AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

ILHA DA MADEIRA - O GOVERNO PSD DE JARDIM DESRESPEITA A LEI

João Jardim volta a vitimizar-se. "Há uma inveja sobre a Madeira"

Publicado em 10 de Agosto de 2011 -  JORNAL i
Presidente do Governo Regional considera uma provocação o relatório do TC sobre dívida madeirense.

No dia em que se tornou público um relatório do Tribunal de Contas que refere que a dívida financeira da Madeira aumentou 99,4 milhões em 2010 e que o Governo Regional pagou despesas de funcionamento com as verbas concedidas para a reconstrução da ilha na sequência do temporal de Fevereiro de 2010, Alberto João Jardim não comentou os números nem o uso indevido dos empréstimos contraídos ao abrigo da Lei de Meios. Insistiu, antes, em sublinhar a coincidência de esta auditoria ser conhecida em altura de campanha eleitoral e ameaçou recorrer à legítima defesa se as "entidades da República" continuarem "a provocar o povo madeirense só porque não estão sob a tutela do governo da região".

"Alertei o senhor Presidente da República como alertei já este governo que, sempre que estamos próximo de eleições, aparecem umas entidades que são da República prontas a fazer-nos a vida um inferno", disse à margem de uma inauguração na freguesia do Faial.

O relatório do Tribunal de Contas concluiu que a região autónoma da Madeira contraiu no ano passado empréstimos no montante de 146,8 milhões de euros. No final do ano, a dívida financeira chegava aos 963,3 milhões de euros, mais 99,4 milhões que em 2009. Perante estes resultados, o Tribunal de Contas recomendou à Secretaria Regional do Plano e Finanças para ter atenção ao limite máximo de endividamento.

Sem fazer referência ao tribunal, Alberto João Jardim referiu que, apesar dos "cortes", a Madeira está a fazer um "esforço enorme", através do sector público e privado, e desafiou os madeirenses a "saber resistir". "Temos que ter esta alma de resistência", principalmente "no período que agora se vive."

João Jardim já antes tinha negado ter desviado verbas da reconstrução para outros fins, mas o relatório agora divulgado só vem reforçar o resultado de uma auditoria divulgada há apenas um mês. Nessa altura, o Tribunal de Contas concluiu que o Governo Regional utilizou na reconstrução da ilha após o temporal apenas 29,5% dos 191,3 milhões de euros que arrecadou no âmbito da Lei de Meios. Ontem, o tribunal voltou a lembrar que se estão a "ofender" normas do Estatuto Político-Administrativo da Madeira e da Lei de Finanças Regionais.

NOTA: MAL COMPORTADO, ESTE POLÍTICO MIMADO E OPORTUNISTA NÃO SE CANSA DE OFENDER E  DESRESPEITAR O GOVERNO CENTRAL DA REPÚBLICA.
À MÍNIMA CONTRARIEDADE FAZ DE IMEDIATO AMEAÇAS VELADAS, ENCHENDO A BOCARRA COM A PALAVRA "INDEPENDÊNCIA".
SEMPRE GOSTAVA DE SABER QUEM É QUE, DEPOIS, IRIA PAGAR-LHE OS DELÍRIOS DE GRANDEZA.


João Jardim: A vítima da inveja dos “Diabos Cubanos”!!!

João Jardim volta a vitimizar-se."Há uma inveja sobre a Madeira, alertei o senhor Presidente da República como alertei já este governo que, sempre que estamos próximo de eleições, aparecem umas entidades que são da República prontas a fazer-nos a vida um inferno"
«Desde quando acham que a Madeira anda de cócoras atrás de Lisboa?»,
“Alberto João no seu melhor”
O Tribunal de Contas refere que a dívida financeira da Madeira aumentou 99,4 milhões em 2010 e que o Governo Regional pagou despesas de funcionamento com as verbas concedidas para a reconstrução da ilha. 
Neste novo relatório, o TC destaca um empréstimo de 20 milhões de euros acordado com o BANIF, considerando que "foi contraído à margem do estipulado no diploma que regulamenta o financiamento da reconstrução e da Lei do Orçamento do Estado. O TC acrescenta que as verbas do empréstimo foram aplicadas na sua maioria na aquisição de bens de capital, investimentos e construções diversas, onde foram detectadas várias ilegalidades.
De entre estas, refira-se o não cumprimento do prazo de pagamento dos autos de medição dos trabalhos das empreitadas, a emissão de facturas fora do prazo estipulado e a adjudicação de trabalhos a mais já depois de estarem executados.
Alberto João Jardim não comentou os números nem o uso indevido dos empréstimos Insistiu, antes, em sublinhar a coincidência de esta auditoria ser conhecida em altura de campanha eleitoral ".
Não se preocupem, os governos e a justiça da república há muitos anos que trata este Sr. como inimputável, por isso não liguem, nem ao que faz, nem ao que diz!

