AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

 

 

imagem net da respons. de A.Garrochinho

OS MEUS PECADOS




Não cuideis dos meus pecados
Poisados na magnólia –
Desviai os olhos para os vossos cardos


José Maria Alves


Prendas no Sapatinho


(Com)Passos Coelho e António (In)Seguro estiveram reunidos em São Bento, a pedido do primeiro, com uma agenda confidencial e sem declarações no final do encontro, que durou 40 minutos. Imagino que não se devem ter limitado a trocar prendas de Natal entre si, mas aproveitaram a oportunidade para embrulharem mais umas quantas surpresas, para distribuirem pelos portugueses, já no início de 2012.

E nem de propósito, sabe-se agora que em reunião do Conselho Permanente de Concertação Social, o Governo, com o objectivo de promover a competitividade, e com ela o relançamento da economia, vai propor a eliminação do período suplementar de três dias de férias, reduzindo o seu número para 22 dias úteis, uma autêntica prenda no sapatinho para as associações patronais. É caso para perguntar: e porque não vão promover e relançar um par de coisas que eu cá sei?


O Pesadelo Terrorista Quando Devia Ser Natal


Apesar do pesadelo que se vive actualmente, com bombardeamentos diários, tenhamos esperança.
Havemos de sair de mais este túnel apertado e voltar a ver a luz que merecemos, apesar de haver quem tenha como medida do suportável a total descida aos infernos, comparando sempre o que se passa, com a fome e a miséria de outros tempos, como se o limite fosse o retrocesso absoluto, a perda da dignidade, o fascismo.

Apesar da incansável investida dos ressabiados, um dia - talvez já não tão longínquo - quem faz as malas e é obrigado a sair é este governo e não os portugueses, maltratados como nunca.

O guião foi certamente estudado minuciosamente.
Cada dia é um urro, um guincho, um vómito, na pauta da monstruosa afronta aos que trabalham, aos que fossaram, como escravos, toda uma vida e agora se vêem quase sem nada, no fim do caminho.
Malditos sejam os que fazem uma política assim. E que sejam chamados, a prestar contas, no momento devido e que não tarde esse dia.

A arrogância e o desaforo desta gente é tal, que as palavras sentem vergonha.
Geração de políticos, sem escala humana, sem alma, apenas centrados na imagem cinzentona, da vaidade medíocre, que exibem, quais títeres dos execráveis interesses materiais, trituradores do bem estar social, abominadores da inteligência e da cultura, adoradores exclusivos do Capital, balõezinhos frágeis da merda de não ser.

Boas Festas?
Só quando os balõezinhos se desfizerem naquilo que são e se evidencie a sua veia terrorista, para lá do casaco de fino recorte, gravata e sapato reluzente, que nada têm a ver com Natal, Suavidade, Paz e Esperança num Mundo mais Justo!
Aí sim, voltará a ser Natal, de preferência todos os dias, pois a Iniquidade há-de ser travada pela Razão!
Luís Filipe Maçarico (texto e fotografia)

ALGARVE - Dicas para o fim-de-semana
22-12-2011

Os concertos natalícios marcam a época em diversos estilos. Fado, música coral, clássica e jazz. Mas também há bailado e ainda mercadinhos para as últimas compras.    
O TEMPO -Teatro Municipal de Portimão acolhe dia 23 o bailado clássico “A Bela Adormecida”, pela companhia Russian Classical Ballet, às 21H30. Os bilhetes custam 25 euros na plateia e 23 euros no balcão.
Produtos naturais e biológicos estão disponíveis nos Mercadinhos na Alameda da Praça da República em Portimão no dia 23 entre as 10h00-19h00.
Lagoa apresenta a Orquestra do Algarve, dirigida pelo maestro Sérgio Alapont a 21 Dezembro às 21h30 no Auditório Municipal para o concerto de Natal cujo programa acolhe obras de Beethoven e Anton Webern. Os bilhetes custam 6 euros.
O Centro Cultural de Lagos acolhe a Noite de Fado com Luís Manhita, concerto natalício marcado para dia 23 às 21h30. Os bilhetes custam 6 euros.
O Grupo Coral de Lagos dá um concerto na Praça Gil Eanes, dia 23, pelas 18h00, e no dia 24, pelas 19h00, atuará no Hotel de Lagos.
Em Faro, o concerto de ano novo com a Strauss Festival Orquestra, decorre no Auditório Pedro Ruivo do Conservatório Regional Maria Campina no dia 22 de dezembro às 21h30.
O Club Farense realiza a 23 de dezembro uma festa solidária na sua sede na Rua de Santo António nº 30, ao som dos Stone Covers Band e Le DJ Solitaire a partir das 23h00.
Dança clássica em Loulé, com o bailado “A Bela Adormecida” pela companhia Russian Classical Ballet, a 22 de dezembro, pelas 21h30 no Cine-Teatro Louletano. O preço dos bilhetes é de 25 euros (Plateia), 23 euros (1º Balcão) e 21euros (2º Balcão).
Em Tavira, concerto Natal de jazz e tradicional com Filipa Pais e João Paulo Esteves Silva, tem lugar no dia 23, pelas 18h00, na Igreja da Misericórdia.

