AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 18 de julho de 2011

AURORA BOREAL - quem me apagasse a solidão - quem me levasse de volta ao mar do amor ...

14 de Julho de 2011

AS TAREFAS DOS COMUNISTAS

Governantes e propagandistas da política de direita dizem todos os dias que «isto está mau» e que «isto vai piorar» – verdades que dispensavam enunciação, tão conhecidas são, por experiência própria, da imensa maioria dos portugueses.
É claro que o que pretendem com isso é banalizar essa realidade, fazê-la aceitar como coisa natural, mais do que isso, inevitável e, portanto, sem remédio... – sabendo que essa é a melhor forma de preparar o terreno para prosseguirem a política que conduziu o País à situação actual e para aplicar as sinistras medidas decretadas pela troika ocupante e aceites de cócoras pela troika colaboracionista.

Não dizem, no entanto, por que é que «isto está mau» nem por que é que «isto vai piorar» – e, furtando-se a responder a essas questões ou inventando falsas respostas, é ainda e sempre no prosseguimento da política de direita que continuam a pensar.
E não dizem, sobretudo, que «isto está bom» e que «isto vai melhorar» – verdade incontestável esta, se pensarmos nos verdadeiros beneficiários da política de direita: os grandes grupos económicos e financeiros – e, naturalmente os seus staffs nucleares, onde avultam os governantes e políticos da política de direita que, em sucessivos governos, a têm vindo a aplicar ao longo de trinta e cinco anos e os propagandistas que, nos media propriedade do grande capital, sustentam ideologicamente essa política.
Portanto, resumindo e repetindo: «isto está mau», de facto, para os trabalhadores e para o povo, para os quais «isto vai piorar» se não for posto termo à política de direita que conduziu o País à dramática situação actual; mas «isto está bom» para os grandes grupos económicos e financeiros cujos interesses essa política serve – e «isto vai melhorar» para os mesmos se a dita política prosseguir.
Daí que pôr ponto final na política de direita e nos governos que a praticam se coloque como o primeiro grande objectivo dos trabalhadores, do povo e do País.

Como acima se disse, que «isto está mau», sabem-no melhor do que ninguém os que trabalham e vivem do seu trabalho – atormentados com salários que não chegam para comer, e com o desemprego, e com a ameaça de desemprego, e com as ameaças, chantagens e represálias nos locais de trabalho por exercerem direitos que a Constituição da República Portuguesa lhes confere, e com a anunciada ofensiva da legislação anti-laboral.
Que «isto está mau» sabem-no os que já trabalharam e descontaram e por isso têm direito a reformas e pensões dignas e não à miséria a que a política de direita os condenou; sabem-no centenas de milhares de jovens, condenados à insegurança e à exploração da precariedade, ou sem perspectivas de emprego, ou ameaçados pelo roubo da casa que compraram na base de um acordo que agora é alterado e subvertido; sabem-no três milhões de famílias às quais vai ser roubado metade do subsídio de Natal – que «isto está mau» sabe-o, enfim, a imensa maioria dos portugueses sobre a qual recai o essencial das consequências nefastas de trinta e cinco anos de política de direita, o roubo de direitos fundamentais, a pobreza, a miséria, a fome.
E sabendo que «isto está mau» há que impedir que isto vá para pior, o que só será conseguido derrotando a política geradora de todos esses males e substituindo-a por uma política e por um governo patrióticos e de esquerda que iniciem a resolução dos muitos e muito graves problemas existentes.

O caminho capaz de conduzir a essa mudança necessária é a luta de massas: a luta nas empresas e locais de trabalho, nos locais de residência, nas escolas, nos campos, em todo o lado onde as consequências da política de direita se fazem sentir flagelando direitos e interesses da imensa maioria dos portugueses – uma luta que hoje mesmo estará na rua, em Lisboa e no Porto, em acções inseridas na semana de luta convocada pela CGTP-IN; uma luta que no futuro assumirá, inevitavelmente, expressões de massas ainda mais relevantes.
Por isso, são tempos de luta os tempos que vivemos.
Luta difícil, sabemo-lo bem.
Mas luta que, sabemo-lo igualmente, é determinante para alcançar os objectivos traçados.
Luta que exige forte mobilização das massas trabalhadoras e populares através do esclarecimento e da consciencialização; da superação dos múltiplos obstáculos erguidos pelo poder dominante à acção organizada das massas; do combate à ofensiva ideológica que tem como linhas centrais o cacharolete das velhas teses da «resignação», do «conformismo, da «passividade», do «não vale a pena», das «inevitabilidades» – versões actualizadas de teses ainda mais antigas e que, hoje como ontem, a força organizada dos trabalhadores estilhaçará completamente.
Luta cuja preparação constitui, nas circunstâncias actuais, a tarefa fundamental e prioritária do grande colectivo partidário comunista.
E por tudo isso, são tempos difíceis os tempos que vivemos – como difíceis são de alcançar os objectivos pelos quais nos batemos.
Mas cá estamos. Com confiança.
Como sublinhou o camarada Jerónimo de Sousa , no comício da semana passada, em Lisboa, vivemos «tempos em que os comunistas são chamados a redobrar o trabalho para cumprir o seu insubstituível papel ao lado dos trabalhadores e do povo, combatendo a exploração, as injustiças, as desigualdades, mas também a resignação, dinamizando a resistência e a luta».
E assim será: os comunistas redobrarão o trabalho e cumprirão o seu papel histórico.
Como sempre fizeram ao longo dos noventa anos de vida do seu Partido.

