AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 31 de dezembro de 2011



Ano novo, vida nossa

«Bateram as 12 badaladas e anunciaram que tínhamos ficado em 2011. Na televisão, um comentador explicava: "Seria uma irresponsabilidade mudar de ano agora, em plena crise." O colega de debate, especialista em finanças cronológicas, concordava: "Não estamos em tempo de comprar novos calendários, as pessoas têm de compreender que é preciso fazer sacrifícios."
Claro que nem toda a gente aceitou pacificamente a ideia. Milhares de jovens que iam fazer 18 anos em 2012 organizaram manifestações pelo direito ao futuro: "Não queremos ficar com as nossas vidas congeladas", gritavam nas ruas. Movimentos de cidadãos fizeram uma jornada contra o "recuo hsitórico" que significava voltar ao passado. Houve uma greve por um novo calendário e por melhores condições de vida. Clandestinamente, alguns começaram a produzir calendários alternativos e a funcionar com as datas de 2012. O Governo explicou que era "totalmente inviável" mudar de ano. Sugeriu que os jovens emigrassem. Perante os protestos, ameaçou prender quem tentasse fazer um ano novo à revelia do acordo estabelecido com parceiros internacionais.
De repente, as praças foram ocupadas pela gente. Fizeram-se músicas, contos, poemas, filmes sobre os futuros possíveis: como seria um ano novo? As pessoas começavam a criar aquilo de que falavam. Aguentaram semanas na rua, numa lenta impaciência. Até que um dia o poder viu-se impotente: já não restava ninguém em 2011.»

(A mensagem para 2012 de José Soeiro, no Público de ontem)

RICO X POBRE



Rico com uniforme: Coronel
Pobre com uniforme: Porteiro
Rico com arma: Praticante de tiro
Pobre com pistola: Marginal

Rico de unhas pintadas: Playboy
Pobre de unhas pintadas: afeminado

Rico com maleta: Executivo
Pobre com maleta: distribuidor de propaganda - office boy

Rico com chaufer: Milionário
Pobre com chofer: Preso

Rico com sandálias: Turista
Pobre de sandálias: habitante de bairro da lata

Rico que come muito: Bem alimentado
Pobre que come muito: Esfomeado

Rico na mesa de bilhar: Elegante
Pobre na mesa de bilhar: Viciado em jogo

Rico lendo jornal: Intelectual
Pobre lendo jornal: Desempregado

Rico se coçando: Alérgico
Pobre se coçando: Sarnento

Rico correndo: desportista
Pobre correndo: Ladrão

Rico vestido de branco: Doutor
Pobre vestido de branco: .............quem só veste do que lhe dão
                                                           vive sempre no inferno
                                                           usa sobretudo no Verão
                                                           e camisa no Inverno

                                                           António Aleixo

Rico pescando: Lazer
Pobre pescando: para matar a fome

Rico em restaurante: Cliente
Pobre em restaurante: Garçom

Rico bem vestido: Executivo
Pobre bem vestido: gatuno

Rico barrigudo: Bem sucedido
Pobre barrigudo: Com vermes

Rico coçando a cabeça: Pensando
Pobre coçando a cabeça: Piolhento

Rico com curativo: Band-aid
Pobre com curativo: Fita isolante

Rico parado na rua: Pedestre.
Pobre parado na rua: Suspeito.

Rico de fato: Empresário.
Pobre de fato: Defunto.

Rico dirigindo: Proprietário do carro.
Pobre dirigindo: Chaufer.

Rico na loja: "Compro agora..."
Pobre na loja: "Estou só dando uma olhadinha..."

Rico chorando: Sensível.
Pobre chorando: Fraco.

Rico traído: Adultério.
Pobre traído: Corno.

Rico com dor de barriga: Infecção Intestinal.
Pobre com dor de barriga: Caganeira


Carro do ministro Miguel Macedo assaltado em Braga

Viatura oficial estava estacionada à porta do hotel onde ficou a dormir o motorista

Por: Redacção / PB  |  31- 12- 2011  17: 32










A viatura oficial do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, foi vandalizada durante a madrugada deste sábado, em Braga.

