AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 5 de março de 2011

Comentário de um cidadão sobre o protesto da Geração á rasca.

  • 01 Março 2011



  • Hoje, também é Portugal Só é pena, todos estes que agora levantam todo o seu grito, “pecarem” por falta de muita coisa, como não estarem devidamente preparados e bem elucidados mas, para além desse “pecado” ou qualquer tipo de falta: Têm toda a razão. Assiste-se a toda a hora, todos os dias, a algo de muito vergonhoso: Impunidade quase total dos maiores responsáveis por todo este descalabro em que o seu “talento” nos deixou, sendo, para cúmulo dos cúmulos, premiados com novas “responsabilidades” bem mais “prometedoras”. Querem provas? Não as vêm? Se estamos tão mal, quem aceitou “conduzir” e quem foi que, depois, os impediu? Segundo os entendidos, ainda há dias afirmado, temos as melhores leis; temos os melhores crânios; melhores ideias, desaproveitadas; melhores inventores, idem, idem; melhor povo; melhor história; melhor vinho; melhor treinador e jogador de futebol; melhor azeite; melhor produção de cortiça; melhor fado; melhor clima e melhores burros a governarem-nos, não a eles. Eu, apenas precisando de saber ler e contar, singrei na vida profissional, ganhando dinheiro só porque, felizmente, tinha onde aplicar a minha capacidade e vontade. Isso foi há 42 anos! Ainda no tempo, embora final, do que restava da ditadura de Salazar. Hoje, com tanta tecnologia; tanta capacidade técnica; tanta linha de montagem; tanta liberdade, mal aproveitada; tanta comunicação; tanta evolução; tanta igualdade… só pode ser por que alguém não quer, é ganancioso demais ou porque é burro até dizer chega! Ou porque é tudo junto? A Democracia não tem culpa nenhuma. Isso apenas pertence a quem se serve dela e procede mal: Os corruptos, incompetentes, irresponsáveis e gananciosos. Duvidam? As provas estão aí todos os dias à vista. Basta verem as regalias; contrapartidas, chorudas; acumuladas e abusivas reformas; as nomeações directivas e principescas; os desfalques; as fugas; o fazer desaparecer fortunas roubadas… (Desaparecem?!... Não sabia que o dinheiro desaparecia, excepto nas nossas carteiras…:). E porquê, portugueses de luxuosa primeira e uma maioria de vergonhosa segunda classe? Até quando teremos de aceitar tudo isso? E porquê? Aparte muitos erros de condução e preparação de toda esta juventude, onde temos nós o futuro para eles? Se até o nosso está comprometido?! Se bem que a culpa seja colectiva, afinal, votamos, bem ou mal, onde estão os Senhores Protagonistas? Os tais muito bons… Sim, porque, para o que ganham, têm de ser e muito! Onde estão os resultados? Julguemo-los e saibamos exigir-lhes o que nos devem! Tudo de muito melhor! Aceitaram serem escolhidos; nomeados; reeleitos… Mostrem um valor decente e sejam corajosos! É isso que nos devem há muito! Gabriel Rito

    ZECA SEMPRE O que faz falta teledisco



    O QUE FAZ FALTA É ACORDAR A MALTA !
    QUANDO O PÃO QUE TU COMES TE SABE A MERDA O QUE FAZ FALTA ?
    O QUE FAZ FALTA É AGITAR A MALTA !

    Maquilhagem de carnaval.

    Televisão Portuguesa - Quando lhes cheira a....

