AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 31 de julho de 2011


A VI Corrida Fotográfica de Monchique. Cá a do Parente...


VI Corrida Fotográfica de Monchique
Vai um calcesinho dela?... Esta aqui prantí-a no tema 'Gastronomia'

Antrô na Sexta Corrida
de Retratos de Monchique
voltô de cara caída
sem nada qu' o just'fique

nã ganhô prém'o nenhum
foi béque-me um desperdiço
e anda p'r'í um zum-zum
que ficô inzainadiço

foi p'ra lá fazer o quem
ia a filmar quái de gatas
nã vale nem um vintém
vá más é cavar batatas...

ó atão, p'a devassar
assome-se à exposição
dos que sabem bem tirar
retratos de eleição
VI Corrida Fotográfica de Monchique
O homem descascando a maçaroca antrô no tema
O parente de Refoias blog

oferta - poemas ilustrados de António Garrochinho

NEM TODOS OS CÃES SÃO DE BARRO (3)


                                                     reconstruído do meu CAÇADOR DE RELÂMPAGOS"

... enquanto aquele anjo permanecer nas areias, bem pode o vento soprar.

- O cão ou o velho?

Lentos, trôpegos, com os pés a tracejarem  caminhos de sempre, todos os dias aquelas almas percorriam memórias.
O cão mais velho que o dono  - era o guia, a sua bengala de cego. 
Pela orla da praia, desde a gruta onde viviam até à colossal duna, abrupta sobre as águas, as aves marinhas mergulhavam a pique - esbracejavam asas só para os salpicar - e eles lá iam , serenos, livres, sem palavras - imensos.
No ar cálido, o sussurro dos silêncios embalava-lhes os passos num concerto de maresias.

Chegados ao topo da montanha, era sempre assim. O velho afagava as orelhas do cão e o cão lambia-lhe as mãos.

Sentados nas areias respiravam infinitos - o perfume das algas. Adormeciam por instantes para logo despertarem o voo das aves. 

Ao longe, muito ao longe, inesperadamente, alguém de um barco bramou 

- Fuja - a duna vai desmoronar-se

Impertubável respondeu baixinho - para não acordar o cão

- A duna sou eu?



A minha aldeia

Minha aldeia é todo o mundo.
Todo o mundo me pertence.
Aqui me enco...ntro e confundo
com gente de todo o mundo
que a todo o mundo pertence.
Bate o sol na minha aldeia
com várias inclinações.
Angulo novo, nova ideia;
outros graus, outras razões.
Que os homens da minha aldeia
são centenas de milhões.
Os homens da minha aldeia
divergem por natureza.
O mesmo sonho os separa,
a mesma fria certeza
os afasta e desampara,
rumorejante seara
onde se odeia em beleza.
Os homens da minha aldeia
formigam raivosamente
com os pés colados ao chão.
Nessa prisão permanente
cada qual é seu irmão.
Valência de fora e dentro
ligam tudo ao mesmo centro
numa inquebrável cadeia.
Longas raízes que imergem,
todos os homens convergem
no centro da minha aldeia.

António Gedeão

 

Poema - Heinrich Heine

Encontro muitas semelhanças entre este poema de Heinrich Heine, poeta alemão, nascido em 13 de Dezembro de 1797 e falecido em 17 de Fevereiro de 1856, e o poema do meu post anterior do poeta António Aleixo. Porque António Aleixo era um quase analfabeto não o imagino a ler Heinrich Heine. Um compõe o poema de forma literária. Outro de forma simples mas igualmente com uma mensagem forte. Se António Aleixo tivesse tido a possibilidade de estudar que grandioso poeta ele tinha sido!!!


UM CONTO DE INVERNO


Amigos, quero compor para vós uma canção,
uma canção nova, uma canção melhor!
Queremos instaurar aqui na terra,
agora mesmo, o reino dos céus.

Queremos ser felizes nesta terra,
aqui queremos derrotar a fome
e que o ventre preguiçoso não devore
o que mãos trabalhadoras produziram.

Cresce, aqui em baixo, pão que chega
para os filhos dos homens
e ainda há rosas e mirtos,
beleza, alegria e ervilha-de-cheiro.

Sim, ervilhas-de-cheiro para todos.
Logo ao abrir das vagens!
O céu, não o queremos para nada,
fiquem com ele os anjos e os pardais.

