AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 1 de abril de 2011

O ALGARVE VAI PRODUZIR CAVIAR !


A ideia desta produção partiu do ucraniano Valery Afilov, que a propôs ao biólogo marinho Paulo Pedro, da Universidade do Algarve. Juntos delinearam as bases do projecto e levaram-no ao concurso de ideias realizado por aquela mesma universidade. Resultado: ganharam e, na semana passada, receberam o Prémio Especial Economia do Mar, neste concurso que teve o apoio da Caixa Geral de Depósitos.

O prémio traduz-se num conjunto de apoios não financeiros "e ajuda a abrir portas ao investimento", diz Paulo Pedro, que vai precisar de 1,5 milhões de euros para os primeiros sete anos de investimento.

A primeira embalagem de caviar português poderá estar na mesa dentro de três a quatro anos, o tempo necessário para que o esturjão que vai ser criado em aquacultura produza as ovas. A equipa irá comprar peixes com um centímetro de comprimento, porque comprar espécimes adultos seria inviável - seriam muito caros e não se adaptariam ao cativeiro.

Temperatura amena ajuda

Paulo Pedro também teve dúvidas quando Valery Afilov, com 12 anos de experiência na produção de caviar em aquacultura, lhe falou deste negócio.

O esturjão, de onde se extrai as ovas (caviar), não vive só em águas frias? "Essa foi a primeira pergunta que fiz, e, afinal, a temperatura óptima para o crescimento do peixe varia entre os 24 e os 26 graus." Em países como a Rússia, acrescenta, o peixe chega a necessitar de 20 anos para atingir o tamanho adulto. A mesma espécie no Algarve pode atingir 50 quilos, ao fim de sete anos.

Convencidos de que as temperaturas amenas da região iriam fazer com que o esturjão crescesse duas ou três vezes mais rápido do que nas águas frias da Rússia, Paulo e Valery abriram o círculo a Jorge Raiado, um produtor de flor de sal de Castro Marim e ligado às lojas dos produtos gourmet. Contam estar a produzir 600 a 700 quilos de caviar por ano, a partir de 2015/2016. O preço de um quilo desta iguaria varia entre 1500 e 5000 euros. Há clientes que chegam a esperar anos pelo produto.

Quem pense que come caviar natural, desengane-se. "O caviar natural é ilegal, o que existe é produzido em aquacultura, porque é uma espécie protegida", frisa o biólogo.

A unidade de produção que vai ser criada no Algarve vai recorrer a quatro espécies diferentes: beluga (Huso huso), russo (Acipenser gueldenstaedtii), siberiano (Acipenser baerii) e starlet (Acipenser ruthenus), dado terem o crescimento mais rápido e a maturação poder suceder dependendo da espécie entre o 3.º e o 7.º ano.

"Temos interesse, numa segunda fase, em produzir também esturjão atlântico (Acipenser sturio) e poder contribuir para o repovoamento desta espécie", que se extinguiu em Portugal (ver caixa), salienta Paulo Pedro. "Há relatos de captura de esturjão no rio Guadiana até à década de 1970." Porém, a pesca não tinha por objectivo o caviar, mas a carne do peixe.

Esta produção em aquacultura realiza-se em circuito fechado, em tanques de água doce, dentro de armazéns. O projecto, diz Paulo Pedro foi concebido a pensar "essencialmente na exportação", mas os "bons restaurantes da região não irão perder a oportunidade de ter o caviar português".

Piscar o olho a Tavira

A localização para a exploração ainda não está definida, podendo surgir em qualquer parte, dependendo das melhores condições que forem oferecidas.

A zona de Tavira é a que, à partida, surge como a mais provável, já que os promotores pretendem utilizar a água, nas mesmas condições que os agricultores, a preços mais baixos, através da Associação de Regantes. No que diz respeito aos potenciais investidores no projecto, diz o biólogo, "tem havido muitas manifestações de interesse". "Mas reconheço que produzir douradas é mais fácil."

