AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Greve Geral

Corpo de Intervenção da PSP "impediu" com força física a acção dos piquetes

24 | 11 | 2011   13.28H
O Corpo de Intervenção da PSP interveio “usando a força” em “todas as estações da Carris” para impedir os piquetes de greve que queriam “ajudar” os trabalhadores a “cumprir o direito à greve”, acusou hoje um dirigente sindical.
Destak/Lusa | destak@destak.pt
À Lusa, Manuel Leal, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP), afirmou que a administração da empresa enviou uma circular sobre serviços mínimos, em que ameaçava de despedimento quem fizesse greve.
“Na notificação dos serviços mínimos, a empresa ameaçou os trabalhadores que não cumprissem com processos e ameaçaram com despedimentos. Os trabalhadores ficaram extremamente indignados”, relatou.
Manuel Leal explicou que os piquetes tentaram “ajudar os trabalhadores que queriam fazer greve, mas estavam a ser obrigados a furá-la”.
“Os piquetes tentaram que os trabalhadores cumprissem a sua intenção e direito de aderir à greve e a polícia de intervenção usou da força física e impediu a ação pacífica e regulada nos termos da lei”, criticou.
Para o dirigente da STRUP, os piquetes não protagonizaram qualquer alteração da ordem pública.
Manuel Leal informou ainda que a administração da Carris violou o acórdão do tribunal arbitral acerca dos serviços mínimos: 50 por cento de circulação em 13 carreiras.
“Podemos dizer com segurança, que o Conselho de Administração colocou mais autocarros do que eram impostos. Ainda não sabemos a totalidade, mas em algumas carreira era muito visível que se tinha excedido em muito os 50 por cento”, afirmou.
A adesão dos trabalhadores da Carris à greve geral de hoje, segundo o sindicalista, é pela defesa dos postos de trabalho e pelo “direito à mobilidade” que estará em causa se for aprovado o relatório do grupo de trabalho nomeado pelo Governo.
Também João Proença, secretário-geral da União Geral de Trabalhadores (UGT), a empresa "não tem direiro a utilizar nenhum trabalhador afeto aos serviços minimos tendo trabalhadores disponíveis para fazer o trabalho", acrescentando que se no total se "ultrapassou 50 por cento das 13 carreiras, a empresa cometeu uma violação grave do direito à greve".
Pela parte da Carris, fonte da empresa afirmou à Lusa que de momento não serão feitos comentários à paralisação.
A greve geral convocada para hoje em Portugal pela CGTP e UGT, para protestar contra as medidas de austeridade decretadas pelo governo, está a “registar forte adesão”, de acordo com informações transmitidas pelas duas centrais sindicais.
Nos grandes centros urbanos como Lisboa e Porto, autocarros e metropolitanos estão praticamente paralisados, havendo também fortes constrangimentos nas ligações ferroviárias a nível do país. A TAP cancelou mais de uma centena de voos.
A greve geral de hoje foi convocada pela CGTP e UGT para contestar as recentes medidas de austeridade do Governo, nomeadamente os cortes nos subsídios de férias e de Natal dos funcionários e pensionistas do setor público.

1 comentário:

  1. Para além destas acções ilegais, os números foram manipulados de forma a tentar minimizar esta imensa acção de luta.
    Convosco, até à vitória, sempre!!!

    ResponderEliminar