AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 5 de julho de 2011

Pró e contras

Soube, através do habitual passeio blogosférico, num blogue camarada, da participação de Carlos Carvalhas no citado programa. Porém, não me resultou extraordinário o desempenho que constatei por parte deste meu, nosso, camarada, uma vez que manteve o nível ao qual já nos habituou: superlativo.
Por outra parte, mesmo com a arrogante ignorância da moderadora a impedir o desenvolvimento da exposição como o profissional estimou mais adequado, foi, pelo menos para mim, fundamental a aportação de um psicólogo, o qual, àparte de uma explicação muito coerênte, mostrou aos espectadores outros âmbitos nos quais a psicología tem muito que dizer, mas, mostrou, em linha com a tentativa que desenvolvi uns posts atrás, que, é efectivamente a semântica cognitiva o elemento essencial na transmissão de qualquer mensagem.




Ahh... também me entristeceu o facto de que qualquer filho de puta possa atacar a constituição de forma impúne.

Moody's é a primeira agência a empurrar Portugal para o "lixo"

A agência de notação de risco americana acaba de baixar o rating da dívida de longo prazo portuguesa de Baa1 para Ba2. E mantém a perspetiva negativa para revisão futura. As razões são um balde de água fria no governo









A Moody's Investors Service acaba de anunciar a baixa da notação de risco da dívida de longo prazo portuguesa do patamar de Baa1 para Ba2. A descida do patamar Baa para o patamar Ba é a passagem pela ponte de uma situação de médio risco para uma situação de dívida "especulativa", o que correntemente se designa por "lixo".
A notação de Ba2, sendo especulativa, e admitindo a incerteza no pagamento da dívida soberana, não é, ainda, tão grave quanto a situação da Grécia que é já encarada como na zona de default provável.
A Moody's é a primeira agência de rating a empurrar Portugal para o nível de "lixo". Para a Standard & Poor's a notação está, ainda, no terreno de BBB-, que é de risco médio.
A Moody's mantém uma perspectiva negativa de revisão futura da notação. O que deixa sobre o país uma ameaça similar à que ocorreu com a Grécia há meses atrás.

As razões da Moody's


As razões apontadas pela Moody's para a baixa de notação e para a perspetiva negativa são claras: 1) o risco crescente de que Portugal necessitará de um segundo pacote de resgate (tal como já se negoceia para a Grécia) antes de poder ir financiar-se ao mercado privado; 2) a possibilidade crescente de uma participação do sector privado credor como um pré-requisito ( tal como está, também, a ser negociado para o caso grego); 3) a preocupação de que Portugal não será capaz de operar uma redução plena do défice orçamental.
O risco de default da dívida soberana portuguesa já atingiu hoje 48,50%, estando em tendência subida desde segunda-feira. Portugal conserva o 3º lugar no "clube" dos 10 países com maior risco de incumprimento. As yields (juros implícitos) relativas às obrigações do Tesouro a 3, a 5 e 10 anos fecharam em valores mais elevados do que os de ontem. No entanto, quer o risco quer os juros estão ainda a níveis inferiores aos máximos atingidos em junho.




Expresso

NO TEMPO EM QUE SE VENDIA O PEIXE Á UNIDADE, Á DÚZIA E AO QUARTEIRÃO, NO TEMPO DOS ARRIEIROS, VENDEDORES AMBULANTES E AS SUAS BICICLETAS A PEDAL, NOS MONTES ERAM AS MULHERES QUE VENDIAM DE PORTA A PORTA O PEIXE PARA SALGAR E TRANSPORTAVAM-NO Á CABÊÇA EM CANASTRAS DE VERGA OU CANA.

venda de pescado á unidade dúzia, quarteirão
mulheres com canastras á cabêça - fotos de Avelino Ryon de Castro trabalhadas por António Garrochinho

ARRIEIRO

"Buuu, Buuu, Buuu ...  ...  vem aí o Arrieiro!"

Na Conceição de Faro, há alguns anos atrás, o Arrieiro era o vendedor de peixe que ia de porta em porta fazendo a sua venda ou seja, nem mais nem menos que o Almocreve que neste caso apenas se dedicava á venda de peixe.

O homem percorria uma grande distância desde que se abastecia na lota de Faro ou de Olhão, até á venda do peixe que era feita de forma ambulante, utilizando o burro, para transportar as canastras de peixe.

