AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 27 de maio de 2011

ESSE GRANDE SIMULACRO - Cada vez que nos dão lições de amnésia


ESSE GRANDE SIMULACRO

Cada vez que nos dão lições de amnésia
como se nunca houvesse existido
os ardentes olhos da alma
ou os lábios da pena órfã
cada vez que nos dão lições de amnésia
e nos obrigam a apagar
a embriaguez do sofrimento
convenço-me de que o meu território
não é a farândola de outros



Em meu território há martírios de ausência
resíduos de sucessos / subúrbios de luto
mas também singelezas de mosqueta
pianos que arrancam lágrimas
cadáveres que ainda olham de seus hortos
lembranças imóveis em um porão de colheitas
sentimentos insuportavelmente atuais
que se negam a morrer no escuro



O esquecimento está tão cheio de memória
que às vezes não cabem as lembranças
e rancores precisam ser jogados fora
no fundo o esquecimento é um grande simulacro
ninguém sabe nem pode / ainda que queira / esquecer
um grande simulacro abarrotado de fantasmas
esses romeiros que peregrinam pelo esquecimento
como se fosse o caminho de santiago



no dia ou noite em que o esquecimento estale
salte em pedaços ou crepite /
as recordações atrozes e as de maravilhamento
quebrarão as trancas de fogo
arrastarão afinal a verdade pelo mundo
e essa verdade será a de que não há esquecimento

Beneditti

Elogio do Revolucionário

Elogio do Revolucionário

Quando aumenta a repressão, muitos desanimam.
Mas a coragem dele aumenta.
Organiza sua luta pelo salário, pelo pão
e pela conquista do poder.
Interroga a propriedade:
De onde vens?
Pergunta a cada idéia:
Serves a quem?
Ali onde todos calam, ele fala
E onde reina a opressão e se acusa o destino,
ele cita os nomes.
À mesa onde ele se senta
se senta a insatisfação.
A comida sabe mal e a sala se torna estreita.
Aonde vai, vai a revolta
e de onde o expulsam
persiste a agitação.


Bertolt Brecht

CANTO DO CEIFEIRO








CANTO DO CEIFEIRO


Canta ceifeiro canta,
sob o sol de Agosto, canta,
a terra é tão farta e tanta,
que chega para a tua fome
e cresce para a tua manta,

Canta ceifeiro canta
a charneca e não sossobres.
Espanta o medo e o cansaço,
aguenta mais um pedaço
e canta ceifeiro canta
o heroísmo dos pobres.

Canta ceifeiro canta
o Alentejo todo teu,
canta a charneca em flor,
canta o trigo com suor,
canta a lonjura do céu.
Canta ceifeiro canta
em Serpa. Cuba ou Ermidas,
ia que os braços são pequenos
dêem-se as vozes ao menos
que as vozes serão ouvidas.

Canta ceifeiro canta
canta sempre sem espanto
tudo quanto tanto anseias,
que não vem longe o minuto
do teu suor ser enchuto
e tu seres a própria Paz.
Canta ceifeiro canta
e diz de quanto és capaz,

Canta esses sulcos vermelhos
como as tuas maiores veias,
canta a luta e a tua sede
os azinheiros e o trigo,
canta a carne e o desabrigo
por todo o frio do inverno,
canta a morte dos teus filhos
mais a dos teus companheiros,
canta sempre canta, canta
belas canções de ceifeiro,
que o Alentejo cresceu.
dos teus braços de sobreiro
erguidos ao sol de estio,
e de todo o teu suor
Já do tamanho dum rio.

Canta ceifeiro canta
o Alentejo todo teu,
que nele foi que nasceste
com raízes desde o fundo,
e nele os irmãos da terra
vem sendo há muito ofendidos
nos seus sempre sagrados
e humanos cinco sentidos.

Canta ceifeiro canta
canta com ânsia e bravura
e que o canto que se levante
dê mais força á tua altura


Carlos V. Fonseca

"Alguém foi responsável por todos os portugueses estarem 30 a 40 por cento mais pobres " defendeu o empresário Belmiro de Azevedo, salientando que "tem que haver culpados".

