AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

agradecimento a Mario Soares.

Dr. Mário Soares gostaria de homenageá-lo:

- Pela forma como se conseguiu escapar à PIDE e passar um bom par de anos, num exílio dourado, em hotéis de luxo em Paris.

- Por ter conduzido da forma "brilhante" que se viu, o processo de descolonização.

- Por ter conseguido que os Estados Unidos financiassem o PS durante os primeiros anos da Democracia.

- Por meter o socialismo na gaveta durante a sua experiência governativa.

- Por tratar da forma despudorada amigos como Jaime Serra, Salgado Zenha, Manuel Alegre e tantos outros.

- Por governar sem ler os "dossiers".

- Por não voltar a ser primeiro-ministro depois de tão fantástico desempenho no cargo.

- Por se ter posto a jeito para ser agredido na Marinha Grande e, dessa forma, vitimizar-se aos olhos da opinião pública e vencer as eleições presidenciais.

- Por, após a vitória nessas eleições, fundar um grupo empresarial, a Emaudio, com "testas de ferro" no comando e um conjunto de negócios obscuros que envolveram grandes magnatas internacionais.

- Por utilizar a Emaudio para financiar a sua segunda campanha presidencial.

- Por nomear para Governador de Macau Carlos Melancia, um dos homens da Emaudio.

- Por passar incólume no caso Emaudio e no caso Aeroporto de Macau e, ao mesmo tempo, dar os primeiros passos para uma Fundação na sua fase pós-presidencial.

- Por ler o livro de Rui Mateus, "Contos Proibidos", que contava tudo sobre a Emaudio, e ter a sorte de esse mesmo livro, depois de esgotado, jamais voltar a ser publicado.

- Por passar incólume às "ligações perigosas" com Angola, ligações essas que quase lhe roubaram o filho no célebre acidente de avião na Jamba (avião esse carregado de diamantes, no dizer do Ministro da Comunicação Social de Angola).

- Por, durante a sua passagem por Belém, visitar 57 países ("record" absoluto para a Espanha - 24 vezes - e França - 21), num total equivalente a 22 voltas ao mundo (mais de 992 mil quilómetros).

- Por visitar as Seychelles, esse território de grande importância estratégica para Portugal.

- Por, no final destas viagens, levar para a Casa-Museu João Soares uma grande parte dos valiosos presentes oferecidos oficialmente ao Presidente da Republica Portuguesa.

- Por guardar esses presentes numa caixa-forte blindada daquela Casa, em vez de os guardar no Museu da Presidência da Republica.

- Por, ainda hoje, ter 24 horas por dia de vigilância paga pelo Estado nas suas casas de Nafarros, Vau e Campo Grande.

- Por, depois de abandonada a Presidência da Republica, constituir a Fundação Mário Soares. Uma fundação de Direito privado, que, vivendo à custa de subsídios do Estado, tem apenas como única função visível ser depósito de documentos valiosos de Mário Soares. Os mesmos que, se são valiosos, deviam estar na Torre do Tombo.

- Por construir o edifício-sede da Fundação violando o PDM de Lisboa, segundo um relatório do IGAT, que decretou a nulidade da licença de obras.

- Por conseguir que o processo das velhas construções que ali existiam e que se encontrava no Arquivo Municipal fosse requisitado pelo filho e que acabasse por desaparecer convenientemente no incêndio dos Paços do Concelho.

- Por receber do Estado, ao longo dos últimos anos, donativos e subsídios superiores a cinco milhões de Euros.

- Por receber, entre os vários subsídios, um de dois milhões e meio de Euros, do Governo Guterres, para a criação de um auditório, uma biblioteca e um arquivo num edifico cedido pela Câmara de Lisboa.

- Por receber, entre 1995 e 2005, uma subvenção anual da Câmara Municipal de Lisboa, na qual o seu filho era Vereador e Presidente.

- Por conseguir que o Estado lhe arrendasse e lhe pagasse um gabinete, a que tinha direito como ex-presidente da República, na... Fundação Mário Soares.

- Por conseguir que, ainda hoje, a Fundação Mário Soares receba quase 4 mil euros mensais da Câmara Municipal de Leiria.

- Por fazer obras no Colégio Moderno, propriedade da família, sem licença municipal, numa altura em que o Presidente era claro está... João Soares.

- Por silenciar, através de pressões sobre o director do "Público", José Manuel Fernandes, a investigação jornalística que José António Cerejo começara a publicar sobre o tema.

- Por candidatar-se a Presidente do Parlamento Europeu e chamar dona de casa, durante a campanha, à vencedora Nicole Fontaine.

- Por considerar José Sócrates "o pior do guterrismo" e ignorar hoje em dia tal frase como se nada fosse.

- Por passar por cima de um amigo, Manuel Alegre, para concorrer às eleições presidenciais uma última vez.

- Por ler os artigos "O Polvo" de Joaquim Vieira na "Grande Reportagem", baseados no livro de Rui Mateus, e assistir, logo a seguir, ao despedimento do jornalista e ao fim da revista.

