AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

VEJA AQUI A LISTA - OS 73 BOYS DO GOVERNO PSD/CDS - E AINDA CÁ ESTÃO HÁ POUCAS SEMANAS

OS 73 BOYS DO GOVERNO PSD/CDS - E AINDA CÁ ESTÃO HÁ POUCAS SEMANAS

Das 447 nomeações feitas até este sábado, dia 6, pelo Governo, no mês e meio que leva em funções, 73 são "boys" como a edição impressa do DN hoje divulgou. Saiba quem são os nomeados com ligações partidárias (a lista é arbitrária e segue a ordem pela qual surgem no site do próprio Governo).

OS 73 'PARTIDÁRIOS'

1.Nome:João Montenegro
Cargo: Adjunto do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Foi vice-presidente da Comissão Política Nacional da JSD
Vencimento: 3.287,08 euros

2. Nome:Paulo Pinheiro
Cargo: Adjunto do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Foi adjunto do gabinete de Durão Barroso
Vencimento: 3.653,81 euros

3.Nome: Carlos Sá Carneiro
Cargo: Assessor do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Foi adjunto de Pedro Passos Coelho na São Caetano à Lapa
Vencimento: 3.653,81 euros

4.Nome: Marta Sousa
Cargo: Assessora do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Responsável por deslocações e imagem de Passos Coelho enquanto líder do PSD
Vencimento: 3.653,81 euros

5.Nome: Inês Araújo
Cargo: Secretária do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Foi secretária do Governo PSD chefiado por Pedro Santana Lopes
Vencimento: 1.882,76 euros

6.Nome: Joaquim Monteiro
Cargo: Adjunto do primeiro-ministro
Ligação ao PSD: Foi deputado do PSD entre 1983 e 1985
Vencimento: 3.287,08 euros

7.Nome: Raquel Pereira
Cargo: Adjunta do ministro das Finanças
Ligação ao PSD: Foi adjunta no gabinete do Secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Miguel Frasquilho e chefe de gabinete da secretária de Estado Maria do Rosário Águas.
Vencimento: 3.069,33 euros

8.Nome: Rodrigo Guimarães
Cargo: Chefe de gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais
Ligação ao PSD: Foi chefe de gabinete de Morais Leitão no Governo Santana
Vencimento: 4.791 euros

9.Nome: Gonçalo Sampaio
Cargo: Adjunto do gabinete do ministro da Defesa
Ligação ao PSD: Ex-candidato a deputado pelo PSD e presidente da secção B do PSD Lisboa
Vencimento: 3.183,63 euros

10.Nome: Cláudio Sarmento da Silva
Cargo: Assessor do gabinete do ministro da Defesa
Ligação ao PSD: Eleito membro da Assembleia da freguesia da Costa da Caparica pelo PSD
Vencimento: 3.356,34 euros

11.Nome: Paulo Cutileiro Correia
Cargo: Adjunto do ministro da Defesa
Ligação ao PSD: Ex-vereador da Câmara Municipal do Porto
Vencimento: 3.183,63 euros

12.Nome: Ana Santos
Cargo: Assessora do gabinete do ministro da Defesa
Ligação ao PSD: Fez parte da equipa, que, no Instituto Francisco Sá Carneiro, elaborou o programa do PSD para as últimas eleições Legislativas; Ex-dirigente da Universidade de Verão.
Vencimento: 3.356,34 euros

13.Nome: Nuno Maia
Cargo: Adjunto de imprensa do gabinete do ministro da Defesa
Ligação ao PSD: Foi assessor no grupo parlamentar do PSD quando Aguiar Branco era líder
Vencimento: 3.183,63 euros

14.Nome: Marta Santos
Cargo: Adjunta do Secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional
Ligação ao PSD: Foi assessora de António Prôa, vereador do PSD na Câmara Municipal de Lisboa
Vencimento: 3.183,63 euros

15.Nome: João Pedro Saldanha Serra
Cargo: Chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional
Ligação ao PSD: Ex-líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa
Vencimento: 3.892,54 euros

16.Nome: João Miguel Annes
Cargo: Adjunto do gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional
Ligação ao PSD: Presidente da JSD Algés/Carnaxide . Faz parte do Conselho Nacional do PSD.
Vencimento: 3.183,63 euros

17.Nome: Rita Lima
Cargo: Chefe de gabinete do ministro da Administração Interna
Ligação ao PSD:Foi chefe de gabinete de Regina Bastos, secretária de Estado da Saúde no Governo de Santana Lopes
Vencimento: 3.892,53 euros

18.Nome: Jorge Garcez
Cargo: Assessor do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna
Ligação ao PSD:Secretário-Geral Adjunto da Comissão Política Nacional da JSD
Vencimento: 3.069,33 euros

19.Nome: António Valle
Cargo: Adjunto do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares
Ligação ao PSD: Assessor de comunicação de Passos Coelho na São Caetano à Lapa
Vencimento: 3.069,33 euros