Sexta-feira, 27 de Maio de 2011

Pobreza: Belmiro de Azevedo quer apurar culpados!

"Alguém foi responsável por todos os portugueses estarem 30 a 40 por cento mais pobres " defendeu o empresário Belmiro de Azevedo, salientando que "tem que haver culpados".
“in Correio da Manhã”
Há uns tempos atrás numa entrevista á revista VISÃO o Sr. Belmiro, disse: "para se ter uma sociedade coesa, os trabalhadores têm de ser bem tratados, não se podem explorar", agora brindou-nos com a maior demonstração de demagogia possível ao falar na pobreza que atinge Portugal. 
Como podemos levar esta conversa a sério, vinda de alguém que pratica nos seus estabelecimentos  os salários de miséria que todos conhecemos? 
Onde os trabalhadores, são obrigados a fazer horas extraordinários muitas vezes sem ser remuneradas e  a trabalhar domingos e feriados sem a respectiva compensação monetária, não podendo recusar sobe pena de serem despedidos.
Como está provado que paga muito mal à maioria dos seus funcionários, já temos um culpado da situação de pobreza. 
Agora faltam os outros!

ENTREVISTA NA VISÃO
(Deixo-vos aqui alguns destaques retirados dessa célebre entrevista)
DEMOCRACIA - "Criou-se um sistema em que o povo vota pelas festas, frigoríficos e passeios".
GOVERNAÇÃO - "Bloco central, não. Senão vira ditadura a dois, compadrio. Neste momento, e quase direi por felicidade, não há um Governo de maioria".
SÓCRATES - "O primeiro-ministro telefona ou manda telefonar com muita frequência"
LÍDER DO PSD - "Nunca dormiu mal por ter a responsabilidade de saber como pagar salários".
GOVERNO - "Tenho dificuldade em saber os nomes de metade dos que estão lá"
CAVACO - "Cavaco é um ditador. Mandou quatro amigos meus, dos melhores ministros, para a rua, assim, 'com vermelho directo'".
TRABALHADORES - "Para se ter uma sociedade coesa, os trabalhadores têm de ser bem tratados, não se podem explorar".
SALÁRIOS - "Os salários são baixos. O pessoal do meio é que ganha de mais. Têm de ser aumentados o último piso e o rés-do-chão".
MARCELO REBELO DE SOUSA - "Tem dez respostas, todas boas, para a mesma pergunta. Não sofre de pensamento único".
SINDICATOS - "Terão de se reformular se não quiserem desaparecer rapidamente".
PATRÕES - "Não há nenhum empresário sério (!!) que se reveja nas associações patronais”.

Na senda do FMI e dos xuxialistas democráticos !

Strauss-Kahn paga 200 euros por um bife

Dominique Strauss-Kahn, o ex-director do FMI, desde quinta-feira a cumprir prisão domiciliária numa luxuosa casa de três pisos, continua a somar extravagâncias. Um dia depois de se ter instalado, encomendou para o jantar um bife no valor de quase 200 euros

O ex-patrão do FMI, que será presente a tribunal no dia 6 de Junho acusado de sete crimes sexuais contra uma funcionária do Hotel Sofitel de Nova Iorque, trocou um já pouco modesto  apartamento da Broadway, muito próximo do ‘Ground Zero', por uma autêntica mansão sita no requintado bairro de Tribeca.
A mudança de cenário da sua prisão domiciliária obedece a duas ordens de razões: estava "aborrecido", queixou-se aos advogados, mas a verdade é que a vizinhança começou esta semana a exigir a sua saída, farta da romaria de curiosos ao local, transformado em ponto turístico  de paragem obrigatória.
"Não sei nem me interessa se é culpado ou inocente. Está a acabar com a minha vida e isso basta-me", nas palavras de uma das vizinhas que reclamava a sua expulsão.
E foi neste contexto que Dominique Strauss-Kahn chegou à casa de sonho da actriz Cameron Diaz, a 35 mil dólares/mês, onde não será fácil voltar a sentir-se "aborrecido", afinal, tem por sua conta uma sala de cinema e um ginásio, um terraço e um spa.