Mais tarde com o aparecimento das bicicletas, primeiro a pedal e depois a motor, passam a ser esses os meios de transporte que o Arrieiro utiliza.

Recordo alguns dos Arrieiros que pela sua longevidade, assiduidade e forma particular de fazer a venda, foram famosos na nossa freguesia, tais como: -o Joaquim Barras (Chebarrinho), o António Fitas, o Emilio, o Sareto, o Pinto (Marroco).

Um dos Arrieiros mais esforçado foi o Francisquinho Albardeiro que não possuia burro, nem tão pouco bicicleta e por isso fazia a sua venda a pé.
Não sei ao certo o tempo que andou nesta actividade, mas o facto é que percorria uma grande parte da freguesia a pé, com as canastras do peixe colocadas uma em cada ponta de uma vara que depois transportava ao ombro.

O peixe normalmente Carapau (charro) ou Sardinha era vendido á meia dúzia, dúzia, dúzia e meia, quarteirão,  meio cento ou um cento.

O peixe mais "grado" como o charro do alto ou liro e a cavala,  vendiam-se á unidade, um, dois ou mais de acordo com o desejo do comprador.

Para anunciar a sua presença o Arrieiro utilizava uma buzina feita da casca de um grande búzio ou uma corneta de metal que quer esta quer aquela produziam um som caracteristico e inconfundível.

Buuu! Buuu! Buuu! Toda a gente sabia, vem aí o Arrieiro!

E o homem lá chegava mais ou menos á hora habitual, ainda a tempo de comprarmos o peixe para o almoço.

No inverno, na falta de peixe fresco vendia-se peixe salgado. A sardinha amarela, assim chamada por adquirir essa cor com o tempo de "salga".
Também se vendia, berbigão, ameijoa e conquilha.

Estes usos foram mantidos ao longo dos tempos, embora com as necessárias adaptações a cada época, passando o peixe a ser vendido a peso, com mais escolha nas espécies comercializadas. Também as velhas bicicletas a pedal ou a motor, foram aos poucos, substituídas por furgonetas.

Actualmente a actividade ainda existe mas o vendedor desloca-se numa moderna carrinha com caixa isotérmica com todas as condições de higiene, utilizando uma moderna balança electrónica.
Amigos da aldeia - Conceição de Faro

Porra, vejam lá se aprendem !

Há dias e noites em que me passo dos carretos. Foi o que me aconteceu ontem à noite durante o "Prós & Contras" da RTP. É que no programa vários intervenientes, alguns do quais licenciados conseguiram falar sempre das reformas como se elas dependessem dos dinheiros do Estado, que nós para a nossa velhice nos habituámos a confiar no Estado e o mais deste género que imaginar se possa.

Ora, e Carlos Carvalhas coitado, ali isolado face aos debitadores do pensamento neoliberal, não podia ir a todas, ninguém lembrou àquele senhores licenciados que as pensões e reformas são pagas pela acumulação de descontos dos trabalhadores e das entidades patronais, sendo que para esse efeitos os únicos dinheiros que muito justamente saem directamente do Orçamento de Estado são para pagar as pensões do regimes não contributivos (coisa que não foi feita durante 10 anos pelos governos de Cavaco Silva, o que roubou à segurança social mil milhões de contos).

Sim, porra, vejam lá se aprendem porque faz muita diferença !

Sem punhos de renda

Militares da GNR com nova função: “Limpadores de Quartéis”!

A Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda denunciou nesta terça-feira, que os militares da Guarda Nacional Republicana passaram a “acumular", por determinação superior, a tarefa de “limpadores de quartéis”
“in Público”
Estou mesmo a ver, naquelas“paradas”todas engalanadas, substituir-se o“Apresentar armas”pelo “Apresentar vassouras”!
A decisão de atribuir aos guardas a limpeza dos quartéis e repartições além de não dignificar a imagem da GNR, não atenua minimamente os momentos de crise que vivemos, antes pelo contrário, lança no desemprego “de um dia para outro” quase um milhar de mulheres e alguns homens, a quem estavam atribuídos esses trabalhos.
Quem tem de limpar deixa de poder desempenhar tarefas operacionais! 
Principalmente fora dos grandes centros, há anos que a GNR se debate com problemas logísticos e humanos que a maioria das pessoas não se apercebe e que a impede de prestar um bom serviço às populações em termos segurança pessoal e material.
Há uns anos vi um comandante de um posto do interior pagar com um cheque pessoal o abastecimento mensal das viaturas de serviço, curioso, perguntei o porquê da situação, ele respondeu-me meio rir: "o dono deste posto de abastecimento já não fia á GNR e se quero continuar a patrulhar o concelho,tenho de ser eu a adiantar o dinheiro"….