20.Nome: Ricardo Sousa
Cargo: Adjunto do Sec. de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares
Ligação ao PSD: Delegado ao Congresso do PSD pela JSD
Vencimento: 3.069,33 euros

21.Nome: Nuno Correia
Cargo: Chefe de gabinete do Sec. de Est. Adj. do Ministro Adj. dos Assuntos Parlamentares
Ligação ao PSD: Ex-candidato do PSD à Câmara Municipal de Castanheira de Pêra
Vencimento: 4.542.00 euros

22.Nome: Ademar Marques
Cargo: Adjunto do Sec. de Est. Adj. do Ministro Adj. dos Assuntos Parlamentares
Ligação ao PSD: Presidente do PSD/Peniche
Vencimento: 3.069,33 euros

23.Nome: Marina Resende
Cargo: Chefe de gabinete da Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade
Ligação ao PSD: Ex-assessora do Grupo Parlamentar do PSD (Junho)
Vencimento: 3.892.53 euros

24.Nome: Ricardo Carvalho
Cargo: Adjunto do Secretário de Estado da Administração Local e Reforma
Ligação ao PSD: Secretário da Junta de Freguesia Prazeres, eleito pelas listas do PSD
Vencimento: 3069,33 euros

25.Nome: João Belo
Cargo: Adjunto do secretário de Estado da Administração Local e Reforma
Ligação ao PSD: PSD/Coimbra
Vencimento: 3069,33 euros

26.Nome: André Pardal
Cargo: Especialista do gabinete (?)
Ligação ao PSD: Vice-presidente da JSD; Delegado no último Congresso do PSD (XXXII)
Vencimento: 3069,33 euros

27.Nome: Diogo Guia
Cargo: Chefe de gabinete do Secretário de Estado do Desporto e Juventude
Ligação ao PSD: Membro da Assembleia Municipal Torres Vedras pelo PSD
Vencimento: 3.892.53 euros

28.Nome: Sónia Ferreira
Cargo: Especialista(?) do gabinete do Secretário de Estado do Desporto e Juventude
Ligação ao PSD: Candidata a deputada pelo PSD nas últimas eleições Legislativas
Vencimento: 3.069,33 euros

29.Nome: Manuel Martins
Cargo: Adjunto do Ministro da Economia e do Emprego
Ligação ao PSD: Integrou as listas do PSD à junta de freguesia de Santa Isabel; Delegado ao Congresso do PSD
Vencimento: 3.069,34 euros

30.Nome: Álvaro Reis Santos
Cargo: Chefe de gabinete do sec. de Estado Adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional
Ligação ao PSD: Ex-vereador do PSD na Câmara Municipal de Ovar
Vencimento: 3.892,53 euros

31.Nome: Quirino Mealha
Cargo: Adjunto do secretário de Estado Adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional
Ligação ao PSD: Colaborou com o Instituto Sá Carneiro
Vencimento: 3.463,49 euros

32.Nome: Jaime Bernardino Alves
Cargo: Adjunto do secretário de Estado Adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional
Ligação ao PSD: Ex-presidente da Comissão Política do PSD/Resende
Vencimento: 3.069,34 euros

33.Nome: Rui Trindade
Cargo: Especialista(?) do gabinete do sec.de Estado Adj.da Economia e do Desenv. Regional
Ligação ao PSD: Deputado na Assembleia de freguesia de Mafamude pelo PSD
Vencimento: 3.069,34 euros

34.Nome: Isabel Nico
Cargo: Adjunta do Secretário de Estado do Emprego
Ligação ao PSD:Foi adjunta do sec. de Estado das Obras Públicas, Jorge Costa, num Governo PSD
Vencimento: 3.069,34 euros

35.Nome: Amélia Santos
Cargo: Chefe de gabinete do Secretário de Estado do Emprego
Ligação ao PSD:Foi chefe do Gabinete do Secretário de Estado das Obras Públicas, José Castro, no Governo de Durão Barroso
Vencimento: 3.892,53 euros

36.Nome: Carla Mendes Sequeira
Cargo: Especialista (?) no gab. do sec. de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação?)
Ligação ao PSD: Em 2006 era membro do Conselho Nacional do PSD
Vencimento: 4.297,75 euros

37.Nome: Margarida Benevides
Cargo: Especialista(?) no gabinete do sec. de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações
Ligação ao PSD: Foi delegada ao XIX Congresso Nacional da JSD em 2007
Vencimento:3.069,34 euros

38.Nome: Carlos Nunes Lopes
Cargo: Chefe do gabinete do Sec. de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações
Ligação ao PSD: Presidente do PSD/Mangualde
Vencimento:3.892,53 euros

39.Nome: Marcelo Rebanda
Cargo: Chefe do gabinete do Sec. de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações
Ligação ao PSD: Foi adjunto da secretária de Estado do Turismo
Vencimento:3.069,34 euros

