NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

By Some Miracle

AS TRAINEIRAS - Embarcações de Portugal.


Traineira do Algarve
FOTO:MIGUEL SESIMBRA

Traineira com aparelhagem mecãnica (oleador) para içar as redes.
    Descarga de peixe numa traineira. (foto:Miguel Sesimbra)

Traineiras são embarcações a motor que sucederam aos galeões e, por isso, também usadas na arte do cerco para a pesca da sardinha, cavala e carapau. Com cerca de 15 a 20 m  de comprimento e  6m de boca, são barcos de convés corrido, popa de painel arredondado e leme por dentro. Possuem 2 mastros e cabina para o mestre. As traineiras têm a popa (parte trazeira) recta, para melhor trabalho com as redes.  Existem em todo o território nacional

Pescador da barca bela,
Onde vais pescar com ela.
Que é tão bela,
Oh pescador?

Não vês que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Oh pescador!

Deita o lanço com cautela,
Que a sereia canta bela...
Mas cautela,
Oh pescador!

Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela,
Só de vê-la,
Oh pescador.

Pescador da barca bela,
Inda é tempo, foge dela
Foge dela
Oh pescador!

Almeida Garret

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Pensava-se assim no tempo do monarca absolutista Luis XIV 1643/1715

Diálogo entre Colbert e Mazarino durante o reinado de Luís XIV:


Colbert: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar [o contribuinte] já não é possível.Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até ao pescoço...

 Mazarino: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão. Mas o Estado... o Estado, esse, é diferente!!!  Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se... Todos os Estados o fazem!
 Colbert: Ah sim? O Senhor acha isso mesmo ? Contudo, precisamos de dinheiro. E como é que havemos de o obter se já criámos todos os impostos imagináveis?
 Mazarino: Criam-se outros.
 Colbert: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.
Mazarino: Sim, é impossível.
 Colbert: E então os ricos?
 Mazarino: Os ricos também não. Eles não gastariam mais. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.
 Colbert: Então como havemos de fazer?
 Mazarino: Colbert! Tu não alcanças suficientemente ao longe! Há uma
quantidade enorme de gente entre os ricos e os pobres:  os que
trabalham, sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a
esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais!

Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para
compensarem o que lhes tirámos. É um reservatório inesgotável

DCI BLAST! - Bolero de Ravel



O bolero de Ravel esteve no esquecimento do mundo durante muitos anos. Hoje é uma das músicas mais famosas do planeta que tem abraçado várias gerações e servido de banda sonora a filmes famosos.
Há quem considere este bolero um hino á sensualidade e ao erotismo !

Guernica 3D



Espectacular vídeo da famosa pintura de Picasso em 3 D
Guernica cidade mártir dos bombardeamentos fascistas na guerra civil.

Embarcações de portugal. A partir de hoje no Desenvolturas e Desacatos.

Galeões do sal - embarcações do rio Sado.
foto. Quim O Trovador

Sendo o galeão uma embarcação andeja e bolineira, de linhas finas, com boas entradas e saídas de água, compreende- se a cobiça de alguns estrangeiros para a sua transformação em embarcações de recreio, dando-lhe assim uma nova utilização.
Hoje, a maioria dos galeões encontra -se em águas nacionais em boas mãos, que de forma decidida, se entregam à conservação deste nosso valioso património náutico. Esse exemplo tem sido dado por algumas autarquias, principalmente as do Sado e também a Cmara Municipal de Cascais, actual proprietária do “Estou Para Ver”.

Na história de Portugal
ainda há muito para contar
hoje os galeões do sal
dos nossos rios, do nosso mar !

António Garrochinho.
26 Fevereiro 2011

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Queixa das almas jovens censuradas



dão-nos a honra de manequim para dar corda á nossa ausência !
penteiam-nos os crãnios ermos...

Human Planet - Web exclusive series trailer - BBC One



TRÊS MINUTOS DE PRAZER Á VOLTA DO MUNDO - EXCELENTE´CLIP DA BBC.

Construção na Ria Formosa

do blog Olhão Livre.

















à venda por 1,500,000Euros
Unique water front property

Luz de Tavira

This fantastic property is located in a one-of-a-kind location, surrounded by the Ria Formosa and the salinas at the end of Fuzeta channel. The projected new marina and the village is 200 metres away by boat. The villa has 2 rooftop gardens of (90 m2 + 40 m2) plus the private deck (approx. 80 m2) and it´s own dock. The house has 4 bedrooms and 4 bathrooms and designed with a northern guest wing/office. It has been built with all the mill installations preserved under the new building to maintain its historical value and significance.
Still under construction, this property offers the opportunity to customize the interior at one´s taste. The property can be accessed by boat or by car.