Só dívidas!


Hoje li no Correio da Manhã que Portugal é o décimo país mais endividado do mundo. Os últimos dados publicados apontavam para um montante de 202 mil milhões de dólares, que representavam 87% do PIB.
Acredita-se que na actualidade aquela percentagem deverá rondar os 100%. Mas há gente pior que nós. Eis a lista em valor e percentagem do respectivo PIB:

1º JAPÃO - 14 mil milhões de dólares - 234%
2º GRÉCIA - 434 mil milhões de dólares - 139%
3º ITÁLIA - 2,5 mil milhões de dólares - 120%
4º ISLÂNDIA - 16 mil milhões de dólares - 108%
5º BÉLGICA - 504 mil milhões de dólares - 103%
6º IRLANDA - 220 mil milhões de dólares - 102%
7º EUA - 14,5 mil milhões de dólares - 99%
8º SINGAPURA - 254 mil milhões de dólares - 95%
9º FRANÇA - 2,315 mil milhões de dólares - 88%
10º PORTUGAL - 202 mil milhões de dólares - 87%

A situação mundial não é famosa. O problema é que nestes dez países a capacidade de recuperação não é a mesma. E estas percentagens só têm valor à luz dessa possibilidade. Portugal está, infelizmente, no grupo daqueles em que o desenvolvimento económico é menos firme!

A Lenda da Sopa da Pedra..

Tal como quase todos os costumes, tradições e também gastronomia regional, a Sopa da Pedra tem uma lenda associada....


Um frade andava no peditório. Chegou à porta de um lavrador, não lhe quiseram aí dar esmola. O frade estava a cair com fome, e disse:
- Vou ver se faço um caldinho de pedra!
E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela, para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade e daquela lembrança.
Perguntou o frade :
- Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa boa.
Responderam-lhe :
- Sempre queremos ver isso!
Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, pediu :
- Se me emprestassem aí um pucarinho.
Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu-a de água e deitou-lhe a pedra dentro.
- Agora, se me deixassem estar a panelinha aí ao pé das brasas.
Deixaram. Assim que a panela começou a chiar, tornou ele :
- Com um bocadinho de unto, é que o caldo ficava um primor!
Foram-lhe buscar um pedaço de unto. Ferveu, ferveu, e a gente da casa pasmada pelo que via. Dizia o frade, provando o caldo :
- Está um bocadinho insosso. Bem precisava de uma pedrinha de sal.
Também lhe deram o sal. Temperou, provou e afirmou :
- Agora é que, com uns olhinhos de couve o caldo ficava que até os anjos o comeriam!
A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves tenras.
O frade limpou-as e ripou-as com os dedos, deitando as folhas na panela.
Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade :
- Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça.
Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço. Ele botou-o à panela e, enquanto se cozia, tirou do alforje pão e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era uma regalo. Comeu e lambeu o beiço. Depois de despejada a panela, ficou a pedra no fundo. A gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou:
- Ó senhor frade, então a pedra?
Respondeu o frade :
- A pedra lavo-a e levo-a comigo para outra vez.

CMA

um retrato simples da Kodak

as assucenas na vereda de casa
o taralhão no ramo
batendo a asa
o alecrim perfumado
a alfameza em canteiro
misturado
a chaminé de alva cal
caidada
as marioulas
na louça
perfumada
a pedra de lavar a um canto
pézeiras de malmequeres
um encanto
o galo a cantar no poleiro
o ladrar de um cão
rafeiro
a porta aberta
de par em par
brincos de rainha
a alegrar
casa de campo
com vista
pró mar
e na chapada do cerro
de Nexe
rosas albardeiras
frescas num feixe

António Garrochinho


O que os outros escrevem...Do blog "Cantigueiro"

Morra Marta, morra farta!, bem poderia ser o título deste post... mas longe vá o agouro! A jovem, bonita e, pelos vistos, esfuziantemente talentosa Marta Neves, tem toda a vida pela frente e não passa de uma peça na engrenagem. Uma peça de luxo, convenhamos... mas não mais do que uma peça.