40.Nome: Eduardo Diniz
Cargo: Chefe do gabinete do Secretário de Estado da Agricultura
Ligação ao PSD: Foi assessor do gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Rural, Fernando Bianchi de Aguiar num anterior Governo PSD
Vencimento:3.892,53 euros

41.Nome: Joana Novo
Cargo: Chefe do gabinete do Secretário de Estado da Agricultura
Ligação ao PSD: Candidata a deputada municipal de Viana do Castelo nas autárquicas de 2009 na coligação PSD-CDS
Vencimento:3.069,33 euros

42.Nome: Ana Berenguer
Cargo: Adjunta do Secretário de Estado do Mar
Ligação ao PSD: Foi adjunta do secretário de Estado Adjunto e das Pescas, Luís Filipe Gomes, no Governo de Durão Barroso
Vencimento:3.069,33 euros

43.Nome: Paulo Assunção
Cargo: Especialista(?) do gabinete do Secretário de Estado do Mar
Ligação ao PSD: Foi adjunto do secretário de Estado Adjunto do Ministro da Presidência, Feliciano José Barreiras, no Governo de Santana Lopes
Vencimento:2.167,56 euros

44.Nome: Tiago Cartaxo
Cargo: Especialista(?) no gabinete do Sec. de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território
Ligação ao PSD: Conselheiro Nacional da JSD; candidato derrotado à liderança da JSD
Vencimento: 3.069,33 euros

45
Cargo: Especialista(?) no gabinete do Sec. de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território
Ligação ao PSD: Presidente do Gabinete de Estudos do PSD/Cascais
Vencimento: 3.069,33 euros

46.Nome: Nuno Botelho
Cargo: Apoio técnico ao gabinete do Sec. de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território
Ligação ao PSD: Vereador do PSD na Câmara Municipal de Loures
Vencimento: 1930 euros

47.Nome: Paulo Nunes Coelho
Cargo: Chefe de gabinete do secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território
Ligação ao PSD: Foi chefe de gabinete do secretário de Estado da Administração Local de Miguel Relvas, no Governo Durão
Vencimento: 3.892,53 euros

48.Nome: António Lopes
Cargo: Adjunto do gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território
Ligação ao PSD: Foi candidato à Câmara Municipal da Azambuja pelo PSD
Vencimento: 3.069,33 euros

49.Nome: Ricardo Morgado
Cargo: Especialista/Assessor do Secretário de Estado do Ensino Superior
Ligação ao PSD: JSD
Vencimento: 2505,47 euros

50.Nome: Francisco José Martins
Cargo: Chefe de gabinete do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros
Ligação ao PSD: Ex- chefe de Gabinete do Grupo Parlamentar do PSD
Vencimento: 3.892,53 euros

51.Nome: Francisco Azevedo e Silva
Cargo: Adjunto do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros
Ligação ao PSD: Ex- chefe de Gabinete de Manuela Ferreira Leite
Vencimento: 3.069,33 euros

52.Nome: José Martins
Cargo: Adjunto do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros
Ligação ao PSD: Adjunto do Secretário de Estado da PCM, Domingos Jerónimo no Governo de Santana Lopes
Vencimento: 3.069,33 euros

53.Nome: Ana Cardo
Cargo: Especialista jurídica no gabinete do secretário de Estado da Cultura
Ligação ao PSD: Adjunta do gabinete de Teresa Caeiro (CDS), no Governo Santana Lopes
Vencimento: 3.069,33 euros

54.Nome: Luís Newton Parreira
Cargo: Especialista(?) no gabinete do secretário de Estado da Cultura
Ligação ao PSD: Presidente da secção D do PSD Lisboa
Vencimento: 3.163,27 euros

55.Nome: João Villalobos
Cargo: Assessor no gabinete do secretário de Estado da Cultura
Ligação ao PSD: Prestação de serviços de assessoria em Comunicação Social e New Media, junto Gabinete dos Vereadores PPD/PSD na Câmara Municipal de Lisboa
Vencimento: 3.163,27 euros

56.Nome: Inês Rodrigues
Cargo: Adjunta da secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário
Ligação ao PSD: Adjunta do gabinete da secretária de Estado da Educação, Mariana Cascais, no Governo de Durão Barroso
Vencimento: 3.069,33 euros

57.Nome: Marta Neves
Cargo: Chefe de gabinete do ministro da Economia
Ligação ao PSD: Adjunta do ministro as Actividades Económicas e do Trabalho, Álvaro Barreto, no Governo de Santana Lopes
Vencimento: 5.b21,30 euros

58.Nome: Fernando Faria de Oliveira
Cargo: Chairman da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Ex-secretário de Estado do PSD

59.Nome: António Nogueira Leite
Cargo: Vice-presidente da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Conselheiro económico do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho

60.Nome: Norberto Rosa
Cargo: Vice-presidente da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Ex-secretário de Estado em Governos PSD (Cavaco Silva e Durão Barroso)