Post retirado do Blog Defesa de Faro
Fui ao tradutor do gogle e deu isso:
"Esta fantástica propriedade está localizada em um um-de-uma espécie de localização, rodeada pela Ria Formosa e as salinas no final do canal Fuzeta. A nova marina projetada e a vila está a 200 metros de distância de barco. A moradia tem dois jardins suspensos de (90 m2 + 40 m2) mais o deck privado (aprox. 80 m2) e é própria doca. A casa tem 4 quartos e 4 banheiros e projetado com uma ala de hóspedes do Norte / escritório. Ele foi construído com todas as instalações de fábrica de conservas sob o novo edifício para manter seu valor histórico e importância.
Ainda em construção, esta propriedade oferece a oportunidade de personalizar o interior de um é gosto. A propriedade pode ser acessada por barco ou de carro.
"

Nota do Olhão Livre,já não somos só nós a denunciar as ilegalidades que se fazem na Ria Formosa. Será caso para dizer que o crime compensa, a CMO autorizou essa consrtução a troco de quê??????
É que o Alemão agora quer só 1 500 000 euros

CONTINUA A PUBLICAÇÃO DAS FIGURAS DE MAIOS E MAIAS ALGARVIOS NA ZONA DE ESTOI.

Carnaval - Santa Bárbara de Nexe


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

PARA QUÊ !

Para quê conquistar mercados para os produtos

que os operários fabricam?

Os operários

ficariam com eles de bom grado.
(Bertold Brecht in “Cartilha de Guerra alemã”)

Este micro-poema de Brecht, surripiado ao “Cravo de Abril”, seria mais do que suficiente para definir todo um programa de economia política... e explicar melhor do que eu, os pontos de vista que defendia numa recente conversa de café. Mesmo assim, pelo prazer da coisa, lá fui dizendo de minha justiça...

Depois de chamar a atenção do meu parceiro de conversa para o facto, cada vez mais evidente, de esta grande “vitória orçamental” de Sócrates assentar numa confusa aldrabice, em que números sobem e descem ao sabor das interpretações, sendo que aquilo que é certo, é a triste verdade de, a existir a tal queda do défice, isso ser conseguido unicamente à custa do sofrimento de velhos, doentes, crianças sem abono de família, desemprego, aumentos de impostos e, claro, o roubo dos salários (o que eles detestam ouvir isto!)... esse amigo, questionando a minha afirmação de que os salários baixos são maus para aqueles que os ganham, mas igualmente nocivos para a economia nacional, ao passo que os salários milionários de alguns, se são doces para esses, são perfeitamente inúteis para essa mesma economia nacional, mais por “provocação” para forçar resposta, do que por convicção, atirou-me:

- Mas não achas que se os ricos tiverem muito dinheiro isso também é bom para o comércio e para o Fisco...

- Não! Quanto ao Fisco, basta ler as notícias sobre os impostos pagos pela banca e sobre os milhões que correm em negócios feitos em “offshores”, para estarmos conversados. Sobre o dinheiro que injetariam na economia nacional, isso não passa de uma ilusão. Um trabalhador que ganhe o ordenado mínimo, um jovem licenciado da geração dos 500 euros, ou mesmo trabalhadores que ganhem mil euros por mês, “aplicam” esse dinheiro na sua totalidade, em comida, em medicamentos, em material didático para os filhos, em pagamento de transportes para ir para o trabalho... e estes são milhões. Já aos milhares de ricos, ou às centenas de muito ricos, depois de satisfazerem as suas necessidades básicas, ainda que mais caras, sobram-lhes milhares de milhões de euros inúteis.

Enquanto os primeiros alimentam a cadeia de pequeno comércio local e a produção nacional (a pouca que resta) com a totalidade do seu dinheiro, os segundos, depois de saciados, se tiverem alguma espécie de compulsão por gastar dinheiro por vício ou exibicionismo, acabam a alimentar a economia alemã, comprando os seus extraordinários carros, a economia suíça, com a tara dos relógios de muitos milhares de euros, a economia francesa, com o luxo milionário dos seus perfumes personalizados, investem milhões em “produtos financeiros” não produtivos... ou seja, tal como o seu dinheiro, são uns inúteis.

Depois de me ter arrancado aquilo que, afinal, queria ouvir, o meu parceiro de café perguntou-me, sorrindo, se nestas conversas e “lá no Cantigueiro”... eu não me sentia, de vez em quando, a atirar pérolas a porcos.

- Não! Primeiro, porque a maior parte dos meus leitores é gente amiga; segundo, porque mesmo pensando em todos os outros... vale sempre a pena dizer aquilo em que se acredita.
Não. Sinto que estou a atirar pérolas a porcos, sim, quando pago os impostos... e isso, por ver tantas vezes que essas “pérolas” que atiro, mesmo poucas, em vez de serem usadas para o que deviam, passam por mim na rua, depois, transformadas em grandes carrões; agridem-me, transformadas em ostensivas mansões... isto quando “eles” não têm mesmo o desplante de se passearem com elas enroladas ao pescoço.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

continua a publicação dos Maios com imagens centradas na zona de Estoi.


 ESTA GENTE OSSONOBENSE
 AO POVO ALGARVIO PERTENCE
 E MANTÉM A TRADIÇÃO
 CONTRÓI MAIOS ENCANTADORES
 E PRESERVA OS VALORES
 DA ANTIGA GERAÇÃO


 António Garrochinho







sábado, 19 de fevereiro de 2011

UMA EXCELENTE MANOBRA DE MARKETING !