PROFISSÕES RARAS - O AMOLADOR ALGARVIO



profissões raras

SR JOÃO "O AMOLADOR"
Foto de Luís Nadkarni
A defesa de Faro

Saloios de Sintra


(imagem: Nuno e Miguel Gaspar, Um passeio de Cintra até ao mar)

Gente de significativa importância na evolução deste território - fixemo-nos exclusivamente em Sintra – afirma-se ter o vocábulo “saloio” origem árabe e significar “habitante do campo”. Os citadinos encaravam os saloios de forma pouco lisonjeira, tendo o termo vindo a ganhar sentido depreciativo.
Em inícios do século passado – e por vivência pessoal atrever-me-ia tornar a constatação mais abrangente do ponto de vista temporal – os saloios tinham um modo de vida específico, visível nos hábitos, linguagem, vestuário e alimentação. Sendo muito laboriosos, eram ainda marcas comuns o seu sentido comunitário e o apego à terra.
Alguns estudiosos retratam-nos como gente rude e teimosa, muito agarrada aos bens materiais, imagem que parece conferir sentido à expressão "esperteza saloia".
Sobre os saloios, escreve Rui Oliveira:
Só no Romantismo oitocentista a cultura dos saloios […] merece alguma atenção. O exotismo, a singularidade de costumes não passaram despercebidos aos estrangeiros e portugueses em trânsito por Sintra. Porém, nem todos os olhares foram pelo caminho da descoberta e compreensão da cultura saloia.
Da longa aculturação sofrida pelas populações sintrenses tardo-romanas e moçárabes, por um lado, e mouriscas, por outro, germinou [esta] cultura […].

http://www.selene-culturasdesintra.com/
Como conclusão, deixaria duas notas soltas: as memórias nítidas de, na década de sessenta, se comprar na casa paterna, fruta e legumes transportados por saloias de lenço e avental que tocavam à sineta do portão e uma outra, quase anedótica, ouvida a alguém que há cerca de uma década trabalhou temporariamente na região sintrense. Dizia-me a pessoa em questão «não acho graça às pessoas daqui, se ao menos ainda andassem de barrete e se deslocassem de burro»… Quanto à última observação, limitei-me a conter o riso...
pub por Teresa
Rua dos dias que voam

DA CONDIÇÃO HUMANA - poema ilustrado de José Carlos Ary dos Santos


 

295 mil notas falsas


Mais de 295 mil notas falsas encontradas no último semestre
Desde Janeiro foram encontradas 295 533 notas de euro contrafeitas, o que representa uma redução de 18,8 por cento face ao último semestre do ano passado.

A maioria das notas apreendidas continua a ser de 20 e de 50 euros, que representaram no seu conjunto 79 por cento do total das contrafacções retiradas de circulação, segundo revelou esta segunda-feira o Banco Central Europeu (BCE).

Ao mesmo tempo que aumentou o número de notas de 20 euros falsas no mercado, diminuiu a circulação de notas de 50 euros contrafeitas, embora representem 36 por cento das falsificações encontradas.