DUAS FOTOS MARAVILHOSAS, EXTERIOR DO XALÉ DE BELA MANDIL - VISITE EXPOSIÇÃO DE ARTE E POESIA

 utensílios de campo, aparelhos para a lavra, alguidar, forquilha.
forno de cozer pão caiado a ocre e óxido de ferro
Cabeça ao vento

Ercília foi talvez, a par com o engenheiro Monteiro e o arquiteto Marques Ramires, a pessoa mais distraída que conheci. O engenheiro Monteiro, uma ocasião em que me fez um exame oral de uma das disciplinas no quarto ano do meu curso, achou que eu merecia ser penalizado com perguntas de grau mais elevado por não me conhecer e achar que eu nunca tinha ido às aulas dele. O engenheiro Monteiro, que chegou a dar aulas com um sapato de atacadores num pé e um moucassin no outro (vá lá, eram ambos castanhos), tomava comigo a bica quase todas as manhãs no bar do pavilhão e entravamos a par na sala de aula, não bastas as vezes conversando sobre futebol de que somos ambos apaixonados. O arquiteto Marques Ramires, quinze minutos depois da aula ter começado, reparava que estava a dar a matéria de geometria do décimo segundo aos alunos do décimo primeiro. E não fez isto só uma vez.

Ercília estudava à noite no Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Não poucas vezes saiu de casa para o emprego, de gabardine ou casaco comprido em dias de canícula quando pela manhã já o ar era irrespirável de tão quente. Claro que chegava ao trabalho com eles debaixo do braço e afogueada. Pudera! Usava amiúde uma meia às riscas e outra lisa e nem sempre da mesma cor. Ercília esquecia-se da carteira ao balcão do bar onde tomava café e só dava por isso quando, ao final da tarde, entrava no elétrico a caminho da faculdade e não tinha o passe para mostrar ao revisor. Todos nos riamos ao vê-la procurar os óculos com eles na cara e isto era frequente. E a chave do carro, um belo fim de semana em que quis sair com o namorado, foi encontrá-la no frigorífico, após mais de uma hora de árdua procura. Contavam-se pelos dedos das mãos as vezes que Ercília saía na paragem certa quando andava de elétrico ou de autocarro ou até de metropolitano.

Naquele dia tudo correu certinho. Ercília chegou ao trabalho com os sapatos e as meias certas, uma blusa branca de folhos, impecavelmente passada a ferro, o que não era costume,  uma saia azul escuro, plissada, a bater-lhe no joelho, que lhe ficava absolutamente à medida, com o fecho traseiro fechado e no local, sentou-se na sua secretária, deixou a pasta com os livros à mão de semear para quando tivesse de ir para a faculdade. Naquele dia não deixou a carteira, nem na hora do café, nem na hora de almoço, no balcão da pastelaria. Naquele dia, Ercília nem se esqueceu de fazer dois telefonemas importantes. Um para uma repartição de Finanças e outro para uma empresa de camionagem. Não pediu transporte de uns caixotes de mudanças ao funcionário do fisco, nem tratou do IRS com a atendente da transportadora. No fim do dia, quando se sentou na mesa da sala de aula, puxou da pasta com os livros e abriu as Páginas Amarelas.

Texto e foto do autor. Todos os direitos reservados.
blog Constantino guardador de vacas

PONTO FINAL ! FERNANDO NOBRE FRAQUEJA. COMO A MEMÓRIA EM POLÍTICA .

Fernando Nobre fraqueja. Como a memória em política
Opinião
Autor: Pedro Gonçalves
Terça-feira, 05 Julho 2011 10:48

Fernando Nobre renuncia. Já não é deputado. Foi deputado nas sessões plenárias que elegeram o presidente da Assembleia da Republica. Eis a prova de que um percurso imaculado na vida “cívica” e “humanitária” (expressões que o próprio evoca) pode ser, paradoxalmente, manchado por uma curta passagem pela vida política.
Nobre foi chamado por Passos Coelho à vida política. Passos não resistiu às dezenas de milhar de votos de Nobre e Nobre ficou tentado pela possibilidade de presidir à Assembleia da República, sem nunca antes ter sido deputado. Esta história está mais do que contada.