Anouk - Lost [Live @ Gelredome 2008]



UMA VOZ MARAVILHOSA QUE RELAXA QUE ACALMA !

Mais duas imagens de Maios algarvios ( zona de ESTOI )



MAIOS E MAIAS EM ESTOI - visite explicação desta tradição aqui neste blogue.

Geração rasca - movimento apartidário, laico e pacífico !

 O movimento de protesto, definido como "apartidário, laico e pacífico", reivindica o direito ao emprego, o fim da precariedade, a melhoria das condições de trabalho e o reconhecimento das qualificações.

Dados recentes do INE ajudam a perceber a elevada adesão que a iniciativa está a ter: no último trimestre de 2010, a taxa de desemprego entre jovens dos 25 aos 34 anos era de 13,4 por cento. Mais de 77 mil portugueses trabalhavam com "recibos verdes".

Às 15h00 do dia 12 de Março, esta geração de desempregados, trabalhadores subcontratados e estagiários reúne-se na Avenida da Liberdade, em Lisboa e na Praça da Batalha, no Porto, para mostrar aos dirigentes políticos e aos empregadores que está "à rasca".

Estão igualmente marcadas manifestações, no mesmo dia e à mesma hora, para o Rossio de Viseu e para Ponta Delgada.

Chardonneret X Canari "Mixto Fictif"



o canto do pintasilgo !

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

MAIOS NO ALGARVE

DO BARLAVENTO AO SOTAVENTO
OS MAIOS E A  TRADIÇÃO
O BURRO E SEU INSTRUMENTO
SÃO MOTIVOS DE EXPOSIÇÃO

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Tradição Algarvia - Os Maios e as Maias

Quando eu era pequena
Já ouvia o meu avô dizer
Que era um par de namorados
Que se tinham encontrado nessa manhã muito cedo
Ela à fonte foi à água,
Ele ao campo ia lavrar,
Ele ficou de arado às costas,
Ela com a bilha a pingar
De amor estavam atacados
Como diz a tradição
Nem sentiram o dia passar
Com tanto amor no coração
Olham um para o outro e dizem com muita ternura:
Ó dia de Maio, de Maio ventura
Ainda agora era de manhã
E já é noite escura




Maia algarvia

Em Estoi e um pouco por todo o Algarve os Maios são uma tradição a manter.

A partir de hoje vou publicar no blogue uma imagem diária da tradição dos Maios que no Algarve tem resistido ao desaparecimento de usos e costumes do povo algarvio. Para introdução publico um texto da autoria de José Farias que tenta explicar o motivo e razão de tais costumes culturais. As fotos recolhidas têm as mais diversas fontes, jornais, cedidas por amigos, e na internet.
.....
Os “Maios” ou “As Maias” são uma tradição já quase esquecida no Algarve, mas que nalguns pontos do país continua a ser festivamente comemorada como um símbolo da vitória da Primavera, o despertar da vida sobre o frio e áspero Inverno.

No dia 1 de Maio, nas ruas do Montenegro e na localidade de Bias, em plena EN125, enchem-se de Maios e Maias confeccionados com mestria, bonecos na sua maioria feitos à mão ainda por pessoas idosas, do tempo em que as Festas das Maias eram mais movimentadas e criticas, o que está a voltar a acontecer com muito entusiasmo.

Cada um dos bonecos representa as vivências da região.

Na região algarvia a Maia era personificada por uma boneca feita de palha de centeio, farelos e trapos, vestida com traje branco, cercada de flores.

Quando a noite caía, dançava-se em seu redor e ouvia-se, na voz das moças, o canto:
"O meu Maio moço/ Ele lá vem/ Vestido de verde/ Que parece bem”.
"O meu Maio moço/ Chama-se João/ Faz-me guarda à casa/ Como um capitão.”
Muitos destes escritos voltaram a surgir, agora, nos muitos bonecos de ambos os sexos artisticamente trabalhados à mão, com palha, centeio e panos.

A maioria deles ostenta ditos humorísticos cheios de criticas fortes à sociedade e às próprias pessoas que prometeram, mas que nunca cumpriram as suas promessas de um arruamento melhorado, de uma estrada alcatroada ou de um outro qualquer pedido que nunca chegou a ser satisfeito. As críticas vão quase sempre para as pessoas influentes da terra que poderiam fazer um pouco mais por ela.


Colocados ao longo da estrada e das ruas, estes simpáticos Maios e Maias, garbosamente vestidos e apetrechados, ou cumprindo mesmo as velhas tradições do vestir antigo, são o gáudio para muita gente que vê ou relê nos seus escritos velhas aspirações das gentes da região, ao mesmo tempo que estes bonecos relembram os velhos e remotos tempos em que as Festas das Maias eram celebradas na Florálias, festa romana em honra de Flora.

Antigamente havia no Algarve o velho uso e costume de as pessoas irem para o campo, ao alvorecer do 1º de Maio, para celebrar a chegada da Primavera. As moças enfeitavam-se, então, e por toda a parte se erguiam Maias, que são as giestas em flor.

