AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 29 de janeiro de 2012


Cabo Espichel é urgente preservar a memória

O aspecto da placa toponímica faz jus ao estado geral...

Aspecto geral do Santuário do Cabo Espichel
Tudo emparedado escondendo o seu interior
Aqui existe um gerador que alimenta a unica loja de souvenir
Outra perspectiva e fica a duvida da legalidade deste abrigo para o gerador
A céu aberto - I
A céu aberto - II
Ruinas - I
Ruinas - II
Ruinas - III
Ruinas - IV
Ruinas - V
Ruinas vendo ao fundo uma construção que se duvida da sua legalidade...
Ruinas - VI
Pedras Perdidas...
Estacionamento
O alerta que parece que ninguém quer ver...
blog Sebenta do Nando

ALGARVE - AS AMENDOEIRAS ESTÃO JÁ EM FLOR



Passeio de domingo (82)


Hoje perdi-me de amores pelas amendoeiras em flor. Nem consegui ver mais nada.

MANUEL CARVALHO DA SILVA - FOTOS DE UMA VIDA - (SLIDES)



Palavras-chave  Carvalho da SilvaCGTP


Ler mais: http://aeiou.visao.pt/manuel-carvalho-da-silva-fotos-de-uma-vida=f644330#ixzz1kt2Ebp4L


O Caderno dos 80 Temas - Kath

O canto das aves imiscuía-se no raiar do Sol e eu, sentada à beira do precipício, observava como o céu se matizava com o passar dos minutos. Era uma visão digna dos deuses.

– Em que pensas?

– Não tenho a certeza. Acho que penso em nada – respondi, cruzando as pernas. – Penso em nada para poder sentir tudo. Faz sentido?

Ao meu lado, a bela jovem abanou a cabeça. Os seus cabelos eram de puro outro, revoltos e reluzentes. O rosto revelava-se uma mescla estranha de expressões que se harmonizavam – parecia simultaneamente triste e alegre. Mas, para mim, isso também não fazia sentido.

– Então, diz-me o que pensas. – Pedi, com um sorriso curioso.

Ela hesitou um pouco, levando um dedo ao queixo enquanto meditava.

– Penso que não penso. Penso que pensar destrói, penso que te estou a destruir ao pensar, por isso não vou pensar mais – respondeu, com um sorriso demasiado feliz para se coadunar com as suas palavras. – Se pensar demasiado, a vida morrerá nesse pensar.

Fiz uma careta de desgosto. As reflexões dela criavam-me nós na mente, e depois tinha de passar todo o dia a tentar desfazê-los. Era sempre assim.

– Mas se não pensares de todo, a vida não chega a nascer sequer. – Notei, perguntando-me o que iria ela responder àquilo.

Via-a ficar novamente pensativa. Quanto mais pensava, mais os cabelos cresciam, alargando-se pela superfície em seu redor, mergulhando no penhasco, sem medo. Quando senti que uma madeixa me tocou a mão, estremeci por dentro, sofrendo a sua queimadura na pele e na alma.

– Porque me fazes perguntas tão difíceis? Já disse que não quero pensar. Estou a magoar-te. – Concluiu, sem deixar de sorrir, mas ainda assim com tristeza no olhar.

Encolhi os ombros. Não era nada de novo, só significava que estava na minha hora de recolher, que precisava de me afastar. Mas só depois de sentir um pouco mais daquela dor. Queria que ela pensasse. Queria uma resposta. Insistiria até à eternidade se fosse necessário.

– Não faz mal. Continua a pensar. – Pedi simplesmente, observando-a. Mas até olhar para ela já me magoava.

E ela pensou, pensou até os seus cabelos se perderem no horizonte, pensou até eu sentir o corpo tremer. Quando dei conta que já não aguentaria mais aquele tormento, fechei os olhos.

– Volto amanhã e esperar-te-ei aqui, à mesma hora. Não faltes e traz-me a tua resposta – volvi, deixando-me cair do penhasco com um mero impulso, como se se tratasse da brisa do vento. – Não faltes, Madrugada.