Por outro lado, ninguém poderá ficar chocado com esta suspensão de mandato, que fora anunciada, pelo próprio, numa entrevista ao Expresso. Apesar de tentar dar o dito por não dito, Nobre dissera, antes de ser eleito deputado por Lisboa, que renunciaria se não fosse “nomeado” (expressão mal escolhida pelo próprio) presidente da Assembleia da República.

Consumou essa promessa que viria desmentir. Desmentiu um desmentido e regressou à versão de origem. Qual contorcionista, tentou corrigir erros de linguagem. E é com palavras mal escolhidas que encerra a sua curta passagem pelo Parlamento com a renúncia.

Mas Nobre não se ficou por aqui. Apresentou motivos de saúde para justificar as faltas aos dois debates de apresentação do programa do Governo. Nos corredores do Parlamento corria o boato que já tinha desistido. Nobre deixou que a sua saída começasse num boato.
Revela agora “tristeza” por deixar de ser deputado. Diz-se ciente de que será mais “útil aos portugueses na ação cívica e humanitária”. Deixa transparecer que a única força que o movia era tornar-se na segunda figura do Estado. Todos o sabiam e Nobre deveria evitar cair noutro erro: limpar a sua imagem.

A alegrar o ânimo de quem sempre respeitou e continua a respeitar Nobre está uma realidade: Nobre voltou ao sítio de onde nunca deveria ter saído. Provou que não estava preparado para a batalha política, capaz de destroçar o melhor dos bem intencionados.

Nobre é culpado e vítima de um episódio que será varrido da memória – com facilidade, como sempre, na vida política. A memória é fraca, fraqueja como Nobre. Nobre deveria saber que, em política, a memória é fraca. Este facto seria suficiente para uma saída airosa...
Fernando Nobre fraqueja. Como a memória em política
Opinião
Autor: Pedro Gonçalves | Leitores: 2031
Terça-feira, 05 Julho 2011 10:48

Fernando Nobre renuncia. Já não é deputado. Foi deputado nas sessões plenárias que elegeram o presidente da Assembleia da Republica. Eis a prova de que um percurso imaculado na vida “cívica” e “humanitária” (expressões que o próprio evoca) pode ser, paradoxalmente, manchado por uma curta passagem pela vida política.
Nobre foi chamado por Passos Coelho à vida política. Passos não resistiu às dezenas de milhar de votos de Nobre e Nobre ficou tentado pela possibilidade de presidir à Assembleia da República, sem nunca antes ter sido deputado. Esta história está mais do que contada.

Por outro lado, ninguém poderá ficar chocado com esta suspensão de mandato, que fora anunciada, pelo próprio, numa entrevista ao Expresso. Apesar de tentar dar o dito por não dito, Nobre dissera, antes de ser eleito deputado por Lisboa, que renunciaria se não fosse “nomeado” (expressão mal escolhida pelo próprio) presidente da Assembleia da República.

Consumou essa promessa que viria desmentir. Desmentiu um desmentido e regressou à versão de origem. Qual contorcionista, tentou corrigir erros de linguagem. E é com palavras mal escolhidas que encerra a sua curta passagem pelo Parlamento com a renúncia.

Mas Nobre não se ficou por aqui. Apresentou motivos de saúde para justificar as faltas aos dois debates de apresentação do programa do Governo. Nos corredores do Parlamento corria o boato que já tinha desistido. Nobre deixou que a sua saída começasse num boato.
Revela agora “tristeza” por deixar de ser deputado. Diz-se ciente de que será mais “útil aos portugueses na ação cívica e humanitária”. Deixa transparecer que a única força que o movia era tornar-se na segunda figura do Estado. Todos o sabiam e Nobre deveria evitar cair noutro erro: limpar a sua imagem.

A alegrar o ânimo de quem sempre respeitou e continua a respeitar Nobre está uma realidade: Nobre voltou ao sítio de onde nunca deveria ter saído. Provou que não estava preparado para a batalha política, capaz de destroçar o melhor dos bem intencionados.

Nobre é culpado e vítima de um episódio que será varrido da memória – com facilidade, como sempre, na vida política. A memória é fraca, fraqueja como Nobre. Nobre deveria saber que, em política, a memória é fraca. Este facto seria suficiente para uma saída airosa...