Olhão, 27 mai (Lusa) -- A CDU leva hoje a sua campanha para o Algarve, com Jerónimo de Sousa a reiterar críticas à desigualdade dos sacrifícios pedidos aos portugueses e a uma Europa que pensou: "que se lixe Portugal".

CDU vai para o Algarve com Jerónimo zangado com Europa que pensou "que se lixe Portugal"

27/28 de Maio de 2011

Olhão, 27 mai (Lusa) -- A CDU leva hoje a sua campanha para o Algarve, com Jerónimo de Sousa a reiterar críticas à desigualdade dos sacrifícios pedidos aos portugueses e a uma Europa que pensou: "que se lixe Portugal".
No primeiro jantar-comício da campanha, que se realizou quinta-feira à noite em Lisboa, o secretário-geral comunista criticou os partidos que subscreveram o memorando de entendimento com a "troika" para a ajuda externa a Portugal por não "quererem perceber" como o acordo é injusto.
"Quais são os sacrifícios dos senhores Belmiros, dos grupos económicos, dos banqueiros?", questionou.
O secretário-geral comunista argumentou que para PS, PSD e CDS-PP, "tirar um milhão a quem tem 500 milhões não faz falta nenhuma mas tirar 20 euros a quem tem 200 faz muita falta".
Quanto à "tal Europa", que PS, PSD e CDS-PP "tanto glorificavam", impõe "juros de agiota a Portugal" e demonstra que a solidariedade e a coesão económica e social "afinal era conversa".
"Assim que tiveram hipótese, particularmente o diretório das grandes potências como Alemanha e França disseram 'venha para cá o meu' e que se lixe Portugal, tendo em conta as taxas de juro aplicadas".
Jerónimo começa o dia no mercado de Olhão, à tarde vai junto à fronteira com Espanha, em Vila Real de Santo António, onde visitará a associação de reformados local.
O dia termina com um jantar comício no mercado municipal de Faro.

Santos Silva mal chegou à caravana do PS e já começou a malhar no PSD. E, ao notar que os “insultos e as agressões gratuitas” vindas do PSD instigaram a manifestação em Faro, ontem à noite, acabou por responsabilizar indirectamente os sociais-democratas pelos incidentes.

Santos Silva mal chegou à caravana do PS e já começou a malhar no PSD. E, ao notar que os “insultos e as agressões gratuitas” vindas do PSD instigaram a manifestação em Faro, ontem à noite, acabou por responsabilizar indirectamente os sociais-democratas pelos incidentes.
O PS considera que os “insultos e as agressões gratuitas” vindas do PSD instigaram a manifestação em Faro O PS considera que os “insultos e as agressões gratuitas” vindas do PSD instigaram a manifestação em Faro (Miguel Manso)

O ministro da Defesa e candidato a deputado pelo Porto passou logo ao ataque, depois de um breve preâmbulo sobre a “liberdade política” e o “direito de associação”. Recusando deixar “passar em claro” os incidentes ocorridos ontem à noite – “são demasiados graves” -, pediu ao líder do PSD, Pedro Passos Coelho, para dizer “o que pensa àcerca da tentativa de boicote do comício de um partido político”.

E avisou: “O doutor Passos Coelho tem toda a tarde para dizer o que acha de um partido político realizar acções sem ser importunado”, argumentando que as declarações do presidente social-democrata, esta manhã, foram “demasiado ambíguas e equivocas”.

Mais contundente, acrescentou: “O dia não pode terminar sem que as suas posições sejam esclarecidas. Tem de dizer hoje se condena ou não os incidentes provocados contra um comício do PS, se acha que essas pessoas têm direito de o fazer, e se acha que elas foram maltratadas.”

Antecipando uma resposta, Santos Silva afirmou que se Passos Coelho responder afirmativamente às duas últimas questões, então “não entende o que é a democracia”.

Na intervenção do dirigente do PS não faltou também a campanha de vitimização que os socialistas optaram por assumir, depois de José Sócrates ter dito, há dois dias, que o PSD está a operar uma “campanha pessoal” contra ele.

