AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Dia da “restauração”



E assim chegamos ao dia 2 de Dezembro. Ontem foi o Dia da Restauração. Provavelmente, foi o último. O último… comemorado com um dia feriado, entenda-se. O 1º de Dezembro é um dos feriados que este governo tenciona abolir.

Desde que aprendi na escola que então se chamava “primária” o que era o 1º de Dezembro, comecei a fazer trocadilhos e piadas com o “Dia da Restauração” e o sector da dita restauração. Hoje não o farei. A situação dramática em que este governo de ladrões acaba de colocar todo um sector de actividade, com a subida do IVA para 23%, colocando (como bem observou alguém ligado àquela actividade) uma simples sopa ao mesmo nível de taxação de um relógio de ouro e diamantes da Cartier, ou de um qualquer produto da Prada, confesso não saber o que mais depressa irá ser “abolido”; se o feriado, se muitos milhares de postos de trabalho, em muitas e muitas centenas de pequenos restaurantes e cafés que serão forçados a fechar as portas.

Entretanto, como se alguém tivesse encomendado um número de palhaços para assinalar o dia... o senhor Artur Santos Silva, que, ironicamente, foi presidente da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República (curiosamente, o 5 de Outubro parece ser o outro feriado a abolir) resolveu partilhar connosco um dos seus mais profundos pensamentos: «os feriados podem ser assinalados... trabalhando».

Claro que sim, senhor Artur! Também o senhor bem que poderia pensar calado. Porque diabo não o fez?!