NÃO ESQUECER A PALESTINA - Barco francês parte de frota humanitária parte da Grécia para Gaza

 
Barco francês parte de frota humanitária parte da Grécia para Gaza
PARIS, França — Um pequeno barco francês, "Dignité Al Karama", que integra a flotilha internacional para Gaza, conseguiu deixar a Grécia e navega em direção ao território palestino, anunciaram à AFP os organizadores do grupo "Um barco francês para Gaza".
A embarcação de 19 metros de comprimento e com oito pessoas a bordo, incluindo o líder da extrema esquerda Olivier Besancenot, está em águas internacionais e até agora é o único barco da flotilha que conseguiu partir de águas gregas.
"O barco não está registrado. Não estava no porto de Pireu (onde estavam as outras embarcações da flotilha). Estava em outro lugar e, assim, conseguiu evitar a vigilância da guarda costeira grega", declarou à AFP Jean Claude Lefort, ex-deputado comunista e porta-voz do grupo.
O "Dignité Al Karama" é um barco particular que não foi registrado pelas autoridades marítimas gregas, ao contrário dos outros navios da frota que desejam romper o bloqueio que Israel impõe a Gaza e levar ajuda a sua população.
"Pode transportar combustível e alimentos. E avança para Gaza", disse Lefort.
A Grécia proibiu na semana passada a saída de barcos de suas águas com destino a Gaza. Israel ameaçou recorrer ao uso da força para impedir a aproximação das embarcações.
Em maio de 2010, nove passageiros do navio turco "Mavi Marmara", que pretendia romper o bloqueio israelense, morreram em um ataque da Marinha israelense que pretendia impedir sua chegada a Gaza.

NOME DE VASCO




A tua voz excessiva tornava-os mais pequenos.
Eles exigiam-te palavras untuosas,
as secas flores da jactância,
seu sono e alimento.
A verdade saía da tua boca iluminada
e eles tinham os ouvidos postos na mentira
no bocejo intrigante, na fala camuflada.
A tua voz recuada na origem não se perdia
nos afazeres verbais da litigância
não sabia a ganância.
Era o vento dos pobres sobre os metais do luxo.
Não te punhas a embalar o povo
como à criança que tarda a adormecer.
Atiravas-lhe à cara as palavras abruptas
um rosto incorruptível por marés de ferrugem
e gestos de morrer.

A tua fronte vasta tornava-os mais pequenos.
Nela despertava o susto das mães familiares,
o trigo parco dos homens nas tabernas
que te olhavam ingénuos vendo a seara crescer.
Ao colo dos pais os meninos sorriam
e os velhos viam coisas saltar dos teus cabelos.
Mas eras tu que soltavas a vida
amarrada a um poste como um burro de carga
a vida desavinda que os enraivecia
e que lhes dava um coice na pança saciada.

Aqui perde-se o tempo a trabalhar as lendas.
Mas o teu rosto não pode adormecer
sobre a toalha tépida que tece a tua ausência
onde derramo o choro e os outros vão beber.
Porque o teu pulso não suportava a febre
e erguia-se no ar como um pássaro agudo
que respirasse os ventos antes de partir.

Sobre o ladrar dos cães a tua voz alteia
como a papoila que o tempo não desfolha
a coluna de fogo que cai sobre a alcateia.
És o lagar imenso onde as uvas fermentam
sob os pés descalços e vivos da memória.
És a boca que a História utilizou por boca
o corredor onde o orvalho cresce entre a juventude
e os homens se passeiam com trigo na cintura.
Neste lugar de inverno lembramo-nos de ti
como quem desperta.
Ninguém aqui precisa de recuar no tempo
nem das sereias que engolem o nevoeiro.
Ninguém aqui suporta que tu voltes
como um Desejado
com o seu cortejo de rotas feiticeiras
que gritem pelo teu nome junto aos becos do mar
com as suas luas gordas de saudade e preguiça.
Teu nome está de pé como um mastro
de cal rubra.
Estás aqui, entre nós, no meio do teu País.
Connosco vais contigo porque o povo assim o quis.

Armando Silva Carvalho
Conquistas da Revolução

CLIP DE AARON RUSSO ENTREVISTADO POR ALEX JONES REVELA PLANOS DA ELITE GLOBALISTA: MICROCHIPS, 11/9, COLAPSO ECONÔMICO, MOEDA MUNDIAL, TERRORISMO...

AARON RUSSO ENTREVISTADO POR ALEX JONES REVELA PLANOS DA ELITE GLOBALISTA: MICROCHIPS, 11/9, COLAPSO ECONÔMICO, MOEDA MUNDIAL, TERRORISMO...