- Por passar incólume depois de apelar ao voto no filho, em pleno dia de eleições, nas penúltimas Autárquicas.

NOITE DE PASSAGEM DE ANO EM FARO CONTA COM MUITA ANIMAÇÃO.

iNFORMAÇÃO ABAIXO.

Espaço semanal para a filosofia. Grécia - Os sofistas

 






• Sofista significa "sábio" ou "professor de sabedoria", e, posteriormente, adquire o sentido daquele que usa de raciocínio astucioso, de má-fé, com intenção de enganar. Porém, com o renascimento da verbalização grega, esse nome passa a ser aplicado em profissionais da oratória, que faziam discursos ou improvisavam um.
• Conceberam a idéia de que "O Homem é a medida de todas as coisas", que significa que coisa alguma pode ser medida para os homens, ou seja, as leis, as regras, a cultura, tudo deve ser definido pelo conjunto de pessoas, e aquilo que vale em determinado lugar não deve valer, necessariamente, em outro. Esta máxima também significa que as coisas são conhecidas de uma forma particular e muito pessoal por cada indivíduo.
• Muitas vezes, politicamente, utilizavam sua sabedoria para persuadir a população pelo efeito psicológico, criando uma ilusão de verdade, apresentado-a através esquemas que parecem seguir as regras da lógica.
• Foram muitas vezes chamados de "prostitutos do saber" pelos socráticos, que os viam como pessoas que faziam uso da razão para conseguir lucros.
• Davam muita atenção à exposição e defesa de suas idéias.
• Criaram grupos de ensino principalmente para lecionar gramática grega, retórica (arte de bem falar, contendo regras relacionadas à oratória) e dialética (arte de argumentar ou discutir), além de desenvolverem a aritmética, geometria, astronomia e música.
• Vindo de todas as partes do mundo grego, ocupavam-se de um ensino viajante, não se fixando em lugar algum, devido ao gosto pelo exercício do pensar.
• Para os sofistas o homem é o princípio de tudo, a acreditavam não existir verdade absoluta. Desse modo, A lei é feita por convenção humana e o direito e a justiça também são relativos.
• Ensinavam seus discípulos sobre a arte de vencer os adversários políticos, sendo esta uma forma justa ou não.
• Muitos tinham como ideal, o engrandecimento da própria personalidade, no prazer carnal e no domínio político, que seriam necessários para ter e gozar de riquezas.
• Outros melhores buscavam aperfeiçoar o instrumento da razão, porque para eles, não bastava dizer que um pensamento era verdadeiro, era preciso demonstrá-lo pelo raciocínio.
• Para eles, o direito natural era o mais poderoso, pois, a sociedade em que estavam possuía somente a força e o poder como único sistema jurídico.
• Chegaram ao ateísmo, negando que o mundo seria governado por uma providência divina.
• Os sofistas mais famosos daquela época foram Protágoras, Górgias de Leontini e Hípias de Élis.
Grupo de Charolas Flor de Lis 1962/2010.

O grupo charoleiro Flor de Lis completa no dia 1ºde Janeiro de 2011 cinquenta (50) anos a cantar esta tradição. As charolas são grupos populares que anunciam e felicitam o povo na chegada do Ano Novo com as suas músicas e poesia originais atirando vivas de improviso aos presentes. A freguesia de Santa Bárbara de Nexe tem inúmeros grupos charoleiros dos quais se destacam a Flor de Lis e Flor Oriental e ainda a Charola da Malta.
Em Bordeira existem grupos como a Juventude e a Democrata. Os pandeiros os ferrinhos e as castanholas,( chamados de pancadaria ) marcam o ritmo dos acordeons e outros instrumentos. As vivas são de saudação e amizade, humor, critica social e são ditas pelos charoleiros em desgarrada com o povo nas casas que se visitam, exemplo de uma viva antiga atirada pelo Damásio (carteiro) - eu não tenho medo da guerra
                                                   nem dos canhões que ela tem
                                                   quando estou na minha terra
                                                    não tenho medo de ninguém

                                                   sai do fundo do coração
                                                   da maiss profunda raíz
                                                   defender esta tradição
                                                    é o dever da Flor de Lis

VISITE SANTA BÁRBARA DE NEXE NO DIA DE ANO NOVO E ASSISTA AO FESTIVAL DE CHAROLAS. APOIE O MOVIMENTO CHAROLEIRO PARA QUE A TRADIÇÃO POSSA  CONTINUAR NA DEFESA DOS USOS, COSTUMES E CANCIONEIRO POPULAR DA NOSSA FREGUESIA.BOM ANO NOVO E FELIZ DIA DE REIS.
                               

seja bem vindo quem vier por bem: José Manuel Ferreira

seja bem vindo quem vier por bem: José Manuel Ferreira: "JOSÉ MANUEL FERREIRA, UM FADISTA A VIVER EM SANTA BÁRBARA DE NEXE."

José Manuel Ferreira

JOSÉ MANUEL FERREIRA, UM FADISTA A VIVER EM SANTA BÁRBARA DE NEXE.

José e Pilar - Trailer versão Brasil

EXCELENTE FILME !