61.Nome: Nuno Fernandes Thomaz
Cargo: Vogal da Comissão Executiva da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Ex-secretário de Estado de Santana Lopes

62.Nome: Manuel Lopes Porto
Cargo: Presidente da Mesa da Assembleia-geral da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Presidente da Assembleia Municipal de Coimbra, eleito nas listas do PSD

63.Nome: Rui Machete
Cargo: vice-pesidente da Mesa da Assembleia-geral da CGD (Sector Empresarial do Estado)
Ligação ao PSD: Ex-presidente do PSD

64. Nome: Joana Machado
Cargo: Assessora do secretário de Estado da Administração Interna
Ligação ao CDS: Integrou as listas do CDS-PP para a Assembleia Municipal de Lisboa nas autárquicas de 2001
Vencimento: 2.364,50 euros

65. Nome: André Barbosa
Cargo: Assessor do secretário de Estado da Administração Interna
Ligação ao CDS: Ex-assessor do Grupo Parlamentar do CDS-PP
Vencimento: 2.364,50 euros

66. Nome: Tiago Leite
Cargo: Chefe de gabinete do secretário de Estado da Administração Interna
Ligação ao CDS: Candidato do CDS a Presidente da Câmara de Santarém nas autárquicas de 2009 e nº3 na lista de deputados à Assembleia da República nas últimas eleições Legislativas.
Vencimento: 3.892,53 euros

67. Nome: José Amaral
Cargo: Chefe de gabinete dSecretária de Estado do Turismo
Ligação ao CDS: Candidato nas Europeias como suplente, nas listas do CDS.
Vencimento: 3.892,53 euros

68. Nome: Antero Silva
Cargo: Adjunto da ministra da Agricultura
Ligação ao CDS: Líder do grupo municipal do CDS/PP na assembleia municipal de Vila Nova de Famalicão e membro da JP
Vencimento: 3.069,33 euros

69. Nome: Carolina Seco
Cargo: Adjunta Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural
Ligação ao CDS: Era a nº3 da lista à Assembleia da República pelo CDS no distrito de Viana do Castelo
Vencimento: 3.069,33 euros

70. Nome: Tiago Pessoa
Cargo: Chefe do gabinete ministro da Solidariedade e Segurança Social
Ligação ao CDS: Presidente do Conselho Nacional de Fiscalização do CDS
Vencimento: Vencimento de origem (HS-Consultores de Gestão, SA)

71. Nome: João Condeixa
Cargo: Adjunta do gabinete ministro da Solidariedade e Segurança Social
Ligação ao CDS: Candidato pelo CDS em Lisboa nas últimas Legislativas
Vencimento: 3069,33 euros

72. Nome: Diogo Henriques
Cargo: Adjunta do gabinete ministro da Solidariedade e Segurança Social
Ligação ao CDS: Chefe de gabinete da presidência do CDS-PP.
Vencimento: 3069,33 euros

73. Nome: Arlindo Henrique Lobo Borges
Cargo: Assessor do Secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar
Ligação ao CDS: Deputado municipal pelo CDS em Braga
Vencimento: 3069,33 euros

NOTA: TERÁ ESTA GENTE SIDO NOMEADA POR MÉRITO OU BASTA-LHES APENAS A QUALIDADE DO CARTÃO DO PARTIDO? E QUE HÁ NOMEADOS QUE TIVERAM CARGOS DE RESPONSABILIDADE EM GOVERNOS ANTERIORES E QUE POR ISSO SÃO CO-RESPONSÁVEIS PELO DESCALABRO A QUE O PAÍS CHEGOU!

noites de luar em ti, o conto

Dorme comigo, disse a Lua, dorme comigo.

Tiras-me o sono, a noite tira-me o sono Lua.

A noite em ti. Olhas-me tão de longe, tão de longe, ainda que veja a minha luz em ti.

Iluminam-se os caminhos contigo, em noites de Lua, apenas em noites de Lua, noutras as sombras adormecem em mim, adormecem.

Se sou noites de luar em ti, caminharemos eternamente como amantes, ainda que em memórias, ainda que em memórias do que foste em mim.

Se fui, sou, se sou tornarei a ser, assim é, assim pode ser.

Seremos o que as noites nos segredarem ao ouvido. A luz nasce do Sol que cresce todos os dias, todos os dias, serei de longe, desde muito longe o que a memória existir em ti. Sou a luz de todos os dias, de todos os dias e amantes não se fazem em dias, mas em noites de lua e noites frias.

És a Lua.

És o homem que viu em mim uma Lua.

Sou homem, sei que sim, sei que sim.

Sou mulher, mas serei uma eterna Lua em ti, em ti.

imagem Teodoru Badiu. Moonlover.

