AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

DEPOIS DA RECUSA DO PADRE CUNHA DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL TER ACONSELHADO A NÃO RECOLHA DE ALIMENTOS PARA O BANCO ALIMENTAR...


  Bispo do Algarve deu “total apoio” à campanha do Banco Alimentar
29-11-2011

O Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas emitiu uma mensagem pessoal dirigida a todas as paróquias em que pedia “todo o auxílio possível” na divulgação da campanha de recolha de alimentos do Banco Alimentar e colaboração na iniciativa.  
 
Reagindo a uma notícia (ver aqui) sobre a posição do Pároco de São Brás de Alportel, José Afonso Cunha que admitira ter aconselhado o agrupamento de Escuteiros local a esperar pela recolha de alimentos da própria paróquia em dezembro, não participando, por isso, na campanha promovida pelo Banco Alimentar contra Fome, por conselho do Bispo do Algarve, a Diocese afirma ter existido “um mal-entendido”.
Em comunicado, o Gabinete de Comunicação da Diocese do Algarve (GIDAlg) esclarece ter sido remetido a todas as paróquias, por D. Manuel Neto Quintas, uma mensagem pessoal, em que solicitava “todo o auxílio possível”, na divulgação da iniciativa e colaboração na recolha de alimentos promovida pelo Banco Alimentar contra a Fome no último fim de semana (26 e 27 de novembro).
Reafirmando a Diocese do Algarve como “um parceiro” do Banco Alimentar o documento salienta ainda que “na situação de crise social que vivemos, não faria qualquer sentido que não apoiasse uma iniciativa como esta, que tem um profundo cariz solidário e de preocupação com o bem comum”.
Assim, a diocese do Algarve considera que posição do padre José Cunha Duarte de São Brás de Alportel, transmitida à responsável local do Banco Alimentar, corresponderá “a algum mal-entendido e será certamente um equívoco”.
“A Diocese do Algarve tem-se empenhado sempre na ajuda às vítimas da presente crise social e criou um Fundo de Socorro Social, que em boa parte, foi constituído com donativos de sacerdotes, que descontaram para ele um salário mensal e quer em campanhas anteriores quer na presente foram centenas os católicos algarvios, nomeadamente escuteiros que colaboraram com o Banco Alimentar e continuarão a colaborar no futuro”, frisa anda a nota da episcopal.
Observatório do Algarve

Sem comentários:

Enviar um comentário