AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 12 de maio de 2011


A Banca e a dívida pública

As famílias estão muito endividadas.


Os Bancos muito alavancados!


Os Bancos não estão muito endividados, estão muito alavancados! E estão muito alvancados porquê?


Porque pediram muito dinheiro lá fora para emprestar cá dentro, designadamente no imobiliário.

Sim a Banca endividou-se externamente, aplicando esse dinheiro na especulação e na especulação imobiliaria. Depois veio a crise do imobiliario e a banca ficou aflita...

Os banqueiros não privilegiaram os empréstimos à compra de casa própria porque são uns bons samaritanos. Não. Priveligiaram o crédito à habitação porque era o mais rentável, o que na altura dava mais garantias e o que exigia menores rácios de fundos próprios.

Acrescentam: mas a banca portuguesa também tem nos seus activos muita dívida pública e agora é penalizada com a sua desvalorização! É verdade. Mas não é porque sejam uns bons samararitanos. Não! Ficaram com dívida pública porque era a única maneira que tinham de se financiar. Como não conseguiam obter dinheiro lá fora, ficavam com os títulos da dívida pública que lhes rendia 5, 6 e 7% e depois iam ao Banco Central Europeu davam estes títulos como garantia (colaterais) e obtinham o seu valor a 1%. Que bonitos filantropos, que belos patriotas!


E agora também não querem que o Estado português avance com a reestruturação da dívida, querem que sejam os contribuintes a pagar a factura....