AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


terça-feira, 29 de novembro de 2011

ENTREVISTA COM A CRISE - DÍVIDA SOBERANA

A Dívida Soberana não é fácil de encontrar. Refugia-se em salas nobres. Em palácios dourados. Foge da multidão. Dá-se ares de grande senhora. Não gosta de falar para não influenciar os Mercados. Conseguimos a entrevista após muita insistência e só depois do Ministro das Finanças ter intercedido.

Expresso: Afinal o que é a dívida soberana?
Dívida Soberana: Ainda bem que me faz essa pergunta. A bem dizer, o Estado sou eu.
Expresso: Mas, desculpe, então o Estado não existe indepentemente da dívida soberana?
Dívida Soberana: Existir até podia existir. Mas não era a mesma coisa.
Expresso: Então os impostos servem para quê?
Dívida Soberana: Servem para pagar a dívida soberana.
Expresso: Mas, espere lá... então e a dívida, afinal, serve para quê?
Dívida Soberana: Para justificar os impostos.
Expresso: Mas, mas, mas...
Dívida Soberana: É simples. O Estado pede dinheiro aos bancos. Desata a fazer coisas que não servem para nada. Depois pede dinheiro aos cidadãos para pagar aos bancos. É a dívida soberana.
Expresso: Então e se os cidadãos não tiverem mais dinheiro?
Dívida Soberana: Se os cidadãos não têm dinheiro, não conseguem pagar impostos. Se não pagam impostos, a dívida aumenta. Se aumentar, a dívida é cada vez mais soberana.
Expresso: Mas como se pode viver assim?!...
Dívida Soberana: Claro que se pode viver assim eternamente. Se ninguém pagar qual é o problema?


Sem comentários:

Enviar um comentário