AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

nem só de pão vive o homem !

nem só de pão vive o homem !


Cultura
Associação dos Músicos de Faro pede ajuda aos candidatos presidenciais contra ação de despejo



A Associação Recreativa e Cultural de Músicos (ARCM), sedeada em Faro, enviou uma carta aberta a todos os candidatos à Presidência da República a denunciar o que alega ser «uma injusta ação de despejo».
«A ARCM é alvo de uma injusta ação de despejo que põe em risco a continuidade do seu projeto que, sem fins lucrativos, mas financeiramente autossuficiente, serve transversalmente a comunidade farense, a cultura da região e representa, nesta dimensão e abrangência, um exemplo único de associativismo que cria as condições necessárias à liberdade criativa e de expressão», lê-se na carta.

Na missiva, além de um breve historial da associação, é chamada a atenção para as consequências do encerramento da sua sede para o tecido cultural da região.

«O encerramento da sede afetaria diretamente duas centenas de pessoas que aqui desenvolvem o seu trabalho artístico. Milhares seriam privados da única sala multiusos com estas características (fora do circuito institucional dos teatros e auditórios municipais), sempre disponível para acolher os mais variados eventos, de concertos a teatro, de convívios de grupo a eventos de solidariedade… A cidade e a região ficaria muito mais pobre, dezenas de bandas e outros grupos artísticos teriam o seu fim por falta de espaço de ensaio», ilustra a associação de músicos.

«A intervenção dos organismos públicos detentores de competências nas áreas em que a ARCM desenvolve atividade, é uma das respostas necessárias para a resolução do problema e que se enquadra nas responsabilidades do estado, expressas na Constituição da República Portuguesa, nomeadamente nos Artigos 70.º(Juventude) e 78.º (Fruição e criação cultural)», considera a ARCM.

«O Presidente da República eleito com o voto dos portugueses, terá, no que se refere ao garantir do regular funcionamento das instituições democráticas, como especial incumbência a de, nos termos do juramento que presta no seu ato de posse, defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa», conclui a associação.

4 de Janeiro de 2011 |

experiencia

publicação