Observatório do Algarve

Mensagem de Natal do “Reino da Vadiação”….

O presidente “da Republica das Bananas” já leu ao país a sua “fingida ”Mensagem de Natal, por isso chegou a vez de divulgarmos a nossa…..
Lê e partilha com o maior numero de amigos. Sê solidário!
“O mundo só pode ser, melhor que até aqui, quando consigas fazer, mais pelos outros, que por ti”
“António Aleixo”
Caros amigos:
Ao celebrar este Natal, não podemos esquecer as causas de uma crise com tão graves consequências nem os seus efeitos que fazem sofrer tantas e tantos, de todas as idades e de todas as condições sociais.
Peço-vos que não se conformem enquanto subsistirem os casos de injustiça social, pois “só a justiça poderá conferir a Paz o Bem-estar e a Liberdade”. 
O desemprego”, a “pobreza inesperada” e o “rebaixamento social e moral são alguns dos problemas causados por esta crise que faz aumentar dia a dia, o número dos que se vêem obrigados a recorrer às instituições de solidariedade e a estender a mão à caridade de pessoas singulares.
Aumenta o número dos que vivem isolados, desgastados pela idade ou vergados pela doença. De braços estendidos e mãos abertas, partilhemos os nossos poucos bens materiais, sejamos uma luz amiga para quem sofre a solidão, prestemos atenção a quem está esquecido, levemos o sorriso a quem anda triste, estendamos a mão a quem está caído, procuremos tratar as feridas de quem sofre, procuremos respostas concretas para a “pobreza envergonhada”, em particular junto das pessoas que passam estes dias sem dinheiro e sem companhia. Espero que ninguém fique indiferente à situação real em que vivemos. 
Apelo a uma mudança “pessoal e social” face à crise e que tentemos fazer com todos os dias sejam Natal.
Reino da Vadiação

A vida fácil do Sr. Silva


O Presidente Cavaco Silva destacou o erro de Portugal ter investido excessivamente na produção de bens não-transacionáveis. Segundo ele, os portugueses beneficiaram do Euro e tiveram "uma vida fácil".

Tem toda a razão, mas um dos principais responsáveis pela destruição da agricultura, pescas e industria foi ele próprio assim como a aposta nos tais bem não-transacionáveis, para não falar no sistema financeiro submisso aos interesses dos mercados. Foi a era dos amigos, dos novos bancos e dos Dias Loureiros, Oliveiras e Costas e Duartes Limas. E, realmente, para alguns o Euro foi uma mina de ouro, fizeram-se muitas fortunas, e houve quem tenha tido a tal vida fácil. O Sr. Silva só se esquece que nem todos tinham dinheiro e a"conselheiros" para poderem comprar e vender acções do BPN, não puderam comprar uma Casa na Coelha, nem têm amigos com Propriedades em Cabo-Verde e contas em Off-shore. Esquece-se que já então os salários dos portugueses eram dos mais baixos da Europa, havia pensões eram de miséria e a fome e a pobreza de uns já coexistia com a abastança e ostentação de outros. Nem para todos a vida era um Cabaret.