Tanto a nota de valor mais baixo, a de cinco euros, como a mais valiosa, a de 500 euros, foram as menos falsificadas. As duas denominações representaram apenas 0,5 por cento do total.
FONTE ABOLA

Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

Dia Internacional Nelson Mandela | 18 de Julho - 94 Anos! | Vídeos


Clica nas imagens para as ampliares!
Para veres este site sobre Mandela Day clica AQUI.
O Dia Internacional Nelson Mandela foi decidido comemorar anualmente, no dia 18 de Junho, dia do seu aniversário, como um dia dedicado às lutas e à obra da vida deste ser tão especial e importante que tem sido Nelson Mandela,  às suas organizações de caridade e assegurar que o seu legado não será esquecido e perdurará para sempre, desde o seu 90.º aniversário.
Este Mandela Day é uma chamada à acção a todas as pessoas, em todo o Mundo, para assumirem a responsabilidade de mudar o Mundo, fazendo dele um lugar melhor e mais justo para ser vivido, e lembrar anualmente que o podemos fazer com pequenos passos – um passo de cada vez –,tal como o Nelson Mandela tem feito ao longo da sua vida.
A mensagem do Dia Mandela é simples: todos nós podemos fazer a diferença. Temos é que querer e agir! Tal como Nelson Mandela deu 67 anos de sua vida a lutar pelos direitos da humanidade, cada um de nós pode dar 67 minutos do seu tempo, da sua vida, se apoiar alguma instituição de caridade à sua escolha ou servir, de alguma forma, a sua comunidade local.
Não é pedir muito! É apenas pedir que sejamos todos cidadãos responsáveis, atentos, e que pensemos nos outros, na nossa sociedade, em vez de só estarmos preocupados com nós próprios e virados para o nosso pequenino umbigo.
Este dia, Dia Nelson Mandela, é um dia a manter, a estimar, guardar, acarinhar e usar como referência para todo o sempre!
Nelson Mandela faz hoje 93 anos! E é um dos meus mais queridos "Seres Únicos". E este nunca me desapontou!
Deveria ser um dos teus “Seres Únicos”, também!
Vou deixar vídeos da homenagem prestada a Nelson Mandela - no Nelson Mandela Day, em 2009, no Radio City Music Hall, em New York -, quando ele fez 91 anos.
Escolhi 3 vídeos, que adoro, desse espectáculo. Poderia ter colocado dezenas porque gosto de todos.
O último que vou aqui deixar é uma das actuações de Wyclef Jean com uma canção escrita e cantada por ele e que foi das canções que mais me tocou e continua a tocar.
Quero deixá-la aqui, para ti, no "Mandela Day" de 2011, para que escutes atentamente a sua letra e medites na sua mensagem.
JOÃO
African Artists perform "Give Me Hope Joanna"
at Mandela Day 2009 from Radio City Music Hall
Gloria Gaynor and Roachie perform "Oh Happy Day"
at Mandela Day 2009 from Radio City Music Hall

"Million Voices" Wyclef Jean
(Nelson Mandela Day 2009, New York)

Aníbal Cavaco Silva – Até que enfim!...


Finalmente, segundo leio nas notícias, alguém deu ouvidos aos apelos lancinantes de Sua Excelência o Presidente da República, no sentido da reanimação e fomento das pescas portuguesas:
Presidente do Fundo Europeu diz que resgate da dívida portuguesa tem sido bom negócio

Por Redacção

O presidente do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) considerou, este domingo, que o resgate das dívidas portuguesa e irlandesa tem sido um bom negócio para os países que lhes concederam garantias, nomeadamente para a Alemanha.

«Até hoje, só houve ganhos para os alemães, porque recebemos da Irlanda e de Portugal juros acima dos refinanciamentos que fizemos, e a diferença reverte a favor do orçamento alemão», disse Kalus Regling, em entrevista ao Frankfurter Allgemenine Zeitung.

O responsável descartou, ainda, que estes dois países deixem de pagar as suas dívidas, lembrando que os programas de austeridade negociados com a UE e o FMI estão a ser cumpridos: «Se no entanto deixarem de pagar os juros, teremos de ir pedir o dinheiro a quem deu as garantias, foi assim que ficou estipulado, para dar garantias aos investidores».

Regling admitiu, ainda, a possibilidade de, «em situações excepcionais», o FEEF comprar títulos da dívida de países do euro em dificuldades financeiras no mercado primário. Já no mercado secundário, o presidente do Fundo disse que essa «é uma decisão que terá de ser tomada pelos políticos».

Saúde - Presidente da República na inauguração do novo Hospital de Loulé - RTP Noticias, Vídeo


 

