AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011



GOVERNO QUER QUE PESSOAL VÁ MORRER LONGE
Mas Passos desmente ter dado ordens ao SEF para fazer rusgas e expulsar professores desempregados.


Mal entendidos, questões laterais, ou então somos uma cambada de burros incapazes de perceber o que diz o grande sub-líder.

Bando de vigaristas!


A Caixa Geral de Depósitos, de cujo “Templo Principal” podemos ver aqui em cima uma imagem parcial, decidiu mudar as suas operações especializadas em maciça fuga aos impostos, lavagem de dinheiro e especulação financeira, entre outros crimes, para o obscuro paraíso fiscal da ilhas Caimão, uma espécie de “lupanar” para toda a sorte de gangsters e variados tipos de “investidores”, abandonando o offshore da Madeira, onde (eventualmente...) poderia haver alguns vestígios de taxação aos negócios escuros que por ali grassam.
É bom não esquecer que o “governo” que abre a porta do enriquecimento ilícito aos seus amigalhaços, desta forma obscena, facilitando uma das maiores fugas ao fisco de que haverá memória, é o mesmo que esmaga os trabalhadores com austeridade, mais austeridade, impostos, mais impostos, dificuldades, roubo de salários, desemprego, fome...
Tem razão quem diz, como eu digo, que isto é fascismo financeiro.
Têm razão todos aqueles que, como o PCP, querem ver muito bem explicada no Parlamento esta gigantesca falcatrua.
Para quem alimentasse dúvidas sobre o facto de estarmos ser governados por um bando de vigaristas, lacaios do grande capital sem pátria, dispostos a qualquer tipo de canalhice que lhes permita vender o país ao desbarato para encher os bolsos dos amigos e os seus próprios... a notícia sobre esta medida “radical” da Caixa Geral de Depósitos, o maior banco português e, ainda por cima, o banco do Estado, poderá não explicar só por si tudo aquilo que estamos e viremos a ter que suportar, mas é uma bela “sessão de esclarecimento” para ajudar muita gente a começar a entender.





rosas e luz - Poema de António Garrochinho

FELIZ DE TI, DE MIM, QUE GOZAS
DO SENTIMENTO QUE SEDUZ
PERFUMADO COMO BELAS ROSAS
E INUNDADO DE LUZ
FELIZ DE TI, DE MIM, QUE GOZAS
DO ACONCHEGO, DO CALOR
E COMO A BELEZA DAS ROSAS
ENCERRAS NO PEITO O AMOR

António Garrochinho


Porque vais tão triste soldado

Assim partindo p’ra Guerra

- Não vou triste por pai nem mãe,

nem de gente da minha terra

Vou triste por minha esposa,

Que a deixei p’ra ir p’ra Guerra

Inda onte me casaram,

Já hoje m’apartaram dela,

Pois torna tu, ó soldado,

Sete i’anos p’ró pé dela

E ao cabo de sete i’anos,

Soldado volta p’ra Guerra !

***************************************************************

(Transmissão oral de um pequeno excerto do Cancioneiro de Trás-os-Montes )

Foto: Postal antigo do tempo da 1ª Guerra Mundial
WWW.LOULETANIA.COM

Posted by Palma

O GOVERNO AFIRMA QUE HÁ PORTUGUESES A MAIS EM PORTUGAL. POR ISSO, RUA COM ELES, COM OS EXCEDENTÁRIOS!

BAPTISTA-BASTOS

A mentira e o desprezo

por BAPTISTA-BASTOS (DIÁRIO DE NOTÍCIAS)

