
Que me encontro nu
A razão adormece
Acordada a guerra
E o sabor a sangue cru

Mergulho nas águas
Gélidas do oceano.
Despedaço a pele
Porque estou sujo
Da vida, ano após ano.


As asas que roubei a Ícaro
Deram-me a ilusão de voar
Mas só sobrevivem
No meu pensamento
E na voz das sereias que ouço cantar

E nos olhos que tenho
Deixo que o fogo renasça
E se aviva e cresça
Como se fora vivo
E sendo vivo se refaça.

Manuel F. C. Almeida
blog Avec le temps

SEXO... A MELHOR DO DIA


 

Nem foi preciso Advogado !

Um homem foi apresentado perante o juiz e acusado por ter feito sexo com um cadáver feminino.


Disse o juiz:


Em 20 anos de magistratura, nunca ouvi uma coisa tão nojenta e imoral !!!
 
Dê-me uma única razão para eu não pô-lo na cadeia !
Vou lhe dar não uma, mas TRÊS boas razões:

1ª Não é da sua conta;
2ª Ela era minha esposa;
3ª Eu não sabia que estava morta. Sempre agiu assim!




ABSOLVIDO !!!
 

amuo - poema de António Garrochinho


amuo

rebelde quando te amuas
quando por ciúmes recuas
no amor que teu corpo deseja
" pigarreas"  como as catatuas
mas depois nas carícias nuas
teu carinho nunca sobeja

António Garrochinho


Fevereiro, Mês do Amor - { BEIJO }




A mão que descai o simples gesto
A boca que humedeces, eu não mereço
Estar de ti, dos teus lábios, perto assim


Aos meus olhos, só teus olhos, pois o resto
Deixo de ver, desaparece e até me esqueço
Que eles não estão mais a olhar para mim


Ia jurar que  fui eu quem deu um passo
Quem pegou na tua mão, quem num abraço
Declarou o seu amor, te fez sorrir


Ia jurar que estou apaixonada
E que por ti me sinto arrebatada
Pelo beijo que se torna a repetir




Fê Blue Bird
blog  Só te peço cinco minutos 

as mãos - poema ilustrado de António Garrochinho


transparência - poema de António Garrochinho

o nosso amor é um beco sem - fim
eu em ti
tu em mim
sabes que te amo
não to escondo
não me engano
temos a transparência
no acto de amar
não nos podemos enganar
o coração não deixa !


António Garrochinho



o jogo - poema de António Garrochinho


CALCETEIROS E CALÇADA PORTUGUESA (PARTE 2) IMAGENS DE BRUNO BURNAZ


































A CALÇADA PORTUGUESA EM PORTUGAL - MACAU - ANGOLA - BRASIL - DEZENAS DE IMAGENS (parte 1)