Aaron Russo Revela Planos da Elite Global para a ditadura chama Nova Ordem Mundial





http://www.youtube.com/user/gaiasohl#p/a/u/1/Ih_4Kcvhdog


Aaron Russo entrevistado por Alex Jones revela Planos da Elite Global como Microchip, Moeda Mundial, Colapso Economico, 11/09


"Esta e uma parte de 10 minutos de uma entrevista do finado Aaron Russo com Alex Jones. Aaron Russo é produtor dos filmes "TRADING PLACES" e "AMERICA: FREEDOM TO FACISM"


Aaron - O objetivo que essas pessoas têm em mente é criar um governo mundial único, dominado pela indústria do banco, pelos banqueiros, onde em certas secções, a moeda européia Euro, e a constituição européia são uma parte desse governo mundial. Agora estão tentando fazer com a América, pela União Norte Americana e querem criar a nova moeda corrente chamada Amero.

Então, toda a Agenda é para criar um governo único mundial, onde todos tem chips RFID implantados neles, onde todo o dinheiro deve estar nesses chips, não havendo mais dinheiro em espécie. E isso tem sido orquestrado por Rockefeller, eles querem cumprir isso. Todo o dinheiro estará nos chips, asim vc tem dinheiro a qualquer tempo em seu chip, e eles podem ter a qualquer momento quanto querem ter, se querem tirar impostos de seu dinheiro basta recorrer ao seiu chip. Controle total.


E como eu ou você protestamos contra o que eles estão fazendo, eles simplesmente desligam seu chip, e vc não terá mais nada, não pode comprar comida, não pode fazer nada. É controle total sobre as pessoas.


Alex - Sim, pois será conectado com sua base de dados, tendo seus registros, o que vc faz, etc


Aaron - Todas as coisas! Estão dentro do chip. Eles querem um governo único mundial, controlado por eles, todo mundo chipado, todo o dinheiro dentro desses chips, e eles controlam os chips, eles controlam as pessoas. e você se torna servo, escravo para essas pessoas, este é o objetivo deles, as intenções deles.


Alex - Você pode especificar quando encontrou Rockefeller, como conteceram tais discussões?


Aaron - Conheci Rockefeller através de uma mulher advogada que conheci que me chamou um dia e disse:"Rockefeller quer falar com você." . Eu tinha feito um vídeo chamado Mad as a Hell, e ele viu o vídeo e queria me encontrar. Eu disse ok, vou encontrar com ele. Eu me encontrei com ele, gostei de ter encontrado e ele é muito, muito esperto, e conversamos e compartilhamos idéias e pensamentos. E ele me disse, 11 meses antes do acontecimento do 11 de Setembro, que haveria um acontecimento, e nunca me disse o que seria, mas ia acontecer um evento, e nesse evento iríamos invadir o Afeganistão, para controlar as tubulações de óleo no Mar Cáspio, e iríamos invadir o Iraque, para dominar os campos de petróleo estabelecidos no Oriente Médio e fazer tudo isso parte da Nova Ordem Mundial, e depois iríamos atacar Hugo Chavez na Venezuela. E certamente o evento de 11 de Sembro aconteceu e eu me lembro dele me dizer como iríamos procurar em cavernas por pessoas no Afeganistão, Paquistão, em todos esses lugares e seria a guerra contra o terror, a qual não tem um inimigo real. tudo não passa de um boato gigante, mas seria um meio do governo dominar o povo.


Alex - Ele disse que seria um boato?


Aaron - Ah sim. Sem dúvida. Ele disse que é a guerra contra o terror, enquanto ria. Com quem está lutando... como você pensa que aconteceu o 11 de Setembro? E nada aconteceu desde então. Você acha que nossa segurança é tão boa que essas pessoas do 11 de Setembro não poderiam pegar outro avião? Ah, pára com isso, é ridículo. O 11 de Setembro foi feito por pessoas do próprio governo, do nosso próprio sistema bancário, para perpetuar o medo no povo americano, impor o medo ao povo para que se submeta a eles e eles possam fazer o que quiserem. É sobre isso que trata a guerra sem fim contra o terrorismo. A primeira mentira era essa, e a seguinte era ir contra o Iraque para derrubar Saddan Hussein e suas armas de destruição em massa, e houve uma próxima mentira...


Alex - Especificamente isso foi há 6 anos atrás? Isso foi 11 meses antes do 11 de setembro?