Parece que há excesso de portugueses em Portugal. Para remediar tão desgraçada contrariedade, o Governo decidiu minguar-nos tomando decisões definitivas. Há semanas, um secretário de Estado estimulou a emigração de estudantes. Há dias, o primeiro-ministro alvitrou que os professores desempregados ou com dificuldade em empregar-se deviam encaminhar-se para os países lusófonos, nos quais encontrariam a felicidade que lhes era negada na pátria. O dr. Telmo Correia, sempre inteligente e talentoso, elogiou, na SIC-Notícias, a sabedoria cristã de tão arguta ideia.
Acontece um porém: e os velhos? Que fazer dos velhos que enchem os jardins e a paciência de quem governa? Os velhos não servem para nada, nem sequer para mandar embora, não produzem a não ser chatices, e apenas valem para compor o poema do O'Neill, e só no poema do O'Neill eles saltam para o colo das pessoas. Os velhos arrastam-se pelas ruas, melancólicos, incómodos e inúteis, sentam--se a apanhar o sol; que fazer deles?
Talvez não fosse má ideia o Governo, este Governo embaraçado com a existência de tantos portugueses, e estorvado com a persistência dos velhos em continuar vivos, resolver oferecer-lhes uns comprimidos infalíveis, exactos e letais. Nada que a História não tivesse já feito. Os celtas atiravam os velhos dos penhascos e seguiam em frente, sem remorsos nem pesares.
Mas há outro problema. A fome. A fome que alastra como endemia, toca a quase todos, abate-se nos velhos e, agora, nos miúdos. Os miúdos das escolas chegam às aulas com as barrigas vazias: pais desempregados, famílias desgarradas, "a infância, ah!, a infância é um lugar de sofrimento, o mais secreto sítio para a solidão", disse-o Ruy Belo; e as escolas já não têm o que lhes dar. As cantinas reabrem, mesmo durante as férias, e sempre se arranja uma carcaça, um leite morno, nada mais, oferecidos por quem dá o pouco que não tem.
Vêm aí mais fome, mais miséria, mais desespero, mais assaltos, mais violência, mais velhos desamparados, mais miúdos espantados com tudo o que lhes acontece e não devia acontecer. Mais desemprego, num movimento cumulativo, mecânico a automático, como nos querem fazer crer. Diz o Governo. Como se esta realidade fosse natural; como se a semântica moderna da sociedade explicasse a amoralidade da eliminação da justiça e a inevitabilidade do que sucede.


Boas Festas

 
A tradição manda que enviemos um cartão de Boas Festas a cada um dos visitantes deste humilde palheiro bem como a merecida prenda que este ano constituirá um gesto de homenagem à família dos Batanetes que se mudou de um qualquer bairro de lata intelectual para a residência oficial de São Bento..


O cartão foi o melhor que se arranjou, ainda que se lamente a exiguidade de espaço do Palheiro para nele acomodar mais personagens, faltam os camelos, o burro e a vaca, os reis magos e muitas outras figuras disposta a adorar o menino. Com mais espaço poderíamos ter convidado Ribeiro Ferreira (director do ‘i’), António Costa (director do ‘Diário Económico’ ou Octávio Ribeiro (director do ‘Correio da Manhã’) ele que carregam tanta mentira poderiam carregar agora de bom grado reis magos como o Soares dos Santos, o Belmiro de Azevedo ou o operário do crude e da cortiça Américo Amorim. O Álvaro e a Assunção Cristas poderiam pôr as suas gordurinhas a desempenhar as funções dos dois quadrúpedes que no presépio tinham por função aquecer o menino, ele de orelhas compridas e ela com generosas mamas que graças a Deus o Gasparoika ainda não se lembrou de sujeitar a IVA a 23%. Neste caso teríamos de mudar a nossa senhora e ter um presépio mais africanista. Não faltariam também candidatos a formar um bom rebanho, desde o João Duque a outros economistas e coisas parecidas que nos últimos tempos se ajeitam ao estatuto de boys, para cão de guarda poderíamos convidar o Medina Carreira e o Miguel Relva desempenharia às mil maravilhas o papel de pastor desta gente.

Fica a promessa, se para o ano o Álvaro ainda por cá andar o presépio vai ter burro, a vaca não faltará e se o Paulo Portas puder interromper as suas viagens o nosso presépio ainda vai ter um garanhão.
     
  
Em tempo de crise a escolha da prenda teria que ser feita a pensar na nossa economia e no esforço quase hercúleo que o nosso governo do Batanetes está a fazer para pormover o crescimento da economia, vamos oferecer a todos os nossos pacientes visitantes o substituto do maldito ‘Magalhães’ do Sócrates. A prenda d’O Jumento para os seus é a coqueluche tecnológica do nosso governo, o iPad.pt, uma ideia do Álvaro que num momento de rara lucidez falou com os seus botões e perguntou-lhes: “se o Steve Jobs que nem tinha nenhum curso inventou o iPad porque razão eu que sou um doutor de Vancouver não invento o iPad português?” Vai daí e da ideia ao sofisticado aparelho foi um instante, o Álvaro teve a ideia, o Cratino avaliou as consequências pedagógicas, o Passos Coelho fez os testes, o Gasparoika conferiu as constas das almofadas do fundo de pensões e a obra nasceu.

A produção está a correr a ritmo acelerado e o Paulo Portas já nem tem a certeza de que vem passar o Natal a Portugal com a família ou mesmo se poderá comemorar a passagem de ano com a mais recente namorada, o coitado não tem mãos a medir com tantas solicitações diplomáticas, é o Chavez a convidá-lo para o pequeno almoço, o Eduardo dos Santos a exigir que regresse a Luanda e até o Kim Jong-un exige ver o iPad.pt. ainda antes de concluídas as exéquias fúnebres do pai, o amado líder da Coreia do Norte. O sucesso é tanto e os receios de que tão sofisticada tecnologia possa cair em mãos inimigas levou a CIA a adiar o Natal para estudar a situação.