Senti o seu olhar, até me perder de vista na escuridão daquele abismo.

– Até amanhã, Noite – chegaram as suas palavras até mim, antes de me sentir a adormecer. Ela já pensara o suficiente para que a vida nascesse e seguisse o seu trilho sinuoso.

15 - Triste e Leda Madrugada

Faro em Outros Tempos... fotografia



Faro em Outros Tempos...

Faro Antigo... Quem não se Lembra

blog faroparaaoutracoisa





“O Tesão” – com Aníbal!

imageGostei imenso deste novo filme do mr been de Boliqueime!

Já tinha gostado dos outros 3 filmes anteriores 

O bolo-rei – uma incursão ao cinema mudo onde Aníbal consegue fazer acrobacias incríveis com o bolo-rei! 

Gostei imenso também do segundo filme! Quem não se lembra desse grande êxito de verão que parou o país para dizer “estou com comichão porque fui picado por uma ave chamada Açores”!

E finalmente o grande filme de espionagem “o violado”…. História impressionante onde é violado…. O email de Aníbal e todos os espiões leram as dicas de investimento no BPN! 

Este novo filme, “O Tesão” é um drama onde Aníbal, interpretado brilhantemente por Aníbal, vê sempre a sua virilidade colocada em causa! 

Todos as noites, ele e Maria, juntinhos à lareira e a ver televisão….. Maria, vendo nos noticiários a mancha de pobres cada vez maior, diz para Aníbal “ tantos tesos Aníbal….ai que saudades…. onde tudo em ti era teso!”


Perante este facto, Aníbal vê-se obrigado a dizer ao mundo… eu é que sou o verdadeiro eu é que sou “O Tesão” deste país!

Um grande filme que com toda a certeza trará grande benefícios para o nosso país! Assim que os chineses chegarem à EDP e vendo este grande artista, partilharão esta informação e serão charters de 500 chineses a trocarem a Walt Disney pelo circo de Belém!

O HOMEM QUE ANOTAVA A COR DOS CABELOS

O que te falta para seres feliz? – perguntou a si próprio o homem que anotava a cor dos cabelos das pessoas com quem se cruzava. Tinha mulher e filhos, viviam numa casa modesta rodeados de monotonia, com o pó das estantes domesticado e uma ausência de paixão que salva os corpos do fracasso. Que mais poderia desejar? No entanto, sentia-se só, talvez por ninguém à sua volta querer saber da sua solidão, por toda a gente olhá-lo como se fosse normal, natural, passar o tempo todo a anotar a cor dos cabelos das pessoas. Não conseguia dialogar porque sentia não haver quem quer que fosse à altura do seu desespero, preferia sentar-se na varanda, como quem caça lufadas de ar fresco, a anotar a cor dos cabelos das pessoas. Um dia disse: vou-me embora. E toda a gente chorou, acorrentaram-no antes que ele pudesse dar o primeiro passo na direcção do voo, armadilharam-lhe as asas com o desprendimento dos criminosos que cometem crimes sem consciência de que estão a cometê-los. Ou então disfarçavam a tortura, fingindo nada perceberem, nada notarem, nada sentirem de anormal no homem que passava a vida a anotar a cor dos cabelos das pessoas com quem se cruzava. Não havia paixão naquele homem, apenas desistência. Há muito deixara de sentir o coração, limitava-se a respirar, mal, e a coçar a cabeça sempre que lhe faziam perguntas sobre o estado do tempo. Não se recordava da última vez que dissera quero ou amo-te ou faço, apenas de ter apanhado, em tempos, boleia para o destino e de ter falhado por escassos segundos o encontro que lhe mudaria a vida. Há na existência de um homem circunstâncias que tudo determinam, inclusive o tom da voz em silêncio, a degeneração da coluna numa curva abismal, o suor nas palmas das mãos sempre que se aproximam dois corpos. Talvez fosse uma vítima do amor que os outros lhe dedicavam, embora não conseguisse sentir esse amor senão como uma barreira, uma espécie de muro que o separava de si próprio e da afirmação da sua personalidade. Porque para o homem que passava a vida a anotar a cor dos cabelos das pessoas com quem se cruzava o amor era um acto falhado, a esperança era uma ilusão e o tempo era um mal ao qual todos estamos sujeitos. Então perguntava-se: O que te falta para seres feliz? Não conseguia pensar em si na primeira pessoa, por isso questionava-se como se estivesse a falar com terceiros. Falta-me não ter consciência do tempo. – pensou. Porque cada segundo perdido a fazer o que não quero e a agir contra a minha vontade é, sem dúvida, uma vida inteira desperdiçada. Circunstâncias há que tudo determinam, o homem que passava a vida a anotar a cor dos cabelos das pessoas sabia que nada podia contra as evidências: falhara, era escravo da sua inabilidade para fugir, da sua incapacidade de agir, da sua total inoperância, era escravo de se deixar escravizar. E então sentava-se na varanda a anotar a cor dos cabelos das pessoas que com ele se cruzavam, e imaginava por debaixo dessas cores o tom grisalho da velhice e vingava-se do estado em que se encontrava pensando, de si para si, que vítimas e carrascos acabarão todos por desparecer. Mas nada disto o confortava, e não podia conformar-se com a possibilidade de vir a desaparecer sem nunca ter sequer aparecido, sem nunca ter podido dizer quero ouamo-te ou faço sem que isso implicasse o fim do mundo com suas imponderáveis consequências (sic).