Aaron - Sim.


Alex - E rockfeller ficou temendo o filme, e ele dizendo a vc que haveria esse grande evento e uma guerra contra o terror foi apenas para dar um aviso.


Aaron - Certo. É o que ele queria. Não haveria nenhum inimigo real, assim vc nunca poderia encontrar o vencedor de tal guerra.


Alex - Ele disse que seria perfeito e ninguém poderia encontrar nenhum inimigo?


Aaron - Sim. Nunca haveria vencedor e isso ia durar para sempre... e com isso eles podem  fazer o que quiserem, assustando as pessoas. Veja, essa guerra contra o terror é uma completa fraude. É uma farsa. É muito difícil dizer isso publicamente, pois o povo está intimidado e não crê, como vc disse, eles não se importam. Mas a verdade tem que ser dita nesta entrevista. O fato que importa é que toda a guerra ao terror é uma fraude, uma farsa. A ONU controlou o Iraque logo depois que o invadimos. Mas a guerra contra o terror é uma piada, e tão logo descobrirmos o que aconteceu em 11 de Setembro e o responsável pelo 11 de Setembro, saberemos de onde a guerra contra o terror nasceu, é daí que tudo nasceu. A guerra contra o terror começou em 11 de Setembro, e enquanto não alcançarmos a raiz do 11 de Setembro, a verdade sobre o 11 de Setembro, nunca saberemos nada da guerra contra o terror.


Alex - Você disse que ele e muitos outros, na universidade, quando se tornaram experts em conseguir fantoches e, sendo mais específico no que você disse noite passada sobre você ter 30% de devotos, vc fez o filme Mad Hell, eles sabiam que vc estava agindo, fazendo filmes, palestras. Então tentaram criticar você, e chegou ao ponto que eles disseram: "Ei não mexa conosco!"


Aaron - Sim, isso aconteceu. Eu fui recrutado. Bom, a verdade é que éramos amigos, conversávamos, jantávamos juntos, ele me falava sobre investimentos, que ele tinha vários negócios de investimentos e eu estive interessado em juntar-me ao CFR (Concil of Foreing Relations), eu teria de ter uma carta para isso, eu estive interessado nisso e ... Mas realmente nunca fiz isso porque  não é o lugar a que pertenço.  Eu disse, gosto de voce Nick (Rockefeller), mas seu caminho e o meu caminho estão em lados opostos da cerca. Eu não sou a favor de escravizar as pessoas.


E parecia (sua reação) mais como: "por que você se importa com eles? por que vc se importa com essas pessoas? O que eles fizeram por vc? Cuide da sua própria vida. Faça o melhor que sentir por sua família. Essas pessoas são servos, não significam nada para você."


Isso é apenas falta de carinho, e não era como eu me sentia. É apenas muito frio. E eu disse, qual é o ponto de tudo isso? Você tem tudo o que precisa,  todo o poder que precisa, qual é seu ponto? Qual é o seu objetivo? Ele disse: "TER TODO MUNDO CHIPADO PARA CONTROLAR TODA A SOCIEDADE, PARA A ELITE, OS BANQUEIROS, ALGUNS BANQUEIROS DE CERTOS GOVERNOS  CONTROLAREM O MUNDO!"'


E eu perguntei se todas as pessoas no CFR estavam nessa idéia. Ele disse, não, não, não, a maioria acredita no que eu penso, outros querem um sistema socialista, temos que convencer as pessoas de que o socialismo é o capitalismo, é assim que os países comunistas fazem hoje.


Bem, uma das coisas que ele me disse foi...e começou a rir... "O que você pensa que é a liberação das mulheres?" Fui bem convencional nesse ponto e disse que as mulheres tem o direito de trabalhar e ganhar pagamento igual ao homem, exatamente como ganharam direito ao voto. Ele começou a rir e disse voce é idiota. Eu disse, por que sou idiota? Ele disse, vou te contar o que significa isso. NÓS, OS ROCKEFELLERS QUE INICIAMOS ESSE MOVIMENTO, NÓS FUNDAMOS A LIBERAÇÃO FEMININA, NÓS TEMOS TODOS OS JORNAIS E TV, A FUNDAÇÃO ROCKEFELLER.