Quando havia princesas no Guadiana

  
São cada vez menos os que têm memória dos tempos áureos da pesca da sardinha na costa do Algarve e, em particular, em Vila Real de Santo António, poucos serão os que têm a noção real do empobrecimento da nossa costa. Durante muito anos não vi um golfinho na praia de Monte Gordo, fui dezenas de vezes ao mar em traineiras e outras tantas em navios patrulha da Armada (era um puto e era quase uma mascote dos navios patrulhas que costumavam estar no Guadiana), palmilhei a costa desde Punta Umbria a Tavira e nunca vi um golfinho. Nos últimos anos é frequente avistá-los quase junto à praia e interpreto a aproximação dos golfinhos corvineiros à costa como um sinal evidente da escassez de cardumes de sardinha.

Quando era criança havia em Vila Real de Santo António dezenas de traineiras, e cada uma delas tinha duas enviadas, barcos de apoio que apenas tinham um porão e serviam para carregar de sardinha. A partida para o mar era um espectáculo todos os dias ao pôr-do-sol, saiam em fila indiana e quando a primeira traineira já estava no mar alto ainda haviam traineiras na doca. Em dias de muita pesca as traineiras apinhavam-se em todos os espaços disponíveis para descarregar e muitas delas só estavam livres da sua carga a horas de ir de novo para o mar.

No passado as traineiras partiam ao fim do dia e regressavam ao princípio da manhã, quando estavam carregadas, há dois anos fui para o mar, parti ao pôr-do-sol e às onze da noite estava a regressar com aquilo que terá sido uma pescaria razoável, mas no passado seria uma quantidade desprezível. Havia uma única traineira e foi preciso palmilhar muitas milhas para encontrar um pequeno cardume de sardinhas. Hoje não há uma única traineira em Vila Real de Santo António, todos os cais estão ao abandono, a antiga doca é uma ruina. As fábricas de conservas deram lugar a urbanizações de apartamentos e de décadas de esplendor pouco mais resta do que os azulejos da Capitania do Porto. Tudo o resto é ruina e, pior ainda, falta de memória.

A “Princesa do Guadiana” já deve ter sido abatida e deve estar a apodrecer num qualquer estaleiro abandonado, resta que os poucos pescadores morram para que todo um passado seja esquecido. Toda a riqueza etnográfica está perdida, as imagens são escassas, as embarcações recuperadas são escassas, a recolha de informação ficou por fazer. Restam fantasmas como o cheiro a atum que se sentia no ar quando as fábricas “metiam” atum, o barulho ruidoso do motor da “Pérola do Guadiana” quando passava no rio (os barcos reconheciam-se pelo perfil e pelo ruído do motor), as carroças puxadas a cavalo carregando os atuns enormes descarregados no cais da fábrica Angelo Parodi.

Até o património arquitectónico da época está em ruínas ou mal documentado, o edifício da Alfândega aguarda pela derrocada, a bela portaria do hospital local que tinha sido doado por Angelo Parodi foi arrasada com o velho edifício, das fábricas de conserva nada resta além do ninho de cegonhas no cimo da chaminé que insiste em erguer-se do meio das ruínas da fábrica Ramirez.

Mas que importa tudo isto, este país agora vive das escolhas para a administração da CGD da venda do BPN, das idiotices do Álvaro, do regulamento de vestuário da Cristas, do Facebook do Cavaco Silva, dos comentários do Marcelo ou dos sms da Manuela Moura Guedes.

Reino Unido: Heroína da Resistência francesa Nancy Wake morreu aos 98 anos


Reino Unido: Heroína da Resistência francesa Nancy Wake morreu aos 98 anos
08-08-2011

A espia australiana e heroína da resistência francesa Nancy Wake morreu no domingo em Londres aos 98 anos.  
 
Wake foi condecorada pela França com a maior distinção militar, a Legião de Honra, pela sua atividade durante a Resistência francesa, na II Guerra Mundial, e com três medalhas da Cruz de Guerra e da Resistência.
Nancy Wake também foi distinguida com a medalha George, do Reino Unido, com a medalha da Liberdade, dos Estados Unidos, em 2006, Insígnia RSA, da Nova Zelândia, e com a Companhia da Ordem da Austrália, em 2004
Observatório do Algarve

Vigília De Nancy


.

Biografia  ( tradução para portugues feita pelo computador )