Santos Silva enveredou por esse caminho, apontando que os acontecimentos em Faro devem ser “compreendidos à luz, e certamente indesejados, de uma campanha dirigida sistematicamente contra o PS e o seu líder e que tem recorrido ao insulto pessoal”.

Ou seja, ao notar que os “insultos e as agressões gratuitas” vindas do PSD instigaram a manifestação em Faro, Santos Silva acabou por responsabilizar indirectamente os sociais-democratas pela situação.

Para o final da sua intervenção, o socialista deixou o apelo ao “voto útil” no PS, pedindo ao eleitorado “de esquerda, do centro” e mesmo àqueles que têm “divergências” com o partido. Porque, justificou, “só o voto no PS pode barrar o caminho à direita e ao seu projecto de retrocesso civilizacional”.

EXCERTOS DO PARECER DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES SOBRE MURAL DA CDU NA ESCADARIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Na sequência das participações apresentadas por alguns cidadãos a Comissão Nacional de Eleições emitiu hoje, dia 25, de Maio Parecer do qual constam os seguintes excertos:

(...) "Assim, e verificando-se, por um lado, que as escadarias em causa não se encontram
classificadas como monumento nacional e, como tal, abrangidas pela proibição
constante do disposto no n.° 4 do artigo 66.° da Lei n.° 14/79, de 16 de Maio, e que,
por outro, o procedimento com vista à sua classificação ainda se encontra em curso,
afigura-se que as mesmas não gozam da protecção conferida pelo disposto no n.° 4 do artigo 66° da Lei n.° 14/79, de 16 de Maio e pelo no n.° 3 do artigo 4.° da Lei n.° 97/88, de 17 de Agosto."

Mais à frente pode ainda ler-se no referido Parecer " atendendo à iniciativa de limpeza a que faz referência uma das participações sub iudice, o artigo 139.° da Lei n.° 14/79, de 16 de Maio, esclarece-se que “Aquele que roubar, furtar, destruir, rasgar ou por qualquer forma inutilizar, no todo ou em parte, ou tornar ilegível, o material de propaganda eleitoral afixado ou o desfigurar, ou colocar por cima dele qualquer material com o fim de o ocultar será punido com a pena de prisão até seis meses e multa de € 4,99 a € 49,88”

Miguel Freitas recusou-se depois a esclarecer a que partido esses manifestantes apelaram ao voto, mas militantes socialistas disseram aos jornalistas que alguns desses manifestantes estavam a apoiar o PSD.

José Sócrates lamentou a manifestação, que ocorreu quinta-feira à noite contra o Governo, nas imediações do comício socialista em Faro, considerando que “são pessoas que não sabem respeitar o direito de reunião por parte dos partidos”.
O líder do PS/Algarve, Miguel Freitas, também considerou que os manifestantes anti-Governo “insultaram e provocaram” as pessoas que se juntaram no comício socialista de Faro e não respeitaram a lei, já que se encontravam a curta distância do comício.
manifestantes anti-Governo durante campanha do PS em FARO
José Sócrates fez estas declarações depois de um jornalista da SIC ter colocado uma pergunta, no momento em que entrava no carro para sair de Faro, antes ainda da PSP ter detido um dos manifestantes e de se ter registado confusão, com empurrões e cotoveladas, entre apoiantes socialistas e manifestantes.
Para José Sócrates, a manifestação realizada à porta do seu comício foi própria de pessoas que “não sabem o que é a democracia, nem o direito de manifestação por parte dos partidos”.
“Acho absolutamente lamentável o que aconteceu. Enfim, é gente a quem a democracia deu direitos, mas que não sabem usá-los”, afirmou, em declarações   à SIC.
Já em conferência de imprensa, o líder distrital Miguel Freitas criticou também as “provocações e insultos”. “Registaram-se acontecimentos reprováveis durante o comício do PS. Houve uma dezena de pessoas que se manifestaram e, mais do que isso, interferiram no comício do PS com provocações e insultos”, acusou o deputado socialista.
Na perspetiva de Miguel Freitas, o PS “reprova este comportamento, porque não é adequado ao combate democrático”.
“A culpa foi de quem fez uma provocação e um insulto ao PS, que se reuniu democraticamente num comício com mais de mil pessoas. Mas um conjunto de cidadãos, que estão identificados com um movimento na região – e que fizeram um apelo ao voto em alguns partidos -, teve um comportamento reprovável”, disse Miguel Freitas.
Miguel Freitas recusou-se depois a esclarecer a que partido esses manifestantes apelaram ao voto, mas militantes socialistas disseram aos jornalistas que alguns desses manifestantes estavam a apoiar o PSD.
Em relação aos movimentos envolvidos nos protestos, o líder do PS/Faro apontou um deles: o que protesta contra a cobrança de portagens na Via do Infante, a A22.
Miguel Freitas considerou no entanto que a questão do apelo ao voto dos partidos, ou a questão das ligações dos manifestantes a movimentos, “não é a parte essencial do que se passou”.
O líder do PS/Faro sustentou ainda que os manifestantes não respeitaram a lei, porque se encontravam a bem menos do que 150 metros do local onde se realizou o comício do PS.