OS EQUIVOCOS DO Sr. SILVA

Há cerca de uma semana atraz, o sr. Silva desceu até aos Algarves para inaugurar o novo hospital de Loulé, e aproveitou a boleia para vir fazer a defesa de algumas parcerias publico/privadas, neste caso no sector da saúde.
As parcerias publico/privadas do anterior governo foram criticadas a torto e a direito, talvez mais por terem como destinatarios os donos do betão e do alcatrão, e em principio com algumas afinidades partidárias.
Já as actuais parcerias publico/privadas, até poderão ser uma forma de chegar onde o estado não tem dinheiro para chegar e como tal são benvindas.
Todas as parcerias publico/privadas são uma forma de financiar obras e serviços do Estado, mas são tambem uma forma de continuar o seu endividamente, mas neste ultimo aspecto não se fala. É assunto tabu! Parece que não foi o endividamento ezcessivo que atirou o País para o lixo, sendo mais facil de rotular de ignorante quem teve a ousadia de lhe atribuir essa classificação.
Mas afinal o governo veio dar razão às agencias de rating, porque ao propor medidas adicionais às da troika, estava a reconhecer que aquelas eram manifestamente insuficientes; e continua o governo a meter o pé na argola ao dizer que encontrou um desvio colossal das contas publicas. Com declarações destas não vamos lá!
O sr. Silva, mostra a sua verdadeira face de forma tão envergonhada como o fez Socrates em relação às politicas neo-liberais que tomou, defendendo de forma titubeante que saúde, segurança social e educação deve ser privatizado. Isto é, quem tem dinheiro estuda, quem não tem parte pedra; quem tem dinheiro tem saude e quem o não tiver que vá morrer longe para não cheirar mal; quem tiver dinheiro como os politicos que faça uns PPR e quem não o tenha que vá à mitra pastar.
O acto eleitoral recente que permitiu a alternancia na governança, serviu como um extintor para acalmar o fogo que lavrava de norte a sul do País, provocando um retrocesso na onda de descontentamento e alimentando a ilusão de soluções milagrosas. Até aqui tanto quanto se sabe, as medidas visam sobretudo o mundo do trabalho deixando o capital de fora. É com o trabalho que se cria riqueza.
Mas se alguem pensar que vão mudar a forma de pensar e agir dos titulares de cargos politicos e de altos cargos publicos desengane-se.
À pala da inauguração deste hospital o presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve, teve direito a jantar, e por isso mandou embora o motorista com ordens de regresso para as 23 horas. Não se sabe o que comeram e beberam, mas diz o Povo que com agua ninguem canta, o que levou a que o jantar se prolongasse até as 03 horas do dia seguinte, com o motorista especado à espera do "patrão". Trabalho extraordinario em periodo de descanso semanal, com os custos inerentes. Mas foi esse jantar, uma reunião de trabalho? Decidiu-se alguma coisa para bem da saúde no Algarve?
Que saiu cara ao erario publico, esta brincadeira, saiu!
Não saiu foi do bolsa do "patrão" e assim se continua esbanjando os dinheiritos que a troika mandou para esta republica de bananas.
Continuem assim que vão bem!  Calque no link abaixo e veja vídeo !
Saúde - Presidente da República na inauguração do novo Hospital de Loulé - RTP Noticias, Vídeo

Toca a compensar, Natureza! -


 

Toca a compensar, Natureza!

Faz-me muita confusão ver a dificuldade com que algumas grávidas se movimentam, especialmente aquelas que no final do tempo de gestação parecem levar na barriga a selecção nacional de rugby. Sempre tive a natureza em conta de extremamente sábia, onde cada elemento compensa outro, mantendo um fabuloso equilíbrio no mundo.

Mas lá está, no caso das grávidas houve ali uma falha qualquer, havendo algumas que têm de se inclinar para trás para não sofrerem tanto os efeitos da gravidade, o que ainda é mais evidente quando são possuidoras de uma saúde pulmonar pujante.

Se a Natureza fosse perfeita, à medida que a barriga ia crescendo, também surgiria nas grávidas uma marreca, com um crescimento proporcional, permitindo que a mulher pudesse continuar a caminhar graciosamente, desde que não passasse em sítios baixinhos, claro. Quando saísse o puto, também se abriria a marreca, de onde se extrairia o primeiro pacote de fraldas, o biberão, a bolsa para pagar os estudos universitários, etc. Também poderia vir lá dentro o livro de instruções, mas aí já seria entrar no domínio da fantasia.

Haverá alguma mãe que desdenharia esta solução? Até o Darwin sorriria, sem dúvida!

