AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 28 de agosto de 2011

Thierry Meyssan
TERROR NA LÍBIA (agora)!

Thierry Meyssan (na foto) juntamente com Mahdi Darius Nazemroaya (do Canadá), jornalistas de “Rede Voltaire”, que têm denunciado as atrocidades da Nato na Líbia, estão a ser impedidos de sair de Tripoli, pelo barco de apoio aos membros da imprensa que estiveram detidos no hotel Rixos.
A “tropa fandanga” de criminosos maltrapilhos que anda pelas ruas da capital líbia, tentara...m sequestrar o francês Thierry Meyssan, o que foi impedido “in extremis” pela Cruz Vermelha Internacional.

Os assassinatos selváticos prosseguem efectuados pelos mercenários estrangeiros e tropa especial invasora mascarados de árabes. Os muitos milhares de mortos do assalto colonial-fascista é a consolidação da defesa dos “direitos humanos”, como o entende o império: invadindo, destruindo e matando, para poderem, à vontade, ROUBAR a única coisa que lhes interessa, a riqueza imensa do petróleo que não lhes pertence.

Para se ter uma ideia do ódio tresloucado dos generais do império, são incentivados “passeios” macabros de cadáveres pelas ruas, para, assim, se intensificar o clima de terror de “defesa das populações civis” como proclamava a propaganda fascista do exército imperial invasor.

A Nato arroga-se o “direito” de invadir qualquer país, em qualquer parte do mundo, sob a mentira grosseira da protecção de civis e de defesa da democracia. A Nato é uma organização terrorista, protectora dos interesses da alta finança, segmento fundamental da escravocracia a impor-se em todo o planeta.

HITLER DIZIA QUE VINHA POR MIL ANOS.
A NATO TAMBÉM IRÁ PARA O LIXO DA HISTÓRIA!

Blog Á esquina da tecla - Passeio de domingo (64) Senhora da Rocha - Lagoa Algarve (fotografia)

Passeio de domingo (64)







Até à Senhora da Rocha, Lagoa.

Um passeio pré-agendado para ficar convosco por mais alguns dias, pois ausento-me novamente sem acesso à blogosfera.








Pescador e Recanto - dois poemas ilustrados de António Garrochinho


Carta de Bilbau: Juro que não tive nada a ver com a sua elaboração



Bombas e mentiras sobre a Líbia MANU MAESTRE. 28.08.2011
Basta utilizar o senso comum para desmascarar as macabras contradições inscrits no discurso oficial do Ocidente a propósito da sua guerra de rapina na Líbia.
É apenas necessário colocarmo-nos algumas questões elementares: ? Porque nunca foi possível apresentar uma única prova dos supostos bombardeamentos de Kadhafi contra o seu próprio povo, que constituiu a base da argumentação para justificar a intervenção militar?
?Onde estão as tais prisões e liquidação dos opositores do regime?
?Porque as não mostram?
? Porque é permitido à NATO violar descaradamente a Resolução 1973 da ONU, que apenas permitia impor uma "no flight zone"?

? Porque é que os "rebeldes e os seus aliados ocidentais foram sempre os que recusaram continuadamente qualquer proposta de mediação internacional para encontrar uma saída pacífica da crise ( aliás como hoje mesmo voltaram a recusar?
? A Comunidade Internacional caiu tão baixo ao ponto de aceitar que a "protecção da população civil" se realize através dos bambardeamentos a hospitais, escolas, infraestruturas essenciais à vida, ou a estúdios de televisão?

? Qual a razão do silêncio dos grande meios de Comunicação para terem ignorado e minimizado as matanças de mulheres e de crianças provocadas pelos misseis da NATO?
? Porque satanizam a figura de Kadahfi ao mesmo tempo que glorificam a do sátrapa medieval do Qatar, principal mecenas implicado nesta guerra?
?Porque passam de fininho sobre o decisivo apoio e cumplicidades com os "rebeldes", por parte dos Serviços Secretos, os instrutores militares da França Inglatera,a utilização no terreno de instrutor militare e de equipas de comados? e o desembarque massivo de armas pesadas, bem como sobre a presença de mercenários e Jahidistas da Al-Qaeda?
? Se o Lider líbio é o tirano que nos contam e o povo estivesse contra ele, como éerapossível um exército mínimo ter resistido durante seis meses à implacável ofensiva e poder de fogo ilimitado da 6ª Esquadra, da aviação inglesa e francesa e à panóplia de bombas inteligentes comandadas por satélite?
? Como se pode dar crédito agora aos que tudo falsificaram, para justificar a invasão e destruição do Iraque, cuja crónica está marcada por sanguinárias destruições e por toda a espécie de roubos e pelas conspirações golpistas e mentiras avulsas?
Entretanto as sociedades ocidentais encontram-se comodamente a simular ignorância, mais ou menos inconsciente, mergulhando na sopa da propaganda do seu sistema de informação. É preferível ignorar, pilhar e olhar para o outro lado!
As elites capitalistas que, com a sua ilimitada cobiça, provocaram a crise, planeiam agora a distribuição do saque e negociá-lo, controlando o poder económico, bem como o político e militar e os grandes meios de comunicação.
A democracia não passa de uma outra ilusão, um jogo de espelhos que se afunda nas movediças areias do deserto do Sahara..." (Tradução livre deste blog e do seu staff)
  Festival Adentro anima zona histórica de Faro
27-08-2011