A viatura estava estacionada à porta do hotel onde o motorista de Miguel Macedo passou a noite. Alguém partiu um vidro mas não roubou «rigorosamente nada», segundo disse à Lusa fonte do ministério.

«Partiram o vidro do lado do pendura mas não roubaram rigorosamente nada», assegurou a fonte, sublinhando que tudo não passou de «uma tentativa de assalto».

O ministro com a tutela das polícias, Miguel Macedo, esteve na noite de sexta-feira em Braga, a acompanhar a campanha de prevenção rodoviária «100 por cento cool», destinada a dissuadir os jovens condutores do consumo de álcool.

No final, o motorista foi levar o ministro a casa e depois deslocou-se para o hotel, onde pernoitou, tendo sido aí que o vidro do carro foi partido.

O caso já foi participado à PSP.

PADRES, MONGES E FREIRAS Á VASSOURADA NA IGREJA DA NATIVIDADE ! DEPOIS, DEPOIS VEIO A BÓFIA E AMOLOU OS CASSETETES !


NÃO DEIXES DE LUTAR ! 2012, será bom se tu quiseres ...

2012, será bom se tu quiseres !



O meu “balanço” de 2011


Chegado ao último dia do ano da desGraça de 2011... também eu tenho direito a fazer um “balanço”. Ora aí vai:
Um, dois... e ops!!! Ala pró contentor e sem direito a reciclagem!


(Depois de devidamente separados e preservados vários acontecimentos, uns de carácter pessoal, outros de carácter colectivo, acontecimentos daqueles que são para guardar "do lado esquerdo do peito")

mensagem de Feliz Ano Novo - Desenvolturas e Desacatos




CANTO DO AMOR LIVRE











Canto de amor livre




No caminho ergueste o prazer
Em torno de silêncios e palavras mudas
Afloraste os sentidos e o corpo
Com olhares de entrega e desejo
Sangraste a paixão libertando assim
A ânsia sôfrega da posse.

E á noite, quando as memórias
Sangram o tempo e as mãos
Se perdem vazias na doçura
De tactear o passado, estendes
A alma e os teus segredos
No tapete que bordaste à mão.

Olhas quem te tomou o corpo
Mas nunca o espírito, quem te
Desfolha e te seca a carne,
Mas nunca esqueces quem
Te pintou as pétalas do olhar
E livre te deixou para voar.

Porque as memórias são o presente
Que a vida nos dá no caminho.

Manuel F. C. Almeida
Blog Avec le temps


Oh Silva. Demite-te pá.


Cavaco Silva deixou passar os oito dias de que dispunha para enviar o Orçamento do Estado ao Tribunal Constitucional. As polémicas propostas de cortes salariais à Função Pública e pensionistas, que o Presidente tinha criticado, por violarem princípios constitucionais básicos, deverão avançar com a sua bênção.

Se há personagem que mais repulsa me causa na politica portuguesa é este Sr.Silva, medroso, hipócrita, fingido, culpado e também culpado de muito do mal que aconteceu a este país. Nem consegue sequer ser coerente no que diz, nem executar a mais importante função como Chefe de Estado, o defender o cumprimento da Constituição. Afirmar ele próprio da existência de inconstitucionalidades básicas no Orçamento e depois não o enviar para o Tribunal Constitucional é inaceitavel. Podem apresentar-se todos os argumentos, da crise, do Euro, da Troika, da Merkel, da merda que quiserem, que nada poderá justificar o não cumprimento da lei fundamental do país. Aí os direitos não podem ser apelidados de regalias, como têm feito nos direitos laborais e sociais sempre que querem acabar com mais um. 
Ao permitir que sejam violados direitos básicos do cidadão consagrados na Constituição, o Presidente da Republica está a quebrar o juramento feito na tomada de posse, perdendo por isso toda a legitimidade para ocupar esse cargo. Demita-se