Vigília nascida de Augusta do grace de Nancy dentro Wellington, Nova Zelândia, sua família movida para dentro . Na idade de 16, funcionou afastado do repouso e transformou-se uma enfermeira. Com £200 que recebeu de um parente, ela moveu-se para e treinado como um journalist. No que trabalhou dentro . Mais tarde trabalhou para . Em que testemunhou Nazi violência dentro .
Em 1935 encontrou-se com o industrialista francês Henri Fiocca, quem casou dentro . Estava vivendo dentro Marselha, France quando invadiu. Depois que a queda de France, se tornou um correio para a resistência francesa e juntou mais tarde a rede do escape de Ian Garrow. chamou-a "o rato branco".
Quando a rede betrayed em dezembro , que teve que se escapar de e sae de seu marido atrás. Foi prendida mais tarde dentro mas liberado quatro dias mais tarde. Sua quinta ou sexta tentativa de cruzar a sucedeu. Foi a e juntado .
Na noite de abril 29-30 saltou de pára-quedas em Auvergne e tornou-se uma ligação entre Londres e o local . Coordenou a atividade da resistência antes de Invasão De Normandy e recrutado mais membros. Conduziu também a ataques em instalações alemãs e no HQ local de Gestapo dentro Montucon. Em abril 1944 seus 7000 22.000 lutados Ss soldados, causando 1400 víctimas. Seus compatriots, especial Henri Tardivat, elogiado seu espírito de combate - demonstrado ampla quando matou um sentry dos SS com suas mãos desencapadas para o impedir que levanta o alarme durante uma invasão aliada. Durante uma entrevista de televisão dos 1990s quando pedida o que acontecesse ao sentry que a manchou, a vigília extraiu simplesmente seu dedo através de sua garganta. Em uma outra ocasião, a fim substituir códigos que seu operador wireless tinha sido forçado a destruir em uma invasão alemão, vigília de Nancy montou uma bicicleta para mais de 100 milhas através de diversos pontos de verificação alemães.
Após a guerra, recebeu Medalha De George, o U.S. Medalha da liberdade, Médaille de la Résistance e thrice Croix de Guerre. Aprendeu também que o Gestapo tinha torturado seu marido à morte em 1943.
Trabalhou para o departamento da inteligência no Ministry Britânico Do Ar unido aos embassies de Paris e . Em casou John para a frente e retornou a Austrália. Em escreveu seu autobiography O Rato Branco. Em recebeu o título francês do cavalier do Legion da honra. Para diante de John morrido dentro . Em Março 2004, foi feita a um companheiro do . Como desta escrita, está vivendo outra vez em Londres.

CORPOS Á VENDA - JOSÉ MARIA ALVES


 CORPOS Á VENDA




Experimentámos as palavras
O sentido rude da enarmonia

Convexa

Ambições

O amor

Joguemos como amantes nascentes
Os corpos suados lânguidos ausentes
No palco sombreado do leito de açucenas

Há uma ponte entre nós Um abismo enlameado pela apoteose

A Lua arde e o Sol no outro lado da Terra desespera
Diz-me flor qual é o teu nome Não corras gazela
Os corpos estão à venda
Hoje
Domingo
Algures lá fora
BLOG JOSÉ MARIA ALVES

Oh lá lá


Uma das coisas que mais me marcou quando vim para Portugal, foi o meu pai dizer-me que se sentia mais emigrante no seu país do que em França. Chegamos a ser uns sem terra, porque somos emigrantes em todo o lado...

Fui emigrante durante 15 anos. A alegria de voltar todos os anos a Portugal é inexplicável. O meu pai foi emigrante durante mais de 35 anos. Chega esta altura do ano e é ver toda a gente desagradada com o regresso dos seus emigrantes.

Eu sei que alguns abusam. Pensam que são os reis da terriola só porque vêm lá de França, Suíça ou outro país mais evoluído. São arrogantes, não falam português porque pensam que lhes dá estatuto, etc. Eu sei que há peças dessas, e sou a primeira a criticá-los directamente. Mas não são todos assim.

Em minha casa sempre se falou francês, até porque há membros da família que não percebem uma palavra de português. Ainda hoje tenho conversas em francês com a minha mãe: simplesmente porque é espontâneo! Há palavras que só sei dizer em francês! Contar e o alfabeto só em francês: claro que sei fazê-lo em português mas o meu cérebro não assimila os dados. Irritam-me pessoas que criticam só por criticarem, sem tentarem perceber que estamos pereante uma sub-cultura. Ah há pessoas que dizem palavras meias francesas meio portuguesas? Eu vejo os meus pais: sairam daqui, uma aldeia remota, com pouco mais de 20 anos, com uma cultura limitada. Foram para um país, onde tiveram que aprender uma língua nova e conheceram novos objectos que nunca tinham vistos cá. Claro que as palavras certas não surgem em português, porque só conheceram a realidade de lá. 

Gostava que as pessoas olhassem os seus emigrantes e imigrantes com mais respeito e compreensão. Afinal eles tiveram que sair do seu país para não morrer a fome. E afinal, muito do dinheiro que ajudou este país a desenvolver-se veio das poupanças dos nossos emigrantes...