A Cidade Velha de Faro acolhe nos dias 2 e 3 de setembro a primeira edição do Festival Adentro, um evento com entrada gratuita que promete despertar o encanto da zona histórica da cidade.  
 
Os Claustros do Museu e o Largo Afonso III, na Cidade Velha em Faro, vão ser os palcos da 1ª Edição do Festival Adentro, com um alinhamento musical que traz à zona histórica da cidade o multiculturalismo das músicas do mundo.
Em declarações à agência Lusa, Pedro Bartilloti, da organização do festival diz que esta é a “primeira pedra a ser lançada” num evento “que tem espaço para crescer.”
“Esta primeira edição foi feita com muito poucos recursos e serve para limar arestas, mas em termos musicais acho que conseguimos um excelente alinhamento e duvido que no Algarve haja espaços com o potencial da nossa Cidade Velha”, garantiu o programador cultural.
Para além da vertente de lazer e de dinamização cultural, o Festival Música Adentro, pretende promover e revitalizar a zona nobre da cidade, aproveitando a riqueza arquitetónica da Vila Adentro.
Na sexta-feira, às 22:00, os italianos Anónima Nuvolari abrem o festival, seguindo-se os colombianos La Chiva Gantiva e no sábado é a vez de Frankie Chavez e dos espanhóis La Selva Sur e dos dj’s Pargana e NoWay DJ.
A programação inclui ainda várias atividades que vão decorrer entre as 19:00 e as 02:00, entre elas a Feira de Artesanato Contemporâneo e produtos reciclados, Sessões de Contos com os Piratas de Alexandria e animação da Orquestra de Ritmo do Algarve.
Observatório do Algarve
Aumento do IVA asfixia o Algarve
28-08-2011


A redução da TSU – Taxa Social Única e sobretudo o aumento do IVA associado, além de poder falhar o objectivo de melhorar a competitividade das empresas, poderá ter um “impacto negativo fortíssimo” na economia, especialmente a do Algarve, defendem António Covas e Vítor Neto.  
 
O estudo sobre a «desvalorização fiscal», elaborado por representantes do Banco de Portugal e dos ministérios das Finanças, Economia e Emprego e Solidariedade e Segurança Social, já foi discutido com a troika e servirá de base de trabalho para a decisão do Governo sobre a eventual redução da TSU.
O relatório aponta como cenário de referência uma descida de 3,7 por cento na contribuição patronal para a Segurança Social e um aumento de 2,19 por cento do IVA.
Para António Covas, professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, a descida da TSU não terá qualquer efeito na melhoria da competitividade das empresas. “É uma descida muito baixa e até acaba por ter um efeito difuso na estrutura de custos da empresa”, sustenta.
Uma maior redução da TSU – entre seis a sete por cento, como já defendeu um dos elementos da troika – poderia ter o efeito pretendido, mas “tem um contra-efeito – é o problema do seu financiamento”, nota António Covas.
O aumento do IVA – medida necessária para compensar a perda de receita estimada entre 80 e 480 milhões de euros anuais – por outro lado, também poderá não cumprir o objectivo pretendido: “há um aumento da taxa mas pode haver uma quebra da receita fiscal. Porquê? Porque há uma quebra do consumo”, avisa o economista.
Neste momento, ainda não se sabe quais são os produtos cujas taxas do IVA vão subir de 13 para 23 por cento, mas se for uma subida generalizada em actividades como o alojamento turístico, a restauração e o golfe, como antecipa a Confederação do Turismo Português, vai ter “um impacto negativo fortíssimo” na economia regional, alerta António Covas.
Um impacto negativo, cuja dimensão pode ainda ser agravada pela proximidade do Algarve a Espanha. “O fluxo de visitantes espanhóis pode sofrer uma redução e o contrário também pode acontecer: os algarvios podem aproveitar para se ir abastecer a Espanha”, conclui.
Discussão em aberto
Para Vítor Neto, presidente do NERA – Associação Empresarial da Região do Algarve, o debate sobre esta matéria ainda está em aberto e tem de ser “muito bem ponderado”, sob pena de medidas aparentemente positivas se revelarem “muito negativas para o conjunto da economia”.
Segundo o empresário, é preciso participar neste debate, mas de forma “construtiva, não demagógica ou corporativa”. Vítor Neto assume, no entanto, uma posição de partida: a ser aplicada, a redução da TSU deve ser extensiva a todo o tecido empresarial.
“Há quem defenda a redução da TSU apenas para as empresas exportadoras industriais: no ano passado essas empresas eram 17 ou 18 mil, num universo de 350 mil empresas”, lembra o empresário. Esta solução, segundo o presidente do NERA, seria uma “medida discriminatória” e dificilmente colheria a aprovação da União Europeia.
Para a medida ter efeito, acrescenta Vítor Neto, “teria de ser uma redução bastante grande” e neste caso a compensação, nomeadamente através do aumento do IVA, “poderia ser insuportável”.
Por exemplo, diz o presidente do NERA, aumentar a taxa do IVA na restauração e no turismo significa “um impacto extremamente negativo neste sector – um sector exportador”, sublinha.
Observatório do Algarve

