AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 10 de abril de 2011

Jacques Dutronc - L'opportuniste (Live).avi



Fernando Nobre cabeça de lista do PSD por Lisboa



a propósito... vai uma musiquinha a calhar !

 

Je suis pour le communisme
Je suis pour le socialisme
Et pour le capitalisme
Parce que je suis opportuniste
Il y en a qui contestent
Qui revendiquent et qui protestent
Moi je ne fais qu'un seul geste
Je retourne ma veste, je retourne ma veste
Toujours du bon côté
Je n'ai pas peur des profiteurs
Ni même des agitateurs
J'fais confiance aux électeurs
Et j'en profite pour faire mon beurre
Il y en a qui contestent
Qui revendiquent et qui protestent
Moi je ne fais qu'un seul geste
Je retourne ma veste, je retourne ma veste
Toujours du bon côté
Je suis de tous les partis
Je suis de toutes les partys
Je suis de toutes les cauteries
Je suis le roi des convertis
Il y en a qui contestent
Qui revendiquent et qui protestent
Moi je ne fais qu'un seul geste
Je retourne ma veste, je retourne ma veste
Toujours du bon côté
Je crie vive la révolution
Je crie vive les institutions
Je crie vive les manifestations
Je crie vive la collaboration
Non jamais je ne conteste
Ni revendique ni ne proteste
Je ne sais faire qu'un seul geste
Celui de retourner ma veste, de retourner ma veste
Toujours du bon côté
Je l'ai tellement retournée
Qu'ell' craqu' de tous côtés
A la prochain' révolution
Je retourn' mon pantalon

VEJA O QUE SE FAZ COM VELHAS RAÍZES ! arte e cavalos !






DIVERTIDO ! trabalhadores ferroviários (parte 1)







Os islandeses rejeitaram em referendo, pela segunda vez, reembolsar o Reino Unido e a Holanda em 3,9 mil milhões de euros


Os islandeses rejeitaram em referendo, pela segunda vez, reembolsar o Reino Unido e a Holanda em 3,9 mil milhões de euros – o dinheiro que estes governos pagaram aos seus cidadãos que investiram na conta Icesave, de um dos bancos islandeses que faliu em 2008, quando o sistema financeiro do país entrou em colapso.
Campanha pelo não, no referendo de 2010 Campanha pelo não, no referendo de 2010 (Bob Strong/REUTERS)
A contagem dos votos ainda não terminou, mas o “não” terá recebido cerca de 58 por cento. “A votação dividiu o país em dois. Foi escolhida a pior opção”, disse a primeira-ministra Johanna Sigurdardottir, na televisão pública, reconhecendo a vitória do “não”.

A governante, diz a Reuters, avisou que é muito provável que se seguia um período de caos económico e político – a agência de “rating” Moody’s já tinha avisado que desceria a nota do país para um nível de “lixo”, de uma entidade com qual não é seguro negociar.

A conta de poupança on-line Icesave foi comercializada agressivamente no Reino Unido e na Holanda pelo banco Lansbanki – que foi o segundo maior da Islândia – prometendo juros acima de seis por cento. Cerca de 400 mil investidores depositaram lá o seu dinheiro e, em 2008, quando os três maiores bancos islandeses faliram, não conseguiram reaver o seu dinheiro.

Os bancos islandeses chegaram a ser 11 vezes maiores do que a economia do país. Por isso, quando rebentou a bolha do crédito, eram literalmente grandes demais para serem resgatados pelo Estado, que só conseguiu garantir os depósitos nacionais. A Islândia foi o primeiro país da Europa ocidental a ter de pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional na actual crise.

Os depósitos de estrangeiros foram reembolsados pelos respectivos governos – 3,9 mil milhões de euros – que agora querem os cobrar a Reiquiavique. O acordo que rejeitado permitia escalonar o pagamento da dívida até 2045, com uma taxa de juro de 3,3 por cento ao Reino Unido e de três por cento no caso da Holanda. Uma parte dessa dívida será paga com a venda dos activos do Landsbanki, mas não se sabe ainda quanto será – embora os partidários do “não” defendam que deveria chegar para o reembolso.

Em Março de 2010, um acordo muito mais desvantajoso para a Islândia tinha já sido rejeitado pelos islandeses em referendo.

Os islandeses rejeitaram em referendo, pela segunda vez, reembolsar o Reino Unido e a Holanda em 3,9 mil milhões de eurosPor isso, muitos islandeses consideram que não têm nada que pagar pelo comportamento irresponsável dos bancos – e há especialistas que dizem que as directivas europeias citadas pela Holanda e pelo Reino Unido para exigir o reembolso do que pagaram aos seus cidadãos não têm grande sustentação.

A caminho do tribunal

“Eu sei que isto provavelmente nos vai prejudicar internacionalmente, mas vale a pena marcar uma posição”, disse à Reuters Thorgerdun Asgeirsdottir, um barman de 28 anos, depois de depositar o seu voto no edifício da câmara municipal de Reiquiavique. “Não tive culpa nenhuma nestas dívidas, não quero que os nossos filhos tenham de pagar por elas. Prefiro que isto seja resolvido em tribunal”, disse Svanhvit Ingibergs, 33 anos, que trabalha numa casa de saúde.

E de facto o tribunal deve ser o próximo passo, mais precisamente o tribunal da Autoridade de Fiscalização da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA), que regula as relações económicas da Islândia com a União Europeia. “Parece claro que chegámos ao fim do caminho das negociações”, disse na televisão o ministro das Finanças, Steingrimur Sigfusson.

Da Holanda veio já a reacção do também ministro das Finanças, Jan Kees de Jager, que também considera ter chegado a altura de os tribunais decidirem. “Estou muito desapontado por ver que o acordo Icesave não passou. Não é bom para a Islândia, nem para a Holanda”, disse o ministro, numa declaração divulgada pela Reuters. “A Islândia continua a ter a obrigação de pagar”, garantiu