 

Caixa Geral de Depósitos - "Jobs for the Boys".


O novel 1º ministro deste país, Pedro Passos Coelho (PPC), prometeu, diria mesmo que quase jurou, durante a campanha eleitoral, que com ele não ia existir "Jobs for the Boys". O exemplo da redução do número de ministros do actual governo era até apontado como exemplo de que PPC estava empenhado em cumprir essa promessa.

Não foi preciso muito tempo para verificar quanto honestos e dignos são os nossos políticos e quanto eles ligam à palavra dada. Ou seja à sua honra. Para confirmar aí temos as nomeações dos novos administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Todos nós sabemos que não são "boys" mas tão só gente competente. Tão competentes que foi necessário aumentar o número de administradores. Para caberem lá todos. Eram 7 elementos. Passaram a ser 11!!!

(Nogueira Leite novo vice-presidente executivo da CGD)

Um novo Presidente executivo, José Agostinho Matos, com ligações ao PSD, Nogueira Leite, conselheiro para assuntos económico de PPC para um dos lugares de vice-presidente, Rui Machete também do PSD, com ligações à SLN, dona do famigerado BPN, também nomeado para a administração e, como não podia deixar de ser, também era necessário um favorzinho para o CDC/PP: escolheram o advogado Nuno Fernandes Tomaz.

Mas ninguém está a enganar o país. Tal como não foi a promessa de não cortarem no subsídio de Natal. Só que vão cortar. A Bem da Nação, claro. Eu diria antes: a Bem deles...

O chamado estado de graça,  a que eu chamo de dominação total dos meios de comunicação social, permite todo o branqueamento da MENTIRA. Basta ouvir Marcelo Rebelo de Sousa nas suas crónicas domingueiras na TVI. Tudo muito simples. O significado destas nomeações simplesmente revelam que PPC não pretende privatizar a CGD. Pronto. Está dito. Pudera. É que, curiosamente, o irmão de Marcelo, Pedro Rebelo de Sousa é outro dos novos administradores da CGD. Que grande banquete!!!

E agora digam a importância dos "símbolos" deste governo. Emagreceram o governo...aumentaram o número de administradores da CGD; O 1º ministro viaja em económica nos aviões da TAP aumentaram em 15 por cento os transportes públicos; A ministra do ambiente aboliu o uso da gravata para poupar no ar condicionado vão aumentar o IVA para o consumo de água, electricidade e gás. Por favor acabem com os simbolismos senão vamos TODOS ao fundo!!! 

    foto

    China Poblana: Traje típico de Puebla

    Portugal «é oportunidade» para investidores da China


    A atual situação de crise em Portugal é uma oportunidade para os investidores chineses, que poderão ajudar à resolução dos problemas financeiros de muitas empresas nacionais, afirmou o presidente da agência de 'rating' chinesa Dagong.

    Em entrevista à Agência Lusa por telefone a partir de Macau - e que contou com a tradução da Dagong para inglês -, Guan Jianzhong observou que o «problema de Portugal é ter acumulado muita dívida ao longo dos anos, mas em termos do ambiente e do crescimento económicos, a situação não é assim tão má».

    Por outro lado, o dirigente de uma das quatro principais agências de notação da China e da única que não tem a Moody´s, Fitch ou Standard & Poor´s como parceira de negócio, também atribui a responsabilidade pela atual situação portuguesa às «inapropriadas notas dadas pelas agências de avaliação de crédito internacionais».

    CHAMAMENTO


    Esta ânsia
    incontida
    te chama
    pra mim ...

     
     
     
     
     
     

    Domingo, 31 de Julho de 2011

    Remorso

    Durante a leitura nocturna
    descia, às vezes, as escadas
    e procurava no escuro, dentro
    de um cesto, uma forma
    redonda. Na quadra iluminada
    do quarto, mordia depois a maçã
    vermelha escura. Era enorme o ruído
    dos dentes, no silêncio dessa hora
    tardia e irremediável a culpa
    de ter destruído aquela polpa húmida
    de onde pendia o descarnado pé
    no íntimo saber de pequenas sementes
    que podia perfeitamente
    ter apodrecido em paz.
     
    Blog A individualidade criativa de Vasco Barreto