Algarve: Mendes Bota promete a moradores da EN 125 que vai “interpelar o governo”


Algarve: Mendes Bota promete a moradores da EN 125 que vai “interpelar o governo”08-08-2011 7:02:00

O deputado Mendes Bota (PSD) pediu um "abaixo-assinado bem estruturado" aos moradores da Estrada Nacional 125 que, na terça-feira, cortaram o trânsito na zona de Vilamoura (Loulé) por discordarem das obras de alargamento daquela via.   2  
No encontro com cerca de 100 moradores da Estrada Nacional 125 (EN 125), Mendes Bota apelou à "calma" e à "serenidade" dos residentes e pediu-lhes que escrevessem um "abaixo-assinado bem estruturado", onde fossem identificadas todas as pessoas afetadas, seja na habitação ou nas atividades económicas.
Na última terça-feira , perto de 200 pessoas protestaram contra obras de requalificação da EN 125, cortando o trânsito durante cerca de uma hora na zona de Vilamoura, em Loulé. Os moradores da EN 125 estão contra o alargamento da via para quatro faixas de rodagem e um separador central.
O deputado do PSD sugeriu ainda aos cidadãos que escolhessem uma comissão de representantes para dialogar.
"Este é o tempo certo para se tentar, pela via do diálogo, minimizar os prejuízos, e retificar o projeto de forma a poder conjugar a melhoria desta infraestrutura rodoviária, com a viabilidade económica e social, de quem aqui trabalha e de quem aqui vive", declarou.
Em causa está o troço 3 do projeto de execução das obras da EN125, entre Boliqueime e as Quatro Estradas, prevendo-se 6 alargamentos, 3 tratamentos urbanos e a construção de 9 rotundas.
Os novos traçados da EN125 foram apresentados em 2008 e estão disponíveis online aqui . (ver imagem 2)
Deputado promete intervir para se retificar o troço da EN125 já em obras
Para Mendes Bota não é aceitável que se queira introduzir à força uma "quase autoestrada com separador central, quatro faixas de rodagem, passeios, ciclovias, estacionamentos e arborização, no meio de um tecido urbano historicamente consolidado".
"Para que servirão os passeios e as vias de serviço, se os comércios forem à falência ou os moradores ficarem com a estrada rente às portas?", questiona o deputado da Assembleia da República, eleito pelo Algarve.
Mendes Bota prometeu aos moradores da EN 125 que ia " interpelar o Governo" para "chamar a atenção" para aquele problema e para que se "evitem fatos consumados, sem diálogo, ou nas costas dos interessados e das autarquias"
"Logo que se tenha feito o inventário das situações conflituais, solicitarei uma reunião com a Estradas de Portugal, para que, em diálogo, com equilíbrio e bom senso, se possa encontrar a melhor solução para todas as partes", revelou.
As obras da EN 125 estão entregues por concessão ao consórcio “Rotas do Algarve Litoral” em abril de 2009, que tem como acionistas a Edifer Construções Pires Coelho & Fernandes, SA, Tecnovia, Sociedade de Empreitadas, SA, Conduril Gestão de Concessões de Infraestruturas, SA., a Dragados,SA e a Iridium Concesiones de Infraestruturas, SA
observatório do Algarve
Armação de Pêra

Governo pondera pôr desempregados a trabalhar no privado gratuitamente, acusa Louçã

07.08.2011 -  Por Lusa

Louçã acusou a política social de ser cruel para os desempregados Louçã acusou a política social de ser cruel para os desempregados (Enric Vives-Rubio/arquivo)
O coordenador do Bloco de Esquerda (BE), Francisco Louçã, criticou ontem à noite em Armação de Pêra o Programa de Emergência Social (PES) do Governo, afirmando que o executivo pondera pôr os desempregados a trabalhar gratuitamente no privado e no público.
“O desempregado pode ser obrigado a trabalhar gratuitamente para uma qualquer entidade social ou no privado”, acusou Francisco Louçã, referindo que o PES traz decisões para a política social que “nunca tinham acontecido em Portugal”.

Durante o segundo comício em plena época de férias, integrado na iniciativa “Portugal não tem solução?”, Francisco Louçã referiu que “o Governo está a estudar a ideia para os desempregados terem de vir a trabalhar gratuitamente no sector privado, ou seja, poderem vir a limpar o chão numa empresa”. No seu entender, a política social está a ser “cruel” para as pessoas.

Outra das medidas do PES que o BE criticou tem a ver com as creches e os lares de idosos virem a ter regras diferentes das dos restaurantes no que diz respeito à higiene.

“A Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) deixa de ter qualquer poder para verificar as cozinhas de creches e dos lares de idosos. O que garante a higiene num restaurante são regras que deixam de ser aplicadas para uma criança numa creche ou para um idoso acamado.”

O PES, um dos compromissos previstos no acordo político assinado pelos dois partidos (PSD e CDS-PP) no Governo após as eleições de 5 de Junho, foi apresentado na sexta-feira pelo ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares. Com um custo de 400 milhões de euros no primeiro ano, o programa entra em vigor no final de Setembro e vigorará até Dezembro de 2014, devendo chegar a três milhões de pessoas e visando identificar as situações mais urgentes.