este governo é negro e não tem história - sextilhas populares

 
negro, negro, negro
como as asas do morcego
o governo Passos/Portas
lixou o nosso País
apodreceu-lhe a raíz
levou-o por veredas tortas
negro, negro, negro
estúpido como um penedo
o governo do capital
corrupto até á medula
só quer dinheiro e tem gula
é a ruína de Portugal
António Garrochinho

montanha russa



montanha russa, a vida !
muitas vezes doce
muitas sofrida
estonteante
montanha russa a vida
que vivê-la
me apetece
a cada instante

António Garrochinho

Orçamento armadilhado


O défice do ano passado acabou por ficar abaixo do previsto, mas só porque em cima da hora conseguiram utilizar o Fundo de Pensões da Banca para tapar o incumprimento em quase 3%. Ficámos agora a saber que em 2011 os buracos que o ministro encontrou foi ele que os cavou, pois as despesas até foram abaixo do orçamentado mas infelizmente as receitas também. Para 2012 o Ministro apresentou um orçamento que aumenta ainda mais os impostos, reduz a despesa cortando subsídios e salários sem olhar à economia e à miséria que está a fomentar e onde publica números para recessão muito abaixo do já previsto quer pelo FMI, OCDE, UE ou qualquer pessoa com meio palmo de testa. Já fez uma correcção ao Orçamento sete dias após começar o ano, já informou da necessidade de um Orçamento rectificativo e todos os dias vão surgindo rubricas não orçamentadas, nos Ministérios, nas Autarquias para não falar do BPN onde ainda continuamos a pagar centenas de milhões do dinheiro que outros roubaram ou dos 500 milhões que a tal transferência do Fundo de Pensões da Banca nos vai colocar nas costas todos os anos. Se só isso já mostrava que este Orçamento é uma ilusão mais certeza temos quando vemos as medidas recessivas a destruir a pouca economia interna que ainda temos e com isso a reduzir as receitas futuras. A externa a ser afectada pela recessão em Espanha e na Europa, mais a crise das dividas soberanas a falência da Europa, a especulação e a subserviência dos nossos governantes. Em Abril já vai este país andar com as mãos na cabeça, com mais medidas de austeridade a serem decretadas como inevitáveis, um novo financiamento da Troika na ordem do dia e a economia a implodir assim como as receitas do Estado. Este Orçamento de Estado para 2012 não é um Orçamento, é uma bomba relógio.