Até sempre,
Rafeiro Perfumado

Olhao und sein beliebter Hafen 

OLHÃO: CASO NA ACASO

Fui informado de fonte segura que a GNR esteve na sede da ACASO para fazer o beck-up dos computadores, e que a ex-presidente da direcção e o director executivo prestaram declarações no posto daquela força policial.
Nada acontece por acaso e não terá sido pelas benfeitorias ou por dar milho aos pombos.
A instituição liderada por António Pina, presidente da RTA, e que faz parte da organização tentacular que é o polvo socialista de Olhão, está assim sob investigação criminal, rodeada por um muro de silencio e censura.
Depois de anos a fio de gestão ruinosa, tudo se pode esperar. Mas há outras razões que podem ter determinado a acção da GNR, desde logo alguma "denuncia caluniosa", Será? Ou será a perseguição às bruxas, procurando descobrir quem deu a conhecer documentos internos da instituição, e que deram origem à tal denuncia? Conhecendo os fígados da liderança da coligação de direita instalada na Acaso, também há que admitir tratar-se de mais uma casca de banana, para provocar a queda da ex líder e actual presidente da Junta de Freguesia de Olhão, noutras ocasiões tentada.
Segundo reza a historia, a ex líder não ficou satisfeita com o facto de ser confrontada com o inquérito policial e se vier a ser espremida tem muita coisa para revelar, não por estar envolvida directamente na gestão da instituição, mas pelo muito que sabe dos affaires de quem a substituiu.
Novela a aguardar desenvolvimentos, já que os tribunais entraram de férias, mas sob os quais manteremos a guarda.
POLÉMICA

Há 150 chefes da PSP com direito a carro e motorista

Sindicatos criticam director nacional, Guedes da Silva, por permitir o uso exclusivo de viaturas pelas chefias.
Os sindicatos defendem uma limitação na atribuição das viaturas e mais controlo na sua utilização. Direcção nacional refuta críticas e diz que carros só são usados em serviço.
Entre 150 e 160 viaturas ligeiras da PSP são utilizadas exclusivamente pelos dirigentes desta força de segurança, muitos com direito a motorista. Os sindicatos entendem que este número é excessivo e querem controlo apertado na sua utilização fora do horário de serviço. A Direcção da PSP acha que está tudo bem.
Trata-se de automóveis ligeiros, descaracterizados - alguns foram 'desviados' das equipas de investigação criminal - maioritariamente das marcas Audi, Skoda, Nissan, Mitsubishi e Ford Mondeo. Não têm controlo de quilometragem, de gastos com portagens ou de consumo de combustível.
DN 

Diz você, Barack Obama, do alto da sua arrogância imperial e pretendendo disfarçar a gigantesca, incalculável... e, muito provavelmente, impagável dívida dos EUA, que os EUA não são Portugal. Está carregado de razão!

Barack Obama – Uma pequena carta




Diz você, Barack Obama, do alto da sua arrogância imperial e pretendendo disfarçar a gigantesca, incalculável... e, muito provavelmente, impagável dívida dos EUA, que os EUA não são Portugal. Está carregado de razão!
Deixando de lado umas tantas coisas muito boas que vocês por aí têm, quase todas no campo das artes e da ciência... e para as quais você não contribuiu com rigorosamente nada, na verdade os EUA não são Portugal.
- Portugal tem muitos séculos de História... não nasceu “ontem”.
- Portugal aboliu a escravatura cem anos antes dos EUA.
- Portugal não pratica a iníqua pena de morte, tendo a última execução conhecida, ocorrido há mais de 150 anos.
- Portugal, mesmo com tantas entorses provocadas pelos nossos indígenas adoradores dos EUA, tem um Serviço Nacional de Saúde de que (ainda) se pode orgulhar.
- Portugal, mesmo com tantas entorses provocadas pelos nossos indígenas adoradores dos EUA, ainda tem leis laborais com que a generalidade dos vossos trabalhadores só pode sonhar e uns poucos lutam para conseguir (sindicatos livres, segurança no trabalho, férias pagas, assistência na doença, etc., etc., etc.).
- Portugal, mesmo com tantas entorses provocadas pelos nossos indígenas adoradores dos EUA, ainda tem um sistema político plural.

- Portugal não pergunta aos que o visitam qual a sua ideologia, como condição para os deixar entrar.
- Portugal não promove nem financia o assassínio de dirigentes políticos estrangeiros.
- Portugal não promove, nem financia golpes de estado, para fazer substituir governos legítimos por ditaduras militares.
Na verdade, não fosse a vergonhosa subserviência de alguns, que permitiu a participação de militares portugueses em missões criminosas como as que foram levadas a cabo, por exemplo, no Iraque, para defender os vossos exclusivos interesses... e poderia dizer que Portugal, desde Abril de 1974, nunca mais tinha sido culpado da invasão, da opressão e do assassínio de outros povos... mesmo tendo contribuído para alguns destes crimes cometidos às vossas ordens, apenas com “meia dúzia” de soldados.
Poderia continuar a fazer crescer a lista das nossas diferenças, mas estas poucas linhas são mais do que suficientes para se constatar que, como você bem disse, os EUA não são Portugal.
          E ainda bem!