AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 20 de janeiro de 2012



Deve haver algo de muito errado...


Decididamente... deve haver algo de muito errado com a CGTP! Para ser mais preciso, com os sindicalistas da CGTP. Para ser ainda mais preciso... com os sindicalistas comunistas da CGTP. Senão, vejamos:
1. Apesar de serem homens e mulheres com caras e nomes, uma história pessoal, terem família de quem gostam... e um passado e um presente ocupados na luta pelo bem comum, são odiados e desprezados pela generalidade da comunicação social, que tudo faz para denegrir, falsear, ou pura e simplesmente, ignorar as suas ideias, ações, reivindicações e sonhos.
2. Ainda há bem pouco tempo. Essa grande figura de sindicalista moderno que é António Chora, revelava (desrespeitando os membros do BE na CGTP) que os sindicalistas comunistas, fazem o que podem para que haja mais despedimentos, mais desemprego, mais fome... para assim terem mais oportunidades de aparecer nas televisões, manifestando-se contra o patronato e o capitalismo. Revelou mesmo que alguns deles chegariam a ser apoiados pelos patrões, que assim viam facilitados os despedimentos e deslocalizações que pretendiam fazer
Curiosamente, em qualquer destes seus argumentos, António Chora é acompanhado em coro por toda a sorte de fascistas e demais fanáticos de direita, frequentadores das caixas de comentários dos jornais e dos blogues.
3. Agora, João Proença, essa outra grande figura, indefectível defensor de um sindicalismo igualmente moderno, mas em tons de amarelo, vem afirmar (desrespeitando os membros do PS na CGTP) que foi «incentivado por altos dirigentes da CGTP» (devem ser os da equipa de basquetebol) a assinar o acordo com o patronato e os seus governantes privativos... o que mostra bem o calibre destes comunas, capazes de empurrar o pobre Proença para o pior lugar da “fotografia”... ficando eles, todos ufanos, gabando-se de não terem pactuado com a traição.
Decididamente... deve haver algo de muito errado com a CGTP... e comigo. A verdade é que, apesar de todas estas “evidências” contra os comunas dos sindicatos, é exatamente com estes que estou. Já estava, quando há uma mão cheia de anos ofereci com muito gosto a minha voz, para a gravação colectiva do “Hino da Intersindical”. Já estava antes de haver Hino, desde Abril. Já estava, antes de Abril... o que vem provar a razão que tinham aqueles que me avisaram sobre os efeitos tremendos das “más companhias”.
Já quanto ao facto de a CGTP responder ao destempero provocador de João Proença com um processo na Justiça... mesmo sem fé alguma na dita Justiça, acho muito bem. De vez em quando, é necessário responder a este tipo de canalhices com um sonoro tabefe na fronha.
Aqueles que leram até aqui... já agora, podem ocupar mais uns minutos ouvindo o tal Hino, que já toda a gente conhece, mas que serve para ir afinando a garganta até dia 11...





O Gaspar, o Álvaro, as putas do Elefante Branco e o burro do inglês

É muito pouco provável que nos papers do Vítor Gaspar e amigos haja referências às putas do Elefante Branco ou ao burro do inglês e isso é uma omissão grave porque significa que ignora muito do que move a nossa economia. A política económica deste governo é conduzida por dois ministros, um tem sintomas de loucura e o outro viveu encafuado em gabinetes produzindo papers para os amigos elogiarem.

A estratégia de empobrecimento forçado do país que Vítor Gaspar decidiu testar pela primeira vez num país usando os seus próprios concidadãos e certificando-se de que regressando ao Banco de Portugal ficaria a salvo das suas próprias decisões, lembra a velha história do burro do inglês, quando já se estava habituando a viver sem comer acabou por morrer à fome. É um pouco o que pode suceder com a economia portuguesa, a dose de empobrecimento forçado foi de tal forma grande que a contracção económica pode levar a que os cofres do fisco acabem por ficar vazios.