Sexalescentes…




Se estivermos atentos, podemos notar que está aparecendo uma nova franja social: a das pessoas que andam à volta dos sessenta anos de idade, os sexalescentes: é a geração que rejeita a palavra "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer.
Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica - parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa de jovens oprimidos em corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como vestir-se.
Este novo grupo humano, que hoje ronda os sessenta, teve uma vida razoavelmente satisfatória.
São homens e mulheres independentes que trabalham há muitos anos e que conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram durante décadas ao conceito de trabalho. Que procuraram e encontraram, há muito, a atividade de que mais gostavam e que com ela ganharam a vida.
Talvez seja por isso que se sentem realizados... Alguns nem sonham em aposentar-se.
E os que já se aposentaram, gozam plenamente cada dia, sem medo do ócio ou da solidão, crescem por dentro, quer num, quer na outra.
Desfrutam a situação, porque, depois de anos de trabalho, criação dos filhos, preocupações, fracassos e sucessos, sabem bem olhar para o mar, sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da janela de um 5.º andar...
Neste universo de pessoas saudáveis, curiosas e ativas, a mulher tem um papel destacado. Traz décadas de experiência de fazer a sua vontade, quando as suas mães só podiam obedecer, e de ocupar lugares na sociedade que as suas mães nem tinham sonhado ocupar.
Esta mulher sexalescente sobreviveu à bebedeira de poder que lhe deu o feminismo dos anos 60. Naqueles momentos da sua juventude, em que eram tantas as mudanças, parou e refletiu sobre o que, na realidade, queria.
Algumas optaram por viver sozinhas, outras fizeram carreiras que sempre tinham sido exclusivamente para homens, outras escolheram ter filhos, outras não, foram jornalistas, atletas, juízas, médicas, diplomatas ...
Mas cada uma fez o que quis: reconheçamos que não foi fácil, e, no entanto, continuam a fazê-lo todos os dias.
Algumas coisas podem dar-se por adquiridas.
Por exemplo, não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos "sessenta", homens e mulheres, lida com o computador como se o tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe (e vêem-se), e até
se esquecem do velho telefone para contactar os amigos - mandam e-mails com suas notícias, ideias e vivências.
De uma maneira geral, estão satisfeitos com o seu estado civil e, quando não estão, não se conformam e procuram mudá-lo. Raramente se desfazem em prantos sentimentais.
Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os riscos.
Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflete, toma nota, e parte para outra ...
Os maiores partilham a devoção pela juventude e as suas formas superlativas, quase insolentes de beleza; mas não se sentem em retirada.
Competem de outra forma, cultivam o seu próprio estilo ... Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do desporto, ou dos que ostentam um Armani, nem as mulheres sonham em ter as formas perfeitas de um modelo. Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, de uma frase inteligente ou de um sorriso iluminado pela experiência.
Hoje, as pessoas na década dos sessenta estreiam uma idade que não tem nome. Antes seriam velhos, e agora já não o são. Hoje têm boa saúde, física e mental, recordam a juventude, mas sem nostalgias, porque a juventude ela própria também está cheia de nostalgias e de problemas.
Celebram o sol em cada manhã e sorriem para si próprios...
Talvez por alguma secreta razão, que só sabem e saberão os que chegam aos 60 no século XXI ...
(Autor desconhecido)

Padre em ‘retiro espiritual’ estava no 'Costa Concordia'

Um padre italiano disse aos seus paroquianos que se iria ausentar para realizar um retiro espiritual. Até aqui tudo bem, não fosse o pároco ser um dos passageiros do navio cruzeiro ‘Costa Concordia’, que há duas semanas naufragou ao largo da ilha italiana de Giglio.

