AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 25 de dezembro de 2010

Musicos Faro

 



Doces conventuais

Doçaria conventual

A relação entre as barriguinhas-de-freira e as nossas

Se a doçaria conventual portuguesa fosse um doce, a receita seria: junte muito açúcar a muito dinheiro. Acrescente muito tempo e muita vontade de se entreter. Transforme a cozinha e a mesa nos únicos lugares onde o prazer e o luxo são permitidos e encorajados.
Beijos-de-freira, do Convento de Santa Clara de Vila do Conde Beijos-de-freira, do Convento de Santa Clara de Vila do Conde (Inês Gonçalves/Doçaria dos Conventos de Portugal/Assírio & Alvim)
A maioria das freiras não ia para os conventos por escolha espiritual. Como diz Alfredo Saramago: "As segundas filhas ricas, algumas herdeiras solteiras, viúvas, adolescentes órfãs mas com fortunas constituíam a população feminina dos conventos. Gente habituada a uma vida rica com os hábitos e costumes de uma classe privilegiada."

Seja: eram meninas queques e tias. Sujeitavam-se, com maior ou menor resignação ou vontade, a vestirem-se e a portarem-se todas da mesma casta maneira. Tirando-lhes a liberdade, o ócio, os namoros, a roupa, os sapatos e os penteados e enchendo-lhes a vida de missas e obrigações, que podiam elas fazer?

Explodir na cozinha. É o único sítio onde podem exprimir-se; onde podem inventar; onde podem deliciar-se.

Nem pensar em fazer sopas ou assados. Tinham empregadas para lhes fazerem as refeições. De resto, os salgados eram coisa de frades barrigudos. Não, as freiras portuguesas só podiam interessar-se pelo que é supérfluo, complexo e descaradamente sensual: os doces.

Foi tal a concentração de inteligências, sexualidades, imaginações e perícias destas nossas irmãs nos doces que inventaram que se tornou uma banalidade dizer que a doçaria conventual portuguesa é a melhor do mundo.

São doces difíceis, retorcidos, com receitas mentirosas e segredos impartilhados, aperfeiçoados com vaidade e teimosia, competindo com elegante violência entre si. Doutra forma, era impossível serem tão deliciosos.

É nos nomes destes doces que as freiras, por assim dizer, levantam um bocado o véu. As receitas podem ser impenetráveis, mas os nomes puxam e chamam por nós.

As raivas

As frustrações das mulheres que foram para freiras à força - e não há força como a ordem social - foram grandes geradoras de raivas de todas as espécies. Desde as raivas violentas às raivinhas.

A relação entre as frustrações e o açúcar é tão estreita como o maior amor. O lugar-comum da mulher que trata um desgosto de amor com chocolate, bolos ou (nos filmes americanos) gelado, é o mais comum e verdadeiro de todos os lugares.

Isto com mulheres livres que podem vingar-se, dedicando-se ao trabalho, aos filhos, aprendendo a dançar o tango, escrevendo romances, saindo à noite, comprando sapatos, fazendo as pazes, arranjando outro.

Imagine-se agora com uma mulher enclausurada. Para sempre. Tem fartura de açúcar, ovos e amêndoas. O que é que faz? Doces. Doces que levam muito tempo a fazer. Doces que pode comer. Doces que pode oferecer ou vender. Doces que dão prazer, que trazem elogios e são trocados por outros doces. Doces que se podem comer à mesa, numa atmosfera católica e portuguesa onde a gula gastronómica é mais uma prova de humanidade do que um pecado mortal. Que é, no máximo, uma marotice.

Pode-se fazer doces, comer doces e, sobretudo, pode-se engordar. Os doces podem ser sumptuosos, podem custar uma fortuna e podem ser tão exuberantes e finos como se quiser. Que bem que as freiras portuguesas aproveitaram esta única liberdade.

Os sonhos

Os nomes da doçaria conventual são espantosos não porque evocam o amor, o namoro, o corpo e o sexo, mas porque, fazendo-o claramente, foram permitidos e adoptados por quem mandava nos conventos.

Há os sonhos, os suspiros e os ais. Há os beijos-de-freira. Há os namorados. Há as barrigas-de-freira, as barriguinhas-de-freira e os pescoços-de-freira.

Há as ternuras, os mimos-do-confessor, as sestas. Há os papos-de-anjo e os toucinhos-do-céu. Há as raivas, os melindres e os mexericos-de-freiras.

Estes nomes são os que passaram. Imaginem-se agora os que não foram autorizados.

Os luxos

Se nos esquecermos, por um momento, que somos portugueses, as palavras "doçaria conventual" não nos deveriam excitar. Imagine-se "doçaria franciscana" ou "pastelaria carmelita".

versos de Janeiras ( QUADRAS ANTIGAS )

aqui estou á sua porta
com a mão na fechadura
acordai que estais dormindo
coração de pedra dura

Pai Natal Solidário | Chapitô

grande mulher !

Presidenciais


O debate entre os candidatos presidenciais Cavaco...

Cavaco e Defensor em duelo agressivo

23 DEZEMBRO 2010 (CM)
O debate entre os candidatos presidenciais Cavaco Silva e Defensor de Moura, na SIC, foi o mais duro dos duelos televisivos de pré-campanha. O ex-autarca socialista acusou o actual Chefe de Estado de "falta de isenção" ou de não ter sido "leal" com figuras como Fernando Nogueira, antigo líder do PSD. Já o Presidente da República sublinhou que há uma "campanha suja" que o tenta associar à polémica do BPN..


Nos primeiros quinze minutos de discussão pouco ou nada se discutiu sobre o papel do Presidente da República. Defensor de Moura quis introduzir o tema do BPN e Cavaco Silva recordou que nada tem a ver com o percurso profissional de pessoas que integraram o seu executivo  de há 25 anos. Mais, às campanhas de "insinuações", o candidato, apoiado pelo PSD e CDS-PP, argumentou que algumas pessoas "para serem mais honestas" do que ele "teriam de nascer duas vezes" e recomendou a Defensor de Moura que consultasse a sua declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional."Essas campanhas sujas não pegam comigo. Até nós estamos a perder dinheiro com o conjunto de aplicações que fizemos", declarou Cavaco Silva, aludindo às poupanças que aplicou no BPN com Maria Cavaco Silva.Ainda no capítulo do BPN, Cavaco Silva justificou a sua decisão de nacionalizar o banco com a documentação escrita do Executivo. E insistiu muito na ideia de "informação escrita" enviada a Belém para a promulgação do decreto do Governo socialista. Cavaco Silva repetiu várias vezes a palavra "mentira" perante acusações de Defensor de Moura sobre o facto de o actual inquilino de Belém ter sido o primeiro, na qualidade de chefe de Governo, de promover as parcerias público-privadas. O também presidente da República disse mesmo que o candidato presidencial tem de dominar os dossiês.No desfiar de argumentos, Cavaco disse mesmo que não basta ser um candidato "para se dizer umas tretas, umas larachas".