O secretário-geral do PCP condenou os incidentes no comício socialista de quinta-feira à noite em Faro,

 O secretário-geral do PCP condenou os incidentes no comício socialista de quinta-feira à noite em Faro, afirmando que os manifestantes que vaiaram José Sócrates violaram um princípio da democracia.
«Condenamos o aproveitamento de iniciativas, seja de que partido for. Seja o partido do Governo, seja qualquer outro, acho que esse não é o caminho correto da luta que tem que ser travada», disse Jerónimo de Sousa aos jornalistas à margem de uma visita de campanha ao mercado municipal de Olhão.

Quinta feira, 26 de Mai de 2011 Faro, 26 mai (Lusa) -- A PSP fez hoje uma detenção e identificou alguns membros do grupo que hoje se manifestou contra o Governo nas imediações do comício do PS em Faro, que terminou em ambiente de confusão

23:31 Quinta feira, 26 de Mai de 2011 Faro, 26 mai (Lusa) -- A PSP fez hoje uma detenção e identificou alguns membros do grupo que hoje se manifestou contra o Governo nas imediações do comício do PS em Faro, que terminou em ambiente de confusão.
Ainda antes de o secretário-geral do PS, José Sócrates, abandonar o Largo da Pontinha, onde se realizou o comício, os agentes da polícia começaram a identificar alguns dos elementos que empunhavam cartazes e que assobiavam em reação aos discursos dos oradores.
Quando José Sócrates entrou no carro para deixar Faro, centenas de apoiantes socialistas rodearam o seu líder a gritar "PS, PS". Eleições: Confusão no final do comício do PS em Faro, PSP deteve um manifestante Lusa -

Carlos Moedas – Notas de reflexão -Este cromo, de nome Carlos Moedas, poderia perfeitamente ser uma das figuras da “entourage” de José Sócrates. Politicamente não está mais à esquerda nem mais há direita; está do lado do dinheiro e dos amigos que o têm.