Vamos ao assunto. Seria fatal como o destino, que o “neoliberal-paspalhão” importado do Canadá para tomar conta do ministério da economia (e de mais não sei quantos), depois de ter sido o primeiro a vociferar histérica e teatralmente, numa ridícula intervenção em plena Assembleia da República, contra os gastos e a «ostentação» que encontrou nos seus gabinetes, se revelasse não só o campeão das nomeações que o “poupadinho” governo de Passos Coelho já fez em meia dúzia de dias (mais de quatrocentas, além dos, até agora, 51 "especialistas")... ainda consegue ser o autor das contratações mais espectaculares.

Como se não bastasse a contratação da Super-Marta”, por mais de 5000 euros mensais, para sua chefe de gabinete, já lhe arranjou a companhia de mais dois assessores... mas com ordenados de directores-gerais.

Para além da situação caricata que esta desfaçatez que vem criar nos diversos serviços públicos, onde muitas centenas de pessoas são tão ou mais competentes que estes seus “Super-Amigos”, mas nem por isso podendo sonhar com os ordenados destes, no fundo, esta estória mostra a arrogância e a atitude de puro saque e total impunidade com que este gang tomou conta da máquina do Governo. A coberto da apregoada inevitabilidade de tudo e do seu contrário e ao abrigo do imenso “guarda-chuva” da troika e das suas exigências, estes canalhas vão roubar tudo o que puderem, no menor espaço de tempo e pagando muito bem aos colaboradores (aqui o nome é mesmo colaboradores) que os ajudarem no assalto.

As carantonhas que encena para vender as suas “ideias”, tal como o sumo da argumentação com que as defende, ajudam a confirmar uma das minhas antigas convicções: um idiota, mesmo carregado de cursos, diplomas e doutoramentos... é aquilo que é. Neste caso, desgraçadamente, isso não o torna menos perigoso.

Seja como for, sempre na linha da minha proverbial caridade quase tipo cristã, dou-lhe um ajuda para custear as despesas do gabinete, contribuindo com a sugestão de um grande “patrocinador oficial” de que ele, por ter vivido no estrangeiro e não ver a nossa televisão, talvez nunca se lembrasse.

Façam o exercício. Imaginem o potencial publicitário resultante do facto de sempre que alguém telefonasse para o ministério e para o gabinete de sua excelência o ministro da economia (e de mais não sei o quê), Álvaro Santos Pereira, ouvir do outro lado:

“Ok, Ministério da Economia. Daqui fala a Marta.”

Macário Correia, Angelia Jolie... e a estratégia para a juventude



 «…quando, socialmente, beijo alguém que esteve a fumar, fico logo de pé atrás. Quando as mulheres têm o cabelo comprido o fumo fica entranhado. O odor que vem do cabelo é de tal forma forte que um beijo simpático na face automaticamente me provoca repulsa»

- Se a Angelina Jolie estiver interessada em si pode tirar daí o cavalinho da chuva…

«Aconselho-a a tentar outra pessoa. Sou muito firme nas minhas convicções e nessa matéria não cedo».

Parece não existirem limites para as baboseiras que este cromo do PSD é capaz de produzir. Só lhe falta mesmo a autonomia regional do Algarve, para poder começar a sonhar em fazer frente ao soba da Madeira. Depois da demonstração da sua “firmeza de convicções”, na questão das portagens na Via do Infante, caiu-me nas mãos este saudoso recorte (já de 2007) com mais uma das recorrentes “taras” envolvendo fumo e beijos, em que Macário Correia se tornou um verdadeiro especialista. Seja como for... essa não é a estória de hoje.

Hoje trata-se do Macário Correia político. Do Macário Correia do futuro. Do Macário Correia que decidiu apresentar um «plano estratégico para a juventude».

Não tive acesso ao documento... mas consigo imaginar uma “estratégia” ideal, da minha lavra, que caberia apenas em duas linhas:

“Olhem bem para o Macário. Ouçam o que ele diz. Leiam a sua biografia. Riam-se bastante por alguns momentos... e depois façam tudo diferente!!!