Guia de marcha


A NASA, com a preciosa ajuda da sua sonda Kepler, descobriu dois planetas (Kepler-20a e Kepler-20f), planetas que, apesar de um bocadinho fora de mão, têm dimensões semelhantes às da Terra, faltando apenas saber pormenores sobre as condições atmosféricas e climáticas locais.
Passos Coelho e o seu secretário de estado da juventude exultam! O seboso Paulo Rangel dá gritinhos de felicidade perante as radiosas perspectivas de trabalho para a sua mais recente invenção: a fantástica “Agência Nacional de Apoio à Emigração”.
Hossana! Hossana! A escoação de portugueses poderá estar praticamente garantida!!!

Artur Santos Silva

A Fundação Calouste Gulbenkian acaba de escolher Artur Santos Silva para seu futuro presidente.

A Gulbenkian é uma instituição que, desde sempre, prestigia fortemente o nosso país. Artur Santos Silva, como aqui referi há alguns tempos, é uma das raras personalidades portuguesas que reúne uma quase unanimidade, pelo que dá totais garantias de poder vir a preservar o fantástico legado de Calouste Gulbenkian. A sua escolha é a prova de que o bom-senso ainda prevalece neste país.

Parabéns, Artur!

Rangel sugere agência nacional para ajudar portugueses que queiram emigrar.

Paulo Rangel Paulo Rangel (Foto: Ricardo Castelo/Nfactos/arquivo)
O eurodeputado do PSD Paulo Rangel sugeriu na terça-feira a criação de uma agência nacional para ajudar os portugueses que queiram emigrar, considerando que essa pode ser uma “segunda solução” para quem não encontra trabalho em Portugal.
“Às tantas, nós até devemos pensar, se houver essas oportunidades, em, de alguma maneira, gerirmos esse processo. Talvez fosse uma forma de controlar os danos. Era ter, no fundo, uma agência nacional que pudesse eventualmente identificar necessidades e procurar ajustar as pessoas que tivessem vontade - não é forçar ninguém a emigrar, não se trata disso - e canalizar isso”, afirmou Paulo Rangel.

Questionado pelos jornalistas, à entrada para uma reunião do Conselho Nacional do PSD, num hotel de Lisboa, Paulo Rangel disse não ver “motivo para escândalo” nas declarações do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre a emigração dos professores que não conseguem colocação nas escolas portuguesas.

No entender do ex-líder parlamentar do PSD, a posição assumida pelo primeiro-ministro, apontando a emigração como uma opção para essas pessoas, não devia suscitar escândalo: “Pelo contrário, ela devia suscitar um debate sério na sociedade portuguesa, para tentarmos, na medida do possível, acomodar as necessidades do País em termos de mercado de trabalho no exterior”.

Segundo Paulo Rangel, a emigração pode ser, não “uma primeira solução”, mas “uma segunda solução” para “pessoas que têm condições para isso, que ainda não têm a sua vida montada, que são mais jovens, mais ligados à aventura”, porque “pode ser uma forma de as pessoas terem rendimento, de terem uma experiência, de terem uma ligação ao País feita de outra maneira, de servirem também o País”.

Isto não se aplica a “profissionais que já estão na casa dos 40 anos, que já têm as suas famílias formadas, que têm filhos em idade escolar”, ressalvou, insistindo que não se deve “diabolizar a emigração, especialmente de quadros qualificados, como uma saída provisória, como uma má saída, mas uma saída para a crise”.

O eurodeputado do PSD argumentou que “é uma evidência” que “no caso da educação, com a baixa da taxa demográfica, não há lugar para todos os professores” e que é preciso “encontrar saídas para as pessoas” desempregadas.

“Ou os senhores querem que as pessoas fiquem em casa à fome e a viver do fundo de desemprego, é isso que querem?”, questionou, dirigindo-se para os jornalistas.

Paulo Rangel recusou que seja um sinal de derrotismo um primeiro-ministro apontar a emigração como uma opção: “Eu acho que não é. Nós não podemos estar sempre a dizer que queremos que os portugueses estejam em grande cooperação no Brasil, em Angola e Moçambique, que queremos ter pontos de contacto espalhados pelo globo, que os portugueses têm uma diáspora muito ativa, e depois achar que isto é uma coisa terrível e tenebrosa”.
PUBLICO.PT