O Passos Coelho até já está a pensar em oferecer um iPad.pt a cada professor que decida emigrar para Angola ou Brasil, a nova coqueluche dos gadjets electrónicos fará parte do “Kit Emigração, vai e não voltes” que será distribuído à saída das universidades portuguesas a todos os que terminem os cursos superiores, a ideia é proceder à sua distribuição depois de terem sido abençoados nas missas das queimas das fitas.

O iPad.pt é uma ideia do Álvaro, teve o apoio pedagógico do Cratino que se certificou que não prejudica a formação de dos escravos portugueses, foi decorado pela Assunção Cristas que arranjou um intervalo entre o regulamento do fardamento de Inverno dos seus funcionários e a nova receita de sopas de cavalo cansado da sua autoria e, por fim, foi testado por Passos Coelho que só o autorizou depois de se ter certificado de que nele conseguia determinar o mínimo denominador comum de um número ilimitado de fracções. Foi devidamente baptizado nas águas da Praia da Manta Rota e teve a dona Laura como madrinha.

O Cratino já deu instruções para que as escolas retirem os quadros electrónicos e exijam aos alunos a devolução do Magalhães, em troca todos levarão um iPad.pt que deverá ser pago a prestações junto à factura da EDP. O Gasparoika não voltar a errar nas previsões da recessão do ano seguinte e já instruiu os serviços para que os cálculos OE para 2013 sejam feitos com recurso ao iPad. O Álvaro já prometeu que só bvoltava a brincar aos jogos quando forem desenvolvidos para o seu iPad.pt. Por sua vez, a Assunção Cristas sugeriu uma aplicação cpom receitas que só usem produtos portugueses ou um jogo que sugira indumentárias que reduzam o consumo de energia. As personalidades a pedirem a oportunidade de darem a sua opinião em favor do iPad. Não param de aumentar e as estações de televisão já instalaram máquinas de senhas à porta, há mesmo que no passado tenha desancado e agora vá de madrugada para a porta das televisões, É o caso de Pacheco Pereira, do António Barreto e do Manuel Maria Carrilho que acamaparam à porta da SIC logo às três da manhã, para se divertirem levaram um gravador com uma cassete das doces e ouvira o “duas da manhã he, três da manhã eh”, ganhando inspiração para se curvarem perante o grande líder Passos Coelho.

Se Sócrates levava o Magalhães para as cimeiras ibero-americanas Passos Coelho não quis ficar atrás e levou um modelo do iPad.pt para a última cimeira europeia. O aparelho teve tanto sucesso que obrigou a que os trabalhos se tivessem prolongado pela noite dentro, já eram tantas da manhã quando o Durão Barroso conseguiu convencer todos presentes a discutir a situação do euro. O iPad.pt foi mesmo a causa da cisão promovida pelos britânicos, no final da cimeira o Passos Coelho quis passar a mão pelo pêlo da Merkel (não confundam com pentelhos pois o catedrático a tempo parcial 0% até pode ser burro mas ainda não reside neste humilde palheiro) e ofereceu-lhe o único exemplar de iPad.pt de que dispunha o que levou o Cameron aos arames, não aceitou que tendo a mais antiga aliança com Portugal e depois de a Merkel não nos ter dado o arame tenha levado o precioso iPad.pt. Irritado acabou por recusar o acordo.

Quem ainda não aceitou o iPad.pt foi Cavaco Silva, o presidente desconfia desta nova tecnologia e receia mesmo que possa conter algum software oculto, algum Spyware, que permita a Passos Coelho espiar Belém e descobrir a receita de carapaus alimados da Dona Maria. Até porque as relações entre Cavaco e o governo andam azedas, Cavaco não perdoou ao governo ter escondido a receita de sopas de cavalo cansado da Assunção Cristas e receia agora que na próxima reunião informal se realize no Dia de Reis e comam o bolo-rei que tanta fama deu à distinta família de Boliqueime.

Bem, boas Festas a todos, porque os sacanas podem levar-nos o dinheiro mas não nos podem roubar a alma e muito menos tirar-nos a boa disposição e a vontade de rir e gozar deles. Por cá continuaremos todos os dias do ano, incluindo feriados, dias santos e tolerâncias de ponto, contribuindo para a produtividade deste país.