AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Protesto Contra as Portagens na A22



Segunda-feira, 25 de Abril de 2011
Farto de Promessas, 3 Porticos da Via do Infante foram incendiados!


Portagens: Incendiadas três estruturas de apoio aos pórticos na Via Infante
Três estruturas de apoio ao funcionamento dos pórticos na Via Infante de Sagres (A22), no Algarve, foram hoje de madrugada incendiadas, disseram à Lusa fontes da GNR.

As estruturas vandalizadas são pequenas casas de betão onde está resguardado o equipamento elétrico para o funcionamento das futuras portagens.

A GNR precisou que o incidente ocorreu em Boliqueime, Loulé e Olhão entre as 03:00 e as 06:00.

A ação terá sido concertada e em simultâneo e consistiu na colocação de pneus a arder dentro das casas, cujas portas foram arrombadas, acrescentou.

Este caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

A colocação de portagens na Via Infante tem gerado vários protestos, inclusive de espanhóis que consideram a introdução de portagens naquela via um recuo de trinta anos ao tempo em que não existia uma ponte de ligação entre o sul de Portugal e Espanha.

As fundações para instalar os pórticos na A22 começaram a ser construídas em fevereiro.

A Via Infante de Sagres liga Vila Real de Santo António a Lagos/Bensafrim, numa extensão de 130 quilómetros.
Noticia do Região Sul on line.
Nota do Olhão Livre as pessoas começam a revoltar-se contra as promessas do PS que prometeram não haver portagens da Via do Infante,para conseguirem ganhar as eleições e agora adiaram as mesmas portagens para depois das eleições, só com o intuito de ganharem votos para a seguir às eleições activarem essas portagens.
Resultado 3 pórticos foram incendiados, para que as pessoas não se esqueçam do que vem aí a seguir às eleições.
Pois como podemos ver no Publico on line, também na saude os governantes cortam em todo o lado,agora querem cobras os medicamentos aos doentes crónicos da hepatite B,depois de já terem cortado certos medicamentos aos doentes oncológicos com mais de 60 anos,e depois da semana passada na Maternidade Alfredo da Costa andarem a fazer colecta de fundos, e a pedir fraldas a quem está internado.
Enquanto os mentores do 25 de Abril, e os governantes, gordos e anafados celebram o 25 de Abril de cravo na lapela, com discursos de atordoar o povo, e de prestação de vassalagem ao FMI, outros caso de Sócrates que se apressa em cortar fitas, há no entanto cidadãos que já descrentes, se começam a revoltar, e passam das palavras aos actos, e o resultado está à vista.
pub Costa
blog Olhão Livre

Aumenta pressão especulativa sobre a Grécia
FMI arruína Grécia
Colapso iminente
Um ano após o governo grego ter colocado o país nas mãos do FMI e das instituições europeias, a situação financeira não só não melhorou como, pelo contrário, aumentaram os riscos de bancarrota.

Image 7396

Quando pediu «ajuda», o governo social-democrata justificou-se com taxas de juro incomportáveis que na altura atingiam os 10,2 por cento. Porém, na semana passada, dia 21, os empréstimos a dois anos alcançaram a extraordinária taxa de 23 por cento, na sequência da divulgação de um rumor sobre um iminente pedido de renegociação da dívida por parte de Atenas.
No mesmo dia, os «mercados» exigiram 16,7 por cento de juros por montantes a cinco anos e 14,9 por cento por um prazo de dez anos.
Por trás desta pressão especulativa parece ter estado a informação veiculada pelo grupo financeiro norte-americano Citigroup de que o governo helénico estaria a intensificar as conversações sobre a reestruturação da dívida.
Apesar dos desmentidos oficiais, e independentemente de o rumor ter sido motivado por óbvios objectivos de agiotagem, a verdade é que o governo grego dá crescentes sinais de desespero.
Tendo imposto um severo programa de austeridade que reduziu fortemente o poder de compra das massas e mergulhou a economia na maior recessão do pós-guerra, a equipa de Papandreu anunciou recentemente um novo pacote de cortes sociais, visando poupar 26 mil milhões de euros.
Há dias, decidiu apelar ao espírito patriótico dos residentes no estrangeiro para que comprem dívida no valor de dois mil milhões de euros. A operação será montada nos EUA, país onde vivem 61 por cento dos emigrantes gregos.
Seguir-se-á um vasto plano de privatizações, avaliado em 50 mil milhões de euros, que entregará o controlo de empresas públicas estratégicas às multinacionais alemãs e britânicas, já hoje detentoras de parte do capital.
Mas tudo isto parece insignificante quando comparado com as proporções da dívida grega: numa economia que gera anualmente cerca de 170 mil milhões de euros (PIB), o endividamento público e privado somados ultrapassam os 340 mil milhões de euros, tendo aumentado 41 mil milhões só em 2010, como referiu a secretária-geral do KKE, Aleka Papariga, num comício realizado dia 18, em Atenas, defendendo o cancelamento da dívida.
De resto, os próprios especialistas financeiros não duvidam da necessidade da reestruturação da dívida, prevendo a prazo a inevitável bancarrota da Grécia.
Todavia o grande capital europeu está interessado em arrastar a situação. Como também refere o Citigroup, o incumprimento da Grécia colocaria em sérias dificuldades colossos bancários europeus como, por exemplo, o Deutsche Bank, que detém 2430 milhões da dívida grega, ou o francês BNP Paribas, a braços com cinco mil milhões de euros.

Será que todos os associados gostam de Cavaco Silva ?



Os tempos actuais constituem um sério desafio para a credibilidade do projecto d...e uma Europa unida, tal como foi sonhada e concebida pelos seus fundadores, há várias décadas. Se a integração europeia for dominada pelos egoísmos nacionais, o projecto de uma União afasta-se do sonho dos seus fundadores e de grandes europeístas que se lhes seguiram, pois, verdadeiramente, não será de uma autêntica União de que falamos, mas de uma simples conjugação episódica de interesses de cada um dos Estados-membros.Ver mais

um estudo de mercado com coisas divertidas e outras não |



diogo leite campos e a miséria



o conceito de riqueza por um ministeriavel do PSD