Licenciamento será a parte mais difícil

O que mais preocupa os promotores "é a fase do licenciamento". "Na importação dos juvenis, por se tratar de uma espécie exótica, é previsível que surjam problemas." Os aquacultores portugueses, diz Paulo Pedro, "estão habituados ao paradigma da cultura da dourada e do robalo, vão pouco além disso". Por isso, reconhece que a criação de esturjão possa surgir como novidade, mas não é inédito. "Faz-se em vários países da Europa. O mais próximo é Espanha, mas a Arábia Saudita também já entrou em força no mercado, e a China está a começar". Os tanques de produção terão uma área de 1200 metros quadrados, com uma profundidade de um metro. O peixe, apesar de atingir 40 a 50 quilos, não se movimento muito. Engorda como se fosse uma vaca à manjedoura - 1,6 quilos de ração equivale ao aumento de um quilo de peso.

 Por Idálio Revez

carnaval numa velha, desertificada e envelhecida vila do Norte Alentejano faz-se espontânemente, pelas pesoas que voluntáriamente se juntam para o celebrar.

Carnaval em Alpalhão








blog em gestão corrente...como o país

Hoje é dia de aniversário da morte de Mário Viegas


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
António Mário Lopes Pereira Viegas (Santarém, 10 de Novembro de 1948Lisboa, 1 de Abril de 1996) foi um actor, encenador e declamador português.
Reconhecido como um dos melhores actores da sua geração, despertou para o teatro ainda aluno da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Daí passou para a Escola de Teatro do Conservatório Nacional, tendo a sua estréia profissional no Teatro Experimental de Cascais.
Foi fundador de três companhias teatrais (a última das quais a Companhia Teatral do Chiado) e actuou em Moçambique, Macau, Brasil, Países Baixos e Espanha. Notabilizou-se como encenador, tendo dirigido obras de autores clássicos como Samuel Beckett, Eduardo De Filippo, Anton Tchekov, August Strindberg, Luigi Pirandello ou Peter Shaffer. Pela sua actividade foi distinguido, diversas vezes, pela Casa da Imprensa, pela Associação Portuguesa de Críticos de Teatro e pela Secretaria de Estado da Cultura, que lhe atribuiu o Prémio Garrett (1987). No estrangeiro foi premiado no Festival de Teatro de Sitges (1979), com a peça D. João VI de Hélder Costa, e no Festival Europeu de Cinema Humorístico da Corunha (1978), com filme O Rei das Berlengas de Artur Semedo. O seu último êxito teatral foi a peça Europa Não! Portugal Nunca (1995).
No cinema participou em mais de quinze películas, entre elas O Rei das Berlengas de Artur Semedo (1978), Azul, Azul de José de Sá Caetano (1986), Repórter X de José Nascimento (1987), A Divina Comédia de Manoel de Oliveira (1991), Rosa Negra de Margarida Gil (1992), Sostiene Pereira de Roberto Faenza (1996), onde contracenou com Marcello Mastroianni. Teve uma colaboração regular com José Fonseca e CostaKilas, o Mau da Fita (1981), Sem Sombra de Pecado (1983), A Mulher do Próximo (1988) e Os Cornos de Cronos (1991).
Deu-se a conhecer pelos seus recitais de poesia, gravando uma discografia de catorze títulos, com poemas de Fernando Pessoa, Luís de Camões, Cesário Verde, Camilo Pessanha, Jorge de Sena, Ruy Belo, Eugénio de Andrade, Bertolt Brecht, Pablo Neruda, entre outros. Divulgou nomes como Pedro Oom ou Mário-Henrique Leiria. Na televisão contribuiu igualmente para a divulgação da poesia portuguesa, particularmente com duas séries dos programas Palavras Ditas (1984) e Palavras Vivas (1991). Foi colunista do Diário Económico, onde escreveu sobre teatro e humor. Publicou uma autobiografia, intitulada Auto-Photo Biografia (1995).
Em 1995 candidatou-se a deputado, como independente nas listas da União Democrática Popular, e à Presidência da República Portuguesa (também apoiado pela UDP), adoptando o slogan O sonho ao poder, e buscando apoio no meio universitário lisboeta.
Recebeu a Medalha de Mérito do Município de Santarém (1993) e o título de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique (1994), das mãos de Mário Soares. Em 2001 o Museu Nacional do Teatro dedicou-lhe a exposição Um Rapaz Chamado Mário Viegas.