Ano após ano, no mês de Maio, por todo o lado, as giestas em flor povoavam a terra verde e adornavam as janelas, as portas, o gado, as crianças e os jovens. Esta é outra tradição quase no esquecimento no Algarve, mas que está agora a renascer, de ano para ano, com a reunião de familiares e amigos e a romaria para os campos onde já é costume não faltar a carne para assar na brasa, o vinho e os saborosos caracóis cozidos com o aroma dos orégãos.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Tú, Gitana - Luar na Lubre/Rosa Cedrón

Tu Gitana de Zeca Afonso

 

Tu gitana que adevinhas
me lo digas pues no lo se
si saldré desta aventura
o si nela moriré.
O si nela perco la vida
o si nela triunfare,
Tu gitana que adevinhas
me lo digas pues no lo se.
Versão dos Luar na lubre

Atenção ! isto salva vidas aos ciclistas !



ISTO SALVA VIDAS AOS CICLISTAS !

Pensaaa! Se queres continuar na tua miséria de vida não leias este texto.

SE QUERES CONTINUAR NA TUA MISERIA DE VIDA NÃO LEIAS ESTE TEXTO

por Paulo Lopes a Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011
 O problema desta sociedade é que tu que estas a ler não queres pensar, és ignorante, preguiçoso agarras-te a uma falsa noção de riqueza e és o (a) maior pq tens um iphone, um carro com 100 cavalos, uma casa com lareira vestes levis, mas não passas de um ignorante um(a) burro(a) que aceita o que te dizem sem te questionares,  es enganado(a) e se te sentes inseguro(a) pedes a Deus que te ajude. Ele alguma vez te ajudou? acreditas em tudo e passas a vida a viver de uma imagem que muitas vezes nao podes ostentar, compras a credito trabalhas para pagar ao banco no entanto não vives, gostas de ser sugado(a) pelos bancos, pelo Socrates pq é atraente no entanto estas cada vez mais pobre, mais inseguro(a) vestes levis mas n conheces o sabor de Lagosta. desperdiças a tua vida a trabalhar para dar dinheiro a quem já o tem. e no fim não te revoltas és o maior da tua rua mas não te revoltas, calas-te e se eles te acenam com um chouriço dispoes-te a dar lhes 20 porcos. tens um cerebro que so serve para te entreteres com uma ilusão vês a casa dos segredos vês as novelas. e choras qd a floribela casa com a arvore. no entanto ignoras o teu semelhante que esta no desemprego a criança que morre por falta de acesso a vacina da tuberculose. Es um ser humano porra reage, reflecte. INFORMA-TE EM FONTES FIGDINAS SÊ INTELIGENTE PENSAAA !
A Federação Espanhola confirmou a absolvição no caso do clembuterol e o espanhol inicia hoje, na 37.ª Volta ao Algarve, o seu regresso à competição.
Visto de fora, o Estádio do Algarve é o espelho da tranquilidade habitual dos dias que antecedem o arranque de todas as provas: sem ciclistas à vista, vislumbram-se apenas alguns directores desportivos, alguns carros das melhores equipas do mundo (a novíssima Leopard Trek é a primeira a merecer atenção), alguns dos componentes da caravana que, de hoje até domingo, estará nas estradas algarvias.

Mas as aparências iludem e basta mergulhar no interior do edifício para percebermos que o que há aqui dentro é tudo menos serenidade. Ninguém se consegue abstrair da notícia pendente, as conversas vão dar invariavelmente ao mesmo lado (Contador, claro está), os pedidos de acreditação da imprensa global não param de cair, as reservas de passaporte para o Sul de Portugal sucedem-se, a Volta ao Algarve está em suspenso. O suspense arrasta-se durante tempo de mais, mas acalma quando os meios de comunicação mundial certificam a absolvição já anunciada. Sentimos que a confirmação da presença do espanhol na Volta ao Algarve passa a ser um anúncio iminente e nem temos de esperar muito até que o rumor se torna real: a primeira prova de Alberto Contador depois do calvário provocado pelo positivo por clembuterol é a "Algarvia".

Respira-se de alívio. O regresso do tricampeão do Tour, o homem que é o rosto do ciclismo mundial e o melhor ciclista da actualidade, começa hoje, numa das suas competições favoritas, aquela que nos últimos três anos foi eleita por "El Pistolero" para preparar a época e o assalto ao Tour, aquela de que é vencedor em título há duas edições.

Balão de oxigénio para a modalidade fortemente abalada pelo presumível recurso ao doping, balão de oxigénio para a Volta ao Algarve que, apesar do pelotão consideravelmente mais forte do que em 2010 (ver caixa), não tinha um nome realmente sonante. "Nós já tínhamos um lote importante de ciclistas, só que o Contador, vindo da situação em que esteve e depois deste interregno, vai fazer com que os olhos de todo o mundo estejam aqui", disse ao PÚBLICO Rogério Teixeira.

E o director da prova nacional com maior projecção internacional nem está particularmente preocupado com o estado de forma do madrileno - "Acredito que estará em condições de discutir a geral, porque esteve na concentração da equipa e preparou-se" - e, a acreditar nas palavras do agora inocente espanhol, nem precisa de estar. Contador é, nas suas próprias palavras no site da Saxo Bank, um homem de esperança renovada e um ciclista desejoso de voltar à estrada: "Estou aliviado e muito feliz. Foram meses desgastantes para mim, mas durante o desenvolvimento do caso estive sempre disponível para todas as questões relacionadas com a investigação. Disse sempre a verdade".

