AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 20 de novembro de 2011


Sílvio Rodriguez – Canción del elegido


La ultima vez lo vi irse
entre el humo y metralla
contento y desnudo:
iba matando canallas
con su cañón de futuro.”
(Sílvio Rodriguez – letra completa aqui)

Descobri a música cubana (que verdadeiramente me interessa) apenas depois de Abril. Curiosamente, primeiro, pela voz da muito jovem castelhana exilada em Paris, Elisa Serna, descoberta, produzida e acarinhada por vários dos seus amigos e companheiros da canção de intervenção de Espanha, como Paco Ibañes. Uma das faixas do seu disco de 1972, “Quejido” editado pela lendária editora “Le Chant du monde” era a canção de Pablo Milanés, “Pobre del cantor”... em que fiquei “viciado”.
Depois, exactamente com Pablo e Sívio Rodriguez, foi a descoberta do mundo da “Nova Trova”, com que mantenho um namoro até hoje.
Sílvio Rodriguez gravou em 1978 um grande disco. Chama-se “Al final de este viaje”. Sem orquestrações, sem enfeites, sem contemplações. Apenas voz e guitarra. Fazem parte desse belíssimo trabalho canções como “Ojalá”, uma pérola chamada “Oleo de mujer con sombrero”, “La era está pariendo un corazón” (uma das várias canções que durante a sua carreira foi dedicando ao “Che”)... e esta coisa tremenda que é a nossa cantiga de hoje, “Canción del elegido”.
Esta canção não tem “explicações” nem “manual”. Ouve-se até ao fim, de um fôlego, e fica-se sem grande coisa a dizer... a não ser que é pena ter acabado.
Bom domingo!
Canción del elegido” – Sílvio Rodriguez
(Sílvio Rodriguez)


Sem comentários:

Enviar um comentário