O padre Massimo Donghi foi desmascarado pela sobrinha, que, poucas horas após a tragédia, publicou uma mensagem no Facebook, dizendo que ela, o tio e a avó tinham sobrevivido e estavam bem.
A sobrinha explicou ainda que os três familiares conseguiram alcançar um salva-vidas, que os levou até terra.
Os paroquianos de Besana Brianza, uma localidade com cerca de 15 mil habitantes, ficaram então a saber que o padre estava num retiro espiritual... com 17 andares de luxo, casino, hidromassagem e até piscinas!
FONTE: Correio da Manhã 

SEMANADA - OS TEMAS IMPORTANTES DA SEMANA


Semanada

Aquilo que parecia uma questão de ligas de senhora está a tornar-se num escândalo nacional, o senhor das secretas sabe muito e parece que o seu saber serviu a muita gente. Consta que serviu a Ongoing enquanto estava na secreta, que serviu Passos Coelho quando estava na Ongoing e agora veio a público que tinha dados de mais de quatro mil pessoas o que fez pensar que a secreta trabalhava para ele. Resta agora saber quem se serviu tanta informação, até porque um dos visados por esta imensa base de dados pessoal foi Eduardo Bairrão, o secretário de Estado que foi excluído por Passos Coelho depois de a Manuela Moura Guedes ter dado umas dicas ao primeiro-ministro. Não deixa de ser curioso como muitos dos nomes da lista estava na primeira linha do derrube de José Sócrates. Inventaram uma face oculta, agora começa a haver sinais que existia uma face secre e tanto quanto se sabe não se dedicava a oferecer robalos.

Todavia, por mais artista que seja o rapaz, que generosamente se desempregou para proteger a Ongoing dos ataques da perigosa Impresa, não lhe pode ter sido atribuído o mérito de ter distraído a atenção dos portugueses de coisas mais importantes para o país como saber quem manda em Belém ou a desgraça em que se está a transformar a política económica do Gasparoika que tem o pior de Teixeira dos Santos e de Manuela Ferreira Leite. Do primeiro herdou a total incapacidade de fazer uma previsão acertada, na segunda imita o desespero por encontrar os famosos sinais de retoma, na sua ausência dedica-se a inventar pontos de viragem. O mesmo Gasparoika que tirou o tapete ao Batanete da Rua da Horta Seca quando este declarou 2012 o ano de viragem veio agora defender precisamente o mesmo.

Enquanto o Gasparoika não sabe o que fazer da vida e o Presidente da República não sabe como acorrer às despesas o país assiste ao salve-se quem puder, assinado o acordo de concertação social entre os representantes dos patrões mais ociosos, um governo desesperado por mostrar serviço e o sindicato dos bancários promovido a central unitária representante dos trabalhadores, soube-se que o Arménio teve o cuidado de excluir os seus das medidas mais duras do acordo. Isto é, as medidas do acordo de concertação social são para aplicar a todos os trabalhadores menos aos que assinaram o acordo! Como compensação adicional pela figura triste feita pela UGT o pessoal da CGD vai ser recompensado pelo corte dos subsídios. Até o senhor Carlos Costa veio dizer que só não cortava os subsídios porque a lei não lho permite, deve estar a gozar com os portugueses, o pessoal do Banco de Portugal também beneficia das benesses concedidas aos bancários a troco do negócio de venda dos direitos dos trabalhadores portugueses permitido por aquele senhor que tem mais ar de merceeiro de bairro do que de sindicalista.

Finalmente se percebeu porque razão o senhor Costa do Banco de Portugal se empenha tanto em dar tacadas no rendimentos dos portugueses e nos direitos dos trabalhadores, o homem não tem tempo para ir aos greens e então treina o seu golfe dando tacadas nos portugueses, até já foi praticar no parlamento e tentou dar uma tacada num deputado do PS, teve azar, o formato de hemiciclo não ajudou à pontaria e foi o Costa a apanhar com o ricochete. O senhor gosta tanto de dar tacadas na qualidade de governador que em vez de comprar o carrinho do golfe com dinheiro dos seus subsídios achou que se o golfe serve para dar tacadas nos portugueses devem ser estes a comprar-lhe o carro com os seus impostos.