"Alberto Contador volta a ser ciclista. Ou, pelo menos, volta a sê-lo de maneira oficial", podia ler-se nas páginas do El País. E como Contador volta a nascer para o ciclismo exactamente na Volta portuguesa, também a "Algarvia" volta a ser a "Algarvia" a que acostumou o pelotão internacional.

Com o espanhol no grupo, mantém-se tudo igual: o orçamento reduzido capaz de fazer milagres (entre 350 mil a 400 mil euros "chegam" para trazer os tubarões do sprint, como Greipel, Farrar ou Bozic, os clássicos, como Andreas Klodën, Michael Rogers ou David Millar, além dos nomes sonantes do topo), o alto do Malhão como ponto definidor da geral, as idas e voltas pelo Algarve (este ano, repetem-se locais de partida e chegada, como reflexo da crise), a questão de honra das equipas portuguesas e dos portugueses. Dificilmente um corredor com o cunho nacional estará no lugar mais alto do pódio em Portimão, mas nunca se sabe o que pode fazer Tiago Machado ou que segredos bem escondidos terão as quatro (escassas) representantes portuguesas.
 

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Documentário: "Forest in a Bottle" on Vimeo

Documentário: "Forest in a Bottle" on Vimeo MONTADO ALENTEJANO - CORTIÇA E VIDA -SELVAGEM -calque no link AMARELO do vídeo VIMEO

Mais um "bispo" para muitos peões.*

Se há coisa que me tira do sério é ver trabalhadores, assalariados, explorados, juntarem-se aos milhares em grandes auditórios e pavilhões, para escutar discursos dos patrões... e aplaudi-los como se estes fossem estrelas do espetáculo. É uma imagem patética: “vamos aumentar os lucros em “n” milhões” (aplausos) “vamos abrir mais um call-center a pagar 500 euros a licenciados” (mais aplausos) “comprei um quadro para o meu gabinete, por um milhão de euros” (ainda mais aplausos) “montei um apartamento no Parque das Nações à minha amante” (aplausos frenéticos).
Deve haver uma qualquer mensagem subliminar nos discursos dos patrões, que nós não conseguimos descodificar, mas que os faz aplaudir tudo. Mesmo que as frases do patrão já viessem “traduzidas”, tipo: “O nosso gabinete de Planeamento Fiscal conseguiu desviar para um offshore, 50 milhões de euros que teríamos que pagar de impostos, impostos esses que iriam servir para para financiar os serviços de segurança pública, transportes, estudos dos vossos filhos, cuidados de saúde para vós e para os vossos pais e avós... mais as suas pensões, etc.,”... mesmo assim, o aplauso seria frenético. Tudo pela empresa! Nada contra a empresa!
Ainda há poucos anos, estas manifestações de seitas seguidoras da “Teologia de Mercado”, estavam confinadas aos EUA... mas, desgraçadamente, já vão tendo congregações espalhadas por todo o mundo.
E assim chegamos à reunião de alguns milhares de “fieis” do Millennium BCP, que teve lugar no Pavilhão Atlântico. Aí, perante os entusiásticos aplausos dos “colaboradores” do maior banco privado português, o “sumo sacerdote” da seita anunciou a contratação milionária, pelo banco, do treinador de futebol José Mourinho... não desvendando quantos milhões estão envolvidos nessa contratação. Mourinho, como já se pode ver por aí, é a nova “cara” do Millennium BCP. Diz o “sumo sacerdote” e diz o próprio José Mourinho, que se trata de apoiar e, sobretudo, motivar a “equipa”.
Depois de anunciar a milionária aquisição, o “sumo sacerdote” informou os milhares de “fieis” do facto de não irem receber os seu esperados bónus pelos resultados do ano passado... apesar dos fabulosos lucros do banco.
Espero que todos os cerca de sete mil papalvos se tenham sentido suficientemente apoiados e, sobretudo, muito motivados!
* Post dedicado aos muitos milhares de trabalhadores bancários que não vão para lado nenhum aplaudir os patrões.

Banda Semente: Rock Português em Faro

Jovens, ambiciosos, empenhados e apaixonados pelo que fazem e pelas suas vidas, estes nossos amigos entregam-se de corpo e alma a mais um projecto. Estaremos com eles e publicaremos aqui todas as notícias referentes a este novo menino, acabado de inaugurar!


«O empenho e a paixão pela música fez-nos lançar esta “Semente” à terra.
Desejamos que ela seja uma “Semente” germinando, na criação dos nossos temas e dos nossos sonhos, procurando que o nosso trabalho tenha a essência e o toque trovadoresco que existe na música portuguesa.
O Miguel, o Nelson, O João e o Filipe, são os elementos da “Semente”que pretendemos que cresça e se fortaleça com o aplauso de todos vós!»