Nova burla com contas de telemóvel.

Nova burla envolve falsas contas para pagar telemóvel
Clientes TMN e Optimus atingidos em fraude por sms. Dinheiro vai para empresa do Brasil, Holanda e Roménia
Via sms anónimo, os clientes recebem o ultimato: para evitar cancelamento, devem pagar de imediato uma dívida. O aviso é credível, pois é até fornecida entidade e referência multibanco. Mas não passa de um logro que atinge clientes da TMN e da Optimus.
Este inovador esquema de burla é bastante recente e ainda pouco conhecido das autoridades policiais, nomeadamente da Polícia Judiciária. JN
blog D'sul

Onda de furtos cirúrgicos de "Mégane" alerta polícias

 
Rede a operar em todo o país usa meios informáticos para reprogramar sistemas das viaturas

 

Uma invulgar onda de furtos de viaturas Renault Mégane está a deixar condutores e autoridades em alerta. O método é tão silencioso como sofisticado: os ladrões usam computadores e outros dispositivos para aceder ao sistema dos carros e pô-los a funcionar.
A técnica é mais engenhosa do que as normalmente associadas ao furto de veículos, como a ligação directa ou a colocação de uma vareta do óleo na ignição. Os criminosos recorreram a computadores portáteis, PDA e outros aparelhos que ligam às fichas de diagnóstico dos carros, de forma a reprogramar as centralinas, sacar os códigos das chaves/cartões e colocar facilmente os veículos em movimento.
JN - Nuno Silva

Luís Rego – Amor novo





Tem mais oito anos de idade do que eu, o que faz com que em 1961 já fosse um jovem de dezassete. Nesse mesmo ano recusou-se a ir para a guerra em Angola e partiu para França. Aí, passou pelos mais diversos e pesados trabalhos, para sobreviver, até que, quando trabalhava num restaurante, veio a conhecer os amigos que o acompanhariam por muitos anos.
Ajudou a fundar os grupos de música rock “Les Problèmes” e “Les Charlots”. Este segundo tornou-se um caso extraordinário de sucesso, sendo hoje um daqueles grupos de “culto” obrigatórios para toda uma geração de franceses. Era um grupo que apostava na comédia teatral e musical, o que os levou a fazer dezenas de filmes e séries de televisão.
O nosso emigrante, mais tarde, foi em busca de temas mais “sérios” e virou-se para os palcos de teatro (com sucesso) mesmo tendo continuado a estar ligado ao cinema... até hoje.
Quando, bem antes do 25 de Abril, o seus “Les Problèmes” ficaram famosos, foram convidados para actuar em Portugal. Para mostrar que não estava distraída, a PIDE prendeu-o por alguns meses, altura em que os companheiros de aventuras “rockeiras” lhe dedicaram, e gravaram, uma canção intitulada “Ballade à Luís Rego, prisonnier politique”.
Regressado a Paris, sentiu a necessidade de gravar um pequeno disco, desta vez cantado em português, onde brilhava, do lado A, a canção do vídeo de hoje e, do lado B, umas surpreendentes “Quadras soltas” de Fernando Pessoa embrulhadas numa espécie de “bossa nova”. A primeira, é o “Amor novo”. As duas têm música de sua autoria e o disco foi editado em 1970.
Bem antes das poucas passagens na rádio portuguesa, um tal José Afonso, um dia, em Setúbal, em 1971/72, fez-me ouvir este disco do Luís Rego, gabando a modernidade dos arranjos e fazendo votos para que a sua produção de canções em português viesse a ter continuação (o que não veio a acontecer, que eu saiba).
Resumindo, é um artista português, com uma carreira recheada de sucessos, regular e reconhecida ao longo dos últimos 50 anos. Durante todo este tempo tem vindo a Portugal, regularmente... sem que ninguém dê conta disso. Tal é a atenção que os nossos órgãos de comunicação dão a estas coisas...
“Amor novo” – Luís Rego
(Maria Flávia/Luís Rego)