Sem se saber muito bem porquê, de um momento para o outro fez silêncio em torno da maçonaria, até se fica com a impressão de que os nossos jornalistas ou são obedientes ou andam a treinar dança sincronizada. EM compensação a ministra da Justiça, a tal que defendeu a identificação pública dos maçons, mostrou aos portugueses que há uma organização secreta mais eficaz do que qualquer Loja Mozart, esta semana a Loja Teixeira da Cunha nomeou mas um dos seus membros para um alto cargo pago com o dinheiro dos contribuintes.


Midori Goto – Orelhas moucas...


Fui “atingido”, ou melhor, cá em casa fomos “atingidos” pela violinista japonesa Midori há muitos anos... a década de oitenta do século vinte ia ainda a meio e ela era uma criança de pouco mais de catorze anos. O efeito persiste até hoje.
Sempre que a vejo tocar, dá-me para imaginar o pesadelo que deve ter sido a vida da sua primeira professora de violino:
- Menina... uma violinista deve manter-se numa pose elegante!
- Então, Midori! Não toque com as pernas abertas, valha-nos Buda!
- Não toque curvada e a olhar para o chão! Pensa o quê? Que é o Miles Davis?!
- Ó menina! Pare quieta, たわご!!!
Acham que tanta amofinação e cuidado resultaram? Nada! A tudo fez orelhas moucas... era um caso verdadeiramente perdido. Fulminante!
Bom domingo!
Tchaikovsky – “Concerto para violino” (1º mov.) – Midori
(Pyotr Ilich Tchaikovsky)




REVISTA DE IMPRENSA - COLISÃO ENTRE PR E GOVERNO

O PÚBLICO noticia hoje que algumas das "MAIS PROEMINENTES PERSONALIDADES DO CAVAQUISMO" DEFENDEM DEMISSÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, que veem como "um ultraliberal" a destruir o modelo social e económico construído após o 25 abril". Segundo o jornal, ESTÁ A ACELERAR-SE A ROTA DE COLISÃO ENTRE O GOVERNO E A PRESIDENCIA da República, nomeadamente no que diz respeito à política orçamental e às prioridades para a organização das finanças públicas.

O Diário de Notícias destaca que as Universidades portuguesas já recusaram dar bolsas a 10.185 estudantes, numa altura em que se verifica também uma redução das candidaturas devido à maior exigência das regras.


Público
"Cavaquistas querem que Vítor Gaspar saia"
"Grandes empresas investiram menos 23% em 2011"
"Novo líder da CGTP promete luta"
"Sobrinho Simões: Para manter o SNS há que 'racionar'"
"Elísio Estanque: 'A classe média está em risco de implosão"


Diário de Notícias:
"Universidades já recusaram bolsas a dez mil jovens"
"António Saraiva, presidente da CIP: 'Não é a legislação laboral que é a panaceia dos problemas da economia portuguesa'"
"CGTP recusa 'atirar a toalha ao chão' na 'luta de classes'"
"Corrida ilegal de motos provoca duas mortes após saída da PSP"
"De bicicleta ou a pé passam a noite a resgatar refeições"
"Jardim: Governante ocultou medidas difíceis aos madeirenses"
"Relvas: Ministro nega ter recebido proposta de ex-chefe das secretas"


Correio da Manhã:
"Homens de Cavaco nas fichas do espião"
"Pedro Mota Soares: 'Pessoas com 100 mil euros recebem subsídio'"
"Dois mortos em corrida ilegal com apostas"

Jornal de Notícias:
"Pinto Nogueira, responsável do MP na região norte: Procurador denuncia podres da Justiça"
"Troika força governo a propor fecho de 47 tribunais"
"A história feliz de Maria Letícia e Beatriz: Parto de risco feito com sucesso em ambulância"
"Dez idosos encontrados mortos em apenas seis dias"
"Congresso da CGTP: 'Nós somos os explorados e eles os exploradores'. Arménio Carlos retoma discurso da luta de classes"
"Gondomar: Escola sem elevador obriga mãe a carregar filho às costas"