PSD E MOÇÃO DE CENSURA

Depois de duas horas de reunião da comissão política do PSD, o vice-presidente Diogo Leite Campos foi o único elemento que falou aos jornalistas. Sem levantar todo o pano sobre as conclusões do encontro, deixou escapar, contudo, que a abstenção dos sociais-democratas sobre a moção de censura será «inevitável».

Pergunta dos jornalistas: confirma a abstenção? Resposta do vice-presidente do PSD: «Penso que será inevitável» .

«Esta moção morreu desde o começo, porque o BE não está a apresentar uma moção de censura ao Governo, o BE está a apresentar uma moção de confiança», apontou, dizendo que o seu partido «não pode alinhar em disparates».

Diogo Leite Campos salientou ainda que esta moção abriu espaço para o PS se «vitimizar».

«Nós não queremos ser postos ao barulho num caso que não nos interessa», afirmou. «Não participamos em jogos políticos dos outros».

Antes da reunião, Miguel Macedo já tinha dado a entender que esta seria a conclusão da comissão política do partido, que será tema de uma reunião com o grupo parlamentar do PSD, esta tarde, no Parlamento.

Calque no linque abaixo e veja o mar da Nazaré ao som de rock

Garret Macnamara e Gregório na Nazaré - Novembro 2010
http://vimeo.com/16473570
About this video:
"The North Canyon 2010"

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Long Live Egypt - تحيا مصر (Egypt's Revolution Song - أغنية الثورة المصرية)



O POVO EGIPCÍO LIBERTOU-SE DE UM DÉSPOTA DE UM TIRANO QUE MATAVA O POVO Á FOME . ESPEREMOS QUE NÃO HAJAM INGERÊNCIAS NA POLÍTICA INTERNA DO EGIPTO E DEIXEM O POVO SEGUIR O SEU RUMO MANIFESTADO EM ELEIÇÕES LIVRES.
A CADA POVO A SUA ESCOLHA EM LIBERDADE !

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Os nomes da lua

 Lua sagrada, lua criadora, lua meretriz
tudo de ti se inventa, tudo de ti se diz
bela Diana, loura Febe, amável Isis, sedutora Astarte
misteriosa como Júpiter, enigmática como Marte
o luar incita ao devaneio ! dizia Mallarmé
nos teus quartos de míngua
nos teus quartos de cheia
no crescente
em nova
em cheia = mulher plebeia
minguante = triste
nova = sereia
crescente = o mistério persiste
astro das noites
desavergonhada que contínuamente mudas de quarto
de ti ! de ti o sol está farto !
ficas prenhe todos os meses
demoníaca para os grêgos, associada aos infernos, Perséfone
satãnica, protectora dos lobisomens
fada madrinha, encanto dos namorados
conhecedora dos recantos camuflados
protectora dos amantes
cartomante
lua, imaginário de argumentistas, cineastas, poetas
iluminas os corações com a prata dos teus espelhos
Cupido fere de amor os amantes, certeiro nas setas
dizem que lhe dás conselhos
lua feiticeira
dominas as marés
a sementeira
lua ferida
dizem que o homem te pisou
cuidado ! não te roubem os mitos, os mistérios, as imagens e encantamentos
o segredo de tantos beijos, despedidas, tormentos
lua das pragas, deusa dos lamentos
calendário lunar
éclipse espectacular
Platão, Eudoxo, Calipo e Aristóteles, são eternamente teus apaixonados
será que ainda lhes mandas enamorados recados !
Ptolomeu e Hiparco vigiaram-te, cientistas apalparam-te os seios
dizem que és fecunda
Julio Verne foi vítima dos teus feitiços
e ainda hoje o teu abundante luar de prata, a todos nós inunda
por pouco tempo, te consegues esconder dos olhares metediços de quem te ama, de quem te odeia
não os ouças, aos que te desprezam
esconde namorados e amantes, e banha-os de diamantes e cristais, na prisão suave da tua tiara, a tua teia.


António Garrochinho

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

DESPEDIMENTOS NA GROUNDFORCE

We Are The World 25 For Haiti (YouTube Edition)



gravado por amadores. 1.200.000 audições.

O homem, a natureza, e o calão algarvio.

Cá do Algarve lavra-se a terra
pa semear a fava e o griséu
o home a semente enterra
sol e chuva vêm do céu

António Garrochinho
2011

João Braza "Fado do Sobreiro"



um dos fados mais antigos .

- é assim a nossa vida
constantemente vivida
quase sempre a trabalhar
mas se um dia a morte vem
por nós fica sempre alguém
com saudades a chorar

"Todo este céu" - Fausto Bordalo Dias



No calor do abraço !