O aumento do IVA nos restaurantes é uma medida que explica bem a ausência de contacto entre o Gaspar e a realidade, basta dar uma volta pela Baixa de Lisboa paras se perceber que os restaurantes andam às moscas apesar de na sua maioria não ter aumentado os preços. É evidente que muita gente prefere levar a marmita com uma refeição em que se usaram produtos com 8% de IVA do que pagar uma refeição com 23%, o que significa que por cada quatro almoços está a pagar um ao Gaspar. Daqui a pouco tempo começaremos a ver restaurantes a fechar as portas e os que as mantêm abertas é pouco provável que não estejam a fugir ao fisco.

O Álvaro teve a brilhante ideia de introduzir uma novidade nos horários de trabalho que passaram a ter duas componentes, uma mal remunerada e outra de trabalho escravo. A oferta foi tão generosa que até os empresários desconfiaram e sugeriram alternativas mais adequadas ao século em que estamos. Se o Álvaro fosse frequentador de espaços como o Elefante Branco saberia mais de competitividade das empresas portuguesas do que com uma dúzia de doutoramentos na modesta universidade de Vancouver. Saberia que uma boa parte das ajudas que está a dar aos empresários vai acabar nas casas de putas e outros consumos empresariais como pensos higiénicos.

O Álvaro e o Gaspar são dois bons exemplos de técnicos convencidos de que são eles que moldam a realidade e por isso a podem ignorar e desprezar. O resultado pode ser desastroso com a economia a morrer como o burro do inglês e com muitos dos sacrifícios impostos aos trabalhadores a acabar nas caixas registadoras das casas de putas do país.


Acordo Laboral


A UGT assinou o Acordo Laboral que negociou com o governo e os patrões, esquecendo todos os que devia representar. Sempre foi uma Central Sindical que serviu bem os governos, que foi assinando todos os acordos para que eles pudessem assinar acordos e fazer o foguetório, como acabou por fazer de novo. Só que desta vez a coisa é mais grave porque legaliza o despedimento sem justa causa, bastando para isso a vontade do patrão, coloca os horários da nossa vida nas suas mãos e transforma a UGT em lixo laboral. A ar acanhado com que o João Proença surge aos microfones tentando justificar-se com as exigências da Troika (enquanto o Passos Coelho se gabava de a ter suplantado) e reagindo com ar zangado e carrancudo a qualquer pergunta dos jornalistas, mostram-no bem. Não é para isto que serve uma Central Sindical nem é por masoquismo que os trabalhadores pagam a sua quota sindical. Correr com esta gente é necessário pois são uma vergonha para o sindicalismo.



Anonymous organizam "maior ataque de sempre" e encerram sites do governo dos EUA

O grupo Anonymous organizou na noite de hoje o "maior ataque de sempre" e encerrou vários sites do governo norte-americano. O movimento veio responder ao encerramento do MegaUpload pelo governo dos Estados Unidos.
O grupo Anonymous organizou durante a noite de hoje o maior ataque de hackers de sempre, em resposta ao encerramento do site de partilha de ficheiros MegaUpload.

Estiveram envolvidas mais de 5.600 pessoas no ataque que decorreu durante toda a noite de hoje, e foram atacados sites de entidades governamentais norte-americanas e da indústria da música e do cinema, de acordo com a Reuters.

O FBI encerrou o MegaUpload na quarta-feira e deteve quatro suspeitos de infracções relacionadas com direitos de autor e lavagem de dinheiro. 

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos avançou que o site gerou, de forma criminosa, mais de 175 milhões de dólares (135,8 milhões de euros) e causou mais de 500 milhões em prejuízos para os detentores de direitos de autor.

O encerramento e as detenções aconteceram numa altura em que se discute a adopção de medidas legais para reforçar a protecção dos direitos de autor nos Estados Unidos, bem como um dia depois do “apagão tecnológico” a que empresas como a Wikipédia aderiram em protesto às propostas legislativas que estão a ser votadas no Senado e na Câmara dos Representantes, o Protect IP Act (PIPA) e o Stop Online Piracy Act (SOPA), respectivamente.

Como sinal de descontentamento, o grupo Anonymous atacou durante esta noite o Departamento de Justiça norte-americano, o RIAA, Recording Industry Music Group, e a MPAA, Motion Picture Association of America, associações representativas das indústrias da música e do cinema, respectivamente. Também o site do FBI foi alvo de ataque ontem à noite.