Negreiros no século XXI

sábado, 6 de Agosto de 2011, 0:01:19 | António VilariguesIr para o artigo completo
     A pretexto da crise do sistema capitalista, governo e patronato procuram chantagear os trabalhadores. Tentam impor condições que levem à perda de direitos civilizacionais adquiridos com anos e anos de luta. É o caso do direito ao emprego efectivo, ao salário justo e à protecção social no desemprego e na doença.
O objectivo final é regredir ao século XIX. Onde não havia limites para o horário de trabalho. Onde o valor do salário era o mínimo para subsistir. Onde as organizações representativas dos trabalhadores eram reprimidas e ignoradas. 
A história, aqui no distrito de Viseu, do Centro de Produção de Mangualde da PSA Peugeot-Citröen é esclarecedora do ressurgimento dos negreiros no século XXI. Não é caso único. Mas é um exemplo esclarecedor. 
Para se ter a dimensão da sua barbárie importa lembrar alguns factos. 
As remunerações dos trabalhadores representam na indústria automóvel, em média, 5% (cinco por cento) dos custos do produto final. Como confessou um dos patrões do sector, cavalgando a actual «crise»: «agora é trabalhar mais e pagar menos». 
Durante anos a fio os prémios e outras remunerações devidos aos trabalhadores foram canalizados para Seguros de Vida, ou de Complemento de Reforma, feitos na seguradora AXA. A Empresa apresentava-los como «custos de exercício» para não pagar impostos. Mas dos quais ainda nenhum trabalhador foi beneficiário. Onde pára o dinheiro é um «mistério» que tarda em ser esclarecido. 
Em 2007 a empresa recebeu do governo português, para além de benefícios fiscais em sede de IRC, 8,6 milhões de euros (Resolução do Conselho de Ministros nº 34/2007) para criar mais 80 postos de trabalho acima dos 1.226 que tinha e manter a laboração até 2013. Onde pára o dinheiro é outro «mistério». 
Em vez disso despediu perto de 500 trabalhadores. Cerca de 400 contratados e temporários que não viram os seus contratos renovados e 80 efectivos que aceitaram a rescisão amigável. Implementou um banco de horas duma forma ilegal, meses antes da entrada em vigor do novo Código do Trabalho. Ilegal também porque não está previsto no contrato colectivo de trabalho aplicável a este sector. Chegou-se ao cúmulo de exigir aos trabalhadores que as licenças de paternidade e maternidade, ou as licenças por baixa médica fossem compensadas à empresa com dias de trabalho não pago. Avançou para o lay-off que se traduziu na perda efectiva de quase 50% da massa salarial. Mas os valores das indemnizações, dos prémios e das mordomias que a Administração atribui a si própria e aos seus directos colaboradores permaneceram obscenamente elevados. 
A ACT (Autoridade para as Condições do Trabalho) de Viseu reconhece a ilegalidade da «bolsa de horas». Mas confessa não ter «força política» para obrigar a empresa a acabar com ela (!!!). O que estes «negreiros» do século XXI estão a fazer aos trabalhadores é transformá-los em «escravos» devedores crónicos da «bolsa de horas» que já totaliza 260h/trabalhador. 
Os aumentos de produção sucessivamente anunciados pela empresa desde os primeiros meses do ano de 2010 resultam directamente da aceleração dos ritmos de trabalho, da desregulação dos horários, da degradação da remuneração dos trabalhadores. O dinheiro a menos que os trabalhadores, hoje, levam para casa, vai direitinho para os bolsos dos accionistas e dos administradores da PSA. Não fica em Mangualde, nem no País. E os governos batem palmas. E ainda disponibilizam mais 21 milhões de euros para novos investimentos. Acrescidos da isenção do pagamento de impostos por parte da empresa, até 2013. Quantas empresas de Viseu auferem destas benesses? 
Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação
In "Jornal do Centro" - Edição de 5 de Agosto de 2011
blog o Castendo

Equinócio

 

foto blog Andar por fora

 

Equinócio


São as ruas
do meu domingo
que me aproximam
de algum encontro de paz.

O que quero eu da vida?
O que faço eu da vida?
O que é a vida mesmo
quando não sou?

Sou
o que sinto
quando não tenho sono.

(Há dias
sonolento.
Dias de
sono lento.)

O dia de hoje
não é monótono.
O dia de hoje
é um átomo
que nasce e morre
sem que você perceba.

O tombo na esquina.
O pombo na calçada.
O tango na cabeça.
Dançam meus olhos sem horizonte.

Nem sempre estou bem
mesmo quando pareço
me sentir bem.

Crio raízes e as corto
quase que ao mesmo tempo.
Crio raízes em qualquer lugar
que eu caminhe.

Todas as coisas deste domingo
são conscientes.

(Me repito quando escrevo.
Todas as coisas deste domingo
são conscientes.)

Aqui vai uma curiosidade:
O meu jeito de expressar
minha poesia diária
é como olhar uma mulher
formosa
se despir
e se vestir
uns dias depois.

(Tudo muito simples!)

Só o antes e o depois
me interessa.
Agora escrevo
e basta.

E basta!
Eu quero ser
o fim deste domingo.



Ígor Andrade