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Adeus ó feira de Castro

Adeus ó Feira de Castro
Que já te fico conhecendo
Levo as unhas de pau gasto
E as bordas do cu ardendo

Foi uma cantiga cantada
Pelo coxo de Alfundão
Uma noite num serão
Às quatro da madrugada
Na caixa não tinha nada
E o tempo corria áspero
Com muitas nuvens no astro
Sem ter casa nem guarida
Faço a minha despedida
Adeus ò Feira de Castro

A Joséfinha coitadinha
Tocava a sua guitarra
Sempre metida na farra
Uma noite inteirinha
Não vejo que sou ceguinha
É por isso que estou sofrendo
Mas apesar de não estar vendo
A feira estou a sentir
E por tantos anos cá vir
Já te fico conhecendo

E o Matias que também andava
Nesta dita companhia
Da Joséfinha era o guia
Que pela mão a levava
Tudo gente que cantava
Naquelas casas de pasto
Partiram sem deixar rasto
Alunos da mesma escola
E com tanto tocar viola
Levo as unhas de pau gasto

Com o cante no sentido
Já chegou o Zambujeira
Sentou-se numa cadeira
Ficou no grupo metido
Ali ficou entretido
Foi cantando e foi bebendo
Pelo jeito que estou vendo
Vou ficando embriagado
E com três dias assentado
E as bordas do cu ardendo

Manuel Martins Mira

Manuel Florencio



VAI UMA GAITADA ! COM A GAITA DE BEIÇOS !

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O Vietnam Portugues



A GUERRA COLONIAL CEIFOU MUITAS VIDAS DE AMBOS OS LADOS.
ESTE VÍDEO É UMA HOMENAGEM A TODOS OS QUE FORAM OBRIGADOS A IR Á GUERRA !

VAMOS LIMPAR O PAÍS DE MENTIRAS E INJUSTIÇAS

Ratos de sacristia

Os vermes sacodem os despojos na sacristia
roem a hóstia
rezam uma ave-maria
rastejam nos pregos de Cristo
suplicam amnistia
Ao longe uma placa
(Deixe aqui a sua esmola)
Os ratos correm apressados
por baixo da renda preta
esfumando-se
na graça do dia da boa acção
(Minha senhora dê-me qualquer coisinha)
- Valha-me Deus!
(Era o que mais me faltava...
...sustentar velhos bêbados)
Credo, parti uma unha

- Conceição Bernardino

Stand By Me | Playing For Change | Song Around the World



Um bom dia para quem me visitar !

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Poema Erótico



POEMA DE JOSÉ SARAMAGO CANTADO POR TÓ COIMBRA.

as atribulações de Nariz Puro


A lavandaria do BE
Para o que importa – prosseguir a luta para travar e derrotar a política de direita em agravamento –, o oportunismo e o anticomunismo da direcção do BE são pouco mais do que descartáveis.
Mas desta vez o mau perder de Louçã e seus pares resultou numa operação de branqueamento, com vista à recuperação do BE como falsa alternativa e tábua de salvação do PS e da respectiva política (de direita).
A lavandaria está muito activa, com os escribas desta «coligação tetrapartidária» (BE/PS/PSD/CDS) nos média dominantes a ocultar, minorar, ou transferir para o PCP as responsabilidades do BE nos resultados de 23 de Janeiro. A orientação da mistificação está nas mãos de Louçã e pouco mais, porque hoje registam-se no BE novas dificuldades e algumas hesitações.
Diz Louçã que o que releva na campanha de Alegre é a «luta contra o FMI e a defesa dos serviços públicos», bem como a «garantia» de vetar a desqualificação das leis laborais. E nós que concluímos que Alegre considerou o OE 2011 do paradigma do FMI, do roubo aos trabalhadores e do ataque brutal aos seus direitos e aos serviços públicos, um «mal menor»(!), o que o levou até a enaltecer a «coragem»(!) de Sócrates.
Diz Louçã que a candidatura do PCP registou a «maior perda em proporção» relativamente a 2005, mas, apesar da abstenção, facto é que obtivemos 7,14% e 300 mil votos, um contributo efectivo para superar Cavaco e a «estabilidade» do Governo PS e dos grandes senhores do dinheiro.
E concluímos que Louçã e o BE perderam todos os 288 mil votos de 2005, concluímos que o BE «teve falta de comparência» nas presidenciais em que esteve aliado com este Governo, campeão da política de direita, e contribuiu para que os eleitores do BE e do PS disparassem «em todas as direcções» (citando M. Portas), facilitando assim a vitória a Cavaco.
E concluímos que o BE alienou o combate contra Cavaco e a política de direita por «pura demagogia eleitoralista» (assim se repudia o insulto de Fazenda) e pela gula do «entrismo» no PS, visando cumprir o seu destino oportunista e social democrata.
A derrota foi dura para o BE. O oportunismo e o anti-comunismo são apenas recorrentes.
  Carlos Gonçalves
  opinião

Sam The Kid - Abstenção



DESENCANTO E DESCONTENTAMENTO !

Pedro Barroso-O Acordeão.wmv



uma maravilha de vídeo ! da voz nem se fala !

DO TEMPO DA OUTRA SENHORA: O CANTE ALENTEJANO

DO TEMPO DA OUTRA SENHORA: O CANTE ALENTEJANO

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

eu fui fêto pra t'amar, foste fêta pra m'amar.mpg



um algarvio e uma grande força de voz. Domingos !

Musica Latino Americano (sociology presentation)



IMAGENS MUSICAIS LATINO AMERICANAS

Intervenção de António Filipe deputado do PCP na A.R. sobre a redução de deputados.