    • Correia da Fonseca

    Televisão portuguesa

    Domingo, a tarde acabou há já algum tempo, regressam a suas casas os ainda muitos que puderam sair para melhor saborearem um dia com sabor a Primavera depois de semanas invernosas. Entram, desfazem-se de abafos se os houver, acorrem a ligar o televisor porque, além do mais, a TV «sempre é uma companhia», como no tempo próprio Manuel da Fonseca lembrou em relação à Rádio num conto inesquecível. Ligam, pois, o televisor, sintonizam talvez a TVI, talvez a SIC, talvez a RTP1, ao encontro da primeira notícia da noite. E, qualquer que tenha sido a estação que escolheram, a escolha terá sido indiferente porque a primeira notícia em qualquer das três estações será a mesma: o chamado Caso Rui Pedro. Escusado seria lembrá-lo, mas o Rui Pedro é um garoto que desapareceu há treze anos, talvez raptado, talvez induzido a uma fuga que terá resultado da pior maneira, não se sabe. Não se soube na altura e continua a não se saber, tal como continua a desconhecer-se qual a exacta intervenção no caso de um outro jovem, embora não tão jovem quanto o Rui Pedro, já encarado como o responsável pelo ocorrido, isto é, como suspeito, e que continua agora, treze anos mais tarde, a permanecer na mesma condição de suspeito, ainda que de um modo mais formalizado. Quer isto dizer que, de facto, não há agora, treze anos depois do sucedido, nenhum avanço concreto acerca do que aconteceu ao Rui Pedro, de como lhe aconteceu, das causas e consequências provavelmente trágicas do desaparecimento. Nada de substancial, enfim. Não obstante, o Caso Rui Pedro abriu no domingo os noticiários principais da RTP1, da SIC e da TVI. Porque terá sido? Há motivações possíveis, plausíveis e prováveis. Porque o caso cheira a crime, porque é sem dúvida um drama terrível para a família do Rui Pedro desde há treze anos, porque até anda por lá um odor a sexo na medida em que o Rui terá sido levado a uma prostituta antes de desaparecer. E a televisão portuguesa é assim: gosta de fornecer aos cidadãos telespectadores assuntos que tenham crime, drama, sexo. Estes são três ingredientes básicos entre os que usa para fabricar a dieta televisiva com que, tanto quanto lhe é possível, alimenta a curiosidade do seu público, orienta as suas apetências, procura fixar ou ampliar as audiências que indirectamente lhe permitem embolsar dinheiros por via publicitária.

    Talvez não

    Temos, pois, que os três canais que consubstanciam o que é, de longe, o mais importante da televisão portuguesa em termos de impacto, abriram os seus noticiários principais, no passado domingo, abordando o mesmo assunto, e nele qualquer das três se demorou durante largo tempo. Dele não tinham nada de verdadeiramente relevante para comunicar ao País, infelizmente, excepto talvez a impotência das investigações para esclarecer o caso. Por outro lado, nem a criatura mais intelectualmente mais míope e menos informada pode acreditar que naquele dia não teria havido no País e no mundo nada de mais importante. Porém, a convergência talvez aparentemente espantosa, talvez não, das escolhas de cada uma das três estações teve uma virtude, ainda que involuntária: confirmou aos que olham a televisão portuguesa com olhos de ver e a ouvem com orelhas de ouvir, isto é, aos que a acompanham com cabeça de entender, que a televisão portuguesa enquanto constituída por aquelas três operadoras distintas mas um só perfil verdadeiro tem uma comum escala de prioridades que desemboca num presumível objectivo comum: resguardar os cidadãos do que é importante, não vá ele dar-se ao incómodo de pensar; mantê-lo fascinado pelo que é complementar ou secundário mas lhe é servido em molho que o torne apetitoso. Contudo, não seria talvez este o destino natural, digamos assim, do instrumento que a TV é ou pode ser. Não terá sido para este trabalho subalterno e um pouco reles de anestesia que a TV foi inventada ou que em tempos os cidadãos a sonharam. Por vezes, na tentativa de justificar o caminho escolhido, os que de longe ou de mais perto mandam na televisão que consumimos usam o argumento de que a TV não é uma benemerência, mas sim um negócio. Ainda assim, porém, não serão convincentes perante quem lhes examine o argumento. Ou sê-lo-ão num sentido diverso do pretendido. Porque parecem sustentar-se no entendimento de que um negócio tem de ser por força porco, feio e mau, que é impensável haver negócios em que a matéria-prima seja limpa e útil. E, em verdade, talvez não seja bem assim.

    A NAZARÉ QUE EU AMO

    EMBARCAÇÕES DE PORTUGAL - NAZARÉ

    O BARCO DE FIBRA JÁ MODERNO

    ~7
    É filha de pescadores
    Da vila da Nazaré
    Assim como o seu amor
    O pescador Zé Mané.

    Quando ele não vai ao mar
    Eles vão dançar o vira.
    Numa festa popular
    E não há festa mais gira.

    Ele leva o seu barrete
    E ela as sete saias.
    Isto tem o seu sainete
    Quando acaba na praia.

    Os dois de pé descalço
    Caminhando na areia
    É caminho com percalço
    Em noites de Lua Cheia.

    Quando ele vai para a pesca
    Ela fica na praia a rezar
    Para que ele volte a festa
    E irem os dois dançar.

    E quando o seu batel
    Regressa do alto mar
    Ela corre veloz para ele
    Para o poder abraçar.

    Ela é da Nazaré
    E usa sete saias
    Para dançar com o Zé
    Sabem como é
    Ai Jesus, catraias...!
    E esse malandrão
    As saias quis contar,
    Ela disse-lhe então
    Tira daí a mão
    Não me vás tramar.

    A. da fonseca




    PEIXE DA ARTE XÁVEGA NA LOTA AO AR LIVRE - NAZARÉ