Sexta-feira, 27 de Maio de 2011

Carlos Moedas – Notas de reflexão


Este cromo, de nome Carlos Moedas, poderia perfeitamente ser uma das figuras da “entourage” de José Sócrates. Politicamente não está mais à esquerda nem mais há direita; está do lado do dinheiro e dos amigos que o têm. Para além disso é detentor daquele tipo de voz de “betinho enrustido” típico de alguns dos ajudantes do primeiro-ministro e do próprio... voz que já por mais do que uma vez me induziu em erro. Ao aproximar-me do aparelho de televisão, vendo apenas a sua imagem e o tal timbre de voz, penso: “é hoje que ele está a dissertar sobre decoração de interiores!”, mas assim que as palavras se tornam inteligíveis, descubro que, como vai sendo habitual, está a falar de dinheiro e do seu PSD.
Portanto, o senhor Carlos Moedas é um entendido em dinheiro, figura importante neste PSD de Passos Coelho e cabeça de lista pelo distrito de Beja. Tão importante que foi um dos seus “negociadores” nos contactos com a “troika”, fazendo companhia a Catroga... quanto mais não fosse para o ir acordando...
Ontem vi-o mais uma vez num programa qualquer na televisão (será que é avaria?) falando de dinheiro. Apanhei-o num bom momento! Explicava que o “facto” de nos últimos 10 anos os ordenados dos trabalhadores terem sido «aumentados 3,7%, todos os anos», enquanto o aumento da produtividade ficou muito abaixo... é a razão das nossas dificuldades no mundo do trabalho. (Presumo que devo então conhecer todas as exceções, quero dizer, todas as pessoas que não foram aumentadas todos os anos, nos últimos 10 anos, e muito menos sempre em 3,7%).
Claro que esta peremptória afirmação serviu-lhe imediatamente para justificar o plano do PSD para desmantelar o princípio da contratação colectiva tendo por base a taxa de inflação prevista.
De qualquer modo, a afirmação que mais uma vez mostrou que esta gente se instala no poder com uma verdadeira atitude de quadrilha, fazendo contas a quanto pode roubar para enfiar nos bolsos dos amigos (e assim que saem do poder irem para os conselhos de administração das empresas desses amigos, usufruir do roubo) foi a sua claríssima caracterização do tipo de empresas que ainda estão nas mãos do Estado:
1. As empresas saudáveis e que dão chorudos lucros - «Estão prontas a serem vendidas».
2. As empresas com capacidade de gerar lucros chorudos, mas cujas dívidas afogam essa possibilidade - «Ainda não estão prontas para serem vendidas». Acrescentou, porém, que «devem ser trabalhadas» para resolver essa situação... e poderem ser vendidas.
3. As empresas cujo “modelo de negócio”, somado às tais volumosas dívidas, nunca permitirá que produzam lucros chorudos, ou sequer lucros. Nessas «é preciso garantir o serviço público» e tentar optimizá-las...  mas a sua venda não tem qualquer interesse.
Contra mim falo... pois estou sempre disposto a “pegar” nesta gente pelo lado do ridículo, sendo que isso é bom, pois ajuda a pôr um sorriso em alguns rostos que bem precisam de sorrir... mas que isso não nos distraia! É fundamental que isso não nos impeça de ver que esta gente, com o seu ar risível de manequins da rua dos fanqueiros e com ideias e cultura a condizer, são na verdade vulgares salteadores!

AFINAL O PARTIDO XUXIALISTA NÃO ESTÁ COM SÓCRATES !

Assembleia popular 23M Rossio



acampada no Rossio - assembleia popular

Marcha de Protesto contra a Introdução de Portagens na Via do Infante

27 de Maio de 2011

Protesto contra as Portagens na Via do Infante dia 28 às 15.30

http://1.bp.blogspot.com/-sr_LbfQYL2I/TdwxeOR6hyI/AAAAAAAAASg/v_Cdj0JVaP8/s1600/173909_640109546_8343797_n.jpg
Local: EN 125
A concentração está agendada para o Parque das Cidades, junto ao Estádio Algarve, de onde a caravana partirá em marcha lenta para EN125.

No itinerário, há passagens pelas rotundas do aeroporto e do centro comercial Fórum Algarve, estando o término do roteiro marcado para o largo de São Francisco, já no casco urbano de Faro.

A acção deverá contar com a participação de utentes espanhóis de Ayamonte e de outras partes da Andaluzia, tal como aconteceu na «Marcha do Guadiana», a 9 de Abril. É esperada a presença do alcaide de Ayamonte.

OlhaoLivre apoia esta justa luta, contra as Portagens da Via do Infante, no entanto alerta as pessoas que não é só o PS que quer Portagens, também o PSD e o CDS vão implementar as portagens,na Via Do Infante caso, sejam governo, e como tal esses partidos, devem ser castigados nas urnas.
Todos os verdadeiros algarvios independentemente dos partidos ,deviam de exigir que essas portagens não fossem em avante, pois a E.N.125 não passa da grande avenida do Algarve, e não de uma Estrada Nacional, por mais obras e variantes que façam.

Olhão Livre