<embed src="http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/jJGOf4GiDeQTEGblMwzb/mov/1" type="application/x-shockwave-flash" allowFullScreen="true" width="400" height="350"></embed>

calque no link ^^

AURELINO COSTA - "Soneto de Amor" e "Cântico" de José Régio



ENTERRA OS TEUS OLHOS NOS MEUS.
NÃO DIGAS NADA.

Cantico Negro - poesia de José Régio declamada por João Vilaret



UM DOS MAIORES DECLAMADORES DE POESIA !

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

A gula dos ricos pela carne dos pobres é insaciável.

  • Jorge Messias

Bispos e banqueiros são velhos companheiros
Tem interesse e ajuda a compreender o que no mundo actualmente se passa, recordar em traços gerais as afinidades que sempre ligaram as hierarquias religiosas aos altos postos e ao aparelho do capitalismo político e financeiro mundial. Necessariamente numa abordagem muito superficial e só para nossa informação.
A expressão igreja começou a ser usada na antiga Grécia vários séculos antes de Cristo. Designava conselhos eleitos entre os cidadãos com a finalidade de gerirem a polis ou cidade, conceito que depois evoluiu para a noção mais sofisticada de cidade-estado ou seja, cidade que era cabeça política de um território mais vasto.
Nessa fase tão recuada não havia grandes religiões organizadas. A igreja – uma  estrutura de base popular – ligava-se no entanto aos mitos anteriores ao conhecimento científico e que sobreviveram depois no inconsciente colectivo como milagres. Atribuíam origens fantasiosas aos fenómenos naturais.
Estas funções básicas da igreja vieram a tomar outros sentidos. Convém reter que o termo Eklesia é muito anterior à noção de capitalismo. A Eklesia data do século V AC. A Igreja só viria a estabelecer-se em Roma cerca de mil anos depois. Finalmente, o sistema capitalista só a partir dos séculos XIV e XV se foi definindo, já era então o Papa autoridade suprema à qual obedeciam reis e imperadores.
Os primeiros papas, através da intriga diplomática, das alianças dinásticas e das famosas guerras da «Reconquista Cristã», tinham acumulado tesouros imensos, de certo modo herdados das rapinas do império romano. Porém, no Ocidente, entre as populações, o dinheiro era escasso ou inexistente e grande parte das terras permanecia ao abandono. Não havia suficientes navios mercantes e de pesca, nem linhas marítimas seguras para o escoamento da produção. Alternativas possíveis, nessa altura, implicariam enormes investimentos.
Só a partir dos finais do século XVI começaram a surgir no mercado poderosas empresas lideradas pelos mais ricos: a Coroa, a Igreja, a Nobreza e uma certa burguesia emergente – que impuseram a transição da economia para um sistema de capitalismo monopolista: «todo o dinheiro se deve transformar em capital de empresas monopolistas», era a palavra de ordem.
 O alvo-tipo dos monopólios foi alcançada à custa do esmagamento da propriedade individual, pelas grandes empresas constituídas por acções. Toda a economia tradicional reagiu negativamente: as políticas comerciais dos monopólios orientavam-se para as colónias de onde vinham os diamantes, o oiro, as especiarias, o algodão, etc. – as matérias-primas que se transaccionavam com mais altas margens de lucro. Os campos ficavam cada vez mais desertos, aumentava o desemprego, a corrupção e a fuga dos trabalhadores para as colónias. A escravatura era prática corrente.
Os lucros financeiros acumulavam-se nos cofres dos grupos dominantes, nomeadamente os da Coroa e da Igreja. Não chegavam ao povo. Aliás, só a Igreja dispunha de uma rede social à escala nacional, centralizada e decalcada nas formas de organização das velhas eklesias. Uma marca que ainda persiste no projecto de «sociedade civil» fortemente apoiado pelo Patriarcado e pelas IPSS confessionais.
Agravava-se a dívida pública e a situação geral dos estados abeirava-se da bancarrota. Os pobres pagavam a crise. Os impostos subiam, o Estado lançava novas derramas e contraía dívidas sobre dívidas mas não reconhecia a gravidade da situação. «Resolveremos a crise… Nada de bancarrota, nada de subida dos impostos, nada de empréstimos externos...», clamava Turgot, homem do Vaticano e ministro de França. Ontem como hoje. As crises do capitalismo são insolúveis. Residem nas próprias contradições do sistema.
Quanto à Igreja, envolta nos seus dogmas, permanecia calada, tentando situar-se à margem da situação e sair com lucro da crise social. Os bispos eram, simultaneamente, políticos da direita radical, homens de negócios e banqueiros. A hierarquia tinha consciência do seu poder financeiro e da sua imensa influência em matérias-chaves como as do Ensino, da Assistência Social e do nebuloso e lucrativo «combate à pobreza» que orientava no plano da Caridade e da Resignação.
Curioso é este paralelo entre o que se passou há trezentos anos e o que se vai processando no nosso tempo. O namoro entre a Igreja e o poder continua. Não enfraqueceu a atracção pelo dinheiro que está na base do convívio fraterno entre bispos e banqueiros. A gula dos ricos pela carne dos pobres é insaciável.
Não esqueçamos, porém, que o capitalismo de Estado setecentista culminou, em França, com uma Revolução universal.