E HÁ DUAS RAZÕES PRIMÁRIAS PARA A ELITE BANCAR A LIBERAÇÃO DA MULHER. UMA DELAS É QUE NÃO PODÍAMOS TAXAR METADE DA POPULAÇÃO ANTES DA LIBERAÇÃO FEMININA. E A SEGUNDA RAZÃO É QUE AGORA TEMOS AS CRIANÇAS NAS ESCOLAS EM IDADE MAIS JOVEM , POSSIBILITANDO DOUTRINÁ~LAS A ACEITAR O ESTADO COMO FAMÍLIA PRIMÁRIA, A ESCOLA, AS AUTORIDADES COMO SUAS FAMÍLIAS, NÃO OS SEUS PAIS ENSINANDO A ELES.


Essas são as razões primárias da liberação da mulher. Eu pensava até esse momento, que isso era uma causa nobre, e quando vi as intenções deles por trás disso, de onde veio isso, de onde criaram isso, e o pensamento disso, eu vi o mal por detrás do que pensava ser uma superação.




Para ver os 69 minutos de entrevista completa, vá ao Google Vídeo e procure por:

"HISTORIC INTERVIEW WITH AARON RUSSO"


_________________________________


Tanto quanto a liberação feminina, muitos outros movimentos ditos nobres foram impulsionados,  usados ou manipulados por illuminatis, como a contracultura, a revolução francesa, e agora o movimento anti-homofobia, e o ecológico. Isso quer dizer que esses movimentos são maus? Não, quer dizer que eles podem usar qualquer coisa, distorcer e torcer na direção que quiserem.  Enquanto estivermos na dependência da midia, do que dizem e pensam os outros, da voz da autoridade, estaremos sujeitos a manipulações deles.

 

MÁRIO SOARES - “Sempre achei Tony Blair um vigarista” . esta tem muita piada !

“Sempre achei Tony Blair um vigarista”

O ex-presidente da República Mário Soares fez duras críticas ao ex-primeiro ministro britânico Tony Blair afirmando: “Sempre o achei um vigarista. Só pensa em ganhar dinheiro !





Na sua intervenção, que decorreu na sessão de apresentação de um livro da sua autoria e da jornalista Teresa de Sousa, intitulado 'Portugal Tem Saída' e tal como tem feito recentemente, Mário Soares voltou a criticar os líderes europeus e, sobretudo, a forma como a União Europeia está a gerir a crise financeira da Grécia, lamentando que em relação a este país tivesse sido necessária uma forte pressão diplomática dos Estados Unidos e da China para que a Alemanha decidisse finalmente "abrir os cordões à bolsa", cita a agência Lusa.
Os Estados Unidos e a China "fizeram apelos sucessivos para evitar uma crise mundial. Caindo a Grécia, podia cair a Espanha, a Bélgica ou a Itália e vinha a desagregação da Europa", disse, antes de atacar violentamente Tony Blair, ex-líder do Partido Trabalhista britânico e criador da chamada Terceira Via do centro esquerda.
"A minha amiga Teresa de Sousa sempre foi uma apreciadora do Blair, mas sempre o achei um vigarista. Só pensa em ganhar dinheiro", disse Mário Soares, gelando uma parte da plateia.

PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA !!! - CLIP DO HINO DE CAXIAS E LETRA RESPECTIVA



16 de Março de 1974 (4) - Hino de Caxias


Longos corredores nas trevas percorremos
sob o olhar feroz dos carcereiros
mas nem a luz dos olhos que perdemos
nos faz perder a fé nos companheiros.

Vá camarada mais um passo
que já uma estrela se levanta
cada fio de vontade são dois braços
e cada braço uma alavanca.

Oiço ruirem-se os muros
Quebrarem-se as grades de ferro da nossa prisão
Treme carrasco que a morte te espera
Na Aurora de fogo da Libertação(bis)

Cortam o sol por sobre os nossos olhos
muros e grades encerram horizontes
mas nós sabemos onde a vida passa
e a nossa esperança é o mais alto dos montes.

Vá camarada mais um passo
que já uma estrela se levanta
cada fio de vontade são dois braços
e cada braço uma alavanca.

Oiço ruirem-se os muros
Quebrarem-se as grades de ferro da nossa prisão
Treme carrasco que a morte te espera
Na Aurora de fogo da Libertação(bis)

Podem rasgar meu corpo à chicotada
podem calar meu grito enrouquecido
que para viver de alma ajoelhada
vale bem mais morrer de rosto erguido.

Vá camarada mais um passo
que já uma estrela se levanta
cada fio de vontade são dois braços
e cada braço uma alavanca.